tucha

Leve UNI - PPR.

6 publicações neste tópico

Boa tarde

Tendo em conta que sou assinante da revista Proteste Investe mas que mais uma vez fui  muito mal  servida em tentar obter ajuda juridica do serviço deles que eles “apregoam” como funcionando e bem,  sobre um produto financeirode que a minha mãe dispoe    dispoe neste momento( e pago mensalmente quase 10 euros para ter direito a ter este serviço e a revista!) venho por este meio solicitar a vossa ajuda que me parece que possa vir a a ser bem mais util!

Agradeço antecipadamente toda a ajuda que me possam fornecer.

Transcrevo assim o e-mail que lhes enviei com a descrição da situação e com o link da descrição do produto.

http://web3.cmvm.pt/sdi2004/fundos/pensoes/docs/PS000676000142.pdf

Exmºs Senhores

O meu nome á Anabela de Jesus Vitor Manuel e na vossa condição de assinante da Revista Proteste Investe venho por este meio solicitar a vossa ajuda técnica sobre esta aplicação financeira mencionada acima, o PPR –LEVE UNI.

Antes de colocar as questões queria informar que este PPR foi proposto á minha mãe, (já com a idade de 77 anos, na altura em 2009) logo não  como uma aplicação para ter beneficios fiscais no IRS, já que nesta altura ela ja se encontrava reformada, mas sim como uma aplicação de rentabilização do produto, ou seja como algo semelhante a um depósito a prazo, que ao fim do tempo previsto (e durante os 6 anos de duração do mesmo) lhe daria algum juro significativo...

Ora isto foi o que foi transmitido á minha mãe na altura (em 2009 ela aderiu a este produto sem me dar conhecimento do mesmo) mas eu sei que isso não corresponde á realidade, porque vejamos, a suposta rentabilidade “gerou” em 2012, 3 anos depois de ser subscrito a módica quantia de 193.81€ (valor obtido depois de uma solicitação de pedido de rembolso), e isto ainda valor iliquido, sujeito á fiscalidade em vigor.

Portanto  a questão seria, tendo em conta que o produto está a “vencer” novamente (começou em 28/07/2009), deverei resgatá-lo antes ou depois desta data???

Tendo em conta que não obtenho qualquer vantagem em manter este PPR, até ao seu termino que é 2016, correcto??

Naqo existe qulaquer  estimativa de ganho (porque depende da Euribor) no ano de 2016, término do contrato, correcto??

Ou seja existem vantagens em pedir o reembolso antes de dia 28/07 ou deverei fazê-lo, só depois do mês de Agosto??

Para melhor compreensão do questão envio em anexo, as condições particulares, e um pospecto simplificado do produto.

Agradecendo antecipadamente resposta assim que seja possivel,e  com os melhores cumprimentos.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Das condições do produto:

Duração do contrato

O contrato tem início na data da primeira subscrição de uma opção de investimento do LEVE PPR sendo a duração sempre superior a cinco (5) anos. Porém, a Pessoa Segura não pode ter, no termo do contrato, idade inferior a sessenta (60) anos.

Como raio é que ela conseguiu subscrever o produto então? Aqui parece-me que dava para provar que houve alguma negligência da parte do banco...

REEMBOLSO

I. Pode ser solicitado o reembolso, total ou parcial, do PPR, desde que se encontre pago pelo menos um prémio (montante entregue) e caso se verifique alguma das situações legalmente previstas:

a) Reforma por velhice da Pessoa Segura, ou do seu cônjuge quando o PPR seja um bem comum por força do regime de bens do casal;

B) Desemprego de longa duração da Pessoa Segura ou de qualquer dos membros do seu agregado familiar;

c) Incapacidade permanente para o trabalho da Pessoa Segura ou de qualquer dos membros do seu agregado familiar, qualquer que seja a causa;

d) Doença grave da Pessoa Segura ou de qualquer dos membros do seu agregado familiar;

e) A partir dos sessenta (60) anos de idade da Pessoa Segura, ou do seu cônjuge quando o PPR seja um bem comum por força do regime de bens do casal;

f) Em caso de morte da Pessoa Segura ou do seu cônjuge, nos termos previstos na lei.

II. O reembolso efetuado ao abrigo das alíneas a) e e) do número anterior só se pode verificar quanto a entregas relativamente às quais já tenham decorrido pelo menos cinco anos após as respetivas datas de aplicação pelo titular do contrato. Porém, decorrido que seja o prazo de cinco anos após a data da primeira entrega, a Pessoa Segura pode exigir o reembolso total do PPR, ao abrigo da alíneas a) e e) do parágrafo I, se o montante das entregas efetuadas na primeira metade de vigência do contrato representar, pelo menos, 35% da totalidade das entregas.

III. O disposto no número anterior aplica-se igualmente às situações de reembolso previstas nas alíneas B) a d) do parágrafo I, nos casos em que a pessoa em cujas condições se funde o pedido de reembolso já se encontrasse, à data de cada entrega, na respetiva situação.

...

V. O reembolso do valor do PPR pode, ainda, ser efetuado fora das situações previstas nos anteriores parágrafos I, II e III, sendo, contudo, aplicáveis as seguintes condições:

a) Em caso de reembolso parcial, o respetivo valor não poderá ser inferior ao limite mínimo em vigor no Segurador na data de reembolso, nem o Capital remanescente poderá ser inferior ao valor mínimo em vigor no Segurador para este tipo de contrato;

B) Os reembolsos, totais ou parciais, estarão sujeitos, nos primeiros 5 anos de vigência, à aplicação de uma comissão máxima de 0,5% sobre o respetivo valor reembolsado, sempre que não sejam verificadas as situações previstas nos anteriores parágrafos I, II e III;

Parece-me que talvez valha a pena esperar ainda mais um ano para evitar a tal comissão de 0,5%.

Referes um valor de cerca de 200€ de lucro no 3º ano. Isto tanto pode ser muito como pode ser pouco dependendo de quanto foi investido. A julgar pelo documento com a descrição do produto, até 2011 teria tido uma rentabilidade média de uns 2%? Quer dizer que, a manter-se este rendimento, antes dos 5 anos a rentabilidade seria de de uns 1,5%... Se conseguirem investir esse dinheiro a uns 2,5%/3%, eu diria que mais do que compensa levantar desde já...Do que percebi não me parece haver grande diferença entre pedir o resgate já ou depois do dia 28 - não há juros a serem pagos numa dada data, é o valor da unidade de participação que vai variando diariamente que determina quanto vai ser reembolsado...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A minha mãe tem esse produto, penso eu que em moldes muito semelhantes, já que o constituiu depois de reformada. Confirmo que a taxa de juro é muito fraquinha, estando à volta de 1.5%-2%.

Por acaso tenho de ver quanto tempo falta para isso, pois se calhar compensa mesmo resgatar. Ela tinha-me dito que não podia levantar antes dos 5 anos, mas pelos vistos não é obrigatoriamente assim.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Antes de mais muito obrigado pelas respostas , especialmente a do Paulo Guia. :)

Vou responder primeiro ao PauloGuia ...

Pois é eu também acho que existiu muita negligência da parte do banco, e como este produto tenho vários outros produtos em muito piores condições e sinceramente se pudesse , se tivesse alguma forma de responsabilizar o banco  os bancos, tenham toda a certeza que o faria!!

É incrivel o que os bancos fazem quando "apanham" alguém já com uma certa idade, um idoso, com bastantes euros para investir e sem ter conhecimento de nada, nem ir com ninguém mais novo que conheça os produtos e os possa avaliar mais ou menos como deve de ser, dado que eu não sou bancária e tudo o que sei e que aprendi é de Foruns e a pesquisar na net...

A primeira questão, Paulo, não tem a ver com a idade (não a deixavam aderir ao produto se tivesse menos de 60 anos, ora ela já tinha 77 anos quando o subscreveu, a irresponsabilidade nesta situação e o absurdo desta situação é que ela fez UM PPR , logo um plano poupança para a reforma, algo que na altura lhe daria beneficios fiscais no IRS mas que nunca os obteve porque quando o subscreveu já estava reforma por velhice!!!

Ou seja subscreveu um produto que tb tinha a opção de alguma rentabilidade mas dimininuta.  (daquilo pouco que entendo, repara o valor subscrito foi de 3.000€ por um periodo de 6 anos, e ao fim de 3 anos e sem ter qualquer beneficio fiscal, esta coisa rendeu 193,00!!) Ou seja pergunto-me actualmente o que é que se ganhou com isto e mais importante, o porquê de manter este dinheiro nesta coisa, se já nem beneficios fiscais existem ?

Quando á taxa por reembolso  de 0,5 a leitura que faço é que já não se aplica visto que sobre o respetivo valor reembolsado, sempre que não sejam verificadas as situações previstas nos anteriores parágrafos I, II e III;, .

Ora neste caso verifica-se uma situação prevista que é ela já está reformada por invalidez(actualmente já tem 81 anos) e portanto poderei regastar a qualquer momento sem qualquer tipo de penalização, gostaria de confirmar contigo se também é esta a leitura que fazes ou se estou enganada...

Quanto á data de pedido de reembolso, tens razão, será proventura indeferente em termos de antes ou depois do dia em que “faz anos”.

Em termos de rentabilidade pois que gostaria muito de saber se esperasse pela totalidade dos anos (mais 3 anos) quando é que seria o valor total, mas a avaliar pelo acrescimo de 193 euros em 3 anos...

Ou seja gostari muito de entender isso que explicas da “unidade de participação”, o que é isso em concreto da Unidade de Participação...

E mais  a suposta rentabilidade deste produto está sujeito á taxa da Euribor, não está?

A unica coisa que a Proteste investe me disse é que com um taxa anual de 2,3% liquidos de Certificados de aforro, talvez fosse melhor resgatar já...o que achas, se fosses tu, o que farias, sinceramente?

 

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A minha mãe tem esse produto, penso eu que em moldes muito semelhantes, já que o constituiu depois de reformada. Confirmo que a taxa de juro é muito fraquinha, estando à volta de 1.5%-2%.

Por acaso tenho de ver quanto tempo falta para isso, pois se calhar compensa mesmo resgatar. Ela tinha-me dito que não podia levantar antes dos 5 anos, mas pelos vistos não é obrigatoriamente assim.

Obrigado pela tua resposta antes de mais.

Pois parece que este produto não foi "inventado" para render mas sim e essencialmente se obterem rendimentos fiscais com ele, isto se as pessoas os tivessem feito antes de estarem reformadas, claro, porque para mim, depois foi mesmo uma vigarisse!

Sim, a taxa (e do pouco que percebo, pelas minhas contas), é realmente  muito baixa- Mas se leres bem as condições do produto (que enviei também um link) poderás resgatar antes dos 6 anos, e se bem entendo consoante as situações particulares de cada um, sem a penalização de 0,5.

Naquilo pouco que sei, e no que puder ajudar estamos aqui.  :)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Quando á taxa por reembolso  de 0,5 a leitura que faço é que já não se aplica visto que )Os reembolsos, totais ou parciais, estarão sujeitos, nos primeiros 5 anos de vigência, à aplicação de uma comissão máxima de 0,5% sobre o respetivo valor reembolsado, sempre que não sejam verificadas as situações previstas nos anteriores parágrafos I, II e III;, .

Ora neste caso verifica-se uma situação prevista que é ela já está reformada por invalidez(actualmente já tem 81 anos) e portanto poderei regastar a qualquer momento sem qualquer tipo de penalização, gostaria de confirmar contigo se também é esta a leitura que fazes ou se estou enganada...

Estás a dizer que se lhe aplica o ponto I a).

Mas justamente no ponto II diz que as alíneas a) e e) só podem ser invocadas depois do 5º aniversário da subscrição... Daí que esta seria uma situação de resgate não prevista pelos pontos I, II e III, logo passível de lhe ver aplicada a tal comissão de até 0,5%.

Ou seja gostari muito de entender isso que explicas da “unidade de participação”, o que é isso em concreto da Unidade de Participação...

E mais a suposta rentabilidade deste produto está sujeito á taxa da Euribor, não está?

Pensa nos fundos como as ações: o seu valor flutua com alguma frequência (tipicamente todos os dias ou mesmo em tempo real); quando compras unidades desse fundo compras um determinado número de unidades a um determinado valor; quando as vendes vendes a outro valor. O teu lucro (ou prejuízo) é calculado em função dessa diferença de valores.

Imagina que quando o fundo foi constituído, cada unidade de participação valia 1.00€. Quando entraste no fundo, cada unidade de participação valia 1.50€ - compraste 3000€, compraste 2000 UPs. Se ao resgatar a tua participação a UP estiver a 1.60€, terás 0.10€ de lucro por UP ou 200€.

Do que eu leio no prospeto o rendimento mínimo do tal fundo UNI eestá indexado à Euribor, sim. Mas não quer dizer que não possa ser superior. Se bem percebi não ultrapassa é os 4% (mas li essa parte a correr).

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead