Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Sign in to follow this  
    hentel

    direito preferencia

    Recommended Posts

    hentel

    Boa tarde

    Agradecia que alguém me informasse do seguinte:  Tenho um terreno rústico misto com 20 hectares, com 2 cadernetas uma rústica e uma urbana,  e tenho um vizinho com 1,5 hectare,  a unidade de cultura da zona  é de 7,5 hectares. Tenho que lhe comunicar que irei vender o terreno, para que este possa exercer o direito de preferência?

    Obrigado desde já por uma resposta.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest PJA
    Citação

    CÓDIGO CIVIL

    Artigo 1380.º

    (Direito de preferência)

    1. Os proprietários de terrenos confinantes, de área inferior à unidade de cultura, gozam recìprocamente do direito de preferência nos casos de venda, dação em cumprimento ou aforamento de qualquer dos prédios a quem não seja proprietário confinante. 
    2. Sendo vários os proprietários com direito de preferência, cabe este direito: 
    a) No caso de alienação de prédio encravado, ao proprietário que estiver onerado com a servidão de passagem; 
    B) Nos outros casos, ao proprietário que, pela preferência, obtenha a área que mais se aproxime da unidade de cultura fixada para a respectiva zona. 
    3. Estando os preferentes em igualdade de circunstâncias, abrir-se-á licitação entre eles, revertendo o excesso para o alienante. 
    4. É aplicável ao direito de preferência conferido neste artigo o disposto nos artigos 416.º a 418.º e 1410.º, com as necessárias adaptações.

    Artigo 1381.º

    (Casos em que não existe o direito de preferência)

    Não gozam do direito de preferência os proprietários de terrenos confinantes:
    a) Quando algum dos terrenos constitua parte componente de um prédio urbano ou se destine a algum fim que não seja a cultura; 
    B) Quando a alienação abranja um conjunto de prédios que, embora dispersos, formem uma exploração agrícola de tipo familiar.

    ...

    Artigo 416.º

    (Conhecimento do preferente)

    1. Querendo vender a coisa que é objecto do pacto, o obrigado deve comunicar ao titular do direito o projecto de venda e as cláusulas do respectivo contrato. 
    2. Recebida a comunicação, deve o titular exercer o seu direito dentro do prazo de oito dias, sob pena de caducidade, salvo se estiver vinculado a prazo mais curto ou o obrigado lhe assinar prazo mais longo.

    Artigo 417.º

    (Venda da coisa juntamente com outras)

    1. Se o obrigado quiser vender a coisa juntamente com outra ou outras, por um preço global, pode o direito ser exercido em relação àquela pelo preço que proporcionalmente lhe for atribuído, sendo lícito, porém, ao obrigado exigir que a preferência abranja todas as restantes, se estas não forem separáveis sem prejuízo apreciável. 
    2. O disposto no número anterior é aplicável ao caso de o direito de preferência ter eficácia real e a coisa ter sido vendida a terceiro juntamente com outra ou outras.

    Artigo 418.º

    (Prestação acessória)

    1. Se o obrigado receber de terceiro a promessa de uma prestação acessória que o titular do direito de preferência não possa satisfazer, será essa prestação compensada em dinheiro; não sendo avaliável em dinheiro, é excluída a preferência, salvo se for lícito presumir que, mesmo sem a prestação estipulada, a venda não deixaria de ser efectuada, ou que a prestação foi convencionada para afastar a preferência. 
    2. Se a prestação acessória tiver sido convencionada para afastar a preferência, o preferente não é obrigado a satisfazê-la, mesmo que ela seja avaliável em dinheiro.

    Artigo 1410.º

    (Acção de preferência)

    1 - O comproprietário a quem se não dê conhecimento da venda ou da dação em cumprimento tem o direito de haver para si a quota alienada, contanto que o requeira dentro do prazo de seis meses, a contar da data em que teve conhecimento dos elementos essenciais da alienação, e deposite o preço devido nos 15 dias seguintes à propositura da acção. 
    2. O direito de preferência e a respectiva acção não são prejudicados pela modificação ou distrate da alienação, ainda que estes efeitos resultem de confissão ou transacção judicial.

    Admitindo que ele tem o direito de preferência sim, deve informá-lo (tenha atenção os requisitos descritos acima e os casos em que não existe direito de preferência).

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest Direito de Preferência
    A ‎29‎/‎01‎/‎2018 às 18:19, Visitante PJA disse:

    Admitindo que ele tem o direito de preferência sim, deve informá-lo (tenha atenção os requisitos descritos acima e os casos em que não existe direito de preferência).

    Revisão do direito de preferência

    Para: Ministério da Agricultura; Ordenamento do Território; Ministério da Justiça; Ministério das Finanças; Assembleia da Republica;

    Abolição do direito de preferência, aos proprietários de terrenos confinantes, sem servidão ou sem parcelas indivisas ou encravadas, aplicável a terrenos não fracionados, por forma a liberalizar e promover a venda dos terrenos rústicos aos interessados no cultivo, desde que o uso se destine estritamente a cultura agrícola especifica da região/área.

    Verifica-se que neste pais existem muitos terrenos abandonados, que possuem dono, mas não são cultivados.
    O direito de preferência estabelece prioridade aos proprietários de terrenos confinantes, que muitas vezes nunca demonstram interesse na compra até que se consuma a venda a um terceiro, para beneficiar de contenda judicial para adquirir o terreno de forma mais barata - o que se torna uma obstrução a quem quer cultivar e pretende comparar terrenos.

    Deve ser revista o direito de preferência com a finalidade:
    - Promover a troca comercial simplificada, através de venda judicial - mas de regime Livre;
    - Evitar litígios em sede de justiça, promovidos pelo atual direito de preferência, morosos e em muitos casos impeditivos do cultivo dos terrenos, alem de obstruírem as instâncias judiciais;
    - Maximizar e dinamizar o cultivo dos terrenos de reserva agrícola - através do regime livre e simplificado;
    - Evitar calamidades publicas (incêndios) - potenciadas por terrenos não explorados.
     

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites

    Your content will need to be approved by a moderator

    Guest
    You are commenting as a guest. If you have an account, please sign in.
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

    Sign in to follow this  

    ×
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa