Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Imobiliário versus Rendimento de Capitais


    Recommended Posts

    Caros investidores,

    Imaginem este cenário hipotético.

    Temos dois investidores:

    INVESTIDOR A

    - 40 000 euros de capital

    - 1 400 euros de rendimento liquido mensal

    - taxa de poupança média mensal de 50%

    - sem despesas fixas mensais

    - Adquire um imóvel pelo valor de 100 000 euros, solicitando financiamento para 90% do capital, a um prazo de 10 anos., ficando a pagar uma prestação de 820 euros mensais. Objetivo - arrendamento.

    - Sobram-lhe 30 000 euros que decide aplicar num depósito a prazo com possibilidade de movimentação antecipada, dada a probabilidade elevada de ter de recorrer a essas poupanças para pagar as mensalidades da prestação do crédito.

     

    INVESTIDOR B

    - 40 000 euros de capital

    - 1 400 euros de rendimento liquido mensal

    - taxa de poupança média mensal de 50%

    - sem despesas fixas mensais

    - Aplica todas as suas poupanças, atuais e futuras, em fundos de investimento (gestão ativa), ETF e obrigações.

     

    Perante este cenário, coloco-vos três questões:

    - Com que investidor se identificam e porquê?

    - Qual o investidor que ao fim de 10 anos terá um património maior?

     

    Obrigado.

     

    • Upvote 1
    Link to post
    Share on other sites
    • 1 month later...
    A 06/06/2020 às 17:01, Douken disse:

    Caros investidores,

    Imaginem este cenário hipotético.

    Temos dois investidores:

    INVESTIDOR A

    - 40 000 euros de capital

    - 1 400 euros de rendimento liquido mensal

    - taxa de poupança média mensal de 50%

    - sem despesas fixas mensais

    - Adquire um imóvel pelo valor de 100 000 euros, solicitando financiamento para 90% do capital, a um prazo de 10 anos., ficando a pagar uma prestação de 820 euros mensais. Objetivo - arrendamento.

    - Sobram-lhe 30 000 euros que decide aplicar num depósito a prazo com possibilidade de movimentação antecipada, dada a probabilidade elevada de ter de recorrer a essas poupanças para pagar as mensalidades da prestação do crédito.

     

    INVESTIDOR B

    - 40 000 euros de capital

    - 1 400 euros de rendimento liquido mensal

    - taxa de poupança média mensal de 50%

    - sem despesas fixas mensais

    - Aplica todas as suas poupanças, atuais e futuras, em fundos de investimento (gestão ativa), ETF e obrigações.

     

    Perante este cenário, coloco-vos três questões:

    - Com que investidor se identificam e porquê?

    - Qual o investidor que ao fim de 10 anos terá um património maior?

     

    Obrigado.

     

    Excelente questão!

    Na minha opinião depende de uma só coisa: números. Depende da rentabilidade do investimento imobiliário (qual o valor da renda média expectável, deduzida de todos os encargos operacionais+financeiros) e qual a rentabilidade expectável do cabaz de produtos financeiros. Eu diria que sem estes dados não dá para responder à questão.

    Agora, admito que pelo menos em Portugal a maioria dos investidores vai para a primeira opção, culturalmente é tida como a mais segura, talvez porque as pessoas vêm a casa como algo mais seguro, tenho alguma dificuldade em comprar esta teoria.

    Link to post
    Share on other sites
    • 3 weeks later...
    gustafsson
    A 06/06/2020 às 17:01, Douken disse:

    Caros investidores,

    Imaginem este cenário hipotético.

    Temos dois investidores:

    INVESTIDOR A

    - 40 000 euros de capital

    - 1 400 euros de rendimento liquido mensal

    - taxa de poupança média mensal de 50%

    - sem despesas fixas mensais

    - Adquire um imóvel pelo valor de 100 000 euros, solicitando financiamento para 90% do capital, a um prazo de 10 anos., ficando a pagar uma prestação de 820 euros mensais. Objetivo - arrendamento.

    - Sobram-lhe 30 000 euros que decide aplicar num depósito a prazo com possibilidade de movimentação antecipada, dada a probabilidade elevada de ter de recorrer a essas poupanças para pagar as mensalidades da prestação do crédito.

     

    INVESTIDOR B

    - 40 000 euros de capital

    - 1 400 euros de rendimento liquido mensal

    - taxa de poupança média mensal de 50%

    - sem despesas fixas mensais

    - Aplica todas as suas poupanças, atuais e futuras, em fundos de investimento (gestão ativa), ETF e obrigações.

     

    Perante este cenário, coloco-vos três questões:

    - Com que investidor se identificam e porquê?

    - Qual o investidor que ao fim de 10 anos terá um património maior?

     

    Obrigado.

     

    Douken , 

     

    Colocas duas situações mas creio que deverias equacionar bem mais do que duas .

    Eu por exemplo abomino os fundos de gestão activa porque 99% são bons mas não é para quem investe neles.

    Falas em 10 anos no entanto para um Investidor o longo prazo

    é que conta e é no longo prazo que a magia do juro composto produz resultados . Eu já fiz essas contas com vários cenários porque ponderei comprar um T2

    para investir e creio que a 25 anos (ou 30) cheguei á conclusão que com 8% de rendibilidade média anual (e tenho bem mais mesmo com o corona) iria superar em mais do dobro a rendibilidade de um apartamento . E no meu caso :

    1 - Iria ser pago a pronto

    2- Assumia que estaria SEMPRE arrendado

    3 - Não iria ter despesas de manutenção elevadas

    No teu dizes que vais recorrer a divida ...São contas sempre especulativas em parte porque qual será a rendabilidade dos teus investimentos , até que ponto entendes de mercados , se o apartamento estará sempre arrendado ,quanto irá desvalorizar o imóvel , mudanças na lei em Portugal ....dezenas de questões sem resposta fácil

     

    No meu caso fiz as contas a um prazo bem maior e os numeros a que cheguei foram de uma diferença brutal.

    O grande salto é precisamente a partir do ano 15-20 .

     

    40 000€ a 8% - 20 anos = 146 000€  juros (+ capital 40k)    a 30 = 362 000€   juros

    40 000€ a 5% - 20 anos = 66 000 € juros (+ capital 40k)      a 30 = 132 000 €  juros

     

    Boa sorte

    Edited by gustafsson
    • Downvote 2
    Link to post
    Share on other sites
    • 2 weeks later...
    JoaoSousa

    Se o investidor A fosse viver na casa que comprou, enquanto o B tivesse de pagar uma renda, acho que compensaria ser o A.

    Melhor ainda se fosse um CH a 40 anos...

     

    Por outro lado, partindo do princípio que já tem casa própria, sem dúvida que iria para ETF (passivo) e obrigações.

    É muito mais flexível (não requer o pagamento mensal de uma prestação, vai-se investindo consoante as possibilidades) e dá muito menos trabalho.

    Edited by JoaoSousa
    Link to post
    Share on other sites

    Join the conversation

    You are posting as a guest. If you have an account, sign in now to post with your account.
    Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

    Guest
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

    ×
    ×
    • Create New...