Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Guest ruimag

    IRS Declaração online sem NIB

    Recommended Posts

    Guest ruimag

    Queria submeter uma declaração de IRS mas sem indicar o NIB (porque se trata de uma pessoa que não tem contas no banco em seu nome). Mas ao tentar submeter, não aceita e pede que introduza um NIB válido.

    Alguém sabe se há forma de submeter a declaração, sem indicar o NIB?

    Obrigado

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Beatriz

    Voltas a submeter e aparece uma mensagem a avisar que a declaração está sem NIB, colocas o visto e submetes.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest ruimag

    Obrigado desde já pela ajuda.

    No entanto, depois de colocado o visto em "Confirmo o NIB indicado", dá um erro a dizer que não foi indicado um NIB.

    Ora não me parece que seja a solução e, sinceramente não percebo porque é que obrigam a indicar o NIB. Esquecem-se que pode haver pessoas que não tenham contas bancárias (como é o caso).

    Existirá outra forma de contornar a situação?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    José Ribeiro

    No entanto, depois de colocado o visto em "Confirmo o NIB indicado", dá um erro a dizer que não foi indicado um NIB.

    Ora não me parece que seja a solução e, sinceramente não percebo porque é que obrigam a indicar o NIB. Esquecem-se que pode haver pessoas que não tenham contas bancárias (como é o caso).

    Existirá outra forma de contornar a situação?

    Não sendo viável a solução apresentada, parece-me que se deve dirigir à sua Repartição de Finanças e colocar essa mesma dúvida.

    Se a solução for a mesma, sempre fica mais descansado!...

    Cumps

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Beatriz

    Eu já enviei algumas sem NIB e a mensagem que me aparece é qualquer coisa como, declaro que vi os alertas, coloco o visto e submeto. Até hoje ainda não tive problemas nesse sentido.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    MiguLuso

    Eu já enviei algumas sem NIB e a mensagem que me aparece é qualquer coisa como, declaro que vi os alertas, coloco o visto e submeto. Até hoje ainda não tive problemas nesse sentido.

    Ainda este ano quando entreguei a declaração com o meu pai tambem apareceu isso, um erro qualquer relacionado com os seguros e que não era erro. Por isso colocamos o visto nesse aviso e entregámos

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest M.Lopes

    Inacreditável o que se passa neste país.... já esgotei todas as hipoteses para preencher a declaração de IRS sem NIB. Nunca tive problemas em anos anteriores e este ano não consigo submeter a dita declaração. Tentei então o caminho mais fácil, ou seja, abrir uma conta bancária. Fui a um banco muito conhecido e surpresa...! Não posso abrir conta pois exigem comprovativo de morada. Como não tenho facturas em meu nome ou documento que comprove que moro naquele sitio, não me deixaram abrir a dita conta! Conclusão....Sem comprovativo de morada não tenho conta, sem conta não tenho nib e sem nib não tenho irs.......Vou mudar de país!!!1 :(

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    caçote

    Voltas a submeter e aparece uma mensagem a avisar que a declaração está sem NIB, colocas o visto e submetes.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    liliana31

    Aproveito para deixar a minha opinião:

    a) Na declaração IRS ("folha de rosto") existe um quadro que tem um espaço para se colocar o NIB. Ora, na minha opinião, quem não tem NIB não introduz qualquer número, nem assinala o "visto".

    B) Quanfo se tenta submeter a declaração, surge um quadro "com erros" onde o contribuinte terá de assinalar que tomou conhecimento de que não introduziu qualquer NIB na declaração. Aí sim, deve assinalar o "visto".

    Esta é a minha opinião.

    Já conseguiu enviar a declaração?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    Consegues validar a declaração antes de a submeter? Dá algum erro? Se dá erro logo aí, tens de o corrigir...

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest antonio martinho

    Posso colocar na declaração de IRS em papel o NIB que não o meu? ou seja de outrem?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    ABCD

    Creio que sim. No entanto, ao entregar a declaração em papel coloque essa questão.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest antonio  batista

    eu posso por no irs por net o n/do NIB de outra pessoa uma vez que nao tenho conta no banco

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    eu posso por no irs por net o n/do NIB de outra pessoa uma vez que nao tenho conta no banco

    Não é preciso ter conta no banco - se não se indicar um NIB, o reembolso é feito por vale postal, salvo erro.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    ABCD
    Não é preciso ter conta no banco - se não se indicar um NIB, o reembolso é feito por vale postal, salvo erro.

    Confirmo!

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest Alevandre Cunha

    Depois de aparecer o alerta, tem que se clicar em validar e depois submeter.

    Quanto aparecer a janela para confirmar o NIF e password, tem que se clicar no visto abaixo e já está...

    Espero que ajude...

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Luss

    Olá,

    Desde que existe a declaração IRS online sempre a submeti com o NIB descriminado. Por circunstâncias da vida, a minha única conta a qual foi sempre a mesma desde criança está de momento inutilizável. Assim, submeti a declaração este ano 2014 sem informar o NIB. Na sequência recebi o cheque do "Tesouro" mas, como expliquei, de nada me serve até porque o dito cheque não é endossável obrigando a que eu seja titular da conta onde ele for eventualmente depositado...

    Já me dirigi a minha repartição e, sem grandes conversas, sugeriram a "cedência de crédito", isto é, que o cheque fosse reemitido no nome de outrem. Entretanto em pesquisa constato ser possível o reembolso por vale postal tal como descrito no decreto-lei 492/88, artº 21, ponto 1, alínea B do Regulamento da Cobrança e dos Reembolsos: "Cheque ou vale postal sacados sobre a conta à ordem para reembolsos de que a DGCI é titular nos restantes casos."

    No momento em tratava com a funcionária - rude por sinal que, quando disse não poder usar a minha conta  franziu as sobrancelhas como se eu fosse algum criminoso - perguntei sobre vales postais, (antes de ter conhecimento da lei específica) o que ela negou ser possível. Estou indeciso porque no momento tratava da tal "cedência de crédito", e não sei se ela respondeu nesse contexto e não sobre o reembolso...

    Resumindo, ainda estou para resolver esta situação e amanhã vou de novo à repartição, daí precisar de ajuda em como fazer o pedido para que o reembolso seja efectuado por vale postal, sem que eles lá inventem desculpas e razões uma vez que esta forma está prevista na lei àqueles que não usarem da

    transferência bancária.

    Grato desde já pela ajuda prestada. Bem haja!

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia
    Resumindo, ainda estou para resolver esta situação e amanhã vou de novo à repartição, daí precisar de ajuda em como fazer o pedido para que o reembolso seja efectuado por vale postal, sem que eles lá inventem desculpas e razões uma vez que esta forma está prevista na lei àqueles que não usarem da transferência bancária.

    Hoje em dia essa forma caiu em desuso, é logo enviado o cheque. Na altura creio que me recordo das Finanças terem apresentado uma razão (com algum cabimento) para essa alteração mas não me lembro qual era.

    Vais lá, referes o decreto-lei e dir-te-ão o que é preciso fazer. O que pode acontecer é que te peçam para incluíres o cheque junto com o pedido (para o poderem anular) ou que te digam que tens de esperar até o cheque caducar e depois pedir o reembolso explicitando a forma (conforme está previsto no decreto-lei que referiste). Mas isso só sabes quando lá chegares. Ou, eventualmente, coloca a questão através do e-balcão do portal das finanças, pode ser que tenhas uma resposta mais rápida...

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Luss

    Vais lá, referes o decreto-lei e dir-te-ão o que é preciso fazer. O que pode acontecer é que te peçam para incluíres o cheque junto com o pedido (para o poderem anular) ou que te digam que tens de esperar até o cheque caducar e depois pedir o reembolso explicitando a forma (conforme está previsto no decreto-lei que referiste). Mas isso só sabes quando lá chegares. Ou, eventualmente, coloca a questão através do e-balcão do portal das finanças, pode ser que tenhas uma resposta mais rápida...

    Olá e muito obrigado pela pronta resposta!

    Quando me dirigi a primeira vez levei o cheque junto com a nota de liquidção, exactamente para que pudesse ser anulado.

    Cair em desuso não é motivo para me ludibriarem quando expliquei que não tinha conta utilizável. Era simples terem respondido "vale postal" em vez de me impingirem uma "cedência de crédito". A verdade é que não existe lei que me obrigue a contratar um serviço de terceiros para que a DGCI cumpra a sua parte, neste caso uma devolução.

    Mas eles lá arranjam boas desculpas quando se trata de empurrar todos quantos conseguirem para o sistema bancário. E digo isto na perspectiva da certeza que, mais cedo ou mais tarde, o dinheiro físico desaparecerá... Nessa altura também surgirá outra boa justificação, a de que com o dinheiro digital acabará a corrupção. Não é à tôa que a corrupção é um tema constante na comunicação social, pois cedo será apresentada a solução. Sem grande análise parecerá ser excelente mas no final das contas será mais um aprisionamento do cidadão comum que à mínima divergência (política, financeira, legal) com o "estado", acabará por ver o seu acesso ao seu "dinheiro" bloqueado... Tudo à distância de um clique.

    Mais uma vez muito obrigado pelo auxílio, Paulo. E perdão pelo desabafo. Um grande bem haja.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest ppp

    Ora bem. Declarações de IRS sem NIB, é possível fazer a entrega ao colocar no aviso de que não foi introduzido nenhum NIB um visto onde diz qualquer coisa como tomei conhecimento.

    Mas esta, é a parte fácil. A partir daí sim, começam os problemas a sério. Não se pode colocar um NIB de uma conta da qual não se seja titular, uma vez que o reembolso é feito ao sujeito que figura na declaração.

    Ao não indicar o NIB, é emitido e enviado ao sujeito que figura na declaração um cheque do Tesouro.

    O Tesouro não parece ter credibilidade no país (apesar de ser um cheque do Estado) já que nenhum banco desconta esse cheque. Pasme-se, nem mesmo a Tesouraria das Finanças desconta esse cheque.

    Ao que parece toda as instituições financeiras e do Estado têm medo que o cheque não tenha cobertura.

    Desta forma, o Estado obriga os contribuintes a terem conta em seu numa numa qualquer instituição bancária (vá-se lá saber qual o interesse do Estado em obrigar os contribuintes a terem contas bancárias em seu nome para receberem deste aquilo que lhes pertence - ou se calhar até sabemos).

    Caso contrário, o melhor que se pode fazer é uma cedência de crédito a uma terceira pessoa que, claro está se tiver uma conta bancária em seu nome, poderá finalmente depositar o cheque na sua conta.

    Obviamente que esse valor contará como auferido pela tal terceira pessoa podendo assim ser tributada por esse mesmo valor (imposto a valor já tributado a outrém).

    Depois, será questão da confiança que se tenha com esta terceira pessoa porque, na realidade, o dinheiro passa a ser dela.

    Espectáculo de país que, às claras e declaradamente, exibe, até com uma certa propriedade, a promiscuidade entre o Estado e as instituições bancárias que patrocinam os seus dirigentes antes, durante e depois de exercerem as suas funções.

    Mais óbvio que isto só a necessidade de defender a credibilidade das instituições financeiras do país (qual delas ainda é credível?) com injecções de capital pagas por todos os contribuintes (mesmo, como se pode deduzir, por aqueles que não têm conta bancária, por não acharem as instituições financeiras do país credíveis.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites

    Your content will need to be approved by a moderator

    Guest
    You are commenting as a guest. If you have an account, please sign in.
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


    ×
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa