Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Search the Community

    Showing results for tags 'divida'.



    More search options

    • Search By Tags

      Type tags separated by commas.
    • Search By Author

    Content Type


    Forums

    • Finanças
      • Créditos
      • Bancos
      • Seguros
      • Imóveis
      • Incumprimento e Penhoras
      • Poupar dinheiro
      • Investimentos
    • Fiscalidade e Trabalho
      • Impostos
      • Segurança Social
      • Direitos do trabalhador
      • Trabalho por conta própria
      • Heranças
    • Geral
      • Apresentações
      • Diversos
    • Fórum
      • Regras

    Find results in...

    Find results that contain...


    Date Created

    • Start

      End


    Last Updated

    • Start

      End


    Filter by number of...

    Found 27 results

    1. Boa tarde. Preciso de ajuda para tentar perceber como vai funcionar a questão das dívidas às Finanças, SS etc, com esta questão do Coronavírus. Sei que é tudo muito recente mas qualquer ajuda é bem vinda. A minha sogra é trabalhadora independente há vários anos. Por motivos de partilhas, quando o meu sogro morreu, ela herdou também um conjunto de dívidas, que, infelizmente, não tem conseguido o seu pagamento, mesmo com acordos com as entidades. O negócio já não é o melhor (Ourivesaria) e o lucro é coisa que praticamente não existe. Neste momento, existe dívida às Finanças, Seg. Social e, consequentemente, ao Banco (rendas de casa em atraso). Por causa do Coronavírus, caso ela tenha de fechar portas, como ficam estas dívidas? Será que há pelo menos adiamento? Há algum apoio que ela possa ter? Porque fechando portas ela deixa de ter qualquer tipo de rendimentos. Agradeço qualquer ajuda que possam dar nesta questão. Obrigada.
    2. Bom dia, Emigrei para o reino unido e vida estava a correr bem até o referendo de 2016 ter acontecido. O ambiente tornou-se algo hostil, até já mandaram bocas racistas ao meu filho e temo pela segurança dele. A economia está a afundar, e por motivos familiares também queremos voltar para PT. Eu já tenho uma boa ideia de negócio e tenho até clientes, mas o problema é que no primeiro ano o lucro vai só dar para sobreviver. A minha questão tem a ver com dívidas que vou deixar no RU, infelizmente ainda tenho que liquidar cerca de £29000. O salário que tenho aqui é alto e dava para pagar isso no prazo estabelecido, em 2022 teria esta divida paga se ficasse cá. Mas o problema é que o dinheiro que tenho de lado e que é menos que 1/3 do valor em divida vai servir para investir no novo negocio em PT, ou seja vou ter que sair daqui sem poder pagar a dívida do RU. Eu diria que vou ficar aproximadamente 2 anos sem poder pagar uma prestação. Eu tenho 2 opções aqui: 1. Escrevo uma carta ao banco sem revelar detalhes do meu novo destino e de forma lamentável explico que fui forçado a sair do RU por motivos de segurança da minha família e que não esperava que isto acontecesse pois o país hoje não é mesmo país que era em 2014 quando fiz os créditos, e sobretudo depois de ter ouvido que vai haver racionamento de alimentos e eletricidade quando saírem em Abril 2019, isto não me inspira segurança e não quero cá estar quando isso acontecer (nem consigo perceber como é que a 5ª (agora 6ª) maior economia mundial se mete numa alhada destas, mas enfim). Ofereço-me para liquidar a divida assim que puder. No entanto segundo as regras da EU, se eu admitir que tenho a dívida é mais fácil para o banco recuperar, se eu negar ou fingir que nunca existiu torna-se mais complicado para eles recuperarem. Eu pretendo pagar a dívida, sinto-me moralmente mal se não o fizer mas tenho receio que os juros de mora sejam demasiado altos. 2. Simplesmente saio daqui sem dizer nada, eles vão mandar cartas para esta morada e claro, já não vou cá estar. Depois vão obviamente tentar descobrir onde vivo em PT e provavelmente vender a dívida a uma empresa portuguesa. E depois essa empresa vai bater-me à porta mas pelo que li, não tenho que pagar ou ceder nada a não ser que haja um mandato de execução fiscal por parte de um tribunal Português. Resumindo, eu não sei bem o que fazer pois se me oferecer de boa vontade para pagar a dívida o banco pode ou não aceitar o período de carência até 2020. Por outro lado, se eu não disser nada provavelmente vai ser mais moroso para eles pois a justiça portuguesa é algo lenta e podem acabar por desistir. Alguém já passou por algo semelhante?
    3. KOOSTAPA

      Divida de 1 Herdeiro

      Boa tarde, apareceu-me hoje uma carta em casa do tribunal, sobre uma divida de uma irmã minha. Pelo que percebi do documento em si, é relativamente a uma divida que já tem alguns anos. Eu e os meus irmãos fomos todos notificados, aparentemente para sermos nos a pagar a divida, quando as partilhas ja estao feitas ha +5 anos, sendo que a unica coisa em comum é uma sepultura, alguem consegue me orientar? Obrigada.
    4. Boa noite, estou num bico de obra complicado, estamos sensivelmente há dois anos a residir num apartamento no qual assinámos um contrato de arrendamento com pagamento à vista de mensalidade + caução, qual o nosso espanto ao passar pelas finanças e colocar algumas questões sobre o imóvel até para fazermos uma proposta para comprar e descobrirmos que o prédio tinha sido penhorado pelo Banco Barclays PLC desde 2012, ou seja o dito senhorio, já não era proprietário do imóvel há 8 anos no entanto tem total acesso! O problema é que a renda é paga em dinheiro e recibos nem vê-los, além disso investimos em algumas obras no apartamento, obras que saíram do nosso bolso, para piorar, temos pago as contas da água e luz em nosso nome, temos receio que um dia o Barclays PLC ou que o mesmo tenha vendido outro proprietário, e depois bata à nossa porta e nos expulse sem direito a qualquer imdemnização! A única salvaguarda é os recibos que temos das obras e ditas faturas, serve de alguma defesa? Até evitaríamos isto, avançando com uma proposta no banco em questão, mas há dois problemas ainda piores, o raío do prédio está registado como habitação vertical, ou seja, para comprar, tem que ser o prédio todo e segundo, a filial Barclays PLC em Portugal cessou atividades! Alguém tem sugestões de como podemos salvar o nosso património?
    5. Guest

      Hefesto

      Caros amigos, Fui informado que estava em incumprimento com um crédito. Numa consulta no respectivo mapa de responsabilidades do Banco de Portugal, consta que desde 2006 estou em incumprimento (facilidade de descoberto) com a Hefesto, uma empresa de gestão de créditos (?!). Ora, desconheço a origem daquela situação. Nunca fui contacto pela referida empresa, nem nunca recebi qualquer comunicação ou notificação sobre aquela situação. Como poderei proceder? Poderei invocar a prescrição da dívida? Queria resolver a situação da melhor forma, já que não reconheço aquela dívida, que até desconheço a sua origem.
    6. Boa tarde, Somos 5 irmão herdeiros, neste momento estamos a preparar a partilha de bens (óbito de pai e partilha de bens em vida da mãe). Os meus pais foram fiadores num crédito habitação de um irmão que está insolvente e cujo imóvel foi vendido pelo administrador de insolvência ficando uma divida ainda de 40.000 euros. No próximo ano termina a insolvência do meu irmão e a divida irá passar para os fiadores (pai e mãe) existe já contactos telefónicos de uma empresa de cobrança de dívidas com a minha mãe... A minha irmã, com o acordo de todos, vai receber metade da casa dos meus pais, e o restante é partilhado entre os irmãos (tornas), se a escritura for feita antes do fim da insolvência do meu irmão a casa (como bem herdado) está a salvo de penhoras por parte do banco? O banco pode penhorar o quinhão de cada irmão mesmo que a partilha tenha sido feita antes do fim da insolvência do irmão devedor? O nosso interesse é salvar a casa dos meus pais... de notar que na escritura de doação e partilha a minha mãe fica com usufruto... Estando a casa em nome da minha irmã o banco pode penhorar na mesma? Como podemos proteger a casa? A minha irmã terá de vender a casa aos filhos para impedir a penhora? Agradeço desde já toda a ajuda e esclarecimentos Obrigada
    7. Guest

      Divida ao BES?!?!

      Boa tarde. Gostaria de saber se alguém se encontra a passar pela mesma situação, que é a seguinte : Eu tinha um credito no BES , credito esse que deixei de pagar (após varias tentar negociar, pois tinha ficado desempregado)... Entretanto passado 2/3 meses o BES rebenta(e nesse mesmo tempo o meu gerente e mais malta da agência foram despedidos por burlas em créditos) , tentei ir saber como poderia resolver a situação foi me dito que tinha de aguardar ,ate o banco ter comprador ou alguma instituição de recuperação de credito comprar a minha divida. Entretanto entra o Novo Banco vou ao balcão para falar com o gerente o, qual me diz que não constava nenhum credito em meu nome.... Eu volto a insistir que tenho a tal divida , ele no fim de 15/20min arranja um numero liga através do telefone da agência , falo com uma senhora que me diz o seguinte: Voce tem uma divida , que e PRAI 16.000€, faça uma proposta e envie por e-mail que nos analisamos.... (Fiquei sem resposta) O que e certo e que ate hoje nao consigo pagar a divida e tenho o nome sujo no banco de portugal...... Alguém esta a passar pelo mesmo? Teem alguma sugestao ? Obrigado
    8. Boa tarde, na sexta-feira ao consultar a página das finanças deparo-me com duas coimas relativas a passagens nas scuts em janeiro e novembro de 2017, uma no valor de 0,15€ e outra no valor de 3,75€. Somando a cada uma a coima e custas dá um um total superior a 129€. Embora as passagens nessas vias tenham sido em meses distintos as coimas vieram no mesmo dia. Mas as custas são cobradas para cada uma delas. Está certo? Não era suposto, uma vez que por motivos diversos ou puro esquecimento, que não tendo pago as portagens nos 5 dias seguintes viesse uma carta a informar o valor a pagar? Eu não recebi nada e vejo agora no portal estes valores excessivos a pagar. O que posso fazer para me defender?
    9. Boa noite. Sou nova no fórum, apenas dei uma vista de olhos antes de me registar. Infelizmente, o motivo que aqui me trás não é o melhor. Venho expor a situação de um familiar meu, que por motivos que decerto compreenderão não quer a sua identidade se torne pública. Tentando resumir a história, este familiar tem um cartão WiZink gold (cartão esse que deixou de estar no mercado à algum tempo), com uma TAN de contrato de 26,99%. Ora dívida foi sendo contraída ao longo de largos meses, até que se tornou insustentável devido à taxa de juro altíssima, e neste momento o montante em dívida ultrapassa os 7000€, ultrapassando mesmo o limite do crédito que é de 6500€. O WiZink recusa-se a fazer qualquer tipo de reestruturação da dívida, e em todos os contactos com o apoio ao cliente afirmam sempre que é necessário pagar o montante em dívida mensalmente, uns mais educadamente que outros. (Os estratos mensais disponíveis na área de cliente são extremamente confusos, e no extracto deste mês reparei que, mesmo efectuando pagamentos mensais dentro do prazo e não utilizando o cartão, o valor em dívida aumentou 100€ em vez de diminuir, mesmo mediante um pagamento de 250€!) Ora, não é a primeira vez que este familiar tem uma dívida de cartão de crédito. Da ultima vez, conseguiu um empréstimo bancário para liquidar na totalidade a dívida do cartão de crédito, ficando a pagar uma mensalidade fixa com juros muito mais baixos do que se tivesse continuado a pagar a dívida do cartão mensalmente. Este familiar tem um emprego estável, mas de rendimento relativamente baixo (um pouco acima do salário mínimo). É casado, tem filhos a cargo, e tem poucos bens em seu nome. A mensalidade do crédito contraído à alguns anos para liquidar a dívida do outro cartão de crédito é de 180€, e os pagamentos da dívida actual deste cartão variam entre os 250€ e 300€. Eu sou uma completa leiga no que toca a finanças. Já me tentei informar para tentar resolver esta situação da maneira mais rápida possível. Deparei-me com créditos consolidados, PERSI's, pedidos de reestruturação ou de perdão parcial de dívidas, enviar pedidos de ajuda para a DECO e para o Banco de Portugal... muito sinceramente, estou completamente perdida, e não sei como ajudar a resolver esta situação, e temo que daqui em diante fique cada vez pior até terminar em insolvência, uma vez que o WiZink está-se borrifando em apresentar soluções viáveis, afinal, quanto mais juros e taxas os clientes pagam, mais eles enchem os bolsos.
    10. Guest

      Divida ao Banco

      Tive uma divida ao BANIF tendo por isso uma penhora sobre um imóvel meu (onde morava na altura). Essa divida foi ganhando juros ao longo do tempo. Em 1999 vendi esse imóvel para pagar a referida divida. Como o valor da venda era inferior à divida foi combinado com o BANIF em que o restante valor seria perdoado, senão não vendia o imóvel. O BANIF concordou e fez uma Declaração a cancelar a penhora sobre o andar. Agora em 2018 (19 anos depois) recebi uma carta de uma firma de cobranças em como eu devia pagar um remanescente da dívida ao BANIF. O que devo fazer?
    11. Carla Sanches

      Herdeiro de fiador

      Olá boa tarde juntei-me a este fórum para tentar que alguém me possa ajudar. a situação e a seguinte: o pai do meu namorado foi fiador de uma casa de alguém. Entretanto ele faleceu em 2008. O proprietário desse imóvel terá uma dívida a CGD, o que em teoria seria paga pelo fiador, mas estando ele falecido, essa dívida pode ser cobrada ao herdeiro (os)? obrigada
    12. Luka

      .

      .
    13. Boa tarde, em 2004 encerrei e dissolvi uma Sociedade unipessoal por quotas poucos meses depois de a ter aberto. Por falta de experiência, e porque me desentendi com o contabilista, a empresa não foi dada por encerrada junto das finanças e comecei a receber cartas das finanças às quais não respondi porque iam para casa dos meus pais que as ia guardando sem avisar... Esta empresa tinha uma conta bancária e quiz ir fechar mas que me disseram que estava penhorada pelas finanças devido a uma divida aos mesmos de 11.000€. Devo ainda pagar essa multa ou já prescreveu? Obrigada pela ajuda, fiquei assustada com o valor, pois a empresa teve aberta apenas 4 meses, era de cabeleireiro, e quase não tive clientes por isso nao deve ser de divida de IRS ou IVA... Joana M.
    14. Guest

      Liquidar dívida wizink

      Boa tarde, gostaria de liquidar ou pedir um perdão de dívida parcial, pois tenho cartão wizink e quero lrivar me daquilo uma vez visto 27% de juros. Pois devo 5000 e queria pedir perdão 3500 já tentei o persi mas eles não podem analisar pois tenho um acordo de 16% de juro que acabou mês passado, mas no sistema deles ainda está em vigor e logo não posso avançar. Até pagaria agora a totalidade mas depois como funciona com os juros? Vão retirar ainda do valor que dei. O mais estúpido pedi contas e não sabiam fazer pois tenho desde o dia 9 até dia 17 só pagaria juros dessa semana não sei como isso funciona. E pelos vistos nem eles. Ainda diz esses juros aparecem no extrato seguinte mas sendo assim se não tiver possibilidade de pagar os juros na totalidade vou pagar ainda juros sobre esses juros. Será com valor 3500 da para negociar um perdão de dívida?
    15. Boa Tarde, Tenho uma empresa "Lda" com dois sócios-gerentes e actualmente estamos com grandes dificuldades financeiras em continuar a empresa face à divida com fornecedores e devolução do dinheiro investido por um ex sócio-gerente na empresa que atualmente já não pertence à sociedade. Estamos a pensar em pedir insolvência da empresa. Caso a empresa entre em processo de insolvência, os sócios-gerentes irão ter que assumir essas dívidas? Espero que me possam aconselhar. Muito obrigado.
    16. jose manuel rocha

      cartao ACP master

      No ano de 2005 tornei-me sócio do Automóvel Clube de Portugal (ACP) e com a respectiva adesão ofereceram-me um CARTÃO DE CREDITO ACP MASTER no valor de 300 euros. Fui utilizando o dito cartao em abastecimentos de combustível para o meu automóvel, perdi o rasto do referido cartão, mudei de morada até hoje várias vezes, nunca recebi extratos de movimentos do mesmo cartão, agora recebo uma notificação de cessão de crédito do referido contrato, exigindo o pagamento do referido cartão acrescido de juros. Sou ou não obrigado a pagar os juros do cartão e se posso negociar o pagamento do cartão no valor de 300 euros que era o limite de crédito do mesmo. Obrigado josé rocha
    17. Guest

      penhora de quinhão

      Boa tarde! o meu pai faleceu há 2 anos, sem que se fizessem partilhas, a minha mãe e o meu irmão(sem me consultarem se estaria interessada )decidiram vender a casa dos nossos pais e comprar outra só em nome da nossa mãe ... o meu irmão que vivia em casa dos dois, claro que manteve-se a viver em casa da minha mãe ... Para além de trabalhar, administrava a pensão de invalidez e de viuvez da nossa mãe, e claro nunca pagou qualquer valor inerente à casa(luz gaz, água ...) A minha mãe faleceu há uma semana, e ele já contratou uma advogada para registar a casa em nome de nós os dois e ficar com o usufruto vitalício ... A minha questão é , visto só poder vir a beneficiar da casa quando o meu irmão falecer, será que posso fazer a recusa da minha parte? Tenho três filhos e ele nenhum, mas tenho também dívidas que poderão vir a ser cobradas, caso tenha a metade da casa em meu nome... como não tenho neste momento forma de as pagar, se eu preterisse a minha parte a favor do meu irmão, assim não o estaria a prejudicar ... será que poderei fazer desta forma? obrigada
    18. Guest

      DIVIDA NO UK

      Boas pessoal tenho uma pequena divida de um credito pessoal numa agencia de emprestimos online inglesa de 5 mil libras. tenciono voltar a portugal para viver terei algum problema quando estiver em portugal? ja me disseram que so com emprestimos maiores que 20 mil é que sim. alguem me pode clarificar?
    19. Jpal

      Compra de terreno

      Boa noite, quero comprar um terreno e já chegamos a acordo quanto ao valor. O atual dono recebeu esse terreno como herança e já tinha dividas às finanças mas não existe penhora, agora pede que pague em dinheiro e que a escritura seja uma doação. Que riscos é que corro se concluir o negócio? Obrigado.
    20. Boa tarde, Alguma forma de criar uma empresa, tendo uma dívida pessoal as finanças? Obrigado
    21. Guest

      Dívida

      Boa noite. O meu problema é o seguinte: O irmão do meu pai faleceu em Fevereiro deste ano, e morava na casa que era dos meus avós . Recentemente fui ao correio e deparo-me com uma carta da Nos Comunicações (contenciosos ) dirigida ao meu falecido tio, a dizer que permanece por regularizar uma dívida associada á sua conta cliente, pelo que constitui esta carta último aviso, evitando o recurso á via judicial. e que ele teria 8 dias para proceder á regularização. Ora bem, No mês de Março veio a fatura para pagar, dirigi-me a uma loja Nos para participar o óbito e proceder ao cancelamento dessa conta. Informaram- me então que iria receber posteriormente uma carta com o valor a pagar e com os seus respectivos acertos. No mês seguinte, nova fatura do mês de Abril, dirigi- me novamente á loja e informaram-me que só pagaria até a data do falecimento (fevereiro) e que portanto essas faturas de Março e abril para não as pagar até porque iria ser contactado telefonicamente pela Nos para me darem o valor correcto. Até á data nunca me contactaram e agora recebo isto!!! Parece que não ouve cruzamento informações Alguém me pode dar uma orientação? Agradeço
    22. Antonio Cunha Brito

      Exigência de cobrança de divida após falecimento

      Muito boa noite. Desde já os meus Parabéns pelo vosso excelente site e forum. Se possível gostaria de saber a vossa opinião sobre este assunto: O meu tio faleceu em Julho de 2013. Como era viúvo deixou a casa (o único bem que tinha - não tinha dinheiro nem mais nada) à sua filha (minha prima), tendo sido feita a habilitação de herdeiros respectiva. Nesse documento consta que herdou 3/4 da casa do pai uma vez que 1\4 já lhe pertencia após falecimento da mãe. Ontem recebeu uma carta da cofidis (por tanto três anos depois) informando que o seu pai teria uma divida com eles de 8500 eur. Essa divida não era conhecida pela minha prima aquando sua morte em 2013 e nunca até agora ela tinha sido contactada por nenhuma via. Acontece que a casa foi vendida no ano passado. O dinheiro resultante da venda serviu para pagar outras dívidas do pai e algum foi utilizado na educação dos filhos. Ela é casada mas não trabalha nem tem bens nem contas bancarias unicamente em seu nome. As contas bancarias bem como a casa onde mora estão em nome do marido e dela. A pergunta é esta: Pode a cofidis penhorar alguma coisa que está em nome dela e do marido ? Pode a cofidis após três anos do falecimento vir agora exigir algo ? Antecipadamente o meu muito obrigado Melhores cumprimentos
    23. Bom dia, Os meus pais têm algumas dívidas e eu gostaria de saber se posso ser afetada com isso. Eles têm um empréstimo da casa e um crédito pessoal no mesmo banco, que não conseguiram pagar. Têm também uma dívida à segurança social, se bem que para esta fizeram um acordo para pagarem em prestações. De qualquer forma, é uma dívida que ainda não está totalmente paga. Eu já me encontro à 3 anos fora da casa dos meus pais e por isso a entregar o meu IRS separadamente. Ainda assim, à cerca de 6 meses atrás a segurança social retirou o abono que os meus pais recebiam do meu irmão. A razão apresentada pela segurança social foi o facto dos MEUS rendimentos serem suficientes para que o abono fosse cancelado. Os meus pais conseguiram provar que eu já não faço parte do agregado familiar, mas ainda assim esta situação não me deixou confortável. Se puderam fazer esta confusão, será que há o risco de eu poder ser responsabilizada por alguma das dívidas dos meus pais? Os meus pais não podem ter contas nos bancos, uma vez que tendo lá mesmo que sejam 50€, estes são imediatamente retirados (qualquer que seja o banco). Isto deve-se à divida que têm da casa. Eu entretanto, sem me aperceber, abri um conta no mesmo bando onde os meus pais têm a dívida da casa e do crédito pessoal. A conta está em meu nome apenas. Será que eu corro o risco de me ser penhorada a conta, à semelhança da dos meus pais? Preciso de salvaguardar o meu dinheiro e os meus bens. Não tendo os meus pais falecido, bastará eu abdicar da herança para estar segura? Obrigada
    24. Guest

      Comodato

      Boa tarde. Gostaria de colocar uma situação que está a acontecer no presente. Em Outubro de 2014 aluguei um apartamento que não estava a ocupar pelo facto de não ter condições económicas para me sustentar independentemente. Nos primeiros 6 meses a pessoa que lá ficou, com quem realizei um contrato de comodato, pagou. Após este período inicial, a pessoa começou a transferir valores inferiores ao acordado, sem me comunicar. Fui facilitando pelo simples facto de a pessoa alegar desemprego. Isto aconteceu durante 5 meses. Ao fim deste tempo começou a falhar "prestações" e, neste momento, está com 4 em atraso, bem como falta de pagamento dos serviços de água/luz/gás, que totaliza um valor redondo de 200€, valor que terei que pagar pois os contratos estão em meu nome e, logo de seguida, cancelarei os mesmos, dado que se os mantiver activos, vou continuar a pagar o que não consumo. Neste momento estou sem emprego, apesar de ter uma proposta para começar dentro de dias em França, proposta que terei que recusar para tentar resolver este imbróglio. Tenho tentado o contacto via sms, via telefónica e via presencial. Nenhuma delas foi respondida, inclusive a pessoa mandou alguém responder, através do seu próprio número (!) que não conhecia a "inquilina". Alguém experienciou alguma situação semelhante? Aceito sugestões. Cumprimentos
    25. com a extrema-esquerda a governar o país, vais comprar dívida? Há pessoal com coragem neste mundo.
    ×
    ×
    • Create New...
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa