Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Sign in to follow this  
    Mário2009

    Transparência fiscal

    Recommended Posts

    Mário2009

    Boa noite.

    Gostaria de saber se o regime de transparência fiscal, aplicável a sociedades de profissionais, engloba as sociedades unipessoais. A lei fala sistematicamente em "profissionais" e "sócios", mas ignoro qual tem sido a prática das Finanças. Uma vez que tenciono criar uma sociedade unipessoal, em vez de continuar a trabalhar "a recibos verdes", esta informação será para mim extremamente útil, porque a unipessoal poderá eventualmente não compensar, a ser-lhe aplicado o regime de transparência fiscal.

    Agradeço a ajuda.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Mário2009

    Forr€ta,

    Grato pela resposta. O ramo será Saúde. Quando diz "Sim, podem", significa que as unipessoais são incluídas no regime da transparência fiscal? Que tem sido esta a prática das Finanças?

    Já agora, no caso de serem incluídas e não me compensar a criação de uma sociedade unipessoal, que outra solução haverá, se é que existe alguma? A criação de uma sociedade por quotas com dois sócios, por exemplo, um dos quais não seja profissional na área da Saúde?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Apogeu

    O regime de transparência fiscal, não é um regime optativo, o que significa que, desde que as entidades reúnam os requisitos estabelecidos no artigo 6.º do Código do IRC estarão obrigatoriamente sujeitas ao regime nele previsto.

    Assim, tratando-se de sociedades de profissionais que reúnam, cumulativamente, os requisitos estabelecidos na alínea a) do n.º 4 do artigo 6.º do IRC, a saber:

    - Sociedades constituídas para o exercício de uma actividade profissional constante da lista anexa ao Código do IRS;

    - Em que todos os sócios sejam profissionais dessa actividade;

    - E se os mesmos, se considerados individualmente, ficassem abrangidos pela categoria dos rendimentos do trabalho independente;

    Tais sociedades ficam obrigatoriamente sujeitas ao regime de transparência fiscal, independentemente da forma que revistam (sociedades por quotas, sociedades irregulares, sociedades unipessoais).

    A sociedade para estar enquadrada no Regime de Transparência fiscal, como foi dito, deverá a mesma ser constituída para o exercício de uma única actividade profissional constante da lista anexa ao Código do IRS, e todos os sócios devem ser profissionais dessa actividade.

    Contudo, se o objecto da sociedade abranger, também, a venda de produtos e/ou a inclusão de um sócio, mesmo que minoritário, que não seja profissional dessa actividade, fica afastada deste regime.

    Cumprimentos

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Mário2009

    Apogeu,

    Agradeço a esclarecedora resposta.

    Sendo assim, devo concluir que uma sociedade unipessoal, em princípio, não compensará, a menos que as despesas sejam relevantes (por comparação com os 30% do rendimento da categoria B imputado a despesas no regime simplificado aplicado a profissionais liberais até determinado montante de rendimento).

    Por outro lado, uma sociedade com dois sócios, um dos quais não seja profissional de Saúde, implicaria a tributação da empresa, em sede de IRC, sobre os lucros distribuídos (e implicaria também os pagamentos especiais por conta) e ainda a tributação dos sócios em sede de IRS, sobre os lucros recebidos. Tenho ouvido dizer que uma sociedade "compensa sempre", mas não estou certo de ser esse o caso, a menos que as despesas sejam, de facto, grandes. Será mesmo assim?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Apogeu

    Tanto as sociedades como as empresas em nome individual (ou profissionais liberais), têm as suas vantagens e desvantagens.

    Não esquecer que a responsabilidade de um sócio de uma sociedade limita-se ao valor do seu investimento, nomeadamente ao valor do capital social, materializado na sua quota detida.

    Em relação ao ENI, a responsabilidade é ilimitada, respondendo todo o património do empresário para pagamentos de dívidas.

    Numa sociedade, é possível a entrada de um ou mais sócios a todo o tempo, com os ENI isso não é possível.

    No caso do ENI apenas terá de "abrir e fechar a colecta", nas sociedades isso já não é assim.

    Existem várias vantagens para ambas as formas jurídicas, todas elas válidas.

    Saliento que o Pagamento Especial por Conta apenas é devido a partir do 3ª ano de actividade, sendo devido quando nos anos anteriores não exista colecta que impeça a arrecadação de IRC por parte da Administração Fiscal. Havendo colecta, haverá pagamentos por conta, e estes abatem ao PEC a pagar.

    Por outras palavras, de uma forma que seja fácil de perceber, se as empresas derem prejuízos, então o Fisco quer um imposto mínimo, se der lucro, não há PEC, mas sim Pagamentos por Conta, tal como nos ENI.

    Cumprimentos

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Mário2009

    Mais uma vez, obrigado pelo esclarecimento. Uma outra questão: A aquisição de uma quota numa sociedade por quotas está sujeita a IVA? Ou seja, caso eu adquira uma quota, tenho que pagar IVA ao sócio vendedor, que o liquidará ao Fisco?

    Agradeço a informação possível.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Apogeu

    A transmissão de partes sociais não é sujeita a IVA.

    Contudo, é preciso salientar que, constitui facto tributário sujeito a IMT nos termos da alínea d) do n.º 2 do artigo 2.º do Código, a aquisição de partes sociais ou de quotas nas sociedades em nome colectivo, em comandita simples ou por quotas, quando tais sociedades possuam bens imóveis, e quando por aquela aquisição, por amortização ou quaisquer outros factos:

    a) Algum dos sócios fique a dispor de, pelo menos, 75% do capital social; ou

    B) O número de sócios se reduza a dois, sendo marido e mulher, casados no regime de comunhão geral de bens ou de adquiridos.

    Cumprimentos

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Mário2009

    Obrigado! Esqueci-me de referir que a quota seria adquirida em conjunto com equipamento (mas não imóveis). Neste caso, há forma de evitar o IVA? Se o equipamento for vendido de forma autónoma, suponho que não. Se fizer parte da cessão da quota, o preço deverá reflectir o valor do equipamento, no fundo o valor "real" da quota. E aí estará sujeito a IVA?

    Cumprimentos.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Apogeu

    No caso que refere, o que é transmitido é a quota, não os equipamentos.

    Assim, os equipamentos continuam a pertencer à sociedade e não há liquidação de IVA.

    Cumprimentos

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites

    Join the conversation

    You are posting as a guest. If you have an account, sign in now to post with your account.
    Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

    Guest
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

    Sign in to follow this  

    ×
    ×
    • Create New...
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa