Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Procuração emitida ( pelo cabeça de casal ) para geria a herança por um outro filho


    Adélia Santos

    Recommended Posts

    Adélia Santos

    Boa tarde,

    A minha mãe é herdeira mais velha de uma herança de 7 herdeiros. O meu avô ficou como cabeça de casal à morte da minha avó e não foi feita qualquer tipo de partilhas, apenas se fez a habilitação de herdeiros ( nessa altura o meu avô estava bem e com capacidade para tal ).

    Acontece que o meu avô já tem 94 anos e já não tem capacidade de reconhecer os filhos, muito menos de gerir uma herança, no entanto, um dos irmãos ameaçou todos os outros e ficou a gerir tudo, porque conseguiu uma procuração do meu avô ( ele não sabe ler nem escrever ), para não arranjar problemas ninguém fez nada.

    Agora como a minha mãe é a mais velha dos irmãos começou a receber cartas com diversas dividas em atraso, água, luz e IMI, intimação para limpar o terreno da habitação ( única herança deixada pela minha avó ), que já não está a ser habitada por o meu avô estar num lar.

    A minha mãe não tem documentos de nada, não pode contactar o meu avô porque o Lar diz que o filho responsável proibiu ( no natal visitamos o meu avô às escondidas, sem as doutoras do lar saberem, não é justo, os filhos não poderem visitar os seus pais, mas é no país que vivemos, uma vergonha – ele está demente, um dia destes morre e nem se podem despedir dele ). Como o meu tio é bruto a minha mãe não quer problemas e nem se tem metido em nada.

    No entanto, uma coisa é não receber nada da herança, outra é aparecer dívidas para pagar.

    Todos os meus tios querem que a minha mãe fique como cabeça de casal ( uma vez que o meu avô não tem capacidade para tal – não sabe ler nem escrever e tem demência ), o problema é que o meu tio tem uma procuração passada pelo meu avô ( não sabemos se o meu avô estaria em plenas faculdades para assinar essa procuração, até porque não sabe ler nem escrever ) que segundo ele lhe dá plenos poderes sobre a herança.

    Ele não foi nomeado por nós, e ameaça que se não fizerem as coisas como ele quer, que não assina a venda da casa, para pagar as dívidas e a casa será vendida em Asta pública ou que não paga os impostos e fica para as finanças e os irmãos não vêm dinheiro nenhum.

    O que ele quer é que a propriedade que até que está num sitio onde tem bastante valor, seja confiscada pelas finanças e ele vai lá e compra-a por meia dúzia de tostões, ( dito por ele na minha cara ).

    A minha pergunta é o que os outros 6 irmãos podem fazer para não ficarem prejudicados, apenas porque um usou de má fé para ter uma procuração passada por uma pessoa incapacitada e não paga as despesas ( afinal ele ficou com total acesso à conta bancária do meu avô e nós nem perto do meu avô podemos chegar, o Lar não deixa e não é por causa do Virus ), o que queríamos era podermos vender a casa de forma a pagarmos todas as despesas, mas sem a assinatura dele, o que podemos fazer?

    Os meus tios podem visitar o meu avô ( quando passar a pandemia ), mesmo contra o consentimento do Lar?

    A minha mãe pode ser nomeada cabeça de casal, mesmo contra a vontade deste meu tio que não é o mais velho e o meu avô não está em condições de gerir nada?

    Podemos fazer partilhas mesmo sendo ele contra, para que as despesas sejam divididas por todos?

    Ficava muito grata a quem me conseguisse ajudar, a minha mãe não tem capacidade económica para pagar a um advogado para resolver esta questão, qual é a forma mais barata de resolver a situação, sem ter de andar anos em tribunal?

    A minha mãe tem uma reforma muito pequenina e sou eu que tenho andado a pagar as dividas, mas também já está a ser de mais para mim.

    Afinal, todos podem ser prejudicados apenas por um?

    Link to post
    Share on other sites
    • 1 month later...
    A 30/06/2020 às 15:49, Adélia Santos disse:

    Boa tarde,

    A minha mãe é herdeira mais velha de uma herança de 7 herdeiros. O meu avô ficou como cabeça de casal à morte da minha avó e não foi feita qualquer tipo de partilhas, apenas se fez a habilitação de herdeiros ( nessa altura o meu avô estava bem e com capacidade para tal ).

    Acontece que o meu avô já tem 94 anos e já não tem capacidade de reconhecer os filhos, muito menos de gerir uma herança, no entanto, um dos irmãos ameaçou todos os outros e ficou a gerir tudo, porque conseguiu uma procuração do meu avô ( ele não sabe ler nem escrever ), para não arranjar problemas ninguém fez nada.

    Agora como a minha mãe é a mais velha dos irmãos começou a receber cartas com diversas dividas em atraso, água, luz e IMI, intimação para limpar o terreno da habitação ( única herança deixada pela minha avó ), que já não está a ser habitada por o meu avô estar num lar.

    A minha mãe não tem documentos de nada, não pode contactar o meu avô porque o Lar diz que o filho responsável proibiu ( no natal visitamos o meu avô às escondidas, sem as doutoras do lar saberem, não é justo, os filhos não poderem visitar os seus pais, mas é no país que vivemos, uma vergonha – ele está demente, um dia destes morre e nem se podem despedir dele ). Como o meu tio é bruto a minha mãe não quer problemas e nem se tem metido em nada.

    No entanto, uma coisa é não receber nada da herança, outra é aparecer dívidas para pagar.

    Todos os meus tios querem que a minha mãe fique como cabeça de casal ( uma vez que o meu avô não tem capacidade para tal – não sabe ler nem escrever e tem demência ), o problema é que o meu tio tem uma procuração passada pelo meu avô ( não sabemos se o meu avô estaria em plenas faculdades para assinar essa procuração, até porque não sabe ler nem escrever ) que segundo ele lhe dá plenos poderes sobre a herança.

    Ele não foi nomeado por nós, e ameaça que se não fizerem as coisas como ele quer, que não assina a venda da casa, para pagar as dívidas e a casa será vendida em Asta pública ou que não paga os impostos e fica para as finanças e os irmãos não vêm dinheiro nenhum.

    O que ele quer é que a propriedade que até que está num sitio onde tem bastante valor, seja confiscada pelas finanças e ele vai lá e compra-a por meia dúzia de tostões, ( dito por ele na minha cara ).

    A minha pergunta é o que os outros 6 irmãos podem fazer para não ficarem prejudicados, apenas porque um usou de má fé para ter uma procuração passada por uma pessoa incapacitada e não paga as despesas ( afinal ele ficou com total acesso à conta bancária do meu avô e nós nem perto do meu avô podemos chegar, o Lar não deixa e não é por causa do Virus ), o que queríamos era podermos vender a casa de forma a pagarmos todas as despesas, mas sem a assinatura dele, o que podemos fazer?

    Os meus tios podem visitar o meu avô ( quando passar a pandemia ), mesmo contra o consentimento do Lar?

    A minha mãe pode ser nomeada cabeça de casal, mesmo contra a vontade deste meu tio que não é o mais velho e o meu avô não está em condições de gerir nada?

    Podemos fazer partilhas mesmo sendo ele contra, para que as despesas sejam divididas por todos?

    Ficava muito grata a quem me conseguisse ajudar, a minha mãe não tem capacidade económica para pagar a um advogado para resolver esta questão, qual é a forma mais barata de resolver a situação, sem ter de andar anos em tribunal?

    A minha mãe tem uma reforma muito pequenina e sou eu que tenho andado a pagar as dividas, mas também já está a ser de mais para mim.

    Afinal, todos podem ser prejudicados apenas por um?

    Não sei se vai a tempo a minha resposta mas vou dar a minha opinião.

    Os filhos todos devem ir à policia fazer queixa do sr que está sob ameaça a apoderar-se de tudo. P pede uma declaração por escrito ao lar em como que vcs estão proibidos de visitar o vosso avô. Só o tribunal pode proibir visitas.O lar tem que dar resposta, mandem carta com aviso de recepção. Com essa carta façam queixa na policia.

    Esse sr está a arranjar provas de abandono dos filhos e netos ao vosso avô. Está a agir de má fé e a "sequestrar" o vosso avô prendendo-o sem visitas.

    O facto do vosso avô não reconhecer as pessoas não é razão para estar abandonado num lar.

    Devem ir todos ao notário requerem partilhas e pedir a anulação da procuração. O cargo de casal não é transmissível.

    só o notário ou o tribunal pode nomear o cabeça de casal.

    Ameaçar uma pessoa é crime, recusar a fazer partilhas é apropriação indevida de bens. 

    Devem quanto antes tomar uma atitude.

    Vou dar o meu exemplo.

    Eu, pedi apoio judicial e destitui o cabeça de casal, que era a minha irmã mais velha. Ela mentiu no balcão de heranças a dizer que eu não vivia com os meus pais à morte deles. Também com chantagem me ameaçar que fazia queixa de mim à segurança social. E neste dois anos ela e o meu irmão tentaram me extorquir todo o meu dinheiro, tentaram que eu desse também a minha casa, ameaçaram que entregavam a minha filha ao pai e me internavam como maluca por eu querer partilhas e recusar a sair da casa. Tentaram me extorquir renda de todos os anos que tomei conta dos meus pai, eu é que lhes tinha que pagar por ter estado aqui a ajudar os meus pais a vida toda, nunca me pagaram ordenado nem qualquer compensação por ir com eles para todo o lado, Cheguei a dormir com a minha filha pequena no carro no IPO, depois de esfregar refeitórios e restaurantes. Sou divorciada e o meu ex-marido é estrangeiro, eles são os dois casados e as filhas são todas mais velhas. Como recusei a sair exigiram me o valor da minha reforma como renda, como recusei ameaçaram me com tribunal e exigiram que só usasse um quarto e 1 casa de banho.

    Levaram coisas do  recheio, que dividiram pelos dois, sem me dar a minha parte e muito mais. Deixei-os levam tudo, e continuam a exigir um balúrdio pela casa, que eu entreguasse tudo o que tenho (a minha casa e todo o meu dinheiro), pela parte do meu irmão (que são 17000 euros) e ficasse a pagar renda de casa no valor da minha reforma pela parte da minha irmã.

    Neste momento sou cabeça de casal e já fiz o inventário. Nem que tenha que fazer queixa destes monstros à policia vou avançar com isto. Não me interessa neste momento a vergonha, nem o facto de ter que devolver todos os subsídios de desemprego e abonos de anos, por ter outra morada para não "chular" as reformas aos meus pais. Estive aqui a vida toda e os srs só cá vinham para receber dinheiro e não pagavam nem um pacote de leite aos meus pais.

    O medo e a vergonha de ter irmãos assim,  que não prestam, não deve servir para deixarem roubar e deixar a apropriação de bens por um individuo, ou indivíduos  sem escrúpulos.

    Metam acção em tribunal, como diz a sua mãe tem uma reforma pequena a seg social dá-lhe isenção total.

    Eu também tenho uma reforma pequena e avancei com advogado privado, por a seg social demorar mais de 8 meses a responder, já estou a resolver o meu problema de ameaças.

    Mesmo que fique sem nada, não vou ter que dar rendas o resto da vida a quem nunca ajudou os meus pais.

    Tenho também cunhada que ajuda na festa, uma sra que se despediu e veio gravida para morar aqui, enquanto o meu irmão poupava tudo o que ganhava para poder comprar casa, pois estoirou tudo o que ganhava quando era solteiro. Quando saiu teve a sra anos sem trabalhar em casa e nós todos a ajudar para as minha sobrinhas não passarem fome, foi preciso a minha irmã fazer queixa dele à cpcj para a sra meter as 3 filhas na creche e ir trabalhar. 

    Por isso a minha vida, quando isto acabar, só pode melhorar, nem que seja me livrando destes 2.

    Link to post
    Share on other sites

    Join the conversation

    You are posting as a guest. If you have an account, sign in now to post with your account.
    Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

    Guest
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

    ×
    ×
    • Create New...