Ir para o conteúdo
1Escudo

Idade decide o melhor pé-de-meia

Recommended Posts

1Escudo    8
1Escudo

Entre depósitos, certificados, obrigações e fundos, explicamos a melhor estratégia para conseguir uma boa poupança para os filhos  Poupar para o futuro dos filhos é importante de modo a garantir que, quando for necessário, existe dinheiro para pagar a universidade, comprar o primeiro carro ou financiar a viagem de finalistas. Daí que muitos pais tenham a preocupação de organizar uma poupança para os mais novos. Mas, com frequência, surge a dúvida: qual a melhor solução para rentabilizar o dinheiro?

Analisámos as propostas dos bancos e visitámos alguns balcões. Concluímos que as contas de poupança para crianças e jovens têm um rendimento pouco interessante, inferior ao das melhores contas de depósito dirigidas a "adultos". Quanto aos balcões que visitámos, foram quase unânimes em aconselhar depósitos a prazo, mesmo não sendo a melhor opção para todas as idades. Pior foi a taxa anual líquida apresentada: 2 por cento.

Como a idade das crianças é um fator decisivo na escolha do produto, devido ao prazo do investimento, apresentamos-lhe as melhores soluções para fazer um pé-de-meia para os seus filhos. Para tal, basta verificar em que escalão etário eles se inserem (até aos 10 anos, entre os 11 e os 18 ou mais de 18 anos).

Siga os nossos conselhos para o Rafael, para a Bruna e para a Bárbara. Para cada escalão, indicamos a melhor estratégia de investimento de modo a rentabilizar ao máximo as poupanças e os produtos que são Escolha Acertada.

Taxas baixas para crianças e jovens

Dos 20 preçários que analisámos, 13 apresentavam produtos para crianças ou jovens. As propostas vão desde contas à ordem ou a prazo até seguros de capitalização ou planos mutualistas.

  As melhores propostas de poupanças para os menores estão no Banco Popular e no Montepio.

Para os mais novos o potencial de rendimento é superior quando se investe em produtos de longo prazo.

 

O problema é que nenhum dos produtos proporciona, no primeiro ano, um rendimento superior ao dos melhores depósitos tradicionais a 12 meses.

As melhores propostas para os menores estão no Montepio e no Banco Popular e são de 2,2% líquidos. Já os melhores depósitos tradicionais chegam aos 3% de rendimento líquido. A única vantagem das contas para jovens é permitirem entregas regulares de baixo valor: útil como destino do dinheiro que as crianças recebem de familiares.

O nosso teste prático aos balcões do BPI, Banco Espírito Santo, Santander Totta, Caixa Geral de Depósitos e Millennium bcp também não deu grandes frutos. Com exceção de um dos funcionários do Santander Totta, os restantes foram unânimes em recomendar depósitos a prazo como a melhor solução.

Na verdade, estes nem sempre são a melhor opção, sobretudo quando falta muito para o filho completar 18 anos. Para piorar, a maioria das taxas propostas foi muito baixa (a mais elevada foi de 2%) ou, quando apresentavam taxas um pouco melhores, só incidiam sobre parte da poupança. A idade da criança nunca foi relevante para o aconselhamento. Apenas num dos balcões do Santander Totta foi aconselhado um produto com capital garantido, com o rendimento indexado a ações e que renderia mais do que um depósito a prazo.

Melhor rendimento no longo prazo A escolha de um produto de poupança, que só vá ser usado a partir dos 18 anos, irá depender de três fatores: da idade da criança ou jovem na data da contratação, de pretender ou não aceder ao dinheiro a qualquer momento e do risco que os pais estão dispostos a correr.

Para os mais novos, o potencial de rendimento é superior quando se investe em produtos de longo prazo. Embora envolvam algum risco, por incluírem ações, como o prazo é longo, dá tempo para recuperar eventuais perdas. Neste campo, os fundos mistos são a melhor solução, por serem uma forma diversificada de investir em ações e obrigações.

Segundo a percentagem aplicada em ações, pode optar por fundos defensivos (30%), neutros (entre 30 e 50%) ou agressivos (mais de 50 por cento). Quanto maior a percentagem daquelas, maior o rendimento potencial e o risco. A nossa Escolha Acertada recaiu sobre os fundos mistos neutros. Mas, para pais que não se importem de arriscar um pouco mais em troca de um rendimento superior, a melhor opção é o fundo Crédito Suisse Portfolio Fund (L) Growth Euro B. Este produto pode ser subscrito no ActivoBank e teve uma rentabilidade anual de 2,3% e de 4,8% a 5 e 3 anos, respetivamente.

      O nosso estudo

Teste prático em 5 bancos

  Analisámos o preçário de 20 bancos para verificar se dispõem de produtos de poupança para crianças e jovens. Fizemos ainda um teste prático nos balcões dos cinco maiores bancos.

Apresentámo-nos como pais de uma criança de 3 anos e um jovem de 15 anos com 1000 euros de cada uma para aplicar. Contávamos ainda investir cerca de 100 euros todos os meses, mas com liberdade para alterar o valor a aplicar. Em cada local, perguntámos que produtos nos conselhavam para rentabilizar o dinheiro até completarem os 18 anos. As visitas decorreram em abril de 2013.

     

Entre os 11 e os 18 anos o fator "risco" deve ser considerado. Perto dos 11 anos, quem estiver disposto a arriscar um pouco e, em troca, obter um rendimento superior, pode apostar em fundos mistos defensivos.

Os produtos sem qualquer risco têm um rendimento mais baixo, como os depósitos a prazo e os Certificados de Aforro. Contudo, tem sempre o dinheiro disponível e, à partida, pode fazer reforços quando quiser.

São mais indicados para quem pode precisar do dinheiro em qualquer momento, ou, no caso dos filhos, quando estão perto de entrar para a faculdade ou de tirar a carta de condução, por exemplo.

As Obrigações do Tesouro são um produto de baixo risco, mas só interessam a quem não faz questão de ter o dinheiro disponível em breve e não pretende fazer reforços. Têm ainda outro inconveniente: mínimo de 2500 euros, para diluir os custos de transação (a aquisição dos títulos é feita em Bolsa). Trata--se de uma poupança de médio e longo prazo (3 a 10 anos), com um rendimento superior ao dos depósitos e certificados. Para estes prazos, pode atingir os 4,2% líquidos.

Um investidor mais cuidadoso, mas que queira garantir um bom rendimento, deve diversificar ao combinar vários produtos.

Ou seja, abrir um depósito a prazo para garantir alguma liquidez, comprar Obrigações do Tesouro para aumentar o rendimento com segurança e investir num fundo misto, para rentabilizar melhor o dinheiro. Confira as Escolhas Acertadas na página 35, em função da idade da criança.

fonte:jornaldenegocios

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
ruicarlov    511
ruicarlov

Para entrega única sugiro aproveitar os CTPMs, cuja taxa vai baixar em Fevereiro, mas para já continua a ser das aplicações com melhor retorno/risco para um prazo de 5 anos. Estão neste momento bem melhores que as obrigações do tesouro.

Depósitos a prazo, Banco Invest e Banco Privado Atlântico têm das melhores taxas a 1 ano, embora os montantes mínimos de constituição possam ser alguma barreira (5.000 e 2.500€ respectivamente)

Fundos é um conselho intemporal (ou quase). O que estava escrito antes pode perfeitamente ser aplicado hoje. Quanto muito pode estar um ou outro fundo em destaque, por ter sido exemplo de boa gestão ao longo do tempo.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
mil@    0
mil@

Agradeço desde já a sua resposta.

Estive a fazer uma leitura no sítio do aforronet e fiquei com uma dúvida: os juros são transferidos anualmente para a minha conta, correcto? e a verba inicial, por exemplo: 2000 mil escuros e também movimentada para a minha conta ao fim dos 5 anos ou podem ficar mais 5 anos, sendo esse o desejo do titular? sendo o máximo do investimento de cada titulo de 10 anos. Entendi bem?

Cumprimentos

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
ruicarlov    511
ruicarlov

Penso que está a fazer confusão entre os vários produtos.

Os certificados de aforro podem durar até 10 anos, mas não distribuem juros anuais. São todos capitalizados. Só no momento do resgate é que vai dinheiro para a nossa conta.

Os certificados de tesouro poupança mais duram no máximo 5 anos, pagam juros anuais na nossa conta bancária, e o capital é devolvido no final dos 5 anos.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoticons maximum are allowed.

×   Foi criada uma pré-visualização automática a partir da ligação que colocou.   Mostrar apenas como ligação

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa