Ir para o conteúdo
SomeoneAlike

Integração de acto único no quadro

Recommended Posts

SomeoneAlike

Boa tarde,

Recebo o valor de 700€ mensais, que no final do ano é declarado junto das finanças como Acto Unico. Face à ilegalidade o empregador deseja fazer a integração desse valor ao que já recebo pelo contrato efectivo que tenho com a mesma entidade. Como é que se calcula esse valor:

Em relação aos 700€, não era feita qualquer retenção não fonte, e o valor base, do contrato sem termo é de cerca de 1450€ a que corresponde uma taxa de IRS de 14%.

Penso que não sou eu que tenho de suportar os custos com a SS e com a Retenção na fonte do IRS, por isso o que gostaria de saber como calcular o novo valor base.

Mas se o fizesse o meu escalão de IRS deixaria de ser de 14%. quem suportaria o aumento para o novo escalão?

A verdade é que o meu rendimento liquido mensal global é de 1900€.

Cumprimentos.

PS: Parabens pelo forum.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Pedro Ventura

Tem toda a lógica ser você a suportar a retenção na fonte pois será você que irá beneficiar (ou não) do seu reembolso aquando da entrega do IRS.

Quanto à Seg social, deverá ser você a suportar os 11% do empregador pois será você que beneficiará da reforma desses descontos ou (ESPERO QUE NÃO) recebe baixa em caso de doença. 

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Fisco1950

Eu concordo em absoluto com o Pedro.

Então quer receber duas vezes o mesmo? As retenções são temporárias até serem reembolsadas.

A não ser voce a pagar, alguem tem de pagar. Se for a empresa a pagar por si então só pode ser do saco azul. ILEGAL!

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
SomeoneAlike

Caro Pedro,

O seu comentario, não merece qualquer tipo de resposta.

Repararam na minha mansagem original?? Todo o valor devia estar no quadro, mas a empresa pagava uma parte em recibos verdes/acto unico. O que me estão a dizer que sou eu que devo assumir os encargos, face as ilegalidades praticadas pela entidade empregadora??!!

Que sorte que eu tenho, porque o CESP, a ACT, as finanças e a SS dizem todas o oposto.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Fisco1950

A empresa tem de pagarn o que está no contrato. Os impostos da sua conta, sao da sua conta.

Se a empresa lhe paga 750 euros a recibo verde é esse valor que deve ir para a folha do quadro.

Nenhum tribunal vai dizer que em vez de 750 deveria ir 1000, proque não tem pes nem cabeça.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
SomeoneAlike

Se o valor de 700€ for para o quadro a taxa de retenção na fonte de IRS será maior, e serei eu que a terei de suportar? Quer dizer então que terei uma redução no meu ordenado, algo ilegal no código de trabalho.

Eu não disse não queria pagar impostos, apenas não quero ver o meu salario reduzido.

O rendimento mensal x 14 vezes terá de ser o mesmo, de outra forma, o ordenado esta a ser reduzido.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Fisco1950

Não, não.

Você esta a ver mal as coisas.

O valor do contrato é sempre o bruto. O valor que está nos contratos colectivos e no código do trabalho é sempre o bruto.

Depois, quanto mais e ganha é quem mais desconta.

O ordenado mínimo é 485 euros, mas ha muita gente que não recebe isso, porque tem os descontos para a segurança social.

Se a empresa acordar pagar-lhe o que voce quiser, optimo. Mas não é obrigada a isso. Apenas tem de pagar-lhe brutos no quadro o que lhe paga agora brutos pelos recibos verdes. Os impostos da sua conta sao da sua conta, o IRS até poderá ser reembolsado de todo.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Fisco1950

Então boa sorte. Pode ser que a empresa aceite as suas reinvidicações.

A empresa apenas tem de pagar o de tabela ou o do contrato celebrado consigo se for superior.

Eu se tiver um empregado a recibos verdes a pagar 500 euros, e o contrato colectivo disser que é 485. Se o trabalhador for para tribunal para ficar nos quadros, eu apenas tenho de lhe pagar os 500 que já pagava durante 14 meses. Nada mais!!!

Tudo o resto é fantasias que não lhe levam a lado nenhum. Não vale a pena querer ouvir ou ler o que pretende, porque não há base legal nenhuma, seja da Seg social ou da inspeccao do trabalho ou outra entidade qualquer.

Os seus impostos, são os seus impostos. Não pode a empresa ser obrigada a pagar impostos que não são dela.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Fisco1950

Era bom eu divorciar-me e ter de comunicar à empresa:

Olhe, voce faz-me a retenção de 200 euros por mes. Mas como agora sou divorciado como vai ter de fazer retenção de 300, quero que aumente o meu ordenado em 100 euros.

LOL

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
SomeoneAlike

Você não esta mesmo a perceber o que lhe estou a dizer.

Eu tenho um vinculo efectivo com uma empresa, que pertence a um grupo, ao qual no total pertencem 5 empresas.

Para poder fugir aos impostos, o empregador, pagava uma parte do salario, que devia estar no quadro, pois houve um acordo de valores, atraves de recibos verdes pelas restantes empresas, e mais tarde atraves de acto unico. Outra parte do valor era tambem paga com o recurso a ajudas de custo que não podem ser justificadas.

Acontece, que perante a minha insistência para resolver a minha situação, a entidade empregadora, quer acabar com os pagamentos ilegais e juntar os valores aos já existentes no quadro, e aplicar o pagamento da SS e do IRS sobre o que eu recebia de forma ilegal. Acontece que se assim for, terei uma redução de ordenado, porque se o acordo, e alias, o que tem sido pago ao longos dos ultimos 6 anos, são 1800, não aceito, 1100.

Percebeu?

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Fisco1950

Sim, percebi desde o início.

Se a empresa for fiscalizada e perceber que essas ajudas de custo não foram justificadas, a empresa come e come voce. Vai ter de corrigir o IRS desses anos e pagar IRS sobre esses valores.

Não tenho dúvidas disso.

E não altero nada do que lhe expliquei.

A empresa paga-lhe o que já lhe pagava BRUTOS, caso ela concorde pode pagar o que voce quiser. Ate lhe pode pagar 1.000.000.000 por mês. A liberdade contratual assim o permite!

Mas os impostos é sempre voce a pagar.

Um primo meu trabalhava numa empresa de transportes em 2005. Recebia mais de ajudas de custo do que pelo recibo. A empresa foi fiscalzizada e ele tambem teve de corrigir o IRS, acha que a empresa lhe pagou o IRS e as coimas da substituição do IRS? Isso é problema do contribuinte. Recebeu, tem de pagar impostos. A empresa paga os dela, o trabalhador paga os dele.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Fisco1950

Outra coisa, se voce não concorda com a minha opinião (e com a da empresa), tem duas hipoteses:

a) demite-se;

B) contesta em tribunal (demitindo-se ou não).

Vai ver que o tribunal não lhe vai dar razão e vai levantar poeira para ter de corrigir as ajudas de custo já pagas indevidamente em anos anteriores.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
SomeoneAlike

Sim, percebi desde o início.

Se a empresa for fiscalizada e perceber que essas ajudas de custo não foram justificadas, a empresa come e come voce. Vai ter de corrigir o IRS desses anos e pagar IRS sobre esses valores.

Não tenho dúvidas disso.

E não altero nada do que lhe expliquei.

A empresa paga-lhe o que já lhe pagava BRUTOS, caso ela concorde pode pagar o que voce quiser. Ate lhe pode pagar 1.000.000.000 por mês. A liberdade contratual assim o permite!

Mas os impostos é sempre voce a pagar.

Um primo meu trabalhava numa empresa de transportes em 2005. Recebia mais de ajudas de custo do que pelo recibo. A empresa foi fiscalzizada e ele tambem teve de corrigir o IRS, acha que a empresa lhe pagou o IRS e as coimas da substituição do IRS? Isso é problema do contribuinte. Recebeu, tem de pagar impostos. A empresa paga os dela, o trabalhador paga os dele.

Esta enganado. Alias aconcelho-o a ler o código do trabalho. À parte mais fraca nada acontece ;)

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
SomeoneAlike

A saída do pais é sempre uma opção.

E desde que a entidade empregadora pague as muitas multas, estará tudo muito bem.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Fisco1950

Parte mais fraca? Mas que parte mais fraca está a falar?

Querer extorquir o valor dos seus impostos à empresa? Já lhe disse que isso não tem pes nem cabeça.

Vá para tribunal e vai ver que não ganha. Garanto-lhe. Se quiser ir a um notário fazer um contrato comigo e que voce preste garantia eu aceito.

Sei muito bem do que falo, porque tenho várias empresas e já passei problemas identicos ao seu com trabalhadores meus.

Idas à inspecção do trabalho não foram muitas. Seg social nao querem saber nada disso. Nem que lhes meta na frente dos olhos que houve fuga. Mas com as finanças... nao brincam...

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
gomes270

Pelas minhas contas para receberes um salário liquido de 1900 euros (incluindo um subsidio de refeição à volta dos 145 EUR) a empresa teria de te pagar um salário bruto de 2600 EUR.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
SomeoneAlike

Pelas minhas contas para receberes um salário liquido de 1900 euros (incluindo um subsidio de refeição à volta dos 145 EUR) a empresa teria de te pagar um salário bruto de 2600 EUR.

Se nor for muito incomodo, podes-me dizer como formulaste os calculos?

Cumprimentos

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Pedro Ventura

A acção já foi entregue junto da ACT.

Veremos no final.

Fiquei curioso com a situação e quero lhe pedir que no final poste aqui a resolução.

Compreendo que não pretenda receber menos que recebia anteriormente mas se por um lado o valor que o funcionário desconta para a Seg Social apenas o verá aquando da reforma, o da retenção na fonte verá na realização do IRS.

Por serem valores que lhe serão devolvidos (IRS na prox declaração e SS na reforma) acho que deveria ser o funcionário a suportar.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
gomes270

Se nor for muito incomodo, podes-me dizer como formulaste os cálculos?

Cumprimentos

Para 2600 de ordenado base o IRS é 22,5% --- 2600*22,5%= 585

e 11% de taxa única para a Seg.Social ------- 2600*11%= 286

  2600-585-286= 1729 EUR  + 145 (sub refeição) = 1874 EUR

Esqueci-me foi de dizer que é para titulares não casados.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoticons maximum are allowed.

×   Foi criada uma pré-visualização automática a partir da ligação que colocou.   Mostrar apenas como ligação

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa