Jump to content
  • FORMAS DE POUPAR

  • annlee

    Contrato Mútuo - Empréstimo entre particulares

    Recommended Posts

    annlee

    Bom dia,

    Um amigo pediu-me ajuda pedindo emprestado um montante para poder avançar com um projecto de vida. Está sem dinheiro para poder avançar, não quer pedir emprestado a empresas como Cetelem e afins, porque quer que o crédito seja aprovado pelo banco.

    Queria perguntar-vos se através de contrato mútuo fico salvaguardada de incumprimentos? Ou não quer dizer rigorosamente nada? Foi ele que me propôs-me irmos a um registo notorial para assinarmos o contrato.

    Alguém tenha alguma minuta? Que cuidados se devem ter?

    Obrigada

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    gustaferra
    há 26 minutos, annlee disse:

    Bom dia,

    Um amigo pediu-me ajuda pedindo emprestado um montante para poder avançar com um projecto de vida. Está sem dinheiro para poder avançar, não quer pedir emprestado a empresas como Cetelem e afins, porque quer que o crédito seja aprovado pelo banco.

    Queria perguntar-vos se através de contrato mútuo fico salvaguardada de incumprimentos? Ou não quer dizer rigorosamente nada? Foi ele que me propôs-me irmos a um registo notorial para assinarmos o contrato.

    Alguém tenha alguma minuta? Que cuidados se devem ter?

    Obrigada

    Sem garantias pessoais, eu não emprestava, existe empresas que podem oferecer garantias a quem pede financiamento... È um custo para quem pede financiamento, mas é avaliado.... Já teria algumas garantias de cumprimento/protecção..... A questão central, porque que o banco não empresta-lhe ? Existe P2P como a raize que financia também, empresas com atividade inferior a 2 anos..... Outra questão relevante, porque que não entra para a sociedade ? Se assustar a gestão pode ficar como socia não gerente.... Pode dp fazer um acordo onde posteriomente vende as cotas da sociedade e recupera o investimento.... 

    Edited by gustaferra

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    annlee

    Obrigado pela resposta.

    Peço desculpa, mas não percebi a sua resposta. Trata-se de um empréstimo entre particulares. Como mencionei no título e no post, somos amigos.

    A questão é que ele ele tem pedido de crédito, que será disponibilizado por tranches. Mas só o emprestam quando o projecto arrancar, e para o projecto arrancar tem de pagar primeiro alguns custos (10% do projecto, licença camarária e pagamento do projecto). Ele podia pedir a uma empresa que financie, mas tem receio que isso leve o banco a não aprovar o crédito.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    gustaferra
    há 8 minutos, annlee disse:

    Obrigado pela resposta.

    Peço desculpa, mas não percebi a sua resposta. Trata-se de um empréstimo entre particulares. Como mencionei no título e no post, somos amigos.

    A questão é que ele ele tem pedido de crédito, que será disponibilizado por tranches. Mas só o emprestam quando o projecto arrancar, e para o projecto arrancar tem de pagar primeiro alguns custos (10% do projecto, licença camarária e pagamento do projecto). Ele podia pedir a uma empresa que financie, mas tem receio que isso leve o banco a não aprovar o crédito.

    Um contrato de divida para esses 10% resolvia, qualquer amigo advogado lhe arranja.... 

    Mas pk que não entra para essa nova empresa em 10% ? E faz um acordo, qd  o projecto arrancar e receber o resto do financiamento, lhe pagaria esses 10% da sociedade e sairia da empresa ? Ficava sócia em 10% ( dos custos de arranque ) até receber o financiamento total do banco....

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    annlee

    Agradeço a resposta, mas a questão está relacionado com um projecto pessoal. Nada a ver com sociedades colectivas.

    • Like 1

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest PJA

    @gustaferra Se a pessoa em causa quiser o dinheiro para remodelar a casa ou fazer uma viagem à volta do mundo, a questão da sociedade não é aplicável...

    O Código Civil diz o seguinte a respeito dos Contratos de Mútuo:

    Citação

    Capítulo VII Mútuo

    Artigo 1142.º (Noção)

    Mútuo é o contrato pelo qual uma das partes empresta à outra dinheiro ou outra coisa fungível, ficando a segunda obrigada a restituir outro tanto do mesmo género e qualidade.

    Artigo 1143.º (Forma)

    Sem prejuízo do disposto em lei especial, o contrato de mútuo de valor superior a (euro) 25 000 só é válido se for celebrado por escritura pública ou por documento particular autenticado e o de valor superior a (euro) 2500 se o for por documento assinado pelo mutuário.

    Artigo 1144.º (Propriedade das coisas mutuadas)

    As coisas mutuadas tornam-se propriedade do mutuário pelo facto da entrega.

    Artigo 1145.º (Gratuidade ou onerosidade do mútuo)

    1. As partes podem convencionar o pagamento de juros como retribuição do mútuo; este presume-se oneroso em caso de dúvida. 
    2. Ainda que o mútuo não verse sobre dinheiro, observar-se-á, relativamente a juros, o disposto no artigo 559.º e, havendo mora do mutuário, o disposto no artigo 806.º

    Artigo 1146.º (Usura)

    1 - É havido como usurário o contrato de mútuo em que sejam estipulados juros anuais que excedam os juros legais, acrescidos de 3% ou 5%, conforme exista ou não garantia real. 
    2 - É havida também como usurária a cláusula penal que fixar como indemnização devida pela falta de restituição do empréstimo relativamente ao tempo de mora mais do que o correspondente a 7% ou 9% acima dos juros legais, conforme exista ou não garantia real. 
    3. Se a taxa de juros estipulada ou o montante da indemnização exceder o máximo fixado nos números precedentes, considera-se reduzido a esses máximos, ainda que seja outra a vontade dos contraentes.
    4 - O respeito dos limites máximos referidos neste artigo não obsta à aplicabilidade dos artigos 282.º a 284.º

    Artigo 1147.º (Prazo no mútuo oneroso)

    No mútuo oneroso o prazo presume-se estipulado a favor de ambas as partes, mas o mutuário pode antecipar o pagamento, desde que satisfaça os juros por inteiro.

    Artigo 1148.º (Falta de fixação de prazo)

    1. Na falta de estipulação de prazo, a obrigação do mutuário, tratando-se de mútuo gratuito, só se vence trinta dias após a exigência do seu cumprimento. 
    2. Se o mútuo for oneroso e não se tiver fixado prazo, qualquer das partes pode pôr termo ao contrato, desde que o denuncie com uma antecipação mínima de trinta dias. 
    3. Tratando-se, porém, de empréstimo, gratuito ou oneroso, de cereais ou outros produtos rurais a favor de lavrador, presume-se feito até à colheita seguinte dos produtos semelhantes. 
    4. A doutrina do número anterior é aplicável aos mutuários que, não sendo lavradores, recolhem pelo arrendamento de terras próprias frutos semelhantes aos que receberam de empréstimo.

    Artigo 1149.º (Impossibilidade de restituição)

    Se o mútuo recair em coisa que não seja dinheiro e a restituição se tornar impossível ou extremamente difícil por causa não imputável ao mutuário, pagará este o valor que a coisa tiver no momento e lugar do vencimento da obrigação.

    Artigo 1150.º (Resolução do contrato)

    O mutuante pode resolver o contrato, se o mutuário não pagar os juros no seu vencimento.

    Artigo 1151.º (Responsabilidade do mutuante)

    É aplicável à responsabilidade do mutuante, no mútuo gratuito, o disposto no artigo 1134.º

     

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    pauloagsantos
    A 16/01/2018 às 12:07, annlee disse:

    Trata-se de um empréstimo entre particulares. Como mencionei no título e no post, somos amigos..

    se preza o amigo então não empreste o dinheiro, amigos amigos, negócios à parte e se a coisa corre mal, perder o dinheiro e o amigo.

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    ComparaJá.pt

    Bom dia caro annlee.

    A contratação de um segundo crédito não será necessariamente factor eliminatório para o crédito à construção que o seu amigo já contratou, sendo no entanto aconselhável que ele faça simulações e calcule a sua taxa de esforço após os dois créditos.

    Se esta taxa se enquadrar abaixo dos 40% será um sinal mais positivo para os bancos, mas quanto mais baixa melhor e maior será a probabilidade de ver ambos os créditos aprovados.

    Atentamente,
    ComparaJá.pt

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    protasio

    Boas, 

    alguém consegue disponibilizar uma minuta para este tipo de contrato?

    Cumprimentos

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites
    Guest Marco jeronimo

    boas, já alguém lhe arranjou a minuta? é que eu tb estava a precisar . Obrigado. marco_jeronimo_41@hotmail.com

    Share this post


    Link to post
    Share on other sites

    Your content will need to be approved by a moderator

    Guest
    You are commenting as a guest. If you have an account, please sign in.
    Reply to this topic...

    ×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

      Only 75 emoji are allowed.

    ×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

    ×   Your previous content has been restored.   Clear editor

    ×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


    ×
    FinancasPessoais.pt

    Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

    Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

    Não mostrar mais esta caixa