Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • Sign in to follow this  
    BABS

    Dúvida sobre tributação IRS

    Recommended Posts

    BABS

    Olá a todos...

    Tenho uma dúvida relativamente à tributação do IRS...

    Vou dar um exemplo com valores ficticios...

    Pessoa singular | Casado | único Titular | 1 Dependente

    Valor mensal: 1750€

    Seg. Social: 11%

    IRS: 10%

    Até agora tem sido feito o desconto desta forma e a pessoa recebe liquido 1382,50€ (mais subs. almoço que agora não interessa para o caso)

    No mês em que recebe o Subs. Férias continua a descontar 10% de IRS, pois são parcelas independentes e não são cumulativas... ou seja... O subs. de ferias não soma ao Ordenado, é um valor independente e por isso é tributado também independentemente...

    Agora, esta pessoa, que entretanto foi despedida (despedimento colectivo) tem a receber uma indminização e os subs. férias/Natal/Férias não gozadas etc...

    Sei a indeminização é uma parte isenta e a outra não...

    Dúvida: A parte que não é isenta, é tributada de que forma?

    Para além disso, os subs. de férias e Natal e as Férias não gozadas foram todos tributados como se pertencesse tudo ao mesmo bolo...

    Ou seja, em vez de fazerem os descontos:

    Ordenado do mês - 21% (11% S.S. + 10% IRS)

    Subs. Férias - 21% (11% S.S. + 10% IRS)

    Subs. Natal - 21% (11% S.S. + 10% IRS)

    Férias Não gozadas - 21% (11% S.S. + 10% IRS)

    Indminização não isenta - x% (11% S.S. + y% IRS)

    Fizeram

    Ordenado do mês + subs. férias + Subs Natal + Ferias n gozadas + Ind.n isenta - 34% (11% s.s. + 24% IRS)

    Está correcto?

    Que culpa tem esta pessoa que recber isto no mesmo mês?

    Não deveria ser feito a tributação em separado...!?

    É que quando somam os valores, naturalmente o escalão de IRS aumenta... e bastante....

    Esclareçam-me por favor!

    Bjinhos

    BABS

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    Acontece o mesmo com qualquer pessoa que receba um premio de produtividade, por exemplo - nesse mes sobe de escalao e a retençao de imposto e´ maior do que seria se fosse aplicada a taxa do costume. Ao longo do ano, em teoria, pode-te ser feita retençao na fonte sempre segundo uma taxa diferente.

    Agora, isso nao afecta em nada o IRS que pagas. A retençao na fonte e´ uma especie de adiantamento que vais fazendo - em vez de pagar, por exemplo, 5000€ de IRS de um vez no ano seguinte, vai-se retendo um pouco ao longo do ano. Quando metes a declaraçao e´ que o IRS e´ calculado. A esse valor subtrai-se o que foi sendo retido ao longo do ano. Consoante a diferença e´ que te reembolsam ou ainda pedem o que falta...

    Portanto, mesmo cobrando mais um pouco agora, no proximo ano tem-o de volta, se for caso disso... ou entao tem que pagar menos um bocadinho do que teria se tivessem retido menos agora.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    BABS

    Olá...

    Obrigada pela resposta...

    Entretanto continuei a minha pesquisa e parece que tenho razão...

    Já agora deixo a informação que encontrei para quem precisar...

    Vejam o documento: http://www.igf.min-financas.pt/inflegal/codigos_tratados_pela_IGF/IRS/leg_complementar/CIRCULAR_13_89.htm

    Tributação das importâncias pagas por cessação do contrato individual de trabalho

    Artigos 2.º, 91.º e 92.º do CIRS

    Razão das instruções

    Mostrando-se necessário uniformizar o entendimento sobre a sujeição á tributação e a forma de proceder á retenção sobre as importâncias pagas por cessação do contrato individual de trabalho seja qual for a causa, foi o assunto submetido à apreciação de Sua Excelência o Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais que, por despacho de 89.07.31, firmou a seguinte doutrina:

    I - SUJEIÇÃO A TRIBUTAÇÃO

    Sujeição

    1 - Estão sujeitos a tributação, pela sua totalidade, nos termos do art.º 2.º, n.ºss 1 e 2 do Código do IRS, as retribuições correspondentes aos direitos já vencidos (retribuição do mês de férias e respectivo subsídio) ou aos direitos adquiridos proporcionalmente ao tempo de serviço prestado no ano da cessação (mês de férias, subsídio de férias e subsídio de Natal).

    2 - Estão ainda sujeitos a tributação, além das indemnizações, os prémios ou qualquer outras prestações em dinheiro ou espécie que possam revestir idêntica natureza pagos ou colocados à disposição pela entidade patronal, não importa a que título, também por força do disposto no art.º 2.º, n.º s 1 e 2 do Código do IRS, aplicando~se4hes, porém, o regime previsto no n.º 4 do mesmo artigo.

    II - FORMA DE PROCEDER À RETENÇÃO

    Retenção

    1 - Tendo em atenção as disposições que disciplinam a retenção na fonte, nomeadamente o artigo 92.º do Código do IRS e o Decreto regulamentar n.º 43-A188, de 9 de Dezembro, a retenção de imposto a que haja lugar deve efectuar-se do seguinte modo:

    a) 1.º Grupo - Remunerações mensais e remunerações variáveis

    Adicionar-se-ão, para efeitos de retenção sobre o respectivo montante total:

    - A retribuição do mês da cessação do contrato;

    - A retribuição correspondente ao mês de férias;

    - A retribuição correspondente à parte proporcional do mês de férias;

    - O montante das indemnizações e dos prémios pagos pela entidade patronal, não importa a que título, calculado nos termos do n.º 4 do art.º 2.º do Código do IRS.

    B) 2.º Grupo - Subsídio de férias

    Adicionar-se-ão, para efeitos de retenção sobre o respectivo montante total:

    - A retribuição correspondente ao subsídio de férias;

    - A retribuição correspondente à parte proporcional subsídio de férias.

    c) 3.º Grupo - Subsídio de Natal

    Integra este grupo a retribuição correspondente à parte proporcional do subsídio de Natal.

    2 - A retenção far-se-á autonomamente em relação a cada um destes três grupos, por aplicação da Tabela Prática de Retenção ou das fórmulas previstas no artigo 6.º do Decreto Regulamentar n.º 43-A/88, de 9 de Dezembro.

    Direcção-Geral das contribuições e Impostos, 3 de Agosto de 1989.

    O DIRECTOR-GERAL - Manuel Jorge Pombo Cruchinho.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest Francisco Chasqueira

    Preste atenção ao que diz o n. 2 parágrafo final do doc.enumerado, nunca se devem processar valores diferentes em somatório como se fosse um único ordenado,isso prejudicaria o empregado.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites

    Your content will need to be approved by a moderator

    Guest
    You are commenting as a guest. If you have an account, please sign in.
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

    Sign in to follow this  

    ×
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa