Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • P2P - Tópico Geral


    Recommended Posts

    Cardoso24

    Boa Tarde a todos,

    A pedido de várias famílias :P e tendo em conta que o interesse nesta área (P2P) tem vindo a subir consideravelmente. Considero que é importante ter um tópico geral onde se possa discutir:

    1) Escolha das melhores Plataformas - Segurança, Rentabilidade (taxas), Liquidez, Transparência, entre outros factores (Auto-Invest, Apoio ao Cliente, Mercados, Loans Originators, etc)

    2) Portefólio - % que consideram alocar neste tipo de investimento

    3) Fiscalidade/Legislação

    (As P2P ainda não possuem muita legislação, portanto é fulcral estar atento às notícias que vão saindo e que vão sair até ao final do ano relativamente às P2P na Letónia).

    Caso alguém tenha mais alguma ideia (eu actualizo o tópico inicial).

    As melhores plataformas europeias: 

    Mintos

    TFGCrowd (nova plataforma)

    Peerberry

    Grupeer

    Robo.Cash

    Bulkestate - Imobiliário

    ViaInvest

    DoFinance

     

    Bons Investimentos.

    Edited by Cardoso24
    • Like 1
    Link to post
    Share on other sites
    • Replies 10k
    • Created
    • Last Reply

    Top Posters In This Topic

    • Rick Lusitano

      1756

    • Nesspc

      853

    • Harvester

      490

    • Patanisca

      404

    Top Posters In This Topic

    Popular Posts

    Excelente post. Em alguns comentários parece que a culpa da Envestio e Kuetzal terem indo ao charco foram os levantamentos, incluindo as saídas antecipadas. A culpa é só das plataformas, umas por

    Fechando o ano de 2019, penso que foi bastante positivo para mim no meu próprio Fundo de Sucateiro P2P Aqui ficam alguns valores nomeadamente em p2p retorno vs risco Notas : 2018 apen

    Sim, as coisas impossíveis ao ser humano que já vi acontecer em mim e já vi em outras pessoas provaram sem sombra de dúvida que Deus existe e se torna galardoador daqueles que o buscam. Em Genesi

    Posted Images

    IceMan1910
    há 2 horas, Cardoso24 disse:

    Boa Tarde a todos,

    A pedido de várias famílias :P e tendo em conta que o interesse nesta área (P2P) tem vindo a subir consideravelmente. Considero que é importante ter um tópico geral onde se possa discutir:

    1) Escolha das melhores Plataformas - Segurança, Rentabilidade (taxas), Liquidez, Transparência, entre outros factores (Auto-Invest, Apoio ao Cliente, Mercados, Loans Originators, etc)

    2) Portefólio - % que consideram alocar neste tipo de investimento

    3) Fiscalidade/Legislação

    (As P2P ainda não possuem muita legislação, portanto é fulcral estar atento às notícias que vão saindo e que vão sair até ao final do ano relativamente às P2P na Letónia).

    Caso alguém tenha mais alguma ideia (eu actualizo o tópico inicial).

    Bons Investimentos.

    Eu tal como já referido noutro tópicos tenho neste momento uma percentagem de cerca de 50% do portfolio alocado ao p2p.

    Não tenciono manter uma percentagem tão elevada (acho que 20% já é uma boa exposição) mas não tenho neste momento exposição imobiliária (porque vejo quase tudo em bolha na zona de lisboa) e os fundos/etfs que tenho não quero andar a reforçar à maluca porque estou também preocupado com o pico dos mercados financeiros.

    Não quer isto dizer que não continue a reforçar no mercado mas tenho reforçado mais em p2p do que no mercado exatamente para me tentar prevenir de um eventual pico que possa acontecer principalmente no mercado americano. Mas para 2018/2019 tenciono ir baixando aos poucos a percentagem de exposição aos p2p pelo menos para 33%.

    Disto isto, tenciono chegar ao final do ano com uma distribuição entre casas de:

    - Raize - 40%

    - Mintos - 40%

    - Housers -1%

    - Lendix - 10%

    - Possivel nova casa (Viventor, Viainveste, Robocash, Twino) - 9%

    Podem tambem partilhar a vossa alocação a casa casa p2p e no total do portfolio?

    Cumprimentos,

    Link to post
    Share on other sites
    gustaferra
    há 40 minutos, IceMan1910 disse:

    Eu tal como já referido noutro tópicos tenho neste momento uma percentagem de cerca de 50% do portfolio alocado ao p2p.

    Não tenciono manter uma percentagem tão elevada (acho que 20% já é uma boa exposição) mas não tenho neste momento exposição imobiliária (porque vejo quase tudo em bolha na zona de lisboa) e os fundos/etfs que tenho não quero andar a reforçar à maluca porque estou também preocupado com o pico dos mercados financeiros.

    Não quer isto dizer que não continue a reforçar no mercado mas tenho reforçado mais em p2p do que no mercado exatamente para me tentar prevenir de um eventual pico que possa acontecer principalmente no mercado americano. Mas para 2018/2019 tenciono ir baixando aos poucos a percentagem de exposição aos p2p pelo menos para 33%.

    Disto isto, tenciono chegar ao final do ano com uma distribuição entre casas de:

    - Raize - 40%

    - Mintos - 40%

    - Housers -1%

    - Lendix - 10%

    - Possivel nova casa (Viventor, Viainveste, Robocash, Twino) - 9%

    Podem tambem partilhar a vossa alocação a casa casa p2p e no total do portfolio?

    Cumprimentos,

    Atualmente ando em : 

    FM= 7.78%

    DP= 15%

    Acções= 0% ( parei de elaborar um ficheiro técnico que me ia permitir fazer AF)

    P2P=77.22%

    Uma vez, o maior peso está nas P2P diversifiquei em 13 P2P sendo as principais ( Mintos, Viainvest , Twino, Viventor; Raize; Robocash, Iuvo etc...nas outras não tem expressão)

    Link to post
    Share on other sites
    Cardoso24
    há 18 horas, IceMan1910 disse:

    Eu tal como já referido noutro tópicos tenho neste momento uma percentagem de cerca de 50% do portfolio alocado ao p2p.

    Não tenciono manter uma percentagem tão elevada (acho que 20% já é uma boa exposição) mas não tenho neste momento exposição imobiliária (porque vejo quase tudo em bolha na zona de lisboa) e os fundos/etfs que tenho não quero andar a reforçar à maluca porque estou também preocupado com o pico dos mercados financeiros.

    Não quer isto dizer que não continue a reforçar no mercado mas tenho reforçado mais em p2p do que no mercado exatamente para me tentar prevenir de um eventual pico que possa acontecer principalmente no mercado americano. Mas para 2018/2019 tenciono ir baixando aos poucos a percentagem de exposição aos p2p pelo menos para 33%.

    Disto isto, tenciono chegar ao final do ano com uma distribuição entre casas de:

    - Raize - 40%

    - Mintos - 40%

    - Housers -1%

    - Lendix - 10%

    - Possivel nova casa (Viventor, Viainveste, Robocash, Twino) - 9%

    Podem tambem partilhar a vossa alocação a casa casa p2p e no total do portfolio?

    Cumprimentos,

    Eu tenho neste momento 17,17% alocado nas P2P.

    @IceMan1910 concordo com essa % que defines como uma boa exposição (20%) neste tipo de investimento. No meu caso esta "baixa %" é reflexo de nos últimos meses ter parados os reforços, e ter sobretudo efectuado muitos levantamentos, o que fez com que tenha ficado "apenas" com 17,17%.
    Os motivos foram 2 - baixas taxas 8-9%, acho que não nos podemos esquecer que existe um risco nesta área, como tal, ninguém devia aceitar essas taxas até para evitar que as P2P continuem a baixar as taxas. E sobretudo a fraca liquidez que estas plataformas tiveram nos últimos meses. Contudo parece-me que as coisas estão a normalizar, pelo menos na Mintos, Viventor e Twino. Portanto em Novembro, salvo se não houver alguma alteração no meu plano, quero aumentar esta %.

    A Housers vale a pena?

    Nesta fase não me preocupo se tiver + 35% do portefólio nas P2P porque tenho 7 plataformas. Quero ter no máximo umas 10 plataformas (caso compense).

    Dessas P2P que tens em mente (4), a que tem maior liquidez (de longe) é a Via Invest. A que tem o retorno mais elevado é o Robo Cash e tudo é feito de forma automatica, o que para alguns pode ser uma complicação. A que tem o melhor site e APP - Viventor. A Twino é a que tem o maior número de loan originators (possibilidade de diversificar geograficamente), comparando-a apenas às outras 3. Portanto cada uma tem a sua particularidade.

    OFFTOPIC: No mercado americano tens apenas ETF´s e Fundos ou tambéns tens acções? É que se tiveres apenas ETFs e não estejas a fazer trading, o "pico" dos mercados é algo que te deve interessar pouco (digo eu). Agora se tiveres acções (como é o meu caso), a história é diferente. Apesar de achar que o mercado está a precisar de respirar, a verdade é que ainda não se vê aquela subida em forma de bolha, apesar de quase todos os dias termos novos máximos históricos.

    há 18 horas, gustaferra disse:

    Atualmente ando em : 

    FM= 7.78%

    DP= 15%

    Acções= 0% ( parei de elaborar um ficheiro técnico que me ia permitir fazer AF)

    P2P=77.22%

    Uma vez, o maior peso está nas P2P diversifiquei em 13 P2P sendo as principais ( Mintos, Viainvest , Twino, Viventor; Raize; Robocash, Iuvo etc...nas outras não tem expressão)

    @gustaferra isso é que não estava nada à espera! Existem empresas com capacidade de duplicar e triplicar nos próximos 2/3 anos. Portanto se tiveres um ficheiro que te permita verificar a evolução dos resultados de uma empresa, conseguirias comprar boas empresas, mesmo com uma pequena % do teu portefólio.
     

    E a Grupeer não entrar nas principais? No meu caso é actualmente a nº 1. (ok eu sei que ela não dá assim tanta segurança mas :P)

    Link to post
    Share on other sites
    IceMan1910
    há 2 minutos, Cardoso24 disse:

    Eu tenho neste momento 17,17% alocado nas P2P.

    @IceMan1910 concordo com essa % que defines como uma boa exposição (20%) neste tipo de investimento. No meu caso esta "baixa %" é reflexo de nos últimos meses ter parados os reforços, e ter sobretudo efectuado muitos levantamentos, o que fez com que tenha ficado "apenas" com 17,17%.
    Os motivos foram 2 - baixas taxas 8-9%, acho que não nos podemos esquecer que existe um risco nesta área, como tal, ninguém devia aceitar essas taxas até para evitar que as P2P continuem a baixar as taxas. E sobretudo a fraca liquidez que estas plataformas tiveram nos últimos meses. Contudo parece-me que as coisas estão a normalizar, pelo menos na Mintos, Viventor e Twino. Portanto em Novembro, salvo se não houver alguma alteração no meu plano, quero aumentar esta %.

    A Housers vale a pena?

    Nesta fase não me preocupo se tiver + 35% do portefólio nas P2P porque tenho 7 plataformas. Quero ter no máximo umas 10 plataformas (caso compense).

    Dessas P2P que tens em mente (4), a que tem maior liquidez (de longe) é a Via Invest. A que tem o retorno mais elevado é o Robo Cash e tudo é feito de forma automatica, o que para alguns pode ser uma complicação. A que tem o melhor site e APP - Viventor. A Twino é a que tem o maior número de loan originators (possibilidade de diversificar geograficamente), comparando-a apenas às outras 3. Portanto cada uma tem a sua particularidade.

    OFFTOPIC: No mercado americano tens apenas ETF´s e Fundos ou tambéns tens acções? É que se tiveres apenas ETFs e não estejas a fazer trading, o "pico" dos mercados é algo que te deve interessar pouco (digo eu). Agora se tiveres acções (como é o meu caso), a história é diferente. Apesar de achar que o mercado está a precisar de respirar, a verdade é que ainda não se vê aquela subida em forma de bolha, apesar de quase todos os dias termos novos máximos históricos.

    1- Housers:

    - Não consigo ainda perceber se vale a pena. O que sei é o seguinte:

    - Bom apoio ao cliente, enviei um email com dúvida e passado 1 hora telefonaram-me em Ingles (Espanhol também era uma possibilidade) com a resposta a todas as minhas duvidas, 5*.

    -Tenho algumas reticencias em relação ao modelo de negocio deles no longo prazo mas parece-me bastante sério... é no fundo quase a mesma coisa que estares a investir num mutual fund de imobiliário (exemplo Fundissimo da Caixa). Se fores para uma oportunidade de Savings que é a melhor, eles compram a casa, alugam, gerem, e no final distribuiem os lucros pelo pessoal que tem Shares no negócio. É um negócio de longo prazo que nada tem a ver com Mintos, ou afins. Mas parecem muito profissionais. Até dizem que podemos fazer assembleias por skype sobre o futuro dos investimentos caso existam propostas de compra por um dos ativos e alguns socios queiram vender e outros manter. 

    - Tem mercado secundário mas ainda não testei a liquidez. Sendo que são negócios de bastante longo prazo o mercado secundário é fundamental.

    - Estão a investir já em 3 paises diferentes Espanha, Itália e Portugal o que permite diversificação geográfica

    - Muito bom: O melhor de tudo e o que me fez abrir já conta foi no entanto o facto de estarem a oferecer 50 euros quando investes os teus primeiros 50 euros, até ao final deste mes, . Abri conta e investi algum dinheiro - aceitam pagamento por cartão de crédito, sem qualquer custo, podes ganhar cashback se tiveres cartão com cashback e o investimento é imediato. Inclusivé já consegui referenciar alguns amigos e quando eles investiram os 50 euros não apenas eles mas eu também ganhamos 50 euros cada um. 

    Não sei se são permitidos referals aqui, mas a unica forma de ganhares os 50 euros é ires por um link referenciado. Segue o meu: https://www.housers.com/en/subscription-form?pt=PFH--REF--69772 . Se abrires conta e investires 50 euros num negócio no mercado primário ganhamos ambos 50 euros. Pareceme uma boa promoção para fazer uma pequena carteira e alguns euros e no longo prazo consoante as coisas forem andado se gostar reforço o investimento. Se quiserem ajudar, bora lá construir uma pequena carteira com alguns euros oferecidos para Portugal :)

     

    2 - Vou testar então quando tiver liquidez adicional a Viainvest, neste momento ainda quero continuar a reforçar na Mintos. Thanks pelas dicas.

    3 - Em relação às taxas de juro depende muito do tipo de negócio...

    Um negócio como a Raize com empresas locais, que te mostram as contas auditadas, os nomes etc... E ainda dão garantias pessoais, com um mercado secundário com liquidez de 100% dificilmente vão fugir muito no longo prazo dos 5...6...7%. Que é o que estas empresas costumam pagar quando vão à banca/obrigações. Para convencer as empresas a ir a estas plataformas em vez de ir ao banco, as taxas não podem ser muito superiores a isso.

    Já em emprestimos pessoais e em casas tipo Mintos, Viainvest etc... onde não estás apenas sujeito ao risco de a pessoa em si não pagar, mas também ao risco de o loan maker ir à falencia e não te dar o buyback, onde não sabes nada sobre as pessoas a quem estás a emprestar e estás a emprestar em paises ainda não muito maduros (Europa de Leste principalmente) aí as taxas tendem a andar mais para os 10%.... mas também não acredito que à medida que mais gente investe que estas taxas não se aproximem dos 8-9 que falas... esperemos que não. 10.11% pareceme uma taxa realista para os riscos envolvidos. 

    4 - Mercado

    Apenas tenho ETFs e Mutual Funds. Já me deixei disso de escolher acções à mão porque nunca dá bom resultado. Não tenho tempo suficiente para acompanhar o mercado como os profissionais fazem diáriamente. Portanto agora a minha estratégia é: 

    1- ETFs deixar uma grande parte do portfolio associado a ETFs dos maiores mercados, World Indexes, USA, Euro, etc.. e de facto o pico dos mercados não é uma super preocupação porque o que eu quero é Buy and Hold, no entanto não quero estar a entrar com grandes volumes com o mercado em pico. Exemplo, sou capaz de reforçar de 4 em 4 meses um EFT dos US mas no entanto se visse aquilo mais baixo secalhar de 2 em 2 meses reforçava... porque se faço Cost Averaging então sintome melhor a entrar com mais massa quando sei que os racios estão corretos para entrar e os racios de ganhos vs preço americanos estão horriveis para a maior parte das empresas.

    2 - Mutual Funds: Quando quero estratégias especificas, exemplo... Investir em empresas de segurança, energias renovaveis, etc.. investir em Trends, por agora tenho escolhido mutual funds e tenho alguns, uns porque gosto das entidades gestoras (Invest, Pictet, etc..) outros porque gosto da estratégia de investimento mesmo sabendo que os ETFs no longo prazo são melhores porque teem menos comissões de gestão. É como tudo quero diversificar entre os vários ativos. Aqui a estratégia é a mesma... posso ir reforçando... mas reforçar em fundos que estejam mais do que 50% nos usa... sabendo como estão os racios das empresas vs a cotação é algo que não me deixa investir grandes quantias de leve animo.

    Cumps,

     

    Link to post
    Share on other sites
    gustaferra
    há 1 hora, Cardoso24 disse:

    Eu tenho neste momento 17,17% alocado nas P2P.

    @IceMan1910 concordo com essa % que defines como uma boa exposição (20%) neste tipo de investimento. No meu caso esta "baixa %" é reflexo de nos últimos meses ter parados os reforços, e ter sobretudo efectuado muitos levantamentos, o que fez com que tenha ficado "apenas" com 17,17%.
    Os motivos foram 2 - baixas taxas 8-9%, acho que não nos podemos esquecer que existe um risco nesta área, como tal, ninguém devia aceitar essas taxas até para evitar que as P2P continuem a baixar as taxas. E sobretudo a fraca liquidez que estas plataformas tiveram nos últimos meses. Contudo parece-me que as coisas estão a normalizar, pelo menos na Mintos, Viventor e Twino. Portanto em Novembro, salvo se não houver alguma alteração no meu plano, quero aumentar esta %.

    A Housers vale a pena?

    Nesta fase não me preocupo se tiver + 35% do portefólio nas P2P porque tenho 7 plataformas. Quero ter no máximo umas 10 plataformas (caso compense).

    Dessas P2P que tens em mente (4), a que tem maior liquidez (de longe) é a Via Invest. A que tem o retorno mais elevado é o Robo Cash e tudo é feito de forma automatica, o que para alguns pode ser uma complicação. A que tem o melhor site e APP - Viventor. A Twino é a que tem o maior número de loan originators (possibilidade de diversificar geograficamente), comparando-a apenas às outras 3. Portanto cada uma tem a sua particularidade.

    OFFTOPIC: No mercado americano tens apenas ETF´s e Fundos ou tambéns tens acções? É que se tiveres apenas ETFs e não estejas a fazer trading, o "pico" dos mercados é algo que te deve interessar pouco (digo eu). Agora se tiveres acções (como é o meu caso), a história é diferente. Apesar de achar que o mercado está a precisar de respirar, a verdade é que ainda não se vê aquela subida em forma de bolha, apesar de quase todos os dias termos novos máximos históricos.

    @gustaferra isso é que não estava nada à espera! Existem empresas com capacidade de duplicar e triplicar nos próximos 2/3 anos. Portanto se tiveres um ficheiro que te permita verificar a evolução dos resultados de uma empresa, conseguirias comprar boas empresas, mesmo com uma pequena % do teu portefólio.
     

    E a Grupeer não entrar nas principais? No meu caso é actualmente a nº 1. (ok eu sei que ela não dá assim tanta segurança mas :P)

    Sim, tb tenho a grupeer e até bastante lucrativa, reforcei no inicio do mes mas ainda não se tornou principal em "peso" de cash dedicado, mais 1 a 2 semanas vou reforçar todas... 

    A minha vida está super preenchida foi a campanha das eleições, tornei me dirigente do clube da terra, estou a tratar do relatório de gestão, mais reuniões para ali para acolá.... 

    Não está fácil terminar o ficheiro de AF para começar aos pouco a entrar nas acções.... 

    Pela simplicidade das P2P não tenho stressado em entrar nas acções , ando numa média 10% anual nas P2P  para o que tenho investido, já dá para tirar um valor mensal certo.... 

    Mas é algo entrar no futuro próximo .... cenas dos próximos episódios :)

    Link to post
    Share on other sites

    Viva, tenho algumas duvidas, se alguém me poder esclarecer agradecia...
    Queria começar a internacionalizar a participação nas plataformas P2P e para inicio inscrevi-me na Twino, acontece que para ver os empréstimos activos tenho de depositar primeiro, para poder ver depois, é certo? Escolhi a Twino por ter garantia buyhback e pelo que tenho lido tem boa oferta, com isto gostava também de saber como entraram na plataforma, meteram o mínimo de investimento e foram ver, ou já foram com outra confiança/experiência e já entraram com mais?

    Link to post
    Share on other sites
    gustaferra
    há 34 minutos, Mercenario disse:

    Viva, tenho algumas duvidas, se alguém me poder esclarecer agradecia...
    Queria começar a internacionalizar a participação nas plataformas P2P e para inicio inscrevi-me na Twino, acontece que para ver os empréstimos activos tenho de depositar primeiro, para poder ver depois, é certo? Escolhi a Twino por ter garantia buyhback e pelo que tenho lido tem boa oferta, com isto gostava também de saber como entraram na plataforma, meteram o mínimo de investimento e foram ver, ou já foram com outra confiança/experiência e já entraram com mais?

    Na Twino a procura é maior que a oferta, praticamente andam assim todas, por isso não ves oferta disponivel .... Tens a mintos com muita oferta para todos os tipos de taxas e gostos 

    Edited by gustaferra
    Link to post
    Share on other sites
    Cardoso24
    há 2 horas, Mercenario disse:

    Viva, tenho algumas duvidas, se alguém me poder esclarecer agradecia...
    Queria começar a internacionalizar a participação nas plataformas P2P e para inicio inscrevi-me na Twino, acontece que para ver os empréstimos activos tenho de depositar primeiro, para poder ver depois, é certo? Escolhi a Twino por ter garantia buyhback e pelo que tenho lido tem boa oferta, com isto gostava também de saber como entraram na plataforma, meteram o mínimo de investimento e foram ver, ou já foram com outra confiança/experiência e já entraram com mais?

    Se quiseres uma plataforma com muita liquidez tens a ViaInvest (podes usar o meu link).

    Quanto à Twino tem momentos de muita liquidez e outros sem nada. Aconselho te a criares um portefólio "Auto Invest".

    há 2 horas, quirino disse:

    O tópico mais pedido.

    Eu estou com aproximadamente 50% do meu portfólio alocado a p2p e 50% em FI.

    Viventor, Mintos, Twino, Grupeer e entrei este mês na robocash.

     

    Só te falta a ViaInvest que tem muita liquidez (10 a 12%).

    há 2 horas, IceMan1910 disse:

    A mintos de facto está brutal a oferta... sinto que podia meter ali 1 milhão de euros se os tivesse e no final do dia tinha o saldo da conta a 0 :)

     

    Confere! Mas teve há uns tempos atrás uma quebra brutal! Agora está a voltar mas nota-se uma grande quebra. Antigamente os loans da Geórgia até 30 dias tinham 12%, agora 11%.

    • Upvote 1
    Link to post
    Share on other sites
    Cardoso24
    há 4 horas, nfs disse:

    Como funciona em termos fiscais? Abri conta na mintos, eles mandam documento com valores para declarar mos em sede IRS? 

    Esse é um assunto que não é de fácil resolução e cria alguma polémica.

    De qualquer forma a maior parte das plataformas tem uma opcao para "extrair" uma declaração.

    - Será que caso existam perdas nas P2P, existe possibilidade de deduzir as mesmas? É que esta área ainda esta num vazio legislativo.

    Gostava de ler também as vossas opiniões.

    Link to post
    Share on other sites
    Cardoso24
    há 22 horas, IceMan1910 disse:

     

    3 - Em relação às taxas de juro depende muito do tipo de negócio...

    Um negócio como a Raize com empresas locais, que te mostram as contas auditadas, os nomes etc... E ainda dão garantias pessoais, com um mercado secundário com liquidez de 100% dificilmente vão fugir muito no longo prazo dos 5...6...7%. Que é o que estas empresas costumam pagar quando vão à banca/obrigações. Para convencer as empresas a ir a estas plataformas em vez de ir ao banco, as taxas não podem ser muito superiores a isso.

    Já em emprestimos pessoais e em casas tipo Mintos, Viainvest etc... onde não estás apenas sujeito ao risco de a pessoa em si não pagar, mas também ao risco de o loan maker ir à falencia e não te dar o buyback, onde não sabes nada sobre as pessoas a quem estás a emprestar e estás a emprestar em paises ainda não muito maduros (Europa de Leste principalmente) aí as taxas tendem a andar mais para os 10%.... mas também não acredito que à medida que mais gente investe que estas taxas não se aproximem dos 8-9 que falas... esperemos que não. 10.11% pareceme uma taxa realista para os riscos envolvidos.

    -> Na VI tens detalhes sobre as pessoas a que estás a emprestar. Idade, se estão empregadas, número de loans e o rating deles. Todas as P2P que eu uso dão detalhes sobre as pessoas a quem estamos a emprestar (e nalguns casos referem a garantia pessoal).

    10/11% é o minimo que eu considero justo neste tipo de investimento. 

    4 - Mercado

    Apenas tenho ETFs e Mutual Funds. Já me deixei disso de escolher acções à mão porque nunca dá bom resultado. Não tenho tempo suficiente para acompanhar o mercado como os profissionais fazem diáriamente. Portanto agora a minha estratégia é: 

    1- ETFs deixar uma grande parte do portfolio associado a ETFs dos maiores mercados, World Indexes, USA, Euro, etc.. e de facto o pico dos mercados não é uma super preocupação porque o que eu quero é Buy and Hold, no entanto não quero estar a entrar com grandes volumes com o mercado em pico. Exemplo, sou capaz de reforçar de 4 em 4 meses um EFT dos US mas no entanto se visse aquilo mais baixo secalhar de 2 em 2 meses reforçava... porque se faço Cost Averaging então sintome melhor a entrar com mais massa quando sei que os racios estão corretos para entrar e os racios de ganhos vs preço americanos estão horriveis para a maior parte das empresas.

    2 - Mutual Funds: Quando quero estratégias especificas, exemplo... Investir em empresas de segurança, energias renovaveis, etc.. investir em Trends, por agora tenho escolhido mutual funds e tenho alguns, uns porque gosto das entidades gestoras (Invest, Pictet, etc..) outros porque gosto da estratégia de investimento mesmo sabendo que os ETFs no longo prazo são melhores porque teem menos comissões de gestão. É como tudo quero diversificar entre os vários ativos. Aqui a estratégia é a mesma... posso ir reforçando... mas reforçar em fundos que estejam mais do que 50% nos usa... sabendo como estão os racios das empresas vs a cotação é algo que não me deixa investir grandes quantias de leve animo.

    Cumps,

    Em relacao a estes 2 pontos, de forma a não estar a desvirtuar já este tópico (ainda que tenha sido eu a começar o off topic). Se quiseres abrir um tópico para discutir isto, falarei lá.

    Para quem quer estar tranquilo e quiser menos volatilidade, esse é o caminho. Mas não concordo nada com o facto de nao se escolher accoes porque nao se tem tempo. O que nao faltam sao boas empresas que valorizam 4 e 5 xs mais que o indice (naturalmente), com uma boa entrada e atenção da sua situação financeira, o acompanhamento nao precisa de ser diário, nem semanal.

    E muitas xs basta seguir a trend!

     

    Link to post
    Share on other sites
    há 1 hora, Cardoso24 disse:

    Esse é um assunto que não é de fácil resolução e cria alguma polémica.

    De qualquer forma a maior parte das plataformas tem uma opcao para "extrair" uma declaração.

    - Será que caso existam perdas nas P2P, existe possibilidade de deduzir as mesmas? É que esta área ainda esta num vazio legislativo.

    Gostava de ler também as vossas opiniões.

    Obg, pois tb não faço ideia, como fizeste este ano? Ou o ano passado ainda não estavas metido neste tipo de investimento? 

    Link to post
    Share on other sites
    • Pedro Pais pinned this topic
    A 15/10/2017 às 14:20, nfs disse:

    Obg, pois tb não faço ideia, como fizeste este ano? Ou o ano passado ainda não estavas metido neste tipo de investimento? 


    Por acaso também gostaria de saber mais sobre os  documentos com valores para declarar-mos em sede IRS.
    Alguém que já esteja metido nisto e que já tenha feito!?

    Link to post
    Share on other sites
    Paulo Raposo

    Boas,

    Atualmente tenho a minha carteira diversificada desta maneira:

    • 5% DO
    • 3% FOREX
    • 25% Mintos (só Buyback)
    • 13% RoboCash (só Buyback)
    • 13% Swaper (só Buyback)
    • 13% Grupeer (só Buyback)
    • 13% Iuvo (só Buyback)
    • 13% Twino (estou a retirar tudo porque não consigo taxas de 12%)
    • 1% Viainvest (estou a retirar tudo porque não consigo taxas de 12%, e retém imposto na fonte que reduz ainda mais a taxa líquida)
    • 1% Raize (estou a retirar tudo porque não consigo taxas boas, não têm Buyback, e retém imposto na fonte que reduz ainda mais a taxa líquida)

    Acresce que, para a pura da loucura, trabalho com uma alavancagem de 50%.

    Ou seja, metade do dinheiro não é meu, sendo remunerado a uma taxa inferior àquela que consigo obter com este mix.

    • Upvote 1
    Link to post
    Share on other sites
    gustaferra
    há 12 minutos, Paulo Raposo disse:

    Boas,

    Atualmente tenho a minha carteira diversificada desta maneira:

    • 5% DO
    • 3% FOREX
    • 25% Mintos (só Buyback)
    • 13% RoboCash (só Buyback)
    • 13% Swaper (só Buyback)
    • 13% Grupeer (só Buyback)
    • 13% Iuvo (só Buyback)
    • 13% Twino (estou a retirar tudo porque não consigo taxas de 12%)
    • 1% Viainvest (estou a retirar tudo porque não consigo taxas de 12%, e retém imposto na fonte que reduz ainda mais a taxa líquida)
    • 1% Raize (estou a retirar tudo porque não consigo taxas boas, não têm Buyback, e retém imposto na fonte que reduz ainda mais a taxa líquida)

    Acresce que, para a pura da loucura, trabalho com uma alavancagem de 50%.

    Ou seja, metade do dinheiro não é meu, sendo remunerado a uma taxa inferior àquela que consigo obter com este mix.

    Na Viainvest tens de evitar os ativos Polacos e checos são que que retém imposto. 

    Na Twino consegue-se taxas de 11%;... 

    Na Mintos com Buyback só se for sem ser euros consigas taxas superiores a 12%, 

    Alavancagem não uso, mas faço isso indirectamente mantendo um crédito habitação para ter liquidez.... 

    Na Raize tenho pouco, faz umas retenções e tal até dá jeito.... 

    Link to post
    Share on other sites
    há 36 minutos, Paulo Raposo disse:

    Boas,

    Atualmente tenho a minha carteira diversificada desta maneira:

    • 5% DO
    • 3% FOREX
    • 25% Mintos (só Buyback)
    • 13% RoboCash (só Buyback)
    • 13% Swaper (só Buyback)
    • 13% Grupeer (só Buyback)
    • 13% Iuvo (só Buyback)
    • 13% Twino (estou a retirar tudo porque não consigo taxas de 12%)
    • 1% Viainvest (estou a retirar tudo porque não consigo taxas de 12%, e retém imposto na fonte que reduz ainda mais a taxa líquida)
    • 1% Raize (estou a retirar tudo porque não consigo taxas boas, não têm Buyback, e retém imposto na fonte que reduz ainda mais a taxa líquida)

    Acresce que, para a pura da loucura, trabalho com uma alavancagem de 50%.

    Ou seja, metade do dinheiro não é meu, sendo remunerado a uma taxa inferior àquela que consigo obter com este mix.

    Eu estou na twino com alguma força e não desgosto nada da casa.

    A robocash é que continua a não me ir pescar o pouco que lá meti, vou aguardar mais uns diazitos.

    Link to post
    Share on other sites
    gustaferra
    há 2 minutos, Paulo Raposo disse:

    Salvo melhor opinião, o que eu penso é:

    • Em relação a bad debts não há nada a reportar ao fisco, ou seja, azar o nosso! Pode-se ganhar montes de dinheiro em juros que não conseguimos deduzir nada no IRS de créditos incobráveis (isto em sede de IRS, porque em IRC a coisa é diferente. Mas estou a partir do pressuposto que aqui só há pessoas singulares)
    • Em relação a juros, se forem de sites em Portugal (p.e. Raize) a taxa retida de 28% é liberatória. Não precisamos de declarar nada no modelo 3 do IRS.

    Se os juros forem de sites fora de Portugal, temos de declarar o montante bruto auferido no anexo J do modelo 3 do IRS. Aí vamos ter de pagar os 28% de IRS, o mesmo que seria retido se os auferissemos em Portugal, podendo deduzir a retenção que nos fizeram no exterior. Pelo que sei, a nossa administração fiscal exige um documento formal da administração fiscal do país terceiro, o que dificulta em muito a dedução do IRS que nos retiveram obrigando-nos a pagar a "dobrar". Por isso prefiro sites que não retém imposto.

    Tinha a ideia que se colocava o liquido, para não estarmos a ser duplamente tributados, o fisco tem supostamente informação do pais de origem como é tratado o imposto aos não residentes, pelo acordo, entre países para evitar a dupla tributação, só para o ano, ia ver na pratica como se prrenche a declaração.... 

    Tem aquela questão que as P2P deixam a nosso cargo essa responsabilidade da declaração dos juros, por isso não sei se conseguem controlar quem não cumpre direitinho...

    • As menos e mais valias em mercado secundário concorrem em conjunto e são tributadas a 28%. O saldo tem de ser positivo. Se as menos valias forem maiores que as mais valias não podemos utilizar esse valor para pagar menos nos juros, p.e.

     

    Link to post
    Share on other sites

    Join the conversation

    You are posting as a guest. If you have an account, sign in now to post with your account.
    Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

    Guest
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.




    ×
    ×
    • Create New...