Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • meu-godo

    Amortização total do CH versus benefício fiscal

    Recommended Posts

    meu-godo

    Dada a minha pouca aptidão para fazer cálculos venho levantar uma questão. Será vantajoso amortizar na totalidade um crédito habitação perdendo o benefício fiscal ou será preferível manter a dívida de forma a usufruir do benefício fiscal na sua totalidade.

    Bem sei que a resposta a esta questão pode ser influenciada por outras variáveis, mas gostava de lançar esta discussão.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloaguia

    Sem números não é fácil dar uma resposta concreta. Mas a conta a fazer parece-me ser a seguinte:

    Por um lado deixa-se de pagar juros ao banco (e, o seguro de vida e as comissões de processamento mensal). O dinheiro que se pagava para essas coisas todas passa a poder ser posto de lado a render.

    Por outro lado, perdes o direito ao benefício fiscal. E tipicamente há também os 0,5% de comissão de amortização.

    Ou seja, ao fim de 10 anos, por exemplo, tens que calcular quanto é que te vai render investir o que era o dinheiro da prestação+seguros+comissões; subtrair os benefícios fiscais de que não usufruirás se amortizares; assim como a comissão por amortização antecipada.

    Eu desconfio que rende mais pagares o empréstimo para poderes investir o dinheiro... mas só fazendo as contas com números concretos é que dá para aclarar as ideias... sendo certo que, sem certeza de como será a evolução das taxas, a resposta pode ser diferente em cenários diferentes...

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Speedbird

    Eu amortizaria...não sem antes ter o fundo emergencial, mas amortizaria.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    José Ribeiro

    Na equação, também pode entrar a idade...

    Se "meu-godo" contraiu o CH já com uma idade avançada, concerteza que os seus seguros de vida têm tendência a subir mais do que alguêm que tenha contraido o seu CH ainda jovem.

    Assim, se tiver uma idade próxima dos 50, e possibilidade para amortizar, esqueceria os benefícios e dormia mais descansado!...  ;)

    Caso contrário, tem de dar um pouco mais de dados, pois assim estaremos sempre no campo das hipóteses e dos palpites...  :D

    Cumps  8)

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    rjmsilva

    Este tópico vai de encontro a uma duvida minha, conheço várias pessoas que dizem que não liquidam o CH para não perder os benefícios fiscais, mas em algum caso se vai buscar mais em IRS do que aquilo que se paga em juros e seguros pela manutenção de um CH?

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    meu-godo

    Obrigado pelas vossas respostas.

    Na verdade, amortizei até metade do CH e por enquanto ainda conseguirei obter o benefício fiscal, mas caso consiga amortizar mais cerca de 40% do crédito, já não conseguirei.

    Um dos meus problemas prende-se com o facto de manter dívida face ao banco. No entanto, também posso guardar o equivalente à dívida numa conta a prazo para a poder liquidar em qualquer altura.

    O que dificulta mais a situação é o facto da prestação ser indexada, ou seja, as contas feitas hoje podem não bater certo no futuro e certamente que o benefício fiscal irá mudar nos próximos anos.

    A questão também é um pouco esta. Valerá a pena ficar com uma pequena parcela da dívida para benefício fiscal com os custos inerentes de seguro e com a manutenção da hipoteca ou é preferível liquidar a totalidade da dívida? É difícil encontrar resposta porque a ideia de ter uma dívida sem necessidade (tendo eventualmente hipótese de a liquidas) é uma coisa que não gosto...

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    José Ribeiro

    Valerá a pena ficar com uma pequena parcela da dívida para benefício fiscal com os custos inerentes de seguro e com a manutenção da hipoteca ou é preferível liquidar a totalidade da dívida? É difícil encontrar resposta porque a ideia de ter uma dívida sem necessidade (tendo eventualmente hipótese de a liquidas) é uma coisa que não gosto...

    Faltou o intervalo de idade que tem (40-45 ou 45-50...), mas também não tem importância por ai além!  :)

    Creio que tem a resposta à sua pergunta, na frase que destaquei a negrito.  ;)

    No meu caso, se tivesse hipótese para "liquidar", salvo seja, o empréstimo do CH, não pestanejava sequer. E benefícios fiscais podem-se ir buscar a outros produtos. Exemplos não faltarão, caso queira seguir por ai...  :)

    Cumps  8)

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Metralha

    Boas!

    Eu também estou moderadamente preocupado com este assunto. Acrescentaria mais dois pontos para ponderar (embora não seja especialista nestas matérias):

    1- Em caso de uma revolução social com Nacionalizações (e perda da habitação) quem passa a assumir o crédito é o Estado. Se está tudo pago ou não recebe ou recebe pouco. Isto aconteceu em 74/75 no Ultramar. Apesar de pouco provável pode acontecer. " a História tem o mau gosto de se repetir". Em 30/45 anos muita coisa muda...

    2- Quando o empréstimo é contraído por duas pessoas e há seguro de vida (sempre, ou quase sempre) quando um falece, deixa a habitação paga  para o (os) que fica(m).Os seguros associados aos CH são, segundo sei, mais baratos que os "independentes".

    Cumps

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    José Ribeiro

    Eu também estou moderadamente preocupado com este assunto. Acrescentaria mais dois pontos para ponderar (embora não seja especialista nestas matérias):

    1- Em caso de uma revolução social com Nacionalizações (e perda da habitação) quem passa a assumir o crédito é o Estado. Se está tudo pago ou não recebe ou recebe pouco. Isto aconteceu em 74/75 no Ultramar. Apesar de pouco provável pode acontecer. " a História tem o mau gosto de se repetir". Em 30/45 anos muita coisa muda...

    Se fosse a si, não ficava muito preocupado com essa hipótese no futuro mais imediato.

    Preocupava-me mais com a privatização de bens essenciais (água, energia,...) e a obrigatoriedade de ter de aderir a um chip ou o Big Brother das ruas...

    2- Quando o empréstimo é contraído por duas pessoas e há seguro de vida (sempre, ou quase sempre) quando um falece, deixa a habitação paga  para o (os) que fica(m).Os seguros associados aos CH são, segundo sei, mais baratos que os "independentes".

    Não percebi o que quis dizer com os "independentes". Será individual?

    Nem sempre o seguro de vida para duas pessoas cobre o crédito em divida no caso do falecimento de um dos elementos do casal. É preciso ler com atenção as condições que constam no contrato. Pois, pode-se pensar que se está seguro e depois vai-se a ver na alínea X, do parágrafo Y e com base na sub-alínea W, diz que a pessoa não pode "cair" dentro de casa. Só pode "cair" fora de casa. O exemplo é uma hipérbole, mas serve apenas de alerta!

    Cumps  8)

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites

    Your content will need to be approved by a moderator

    Guest
    You are commenting as a guest. If you have an account, please sign in.
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


    ×
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa