Ir para o conteúdo
  • FORMAS DE POUPAR

  • Pesquisar na Comunidade

    A apresentar resultados para as etiquetas 'iva'.



    Mais opções de pesquisa

    • Procurar por Etiquetas

      Escrever etiquetas separadas por vírgulas, que representam o tema específico do tópico. Exemplos: "irs", "acções", "descontos", "férias".
    • Procurar por Autor

    Tipo de Conteúdo


    Fóruns

    • Finanças
      • Créditos
      • Bancos
      • Seguros
      • Imóveis
      • Incumprimento e Penhoras
      • Poupar dinheiro
      • Investimentos
    • Fiscalidade e Trabalho
      • Impostos
      • Segurança Social
      • Direitos do trabalhador
      • Trabalho por conta própria
      • Heranças
    • Geral
      • Apresentações
      • Diversos
    • Fórum
      • Regras

    Encontrar resultados em…

    Encontrar resultados que…


    Data de Criação

    • Início

      Fim


    Data de Actualização

    • Início

      Fim


    Filtrar por número de…

    104 resultados encontrados

    1. Estou registado como trabalhador independente (1332 - PROGRAMADORES INFORMATICOS) a trabalhar em regime de Prestação de Serviços exclusivamente para uma empresa dos Estados Unidos e em todos os recibos que emiti até agora utilizei a opção "IVA - autoliquidação [regra geral art.º 6.º, n.º 6, a)]" no campo "Regime de IVA" e "d) Sem retenção: não residente sem estabelecimento" no campo "Base de incidência em IRS". Estas foram as opções que me foram indicadas por um funcionário da AT aquando do inicio de actividade. Estou agora a tentar preencher pela primeira vez a Declaração Periódica do IVA e estou com algumas dificuldades em encontrar as opções que estão relacionados com os campos mencionados nos Recibos Verdes. Tanto quanto consegui perceber ate agora, tenho de reponder "Não" na pergunta "Tem operações em que liquidou e/ou autoliquidou imposto?" (apesar da palavra autoliquidação causar alguma confusão aqui) e "Sim" na "Tem operações em que não liquidou imposto?" ou estou enganado? Se efectivamente responder apenas "Sim" na pergunta "Tem operações em que não liquidou imposto?" aparecem apenas 3 opções e não estou a conseguir perceber qual a que se enquadra melhor, tendo em conta que as transmissões foram todas extra comunitárias: Transmissões intracomunitárias de bens e prestações de serviços mencionadas nas declarações recapitulativas Operações que conferem direito à dedução Operações que não conferem direito a dedução Devo seleccionar a opção "Operações que não conferem direito a dedução" ou a primeira opção também é valida para transmissões extra comunitárias? E devo também entregar uma declarações recapitulativa neste caso? Obrigado.
    2. Bom Dia Sou freelancer na area do design e passo recibos verdes. Neste momento estou isenta de IVA e gostaria de saber se essa isenção se mantém caso passe um recibo para uma empresa sediada no Reino Unido. São serviços considerados operações de exportação? Obrigada
    3. Visitante

      Ato Único - Regime

      Sou doutorado na UNL em Ciências da Comunicação e fui contactado por um empresa para prestar consultadoria científica direcionado ao projecto "Movimentos de Utilização Digital Activa" (www.muda.pt) que visa a inclusão digital de idosos. Foi-me comunicado que existe disponibilidade da soma global de 3.500,00 euros para financiamento do meu trabalho, mas a pagar em três fases de execução, sendo a primeira no valor 1,800,00 com entrega da fundamentação científico teórica do projeto e o restante aquando da validação dos conteúdos produzidos e supervisão das respetivas iniciativas. Assim as questões que coloco são: 1. Considerando o relevante interesse social do projeto, o valor (custo) do meu trabalho estará isento do pagamento de IVA? 2. A soma de 3,500,00 pode ser considerada ato único, embora o pagamento seja parcelado ao longo do tempo? A consultadoria estará concluída em final de outubro/início de novembro, sendo que o primeiro pagamento (1,800,00) fica disponibilizado ainda no corrente mês de setembro. 3. A opção correta será emissão (dentro do mesmo ato único) de três faturas parcelares para apresentação à empresa com vista ao pagamento acertado pela realização de todo o trabalho? 4. Após a emissão das faturas posso promover (após pagamento) a emissão dos respetivos recibos? Com o agradecimento, Fernando Bastos Nota: Coloquei a questão no e-balcão das Finanças há mais de um mês e continuo sem resposta.
    4. Carlos Gomes

      Diferença entre valor liquido e iliquido na facturação

      Bom dia, Necessito muito da vossa ajuda, isto porque tenho uma dúvida no que respeita à definição de valor liquido e ilíquido na emissão de faturas. Basicamente necessito de saber se o valor liquido numa fatura corresponde ao valor com ou sem IVA. Seria muito útil se pudessem disponibilizar a fórmula de cálculo. Obrigado, Carlos Gomes
    5. Boa tarde Trago aqui uma pequena dúvida que gostaria de esclarecer: Vou fazer uma prestação de serviços, e para tal vou emitir um recibo-verde ao cliente de valor X que vai pagar o correspondente de IVA (ou não, caso tenha dispensa do mesmo estando abaixo dos 10000€ anuais). No entanto, no "bolo" dos serviços prestados existem alguns que foram por mim contratados a um colega (que por sua vez emite a mim um recibo-verde). Como funciona o IVA nestes casos? Por exemplo, faço o pagamento 100€+IVA (123€) ao meu colega e ao emitir a fatura ao cliente cobro o valor 200€ (que já engloba a minha prestação de serviços adicionada à do meu colega) + IVA (246€). No entanto o IVA que depois vou entregar ao estado será o de 46€ correcto? Ou tenho de entregar os 23€ + 46€ ? Obrigado pelo esclarecimento!
    6. Visitante

      IVA e valor base

      Bom dia. Sou um trabalhador independente e cobro IVA. Queria pedir a ajuda da comunidade e de um/a TOC. O IVA pode estar incluído no valor base duma prestação de serviços? Em caso de resposta negativa quais são os artigos ou a legislação que assim o define? Obrigado e continuação de um bom trabalho
    7. Fui citado em 18 de março de 2010 de uma reversão relativa a uma divida de iva de 2007 de uma empresa que fui gerente e que encerrou no final de 2007. Como já passaram os 8 anos após a citação da reversão resolvi pedir a prescrição no dia 12 de junho 2018. Recebi um oficio no dia 20 Junho 2018 com a seguinte resposta - Foi citado em 18-03-2010. Aquele facto teve como efeito a interrupção da prescrição. A interrupção da prescrição tem sempre como efeito a inutilização para a prescrição de todo o tempo decorrido anteriormente, ou seja, começa a contar novo prazo (8 anos) a partir daquela data, sem prejuízo das causas suspensivas. Art. 48 e 49 da LGT Aqueles Processos de execução estiveram ainda suspensos desde 2017-10-15 até 2018-04-15 ao abrigo do nº2 do artigo 3 do DL 141/2017. Pelo que, como se depreende do exposto. a divida não se encontra prescrita, sendo, por consequência exigível. A questão é a seguinte; Depois desta suspensão começa a contar um novo prazo de 8 anos ou posso voltar pedir a prescrição das dividas depois de ter passado estes seis meses de suspensão? ou seja dentro de 3 meses uma vez que já passaram 3 desde 18 de Março data em que fez 8 anos. Alguem que possa ajudar Obrigado
    8. Gecko

      Aparentemente passei os 10000€... E agora?

      Bom dia a todos/as. Desde já peço desculpa pelo post longo mas fiquei à nora... Tenho atividade aberta como formador e auditor e não tenho nenhum trabalho por conta de outrem. Uma vez que fui chamado para esta atividade um pouco "em cima do joelho" para substituir um colega que não pode garantir os módulos que eu leciono (e que antes eram dele) acabei por abrir atividade apenas no final de Outubro e passar os recibos de todo o ano nessa altura, pouco menos de 7000€. Entretanto há dias recebi um email do portal das finanças a solicitar a minha alteração de atividade por ter ultrapassado o patamar dos 10000€. Chamada para lá, várias tentativas, muita música de elevador e lá me dizem que uma vez que abri atividade no final do ano ela contou toda no mesmo trimestre e multiplicaram a minha faturação por 4 dando um total (suposto) de 28000€ por ano. Uma vez que esta foi uma situação esporádica e "artificial" (infelizmente não me parece que venha a ter uma faturação sequer perto disso...) fui instruído a colocar um valor previsto para o ano de 2018 acima de 10000€ (coloquei 10001), preencher trimestralmente a declaração periódica de IVA, emitir faturas com IVA a 23% e daqui por 1 ano se não atingir os 10000€ voltar ao regime simplificado. E aqui começam as dúvidas: 1) há algo que possa ser feito de forma diferente para evitar ficar no regime não-simplificado uma vez que de qualquer forma não atingirei esse patamar? 2) exatamente como faço com o IVA? Ele é deduzido do meu vencimento ou é a entidade contratante que o paga? Por exemplo, se faço um serviço por 100€ o IVA sai dos meus 100€ ou apresento ao contratante um recibo de 123€ (100€ + IVA), fico com os meus 100€ e dou 23€ ao Estado? E também já ouvi falar em "pedir o reembolso do IVA". Isto aplica-se a mim? Se sim do que se trata exatamente? 3) como pago o IVA? Uma vez passei um ato isolado e se bem me lembro tinha de fazer qualquer coisa no portal das finanças e depois aquilo emitia um documento para pagar o IVA no multibanco. É algo deste género? 4) também já vi algo sobre a obrigatoriedade de ter a contabilidade organizada. Preciso de contratar um contabilista? Obrigado desde já e desculpem o "testamento"...
    9. ECJ69SSS

      IVA - Atividade 62020

      Bom Dia, Gostaria de obter informações de descontos para a minha atividade "Informática". Tenho como domicílio fiscal a minha residência. Sei que posso fazer descontos para a minha atividade: gáz 23% IVA -> 25 % do IVA luz e água 5% IVA -> 25 % do IVA tv cabo, telefone e internet 23% -> 100% do IVA Fui informado que posso também abater valores na remodelação que estou fazendo na minha residência fiscal, onde as faturas com gastos de piso, tintas, luminárias, enfim reforma em geral. Meu domicílio fiscal tem 3 assoalhadas e fui informado que o valor total do IVA tem que ser dividido por 3, só não me disseram qual é a percentagem que devo utilizar ( ?? % ). É possível confirmar se realmente posso fazer este tipo de desconto e qual a percentagem que realmente possa ser aplicada? Antes de mais nada agradeço pela ajuda! Cumprimentos, ECJ69SSS
    10. Bom dia a todos, Sou novo no fórum e não sei se o tópico está no local mais apropriado e se não estiver, desde já peço desculpa por isso. Vou explicar abaixo a situação para a qual procuro ajuda. A ideia seria criar empresa com um CAE que permitisse a importação e posterior venda automóvel (ou o comércio e retalho geral, ou comércio e reparação automóvel) e com mais vantagens, se é que existem diferenças. Pretendo portanto fazer o seguinte: 1.º comprar um automóvel num país da UE 2.º trazer para PT e legalizar 3.º vender Posto isto, as minhas dúvidas são as seguintes: - Se eu fizesse todo este processo como particular, teria de pagar iva pelo automóvel no país de origem, mas uma vez que seria feito através de empresa, tendo em conta que se trata de uma transação intracomunitária, poderia pagar o preço sem iva(neste caso em concreto é de 19 %)? Vamos então supor o seguinte caso: Preço país origem com iva: 14000 € Preço país origem s/ iva (19%): 11.764,71 (NET) Supondo que poderia pagar os 11.700 €, e que todo o processo de legalização e transporte me custaria 5000 €, o valor final que teria pago pelo carro seria 16.700 €. Agora imaginemos que eu(empresa) quero vender por 19.000 €. Como funcionaria em termos de iva cá em Portugal? destes 19000 teria de pagar iva? iria reaver este valor posteriormente? Agradeço desde já a atenção e ajuda. Cumprimentos MS
    11. Visitante

      Reembolso IVA Exportações

      Boa tarde, Penso que esta questão ainda não foi levantanda neste fórum, e realmente não encontro uma resposta coesa na minha pesquisa online. Estou a iniciar uma atividade de venda de bens online, sendo estes bens originários de países fora da União Europeia. Sei que ao importar os bens, terei que na Alfandega para a Taxa Alfandegária e o IVA da Importação. O objetivo é revender os bens para clientes do UK, sendo os bem enviados para um armazém no Reino Unido e depois sim vendidos ao cliente final, com o IVA praticado (20%, taxa do UK). Ao fazer isto, terei direito ao reembolso do IVA que paguei na importação? Se sim, quem efectua o reemboldo? As entidades do Reino Unido ou Portuguesas? Agradeço antecipamente a vossa ajuda. Filipe Sales
    12. Viva, Alguns sites permitem a trabalhadores independentes que indiquem o seu NIF e que não lhes seja aplicado o IVA. A minha pergunta é, como é que isto se processa, ou seja: - A que produtos isto pode ser aplicado? - Qual o limite de gastos possível? - Após compra, é necessário entregar ou validar algo com as finanças? - A empresa que nos vendeu o artigo comunica de alguma forma com as entidades fiscais Portuguesas? Se me puderem explicar como esta situação funciona, agradecia imenso. Obrigado desde já. Cumprimentos
    13. silva.antonio

      Dúvidas dedução IVA

      Boas, pretendo adquirir umas maquinas de vending em funcionamento. Posso deduzir o IVA da aquisição das maquinas, mesmo sendo usadas? E de uma viatura? Que tipo de despesas posso deduzir no decorrer da minha actividade? Agradeço desde ja qualquer ajuda para um completo leigo nesta área. António Silva
    14. dgenio

      Ato isolado ou Iniciar actividade

      Bom dia, Neste momento estou a trabalhar numa empresa, com contrato efetivo. Eles propuseram-me fazer um trabalho extra, não diretamente relacionado com as minhas funções, pela qual me iriam pagar (basicamente uma prestação de serviço). O valor não é alto, e tendo em conta que o dinheiro dá jeito quero aceitar. A questão agora coloca-se é, qual a melhor forma, para mim, de declarar esta situação. O valor que a empresa irá pagar é fixo, por isso todas as despesas de impostos ou SS serão a meu cargo e iram diminuir ainda mais o valor a receber liquido. Se percebi bem, fazendo um ato isolado tenho de pagar IVA (23%) e mais nada. A minha confusão é que li algures que iniciando atividade e passando recibos verdes não pagaria o IVA visto o valor ser pequeno. Sei que esta segunda opção implica mais burocracia (abertura e fecho de atividade), mas já o fiz antes (há alguns anos atrás) e também sei que não é assim tão difícil. Qual das duas opções é a mais vantajosa? Quais as vantagens e desvantagens do ato isolado versus abertura e fecho de atividade? PS: Eu percebo que a resposta imediata sobre qual devo fazer é o ato isolado (esta situação é quase um exemplo perfeito da razão de existência desse processo). No entanto, caso seja verdade essa parte do IVA, não percebo o porque da diferença e tendo em conta que 23% ainda é dinheiro queria mesmo perceber a melhor opção para mim.
    15. Antes de mais votos de uma bom fim de semana a todos, Verifiquei a 28 Dezembro ,que me tinha esquecido pela primeira vez em 20 anos de entregar uma declaração periódica de IVA. Entretanto meterem-se as Festas etc e estupidamente não pensei mais nisso. De referir que nesse periodo 09T naõ houve quaisquer transações ( talvez por isso me tenha esquecido). Recebo hoje um email da ViaCTT uma " Notif. pag. antecipado coima" ( que ainda nem abri no portal via Ctt) , como tal nem sei se estou assim notificado ou não... De referir que neste período - 09T - nem existem quaisquer transacções efectuadas :(( A minha pergunta ( uma vez que nunca me aconteceu em 20 anos) é , terei direito a redução de coima? Pergunto isso pois vi alguns casos em que existem reduções de 12,5% e de 25% mas fico sem entender se para beneficiar de tal redução teria de ter já feito a entrega da declaração antes de receber esta "Notif. pag. antecipado coima" pela Viactt ( que ainda nem abri). Agradecia a ajuda de alguém mais experiente nestes assuntos. Desde já o meu muito obrigado
    16. Visitante

      Comissão sobre resultado com IVA incluído

      Bom dia. Gostaria aqui expor uma questão sobre uma situação criada recentemente relacionada com a minha profissão, que é a seguinte: É legal, num serviço, cobrar uma percentagem com o respectivo IVA, sobre outro serviço que cujo o resultado faturado tem o IVA incluído? Ou seja, efectuo um serviço e passo um factura ao meu cliente onde o IVA está incluído, depois um parceiro que me presta serviço de angariação de clientes, pode cobrar uma percentagem sobre o total do resultado da factura que passei ao cliente? Ou terá que cobrar essa comissão, com o respectivo IVA, o valor da factura que passei ao cliente sem o IVA? Muito obrigado
    17. nsimoes

      Retificar declaração IVA

      Bom dia. Submeti a declaração do 3º trimestre deste ano dentro do prazo e liquidei o valor apurado a favor do estado. No entanto, esqueci-me de declarar uma compra com iva a meu favor que implicaria o não pagamento de IVA e um crédito a meu favor. Queria pedir a vossa ajuda para me esclarecer: - Posso / alterar a declaração entregue? Como? Tem multa associada? - Posso declarar a compra efetuada na próxima declaração? Agradeço antecipadamente os vossos esclarecimentos
    18. AMRBP

      Cheque-prenda

      Bom dia, Tenho duas questões para as quais agradeço ajuda: 1ª A empresa para a qual trabalho pretende vender na sua loja, de artigos de decoração, cheques-prenda. A dúvida que se me coloca é a seguinte: quais os requisitos que um cheque-prenda deve ter? Colocar valor, validade, sei que sim. Mas existe alguma lei que regulamente os cheques-prenda e que deva ser mencionado nos mesmos? 2ª Quais os lançamentos contabilísticos a serem efetuados no momento da compra do cheque-prenda? E no momento em que se desconta o cheque-prenda? Todos os artigos que se vendem na loja são taxados a 23%.
    19. bom dia, comecei hoje a ser colectada e agora o que fazer quanto a descontos para a seguranca social e em relacao as financas? Obrigada
    20. Olá, Queria saber qual é a data relevante para decidir a qual mês pertence um rendimento: a data da prestação do serviço OU a data da emissão da fatura-recibo relacionada (quando estas duas datas não são no mesmo mês)? Exemplo simples: se eu efetuo uma prestação de servico no dia 23 de dezembro 2017, mas só posso emitir uma fatura-recibo ao meu cliente no dia 6 de janeiro 2018 (porque preciso de esperar por informações de faturação especificas) - o rendimento associado a esta fatura é considerado como um rendimento de dezembro ou de janeiro? - e então, faz parte do IRS do ano 2017 ou do ano 2018? - e também, faz parte da declaração periódica de IVA do ultimo trimestre de 2017 ou do primeiro de 2018? Muito obrigado
    21. Boas tardes Neste momento estou desempregado,mas vou fazer uma obra de renovação num apartamento que está abrangido pela taxa reduzida de IVA 6%.porque é um apartamento que esteve arrendado e vai continuar a ser . A melhor hipotese para mim é passar um recibo ACTO ISOLADO no site das finanças porque o valor da obra (1500€) isenta-me de entregar o irs e pagar qualquer imposto ao abrigo do artigo 101 b....penso eu que seja assim. A minha duvida é se posso passar o recibo do acto isolado com o valor do iva a 6% obrigado
    22. Bom dia, Estou a criar um negocio de terapias alternativas e estou a considerar importar minerais do Brasil. Tenho duas questões: para alem do IVA que outras taxas pago quando levantar os minerais que chegam ao porto? Pago o Iva quando importo e quando vendo? Isso não faz la muito sentido.... Comprei um cristal a 1€ por exemplo, paguei o iva quando o levantei no porto 1,23€. Vou vende-lo a 3€, onde 0,69€ são IVA, lucro 1,08€ e no mesmo produto pago 2x o imposto. Talvez não esteja a ver o obvio mas não entendo.
    23. A minha dúvida é a seguinte: sou trabalhadora independente, será que consigo ficar isenta com o artigo 9º do IVA, mesmo ultrapassando os 10000€ anuais? Só passei/passo recibos verdes com o código de professores, função professora para um empresa com acordo com o ministério de educação e função técnica de desporto para uma instituição de solidariedade social. As isenções que aparecem no artigo 9º do IVA e que me podem ou não abranger são as seguintes: 7. As prestações de serviços e as transmissões de bens estreitamente conexas, efetuadas no exercício da sua atividade habitual por creches, jardins-de-infância, centros de atividade de tempos livres, estabelecimentos para crianças e jovens desprovidos de meio familiar normal, lares residenciais, casas de trabalho, estabelecimentos para crianças e jovens deficientes, centros de reabilitação de inválidos, lares de idosos, centros de dia e centros de convívio para idosos, colónias de férias, albergues de juventude ou outros equipamentos sociais pertencentes a pessoas coletivas de direito público ou instituições particulares de solidariedade social ou cuja utilidade social seja, em qualquer caso, reconhecida pelas autoridades competentes, ainda que os serviços sejam prestados fora das suas instalações; (Redacção da Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro) 8. As prestações de serviços efectuadas por organismos sem finalidade lucrativa que explorem estabelecimentos ou instalações destinados à prática de actividades artísticas, desportivas, recreativas e de educação física a pessoas que pratiquem essas actividades; 9. As prestações de serviços que tenham por objecto o ensino, bem como as transmissões de bens e prestações de serviços conexas, como sejam o fornecimento de alojamento e alimentação, efectuadas por estabelecimentos integrados no Sistema Nacional de Educação ou reconhecidos como tendo fins análogos pelos ministérios competentes; Aguardo resposta com urgência. Obrigada, Sofia V.
    24. Visitante

      Calendario com datas das obrigações fiscais

      Bom Dia a Todos, Encontrei um calendário com as datas de obrigações fiscais para 2017 : http://www.feriadosemportugal.pt/CalendarioFiscal/2017 mas ainda não tem dados para 2018.. alguem sabe se já saiu? Obrigado Pedro Rosa
    25. Visitante

      Recibos Verdes - IVA

      Sou trabalhador independente com a atividade de ator (2010 do CIRS), como não previa faturar mais de 10000 € coloquei como base de incidência de IVA a isenção pelo art.º 53. Como vou passar os 10000 € e a minha profissão está isenta do pagamento de IVA pelo artigo 9º , posso passar a colocar nos recibos na base de incidência de IVA, Isento-art.º 9º ? Ou tenho de esperar por janeiro para fazer essa alteração? e passando os 10000 € este ano, depois ao alterar só em janeiro para o art.º 9º não tenho de pagar IVA?
    ×
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa