Ir para o conteúdo

Pesquisar na Comunidade

A apresentar resultados para as etiquetas 'dívidas'.



Mais opções de pesquisa

  • Procurar por Etiquetas

    Escrever etiquetas separadas por vírgulas, que representam o tema específico do tópico. Exemplos: "irs", "acções", "descontos", "férias".
  • Procurar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Finanças
    • Créditos
    • Bancos
    • Seguros
    • Imóveis
    • Incumprimento e Penhoras
    • Poupar dinheiro
    • Investimentos
  • Fiscalidade e Trabalho
    • Impostos
    • Segurança Social
    • Direitos do trabalhador
    • Trabalho por conta própria
    • Heranças
  • Geral
    • Apresentações
    • Diversos
  • Fórum
    • Regras

18 resultados encontrados

  1. Olá muito boa tarde preciso de um conselho da vossa parte, por favor, que é o seguinte: eu tenho uma irmã que pediu crédito de habitação em 2005 tendo a minha mãe ficado como sua fiadora. Entretanto ficou desempregada em 2012 não conseguiu pagar o crédito e entregou a casa ao banco em 2012 e pediu insolvência. Durante estes anos, o banco nunca contactou a fiadora minha mãe para pagar qualquer dívida. Entretanto, o banco vendeu a casa por 35 mil euros e agora em dezembro de 2017 lembrou-se de enviar cartas ameaçadoras para a minha mãe pagar a restante dívida de 53 mil euros até dia 8 de janeiro ou iria proceder judicialmente com vista à cobrança dos créditos. A minha irmã está insolvente até 2022 e a minha mãe, claro, ficou muito surpresa e revoltada porque passados estes anos todos lhe enviarem estas cartas. Contactei a advogada do banco que me diz para a minha mãe com 75 anos enviar a proposta de um plano de pagamento mensal dos 53 mil euros, caso contrário poderão ver parte da sua reforma penhorada e os seus bens arrestados. Pergunto-vos, por favor, como pode o banco passados estes anos todos enviar estas cartas à minha mãe? E estando ela impossibilitada de pagar valores acima de 40 mensais o que deve fazer? Será melhor pedir insolvência? Fico grato por qualquer esclarecimento que me possam dar. Obrigado e feliz ano novo.
  2. Boa noite, Eu abri uma loja em nome pessoal mas infelizmente o negócio não resultou e tive de encerrar a a loja o meu problema é que não consegui parar uma dívida de 700euros a uma empresa e neste momento estou desempregada e sem rendimentos nenhuns eu ja falei com a empresa e disseram me que iam passar o assunto ao advogado da empresa alguém me poderá dizer o que pode acontecer e que soluções tenho ?obrigada
  3. Heranças e dividas de herdeiros

    Ola bom dia, este e' o meu primeiro post e por sua vez digitado num teclado sem acentos, as minhas desculpas antecipadas. Gostaria, se possivel, que me esclarecessem uma duvida ... O meu Pai faleceu em Julho deixando a minha Mae e aos 5 filhos dois imoveis e alguns terrenos (que sinceramente pouco valem no meio da serra Algarvia), no entanto a minha Mae ficou a saber esta semana que um dos filhos tem dividas. Foi convidada a ir as Financas para resolverem o assunto. Obviamente depois de tanto trabalho esta' a ser complicado ponderar perder algo pelos erros do filho que nao esta minimamente preocupado com as suas dividas. A minha questao e' a seguinte, as dividas deste meu irmao, que por sua vez tem 2 filhas, pode prejudicar a minha Mae? No's, os restantos filhos, concordamos que tudo e' dela enquanto for viva. Obrigada e cumprimentos.
  4. Viva, Parece que os juízes Portugueses já podem congelar contas em Bancos de Países da Uniao Europeia... http://www.dn.pt/portugal/interior/juizes-portugueses-ja-podem-congelar-contas-na-europa-5662920.html Ora bem, eu por acaso saí de Portugal por várias razoes mas uma foi porque herdei uma serie de dividas relativas a uma empresa do meu pai que entrou em falencia. A empresa estava em meu nome infelizmente. Portanto devo estar preocupado com isto? Que aconselham a fazer ás minhas poupancas (nao é que seja muito...) : Por debaixo do colchao? Abrir uma conta fora da Uniao Europeia? Onde aconselham mesmo? Muito obrigado
  5. Boa tarde. Temos um imóvel em nome da nossa Mãe já falecida em 1999 com empréstimo habitação, faltando apenas 800€ para liquidar a totalidade do empréstimo. O meu Pai, cônjuge sobrevivente, viúvo, que tem 3 filhos independentes, vive sozinho nesse apartamento que está avaliado pelas finanças em 165 mil euros. Ainda não foi feita a qualificação dos herdeiros, que seria 62.5% para o meu Pai e 12,50% para cada um dos seus filhos. Por dificuldades financeiras do meu Pai, encontrando-se já com dívidas em atraso e devido à sua idade de 73 anos, uma das soluções é doar com usufruto a sua quota parte de 62.50% por um valor que iria eliminar todas as suas dívidas. Apesar do valor em dívida ser 20% do valor patrimonial, teremos que concordar com a solução de forma a evitar a penhora do imóvel ou da sua pensão por dividas (penso eu). Questões (peço respostas só apenas as questões que souberem): 1º Uma vez que o imóvel ainda esta em nome na minha Mãe e não foi feita a qualificação dos herdeiros, e nas finanças ainda não consta no nosso património ( do Pai e dos filhos) o dito imóvel, este poderá sofrer processo de penhora por dívidas do meu Pai? 2º Se o meu Pai doar a sua parte de herança de 62,50% a um terceiro com a condição de usufruto do imóvel enquanto for vivo, necessita de assinatura e aprovação legal dos restantes herdeiros, ou seja dos seus 3 filhos? 3º Se um terceiro tiver na posse de 62,50% da herança e quando chegar a altura das partilhas, esse terceiro têm direito de usufruto ou outros direitos especiais sobre o imóvel, anulado os direitos dos filhos que apenas tem 12,50%? 4º Há possibilidade do meu Pai doar os seus 62,50% a um dos seus 3 filhos herdeiros sem que os restantes possam contestar a doação quando terminar o usufruto do meu Pai? 5º Um dos filhos está insolvente com dividas fiscais. Depois das partilhas e havendo acordo, podemos vender o imóvel sem que as finanças intervenham na sua quota parte de 12,50%? Desde já agradeço a vossa ajuda. Pedro P
  6. Herdeiro de uma dívida

    Bom dia a todos, Sou actualmente herdeiro de uma dívida correspondente a um avô que morreu, proveniente de ter sido fiador de uma tia que não pagou as rendas de uma casa no ano 2000. Ele morreu e a minha avó, enquanto cabeça-de-casal, não paga dívida nenhuma pelo que passou para os meus pais, que entretanto repudiaram a herança. Eu como não estava cá e não consegui repudiar atempadamente, fui considerado herdeiro por ter aceite indirectamente a herança. Não existem quaisquer bens que eu possa receber, tudo o que existe na herança é uma divida de 20.000€ que eu não pretendo pagar. Pelo que estive a ler no vosso fórum e no código civil, quando se é herdeiro, só se paga a dívida com os bens provenientes da herança e nunca com os próprios bens, é correcto? Ou seja, nunca será possível que me retirem dinheiro do banco ou bens pessoais por causa dessa dívida? De qualquer modo terei de contactar um advogado para ir comigo a tribunal caso me chamem a uma sessão? É que as cartas não referem qualquer modo de contacto com o tribunal... Obrigado desde já pela vossa ajuda!
  7. Dividas de avó

    Boa tarde, gostaria se possivél obter informaçoes sobre as dividas de minha avo em serviço de televisao por cabo. Quando ela faleceu ninguém deu baixa do serviço. Meu pai cuidava de minha avó e estava dentro do assunto dos pagamentos. Mas meu pai faleceu logo de seguida. Faz este mes um ano. Entretento recebi um email do fornecedor do servico de TV por cabo uma divida. E gostaria de saber se tenho que a pagar. Obrigado Rogério
  8. Dividas fiscais herança

    A minha avó faleceu em 12/2015 e deixou 3 filhos. Conforme nos foi indicado foi entregue o seu IRS em março de 2016. Em abril de 2016 foi feita uma habilitação de herdeiros apenas porque um dos filhos tinha um conta bancária na qual a falecida era co-titular. Ora, assim da habilitação de herdeiros resultou que dois dos filhos renunciaram à herança para que o filho co-titular da falecida ficasse com a totalidade do dinheiro que, na verdade, sempre lhe pertenceu. Falamos de pouco mais de 600 euros. Em 07/2016 a Autoridade Tributária notifica os herdeiros a pagar um montante devido a título de irs que está, neste momento, em fase de execução por não ter sido liquidado. Inicialmente cerca de 500 euros. Neste momento já acrescem custas e juros (quase mais 200 euros). Sei que as dívidas fiscais podem ser "herdadas", mas neste caso em que a habilitação de herdeiros estava concluída, pode o fisco penhorar o filho que herdou o dinheiro, já que os restantes filhos repudiaram a herança. De uma forma clara se este herdeiro se recusar a pagar pode o fisco reverter esta dívida para o herdeiro, designadamente penhorando-lhe o vencimento ou as contas bancárias? Muito obrigada.
  9. divida barclays

    boa tarde,tenho uma divida com o barclays á mais de 8 anos de 700€,tenteipor diversas vezes negociar a divida mas sem sucesso porque passava sempre por financeiras diferente visto o barclays vender as dividas,agora ao fim de tanto tempo fui contactada para fazer o pagamento de 1300€ porque acresceram os juros ou entao vao para tribunal,a minha duvida é se podem fazer isso ao fim de tanto tempo?obrigada
  10. divida ao barclays

    boa tarde,tenho uma divida com o barclays á mais de 8 anos de 700€,tenteipor diversas vezes negociar a divida mas sem sucesso porque passava sempre por financeiras diferente visto o barclays vender as dividas,agora ao fim de tanto tempo fui contactada para fazer o pagamento de 1300€ porque acresceram os juros ou entao vao para tribunal,a minha duvida é se podem fazer isso ao fim de tanto tempo?obrigada
  11. Dividas após a morte

    O meu pai faleceu no passado dia 22-06-2016 vitima de atropelamento no passeio por um condutor alcoolizado com 2.4 de alcoolemia, no entanto não existe nenhuma testemunha chave, ou seja nenhuma testemunha que tenha visto o momento do acidente, que comprove que o meu pai ia realmente no passeio, ou se ia na estrada no momento do acidente, e devido a isso, caso o homem que matou o meu pai alegue que não ia no passeio, talvez existe uma possibilidade de não receber nenhuma indemnização pela sua morte. O meu pai contraiu dividas de de 3 créditos, que somam mais ou menos 8 mil euros em créditos com a Barclays e a Unicre, que estava a pagar todos os meses, por prestações baixas, de modo a não haver nenhum processo judicial. A minha questão é, uma vez que o meu pai não tinha dinheiro, para alem do seu pequeno salário de Bombeiro, o unico bem que tinha era um carro avaliado em 300€, e caso eu não receba nenhuma indeminização, eu e os meus irmãos como herdeiros legitimos, teremos que pagar as dividas deixadas pelo meu pai? Resumindo tudo em uma simples frase, Herdeiros Herdam Dividas? Obrigado a todos pela ajuda
  12. Herança

    Boa noite, Agradeço a ajuda que me possam dar em relação a esta situação: O meu marido faleceu e o único bem da herança é um imóvel que se encontra hipotecado ao banco. Ele tinha uma dívida á S . Social que continua a ser paga por mim e outra que é um crédito ao consumo ( cartão de crédito ). Éramos casados em comunhão de adquiridos. Gostava de saber se tenho de continuar a pagar a divida da s . social e o crédito, caso não o faça podem penhorar me o imóvel , pensão ou vencimento? Ou as dividas prescrevem? Contudo , estando a suportar todos os encargos inerentes aos dois , o rendimento disponível é bastante reduzido ou quase nulo. Sou ENI, quais as consequências em caso de insolvência? Obrigado pela ajuda VC
  13. Inicialmente gostava de pedir desculpas pelos erros gramáticais e ortográficos que possam se encontrar neste post. Não sou portuguesa e tenho muita dificuldade, especialmente quando se trata de coisas financeiras. Espero que consigo me fazer entender. Estou em Portugal como trabalhador independente e sempre tive a minha situação financeira organizada. Devido a uma doença estive fora do pais durante um tempo e dexei de tratar de resolver essas coisa de um dia para o outro. aqui alguns factos: fechei actividade de Setembro 2014 e voltei a abrir dia 30 de Março 2015 para no dia a seguir passar 3 recibos. Depois nunca mais tratei das coisas. Hoje voltei a entrar na Segurança Social Directo e apanhei um choque: tenho uma divida de 3000 € com a SS! entre marco 2015 e agora nunca mais passei recibos e não tive rendimentos, simplesmente esqueci-me de fechar a actividade... Entrei no portal agora, pois queria voltar a passar recibos este Março. Minha pergunta: existe alguma possibilidade de reduzir as dividas? (não tenho esse dinheiro e também não acho justificado pois não tive rendimentos esse tempo todo) Posso fechar a actividade no portal das finanças com data de Abril 2015 e informar a SS? De qualquer maneira pretendo deslocar todos esses processos para um outro pais na Europa onde vou viver, mas gostava de deixar as coisas organizadas e pagar as minhas dividas. Mal consigo dormir pois essa situação me põe muito preocupada. Se alguém me puder ajudar com essa questão agradecia muitíssimo! Saludos! Belinda
  14. dividas empresa

    Boa noite. Preciso da vossa ajuda, pois estou numa situação muito delicada. Tenho uma empresa que fisicamente fechou há mais1 ano, da qual era sócio gerente. Depois de fechar, ficaram alguma dívidas: SS, da qual pedi reversão, Banca, onde existe um fiador para além dos sócios e da qual estou a tentar pedir reversão e fornecedores. Um dos fornecedores (com o qual tentei chegar a acordo, pois moralmente sei que devia) pede-me agora o pagamento total da dívida. A minha pergunta é: Não tendo eu nem bens, nem vencimento acima dos 505€, eles vão penhorar o quê? O que podem eles fazer? Eu não consigo pagar, mas não sei o que fazer... Bem haja pela vossa disponibilidade.
  15. Estão a reclamar em Dezembro de 2015 dívidas de contribuções de uma empresa que encerrou atividade nas finanças em Novembro de 2009. Estas dividas corresponden ao periodo de Janeiro de 2009 e Janeiro de 2010. A dita empresa iniciou-se em um processo de insolvència em Fevereiro de 2010 por causa de uma dívida do anterior gerente. Nunca fomos informados da tal divida da SS, nem a través do administrador de insolvència, que não contatou nem atendendeu em nenhum momento do processo, nem a través da SS, só agora via email. Ao deslocar-mos para a sede do IGFSS fomos informados que além também se encontraba en dívida o periodo de Janeiro à Junho de 2010, mas ainda não havia informação sobre essa dívida. Pelo que conseguimos averiguar, o processo de insolvència foi encerrado em Janeiro de 2015 havendo ainda um valor elevado por distribuir (desconhecemos os creedores e os valores que foram pagos). A dúvida é se, após o encerramento é possível fazer uma exposição à SS não só para rever a divida (ja que hé meses em dívida em que não houve atividade) e se o periodo de 2009 ainda està vigente (ao meu parecer e após de 5 anos já não deveria ser assim). Agradecemos ajudas e sujestões
  16. herança

    Boa tarde, Não sei se me podem ajudar mas cá vai... Os meus pais sempre viveram numa casa arrendada, muito velhinha e com um valor mensal tb muito baixo... Entretanto o meu irmão foi viver com eles. O meu pai acabou por falecer e a minha mãe foi para uma casa de acolhimento. Como sempre foi mt difícil para mim pagar a diferença da reforma dela e a mensalidade do lar, acabámos por continuar com a casa arrendada, pois, por algum motivo eu poderia deixar de conseguir pagar o que faltava na mensalidade da casa de acolhimento e, assim, pelo menos teria aquela casa, para o caso dela voltar. Entretanto quem ficou lá foi o meu irmão que acabou por não pagar as facturas da tv cabo, gás, edp e água (tudo em nome da minha mãe). O mês passado a minha mãe faleceu e foi quando descobri as dividas em nome dela. Como sei que os herdeiros recebem, tanto o activo como o passivo, gostaria de saber se tenho de pagar essas dividas? Aproveito para referir que a minha mãe não tem qq tipo de património, bens, dinheiro, etc... Obrigado.
  17. Dívidas - Viajar

    Boa tarde, Emigrei há quase cinco nos e na altura, devido a uma série de problemas com clientes que não pagaram serviços e questões familiares, deixei uma dívida de cerca de 3 mil euros às finanças (a maior parte IVA de trabalhos que fiz, passei recibo mas depois não recebi) e algumas centenas de euros à Seg. Social. As coisas demoraram um pouco mais tempo do que esperava a melhorar, mas finalmente estão encarrilhadas. Por isso, como perdi a minha senha de acesso online, contactei recentemente um amigo contabilista e pedi o favor de ele saber quanto e como poderia pagar as minhas dívidas. Para minha surpresa, ele informou-me que o valor está já em 18 mil euros e, segundo ele, não vai ser possível pagar em prestações porque não tenho nenhum bem para dar como garantia. Ora, parece-me idiota que prefiram que eu não pague a dívida do que pagar em prestações! A situação é de tal forma que o meu amigo até aconselhou a que eu não faça nada pois as dívidas irão prescrever em dois ou três anos. Mas eu não gosto desta situação e quero ir pessoalmente a Portugal em Outubro e tentar resolver o assunto. A minha questão é: se eu viajar a Portugal, existe alguma possibilidade de ter problemas a entrar ou sair do país por causa destas dívidas? Sei que há anos atrás isso não aconteceria, mas mudou alguma coisa na lei ou posso viajar em paz e tenta resolver o assunto? Obrigado por qualquer esclarecimento que me possam dar. Filipe
  18. Boas, Uma empresa entrou em processo de insolvência em 2006, no qual foi aprovado um plano de pagamentos por dívidas às Finanças. Contudo, não foi possível a empresa começar a efetuar o pagamento do plano porque as finanças não podiam emitir guias porque não tinham qualquer comunicação por parte do tribunal. Por escrito pediram para aguardar até porque tinham que aplicar um crédito para pagamento da 1 prestação…nunca o fizeram. Em 2013 a empresa entrou em insolvência e encerrou. Desde 2006 até 2013, a empresa nunca foi notificada de qualquer divida, nem recebeu qualquer notificação para pagamento. No entanto, em 2015 as Finanças estão a efetuar a reversão fiscal sobre o gerente da época. A minha questão é: As dívidas referentes ao ano de 2006 já não prescreveram? Obrigado Cumprimentos
×
FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa