Ir para o conteúdo
1Escudo

Depósitos acima de 5000 euros obrigam a identificação

Recommended Posts

1Escudo

Banco de Portugal introduz novas regras no âmbito do combate europeu à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo. Transferências também serão mais acompanhadas pelos bancos.

O Jornal Publico escreve hoje que "o Banco de Portugal, no quadro das orientações internacionais, vai reforçar, a partir de fevereiro, as medidas destinadas a prevenir o branqueamento de capitais e o financiamento ao terrorismo. Entre as novidades está o facto de os bancos ficarem obrigados a identificar quem pretenda depositar, numa conta que não é a sua, um valor igual ou superior a 5000 euros, isto, se houver suspeitas de risco. As transferências bancárias presenciais, por multibanco ou Internet, a partir de 1.500 euros, passam também a ser alvo de maior vigilância".

Segundo o jornal, "os novos requisitos do supervisor, que entram em vigor a 16 de fevereiro, impõem também, mas agora de modo automático, a identificação de todos os depositantes (nome e dados do cartão de cidadão ou passaporte) de numerário em contas de terceiros, dese que a quantia seja igual ou superior a 10.000 euros. o mesmo acontece para os movimentos (em dinheiro) suspeitos de valor igual ou acima de 5000 euros".

Fonte: Publico

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
USD

Mas se andarmos com o dinheiro nos bolsos ou de baixo de um colchão ele não rende ;)

E podemos ser roubados. :(

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Centelha

Acho que isto é uma treta, os bancos estão sedentos de dinheiro, alguma vez vão questionar de onde ele vem? Isto é para daqui a algum tempo inverterem, e temos é que justificar levantamentos deste tipo de  montantes, ou até menos, o que alguns bancos já fazem.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
RANort

Banco de Portugal introduz novas regras no âmbito do combate europeu à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo. Transferências também serão mais acompanhadas pelos bancos.

O Jornal Publico escreve hoje que "o Banco de Portugal, no quadro das orientações internacionais, vai reforçar, a partir de fevereiro, as medidas destinadas a prevenir o branqueamento de capitais e o financiamento ao terrorismo. Entre as novidades está o facto de os bancos ficarem obrigados a identificar quem pretenda depositar, numa conta que não é a sua, um valor igual ou superior a 5000 euros, isto, se houver suspeitas de risco. As transferências bancárias presenciais, por multibanco ou Internet, a partir de 1.500 euros, passam também a ser alvo de maior vigilância".

Segundo o jornal, "os novos requisitos do supervisor, que entram em vigor a 16 de fevereiro, impõem também, mas agora de modo automático, a identificação de todos os depositantes (nome e dados do cartão de cidadão ou passaporte) de numerário em contas de terceiros, dese que a quantia seja igual ou superior a 10.000 euros. o mesmo acontece para os movimentos (em dinheiro) suspeitos de valor igual ou acima de 5000 euros".

Fonte: Publico

Se for verdade, e se acabar por ser aplicada, não prevejo grandes resultados práticos...

Se fossem tomadas medidas que evitassem a fuga de capitais para paraísos fiscais (Offshore), aí sim é que era de salutar... Mas se calhar já envolvia muita coisa, pessoas, empresas.... (ficamos por aqui)

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
flyaway

Eu transferi, no passado mês de Novembro, 25.000 euros da minha conta da CGD, para a uma conta do BPI em que é 1ª titular a minha mãe. Pois no balcão tive que preencher bues de papelada onde tinha que identificar o beneficiário exaustivamente, de tal modo, que infelizmente por nunca ter conhecido os meus avós maternos (morreram quando tinha 5 anos) não sabia o nome deles, nãe dessa forma não os pude identificar no formulário e a funcionária do balcão queria forçosamente que colocasse o nome deles - não sei qual seria o objectivo - e ainda gozou comigo por desconhecer a filiação da minha mãe...

O dinheiro é meu, não percebo a razão de tanta fiscalização e inquirição!

Se já  deu aquela trabalheira toda, quanto mais não irá dar em Fevereiro próximo.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
SABRE

Eu transferi, no passado mês de Novembro, 25.000 euros da minha conta da CGD, para a uma conta do BPI em que é 1ª titular a minha mãe. Pois no balcão tive que preencher bues de papelada onde tinha que identificar o beneficiário exaustivamente, de tal modo, que infelizmente por nunca ter conhecido os meus avós maternos (morreram quando tinha 5 anos) não sabia o nome deles, nãe dessa forma não os pude identificar no formulário e a funcionária do balcão queria forçosamente que colocasse o nome deles - não sei qual seria o objectivo - e ainda gozou comigo por desconhecer a filiação da minha mãe...

O dinheiro é meu, não percebo a razão de tanta fiscalização e inquirição!

Se já  deu aquela trabalheira toda, quanto mais não irá dar em Fevereiro próximo.

Não era mais fácil passar um cheque?

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Lvsitano

É fácil de contornar isso. Depositas primeiro 4000€ por exemplo, e depois o resto. Se forem depositadas parcelas até os 5000 não há inquéritos  ;D 

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
USD

LOL

Já fiz várias tranferências do AS Privat Bank (para outras instituições) de 20k e nunca tive problema.

:)

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
macase

Se Deus está em todo lado... o Big Brother estará em toda a parte... :police:

Pior não é a medida anunciada! Pior é para onde vai essa informação... > EUA. E com as sucessivas falhas na segurança dos dados pessoais, será meio caminho andado para todo o planeta e arredores ficar a saber tanto ou mais da nossa vida.

Lembro-me de alguns anos atrás haver uma qualquer recomendação sobre o montante máximo que deveria ser transferido entre familiares, para não serem levantadas suspeitas do branqueamento de capitais.

Solução A: (Como por aqui já foi referido) Transferir no máximo e de cada vez até ao limite de 4.999,99€.

Solução B: Transferir 100.000€, 500.000€, 1 milhão ou mais de uma só vez, visto que só vão pedir identificação por uma ocasião.

Solução C: Quem quiser transferir 5.000€ ou mais para a minha conta (fica ao critério de cada um ;D ), peço primeiro que levantem a quantia e me entreguem em mão que eu próprio deposito na conta (até forneço mala para o transporte). Assim ninguém me vai pedir identificação de mim próprio para mim, e se perguntarem pela proveniência do dinheiro, direi que foi um extra-terrestre que me ofereceu. 8)

Pior do que ser suspeito de alguma coisa, é ter que provar a nossa inocência. São mesmo estas medidas que vão combater o terrorismo e o branqueamento de capitais, são pois...

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoticons maximum are allowed.

×   Foi criada uma pré-visualização automática a partir da ligação que colocou.   Mostrar apenas como ligação

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa