Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Sign in to follow this  
    Tarantino

    As tornas da habitação permanente são obrigatórias ?

    Recommended Posts

    Tarantino

    Casal com filho único, casado em comunhão de adquiridos.

    O marido faleceu e a viúva é reformada (com pensão baixa).

    O único bem da herança é a casa (um simples apartamento T2 que deve valer 60/65K euros) e o recheio (móveis e electrodomésticos velhos com um valor comercial perto de nulo).

    Segundo a lei a casa será 75% para a viúva e 25% para o filho.

    A viúva é obrigada a dar as tornas ao filho (cerca de 15K euros) ? Isso implicará ter de vender a casa e encontrar uma nova casa (provavelmente arrendada), uma vez que não tem poupança nem rendimento para pagar esse valor ao filho.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    Tornas porquê? Só se ela quiser ficar com a totalidade da casa. Se a casa ficar registada 25% em nome do filho e 75% em nome da mãe não há porque dar tornas, cada um fica com a sua parte...

    Outra coisa que podem fazer é não fazer já as partilhas. Um dia que a mãe faleça, faz-se uma única escritura para passar a casa toda para o nome do filho...

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Tarantino

    Mas dividindo 75/25 ela não corre o risco de ter de pagar alguma coisa ao filho (renda, por exemplo) ?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    Então mas se a casa é dela (e ainda por cima, em mais de 50%) porque é que havia de pagar renda para morar na própria casa?

    • Upvote 1

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    Aliás, se o filho ficar com 25% da casa, até ajudava a pagar o IMI e as obras da casa - ele provavelmente não tem interesse nisso (parece-me que essa relação é meio complicada) 
    Se quiser fazer as partilhas mas não ficar a pagar pela casa, então pode tentar vender a parte dele. Mas é difícil encontrar comprador para 25% de um imóvel... 

    Daí que se calhar até vai ser ele a pedir para adiar as partilhas. Nesse caso ela deve guardar todos os comprovativos de despesas com a casa (IMI incluído). Se um dia decidirem avançar para partilhas ela pode depois abater o custo com essas despesas à parte dele. Aliás, enquanto cabeça de casal (administradora da herança) é responsabilidade dela prestar anualmente contas aos demais herdeiros sobre o património da herança...

    • Upvote 1

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Tarantino

    Sim, a relação é um pouco complicada, mais com a nora do que com o filho e a senhora está a tentar precaver-se.

    Sendo o filho dono de parte do imóvel não pode exigir poder lá entrar (ter chave, etc.) ?

    Eu penso que isto deve estar regulado no código civil mas não sei qual a parte.

     

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    Sendo o filho dono de parte do imóvel não pode exigir poder lá entrar (ter chave, etc.) ?

    Sim, pode.Afinal, cada um tem o direito de entrar em sua casa, não precisa de haver uma lei que diga isso...

    A meu ver há quatro opções:

    * adiam as partilhas até ela falecer ou até juntar dinheiro para optar pela opção seguinte - a mãe, enquanto cabeça de casal, administra a totalidade da casa. Mas tem de dar contas ao filho do que lá gasta, uma vez que, embora a casa não seja ainda dele, em teoria há uma parte a que terá eventualmente direito e tem uma palavra a dizer (a esse respeito, convém ela ler o Livro das Sucessões, no Código Civil - a partir do artigo 2024º - para saber quais as suas responsabilidades e direitos).

    * fazem as partilhas, ficando ela com a casa e ela compra-lhe a parte dele (as tais tornas). Aí ela terá de lhe dar 25% do valor que a casa tiver no registo predial. Ela fica única proprietária da casa e não tem de dar mais contas a ninguém. Naturalmente que um dia que ela venha a falecer, a herança irá para o filho...

    * ela fica com 75% da casa e ele com 25%. Ele fica responsável por pagar a sua quota parte do IMI e das despesas que a casa eventualmente venha a ter (obras, por exemplo). Tem de dar contas ao filho de decisões que afetem a casa, uma vez que esta também será dele.

    * ele renuncia à herança do pai e fica tudo em nome da mãe. Um dia que a mãe venha a falecer, naturalmente ele irá herdar o que agora é a parte da herança do pai...

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Tarantino

     Obrigado pelas sugestões Paulo. Aparentemente parece-me que o melhor é mesmo a senhora não fazer nada. 

    Sim, pode.Afinal, cada um tem o direito de entrar em sua casa, não precisa de haver uma lei que diga isso...

    Eu já andei à procura de algo que penso que existe, relacionado com o usufruto do cônjuge sobrevivo em caso de heranças da habitação permanente, e que supostamente defenderia a senhora neste caso. Não consegui encontrar.

    Porque em relação ao que o Paulo refere, podia dar-se uma situação teórica, académica, que era fazerem a partilha 75/25, o filho vender esses 25% a alguém, por absurdo que possa ser, e esse alguém, completamente estranho à senhora, poder entrar na casa a seu belo prazer uma vez que era sua propriedade. Custa-me a acreditar que tal possa ocorrer.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    Eu já andei à procura de algo que penso que existe, relacionado com o usufruto do cônjuge sobrevivo em caso de heranças da habitação permanente, e que supostamente defenderia a senhora neste caso. Não consegui encontrar.

    Será o artigo 2103º-A do Código Civil?

    Porque em relação ao que o Paulo refere, podia dar-se uma situação teórica, académica, que era fazerem a partilha 75/25, o filho vender esses 25% a alguém, por absurdo que possa ser, e esse alguém, completamente estranho à senhora, poder entrar na casa a seu belo prazer uma vez que era sua propriedade. Custa-me a acreditar que tal possa ocorrer.

    Nesse caso ela tem o direito de preferência - ao tomar conhecimento da venda, pode comprar antes ela e pelo mesmo valor que tivesse sido negociado com essa terceira parte. O problema aí seria mesmo o facto de ela não ter o dinheiro disponível...

    Já agora, se o filho quiser mesmo fazer as partilhas ela também não terá como se opôr, uma vez que as partilhas podem ser feitas a pedido de qualquer herdeiro... Por isso convinha ela estar preparada para esse cenário. 

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites

    Join the conversation

    You are posting as a guest. If you have an account, sign in now to post with your account.
    Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

    Guest
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

    Sign in to follow this  

    ×
    ×
    • Create New...
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa