Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Sign in to follow this  
    FERNANDO LOPES

    casa da porteira

    Recommended Posts

    FERNANDO LOPES

    Boa tarde.

     

    No prédio no qual moro e que está constituído em Propriedade horizontal, temos "casa de porteira " que é uma parte comum.

    Não existe acordo para dar de arrendamento a casa da porteira,  nem para a por à venda, por forma a obter receitas e reduzir as despesas do condomínio.

    A porteira já com 80 anos vive naquele espaço, sem gastar um "cêntimo" com  a casa que ocupa.

     

    PERGUNTO: na qualidade de proprietário da meu andar e  com-proprietário da parte comum (casa da porteira),  posso pedir judicialmente a divisão dessa parte e receber em dinheiro a minha parte?

     

    Obrigado pela atenção.

    F. Lopes

     

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest PJA

    Acho que pode encontrar a resposta às suas questões no Código Civil:

    Citação

    Artigo 1418.º Conteúdo do título constitutivo

    1 - No título constitutivo serão especificadas as partes do edifício correspondentes às várias fracções, por forma que estas fiquem devidamente individualizadas, e será fixado o valor relativo de cada fracção, expresso em percentagem ou permilagem, do valor total do prédio. 
    2 - Além das especificações constantes do número anterior, o título constitutivo pode ainda conter, designadamente: 
    a) Menção do fim a que se destina cada fracção ou parte comum;
    B) Regulamento do condomínio, disciplinando o uso, fruição e conservação, quer das partes comuns, quer das fracções autónomas; 
    c) Previsão do compromisso arbitral para a resolução dos litígios emergentes da relação de condomínio. 
    3 - A falta da especificação exigida pelo n.º 1 e a não coincidência entre o fim referido na alínea a) do n.º 2 e o que foi fixado no projecto aprovado pela entidade pública competente determinam a nulidade do título constitutivo.

    Artigo 1419.º (Modificação do título)

    1 - Sem prejuízo do disposto no n.º 3 do artigo 1422.º-A e do disposto em lei especial, o título constitutivo da propriedade horizontal pode ser modificado por escritura pública ou por documento particular autenticado, havendo acordo de todos os condóminos
    2 - O administrador, em representação do condomínio, pode outorgar a escritura ou elaborar e subscrever o documento particular a que se refere o número anterior, desde que o acordo conste de acta assinada por todos os condóminos. 
    3 - A inobservância do disposto no artigo 1415.º importa a nulidade do acordo; esta nulidade pode ser declarada a requerimento das pessoas e entidades designadas no n.º 2 do artigo 1416.º

    Secção III Direitos e encargos dos condóminos

    Artigo 1420.º (Direitos dos condóminos)

    1. Cada condómino é proprietário exclusivo da fracção que lhe pertence e comproprietário das partes comuns do edifício. 
    2. O conjunto dos dois direitos é incindível; nenhum deles pode ser alienado separadamente, nem é lícito renunciar à parte comum como meio de o condómino se desonerar das despesas necessárias à sua conservação ou fruição.

    Artigo 1421.º (Partes comuns do prédio)

    1 - São comuns as seguintes partes do edifício:
    a) O solo, bem como os alicerces, colunas, pilares, paredes mestras e todas as partes restantes que constituem a estrutura do prédio; 
    B) O telhado ou os terraços de cobertura, ainda que destinados ao uso de qualquer fracção; 
    c) As entradas, vestíbulos, escadas e corredores de uso ou passagem comum a dois ou mais condóminos; 
    d) As instalações gerais de água, electricidade, aquecimento, ar condicionado, gás, comunicações e semelhantes. 
    2. Presumem-se ainda comuns:
    a) Os pátios e jardins anexos ao edifício;
    B) Os ascensores;
    c) As dependências destinadas ao uso e habitação do porteiro;
    d) As garagens e outros lugares de estacionamento;
    e) Em geral, as coisas que não sejam afectadas ao uso exclusivo de um dos condóminos.
    3 - O título constitutivo pode afectar ao uso exclusivo de um condómino certas zonas das partes comuns.

    Mas posso não ter percebido bem - no caso de ser possível avançar com o que sugeriu, a que dinheiro se estava a referir?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    FERNANDO LOPES

    Boa tarde.

    Muito obrigado pela sua atenção.

    Quando mencionei  a "casa da porteira" como parte comum do prédio (cada condómino é proprietário exclusivo da sua fração,  e  também comproprietário das parte comuns do edifício), estava a pensar na possibilidade de, se nada for decidido em assembleia quanto ao destino da casa da porteira, ou arredando-a ou pondo-a à venda, irei requerer a divisão desta parte comum, porque nenhum comproprietário é obrigado a permanecer eternamente numa situação de indivisão. E sendo assim, penso eu, haverá divisão "desta parte comum" e como tal tereo direito ao meu quinhão.

    Não será assim?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest PJA
    há 1 hora, FERNANDO LOPES disse:

    ...se nada for decidido em assembleia quanto ao destino da casa da porteira, ou arredando-a ou pondo-a à venda, irei requerer a divisão desta parte comum, porque nenhum comproprietário é obrigado a permanecer eternamente numa situação de indivisão. E sendo assim, penso eu, haverá divisão "desta parte comum" e como tal tereo direito ao meu quinhão.

    É verdade que ninguém é obrigado a permanecer numa situação de indivisão, mas isso aplica-se à compropriedade (duas ou mais pessoas deterem o mesmo apartamento, por exemplo), não à propriedade horizontal, que é o caso aqui. Enquanto parte comum do edifício, nenhum condómino pode renunciar à sua posse (art 1420º), nem vender as partes comuns separadamente da sua fração.

    O que podem eventualmente fazer é alterar o título constituivo do prédio para que deixe de ser uma parte comum e passe a ser uma fração como os outros apartamentos, por exemplo. Para além da unanimidade dos condóminos, que é exigida pela legislação, implica custos com a alteração do título constitutivo e eventualmente novos licenciamentos para a nova fração. Aí sim, cada um poderia ir vendendo a quem bem entendesse a sua parte dessa nova fração (e da sua quota das partes comuns que estariam associadas a essa nova fração).
    Para evitar confusões (por exemplo, de alguém que paga a sua quota de condomínio pela parte que é só sua mas deixa de pagar pela parte correspondente à nova fração; ou haver alguns condóminos que começam a vender a sua quota dessa fração e depois uns ficam com maior quota do que outros), o melhor é só avançarem com uma ação deste género caso haja um comprador interessado (seja um dos condóminos, seja uma entidade externa).

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites

    Your content will need to be approved by a moderator

    Guest
    You are commenting as a guest. If you have an account, please sign in.
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

    Sign in to follow this  

    ×
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa