afer

Será que temos que levar o dinheiro para um buraco da parede da casa?

65 publicações neste tópico

                        "A forte deterioração das finanças públicas em muitos países  reavivou o interesse num imposto único sobre a riqueza privada como medida  excecional para restaurar a sustentabilidade da dívida", afirma o Fundo  Monetário Internacional no "Fiscal Monitor", divulgado durante a assembleia  anual da organização em Washington DC. A sugestão vem na caixa 6 do documento,  sob a interrogação "A One-off capital levy? " (in "Fiscal  Monitor", Cap.2, "Taxing our way out of - or into - trouble", pg.49).

Com base numa amostra de 15 países da zona euro, para que a  dívida pública regressasse aos níveis finais de 2007, seria necessário um  imposto extraordinário de 10%, a aplicar uma só vez. A precaução a tomar é que a  medida seja anunciada e cumprida sem demora para evitar uma fuga de  capitais.

O FMI refere que "há uma quantidade surpreendentemente grande  de experiência no desenho" de tais medidas, nomeadamente na Europa após a Iª  Guerra Mundial e na Alemanha e no Japão depois da IIª Guerra  Mundial

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/fmi-sugere-imposto-de-10-sobre-a-riqueza-das-familias=f835648#ixzz2hq2OW9sq

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

                        "A forte deterioração das finanças públicas em muitos países  reavivou o interesse num imposto único sobre a riqueza privada como medida  excecional para restaurar a sustentabilidade da dívida", afirma o Fundo  Monetário Internacional no "Fiscal Monitor", divulgado durante a assembleia  anual da organização em Washington DC. A sugestão vem na caixa 6 do documento,  sob a interrogação "A One-off capital levy? " (in "Fiscal  Monitor", Cap.2, "Taxing our way out of - or into - trouble", pg.49).

Com base numa amostra de 15 países da zona euro, para que a  dívida pública regressasse aos níveis finais de 2007, seria necessário um  imposto extraordinário de 10%, a aplicar uma só vez. A precaução a tomar é que a  medida seja anunciada e cumprida sem demora para evitar uma fuga de  capitais.

O FMI refere que "há uma quantidade surpreendentemente grande  de experiência no desenho" de tais medidas, nomeadamente na Europa após a Iª  Guerra Mundial e na Alemanha e no Japão depois da IIª Guerra  Mundial

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/fmi-sugere-imposto-de-10-sobre-a-riqueza-das-familias=f835648#ixzz2hq2OW9sq

Não fico admirado se vier a acontecer...Há muito que caminha nesse sentido
0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

No médio-longo prazo não sei se não seria melhor, levantava-se o país num mês e mais cedo se metia a economia a render mais.

Agora os ricos cada vez mais ricos, os pobres mais pobres e a classe média a desaparecer é que está francamente errado.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O problema é que levantas o dinheiro, guardas numa caixa e depois fazes o quê?

Esperas? 1 ano? 5 anos? 10 anos?

É que a uma taxa de inflação média de 3% em pouco mais de 3 anos, já tiveram um confisco inflaccionário de 10%. Venho o diabo e escolha. E isto assumindo que a taxa de inflação se manterá historicamente baixa e estável como se tem mantido até agora.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

No médio-longo prazo não sei se não seria melhor, levantava-se o país num mês e mais cedo se metia a economia a render mais.

Agora os ricos cada vez mais ricos, os pobres mais pobres e a classe média a desaparecer é que está francamente errado.

E aqueles que durante 20 ou 30 anos trabalharam 70 horas e fizeram grandes esforços para terem poupanças agora iriam pagar as contas do país. )-:

Aqueles que tem vários milhões de Euros vão para a Suiça ou qualquer uma offshore e está o problema resolvido (Alguns destes já foram)...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Só se tributaria acima de determinado valor, bastante alto até penso eu. O que não pode continuar é a malta nova andar a ser explorada com a cantiga de que é para fazer currículo enquanto os grandes se enchem à pala do medo que é incutido ás pessoas. Não serão todos os casos mas são a maioria.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não me parece ser solução, dado que daqui por 10 anos voltariam a confiscar mais 10%, sob o mesmo pretexto  ;)

Só nos resta ter esperança numa nova geração de políticos, magistrados, sindicatos,... mais competentes e responsáveis  :police:

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Só se tributaria acima de determinado valor, bastante alto até penso eu. O que não pode continuar é a malta nova andar a ser explorada com a cantiga de que é para fazer currículo enquanto os grandes se enchem à pala do medo que é incutido ás pessoas. Não serão todos os casos mas são a maioria.

Nisto concordo contigo. :)

Quanto a achar que isto irá acontecer, sinceramente duvido muito de notícias que aparecem "antes".... Alguém sonhava com as taxas nos depósitos em Chipre? Salvo erro quando a notícia saiu cá para fora, os cipriotas não conseguiram tirar o dinheiro, só aqueles que foram avisados antes  ;D

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não sei em quê em concreto Cardoso, trabalho numa empresa de um grupo grande que no último ano teve uma valorização das ações na casa dos 40%+ anuais, os de cima dizem sempre que está mau mas que há-de vir a ficar melhor e enquanto isso é um entra e sai de pessoal a ordenado mínimo a quem prometem mundos e fundos mas na realidade é um roda bota fora e um tratamento como se fossemos mercadoria, não há respeito pelo ser humano.

Bem, mas se calhar a tua experiência de vida é outra de tal maneira que tens outra opinião.  :)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

                        "A forte deterioração das finanças públicas em muitos países  reavivou o interesse num imposto único sobre a riqueza privada como medida  excecional para restaurar a sustentabilidade da dívida", afirma o Fundo  Monetário Internacional no "Fiscal Monitor", divulgado durante a assembleia  anual da organização em Washington DC. A sugestão vem na caixa 6 do documento,  sob a interrogação "A One-off capital levy? " (in "Fiscal  Monitor", Cap.2, "Taxing our way out of - or into - trouble", pg.49).

Com base numa amostra de 15 países da zona euro, para que a  dívida pública regressasse aos níveis finais de 2007, seria necessário um  imposto extraordinário de 10%, a aplicar uma só vez. A precaução a tomar é que a  medida seja anunciada e cumprida sem demora para evitar uma fuga de  capitais.

O FMI refere que "há uma quantidade surpreendentemente grande  de experiência no desenho" de tais medidas, nomeadamente na Europa após a Iª  Guerra Mundial e na Alemanha e no Japão depois da IIª Guerra  Mundial

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/fmi-sugere-imposto-de-10-sobre-a-riqueza-das-familias=f835648#ixzz2hq2OW9sq

As soluções com resultados rápidos são sempre as preferidas. As soluções que dão mais trabalho, isto é, fazer  um planeamento, definir objectivos e prever resultados sérios e sustentados, são chatas e dão dor de cabeça.

O aumento de impostos e venda dos activos do estado é a prova disso mesmo. Resultados imediatos para satisfazer necessidades imediatas... Mas e no futuro? Não há EDP, CTT nem ANA para vender...

Curiosidade: Foi "muito bom" passar o fundo de pensões da banca e da PT para a CGA, arrecadando 4 mil milhões de euros (que serviu para pagar a divida). Todavia, não se pensou (ninguém quis falar porque não convinha) que no futuro era preciso pagar pensões... Agora queixam-se que a CGA não é sustentável.

Havia mais coisas para dizer sobre as finanças de Portugal, e que a maioria tem conhecimento, mas já estou a ficar enjoado (perdão pela expressão)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

As soluções com resultados rápidos são sempre as preferidas. As soluções que dão mais trabalho, isto é, fazer  um planeamento, definir objectivos e prever resultados sérios e sustentados, são chatas e dão dor de cabeça.

O aumento de impostos e venda dos activos do estado é a prova disso mesmo. Resultados imediatos para satisfazer necessidades imediatas... Mas e no futuro? Não há EDP, CTT nem ANA para vender...

Curiosidade: Foi "muito bom" passar o fundo de pensões da banca e da PT para a CGA, arrecadando 4 mil milhões de euros (que serviu para pagar a divida). Todavia, não se pensou (ninguém quis falar porque não convinha) que no futuro era preciso pagar pensões... Agora queixam-se que a CGA não é sustentável.

Havia mais coisas para dizer sobre as finanças de Portugal, e que a maioria tem conhecimento, mas já estou a ficar enjoado (perdão pela expressão)

Estou completamente de acordo! Especialmente com: "Havia mais coisas para dizer..."

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

                        "A forte deterioração das finanças públicas em muitos países  reavivou o interesse num imposto único sobre a riqueza privada como medida  excecional para restaurar a sustentabilidade da dívida", afirma o Fundo  Monetário Internacional no "Fiscal Monitor", divulgado durante a assembleia  anual da organização em Washington DC. A sugestão vem na caixa 6 do documento,  sob a interrogação "A One-off capital levy? " (in "Fiscal  Monitor", Cap.2, "Taxing our way out of - or into - trouble", pg.49).

Com base numa amostra de 15 países da zona euro, para que a  dívida pública regressasse aos níveis finais de 2007, seria necessário um  imposto extraordinário de 10%, a aplicar uma só vez. A precaução a tomar é que a  medida seja anunciada e cumprida sem demora para evitar uma fuga de  capitais.

O FMI refere que "há uma quantidade surpreendentemente grande  de experiência no desenho" de tais medidas, nomeadamente na Europa após a Iª  Guerra Mundial e na Alemanha e no Japão depois da IIª Guerra  Mundial

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/fmi-sugere-imposto-de-10-sobre-a-riqueza-das-familias=f835648#ixzz2hq2OW9sq

O que podemos/devemos fazer para evitar que as nossas poupanças/depósitos sejam afetadas?

Há algum banco a operar em Portugal que nos dê garantias dos depósitos  estarem a salvo deste «saque»?

Barclays, Deutsch Bank, ou outro?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Emigrar para um país com níveis de endividamento baixo?  ???

Como cidadãos de um país onde se isto aplicasse, não havia escapatória possível senão ilegalidades ou dinheiro/ouro debaixo do colchão.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Emigrar para um país com níveis de endividamento baixo?  ???

Como cidadãos de um país onde se isto aplicasse, não havia escapatória possível senão ilegalidades ou dinheiro/ouro debaixo do colchão.

Li neste Forum que fazer depósitos a prazo no Deutsche Bank era colocar dinheiro fora do país. A ser verdade, seria uma forma de evitar o tal «saque»....ou não é assim?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Li neste Forum que fazer depósitos a prazo no Deutsche Bank era colocar dinheiro fora do país. A ser verdade, seria uma forma de evitar o tal «saque»....ou não é assim?

Esse foi um argumento que veio á baila e utilizado por gerentes de balcão do Deutsche, mas coloco uma resposta a uma pergunta parecida a essa que retirei da net:

Vale a pena ter o Deutsche Bank ou no Barclays?

O Deutsche Bank e o Barclays Portugal são sucursais. Ou seja, não são bancos de direito português. O que significa isto? Simples: que o dinheiro depositado no Deutsche Bank e no Barclays passou a estar protegido pelos fundos de garantia alemão e britânico, respectivamente, e deixou de estar sob a alçada do Fundo de Garantia de Depósitos português. As garantias destes fundos alemão e inglês - desencadeadas apenas em caso de falência - são as mesmas que existem em Portugal no que diz respeito ao montante: 100 mil euros por depositante e por instituição. Se em vez da falência de um destes bancos estivermos a falar da saída de Portugal do euro, todos os produtos que fazem parte do balanço são automaticamente convertidos no novo escudo. Há, no entanto, uma alternativa. O Deutsche Bank está a vender uma conta que é aberta em simultâneo em Portugal e na Alemanha. Esta conta, com fundos diferentes, tem também interlocutores diferentes. Ou seja, o gestor da conta não está em território nacional, está fora. Se Portugal saísse da moeda única, estes euros seriam convertidos não em escudos, mas em marcos (isto se a Alemanha também voltasse ao marco).

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Esse foi um argumento que veio á baila e utilizado por gerentes de balcão do Deutsche, mas coloco uma resposta a uma pergunta parecida a essa que retirei da net:

Vale a pena ter o Deutsche Bank ou no Barclays?

O Deutsche Bank e o Barclays Portugal são sucursais. Ou seja, não são bancos de direito português. O que significa isto? Simples: que o dinheiro depositado no Deutsche Bank e no Barclays passou a estar protegido pelos fundos de garantia alemão e britânico, respectivamente, e deixou de estar sob a alçada do Fundo de Garantia de Depósitos português. As garantias destes fundos alemão e inglês - desencadeadas apenas em caso de falência - são as mesmas que existem em Portugal no que diz respeito ao montante: 100 mil euros por depositante e por instituição. Se em vez da falência de um destes bancos estivermos a falar da saída de Portugal do euro, todos os produtos que fazem parte do balanço são automaticamente convertidos no novo escudo. Há, no entanto, uma alternativa. O Deutsche Bank está a vender uma conta que é aberta em simultâneo em Portugal e na Alemanha. Esta conta, com fundos diferentes, tem também interlocutores diferentes. Ou seja, o gestor da conta não está em território nacional, está fora. Se Portugal saísse da moeda única, estes euros seriam convertidos não em escudos, mas em marcos (isto se a Alemanha também voltasse ao marco).

E isso protege os depósitos efectuados nessa conta do tal possível «saque» de que fala a notícia do Expresso?

Obrigado pelos esclarecimentos. ;-)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

E isso protege os depósitos efectuados nessa conta do tal possível «saque» de que fala a notícia do Expresso?

Obrigado pelos esclarecimentos. ;-)

Provavelmente sim, a minha pergunta é, e depois como é a movimentação cá em Portugal? um dia que querias resgatar e ter o dinheiro fisico? vai ser convertido na mesma em escudos, e depois sujeito na mesma ao câmbio...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Vejo isto quase como a questão de um fundo, se eu tenho um fundo que está domiciliado no Luxemburgo, em teoria não tenho o meu dinheiro cá, está no Luxemburgo, se Portugal sair do euro continuo com o meu fundo em euros, o problema é no resgate, se o resgatar é feita a conversão, a não ser que emigre para o Luxemburgo  ;D

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Sim, mas um fundo domiciliado no Luxemburgo está sujeito às regras do Luxemburgo.

Já um depósito bancário numa sucursal em Portugal de um banco alemão estará sujeito às regras do BdP, i.e., Portugal, penso eu de quê.

Essa história de o dinheiro estar mais seguro num desses bancos é quase tão anedótica como ter uma conta em USD domiciliada em PT... Acham mesmo que se sairmos do Euro, as contas bancárias em USD, CHF, GBP também não irão ser alvo de conversão directa para o escudo?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Apesar de tudo há uma coisa importante ,se o resgate desses fundos nessas moedas referidas fôr feito depois de um ano ou dois e traduzido para escudos ganha-se muito dinheiro pela desvalorização imediata e prevista do escudo de 60% a 90% nos primeiros 1 a 2 anos . fica só uma duvida é o imposto que o Estado pode impôr

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Neste momento a preocupação não é se Portugal sair do Euro. A preocupação é evitar o saque de 10% no montante dos depósitos em caso de «crise». E, pelo que tenho lido, esse saque será feito do dia para a noite para que ninguém tenha tempo de se «safar»...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Neste momento a preocupação não é se Portugal sair do Euro. A preocupação é evitar o saque de 10% no montante dos depósitos em caso de «crise». E, pelo que tenho lido, esse saque será feito do dia para a noite para que ninguém tenha tempo de se «safar»...

Só colocaria "ninguém" desta forma. Todos sabemos que quem tem dinheiro seria avisado uns dias antes, se não for com mais tempo.

De qualquer forma não percebo como poderão ser aplicados os 10%. Imaginemos alguém que tem tudo investido em acções, obrigações, obrigariam a vender para pagar? ;D  Já para não falar em FI etc

Não sei o que consideram património financeiro/riqueza.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Só colocaria "ninguém" desta forma. Todos sabemos que quem tem dinheiro seria avisado uns dias antes, se não for com mais tempo.

De qualquer forma não percebo como poderão ser aplicados os 10%. Imaginemos alguém que tem tudo investido em acções, obrigações, obrigariam a vender para pagar? ;D  Já para não falar em FI etc

Não sei o que consideram património financeiro/riqueza.

«

A forte deterioração das finanças públicas em muitos países  reavivou o interesse num imposto único sobre a riqueza privada como medida  excecional para restaurar a sustentabilidade da dívida", afirma o Fundo  Monetário Internacional no "Fiscal Monitor", divulgado durante a assembleia  anual da organização em Washington DC. A sugestão vem na caixa 6 do documento,  sob a interrogação "A One-off capital levy? " (in "Fiscal  Monitor", Cap.2, "Taxing our way out of - or into - trouble", pg.49).

Com base numa amostra de 15 países da zona euro, para que a  dívida pública regressasse aos níveis finais de 2007, seria necessário um  imposto extraordinário de 10%, a aplicar uma só vez. A precaução a tomar é que a  medida seja anunciada e cumprida sem demora para evitar uma fuga de  capitais.

O FMI refere que "há uma quantidade surpreendentemente grande  de experiência no desenho" de tais medidas, nomeadamente na Europa após a Iª  Guerra Mundial e na Alemanha e no Japão depois da IIª Guerra Mundial.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/fmi-sugere-imposto-de-10-sobre-a-riqueza-das-familias=f835648#ixzz2iAzKmbiv »

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

«

A forte deterioração das finanças públicas em muitos países  reavivou o interesse num imposto único sobre a riqueza privada como medida  excecional para restaurar a sustentabilidade da dívida", afirma o Fundo  Monetário Internacional no "Fiscal Monitor", divulgado durante a assembleia  anual da organização em Washington DC. A sugestão vem na caixa 6 do documento,  sob a interrogação "A One-off capital levy? " (in "Fiscal  Monitor", Cap.2, "Taxing our way out of - or into - trouble", pg.49).

Com base numa amostra de 15 países da zona euro, para que a  dívida pública regressasse aos níveis finais de 2007, seria necessário um  imposto extraordinário de 10%, a aplicar uma só vez. A precaução a tomar é que a  medida seja anunciada e cumprida sem demora para evitar uma fuga de  capitais.

O FMI refere que "há uma quantidade surpreendentemente grande  de experiência no desenho" de tais medidas, nomeadamente na Europa após a Iª  Guerra Mundial e na Alemanha e no Japão depois da IIª Guerra Mundial.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/fmi-sugere-imposto-de-10-sobre-a-riqueza-das-familias=f835648#ixzz2iAzKmbiv »

Eu li essa notícia, obrigado ;)

Continuo sem perceber como irão qualificar a "riqueza". Alguém que tenha um imóvel no valor de 100.000€ e não tenha dinheiro no banco, pagaria 10%?

Acho que isso só se aplicaria aos valores em bancos, espero que os valores em corretoras não fossem alvo desta taxa, até porque isso obrigaria as pessoas a fechar posições para pagar os 10%...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Só podem mexer á cabeça em aplicações balanço do banco, Depósitos á ordem e a prazo, o resto o que poderão fazer é aplicar alguma coisa no resgate.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead