carlosedumsilva

SWAP Pessoal

4 publicações neste tópico

Boas,

Tenho ouvido muito sobre as SWAPs que não passam simplesmente por ser um crédito a taxa fixa.

Ouço falar que são ilegais e que os bancos não foram "corretos" com as instituições estatais.

A minha pergunta é: não será a mesma coisa nos créditos pessoais?

Eu tenho um crédito pessoal e na altura "aderi" à taxa fixa pq a Euribor estava a cavalgar de uma forma desenfreada... azar foi que começou a descer para níveis históricos e eu continuo a pagar um balúrdio..

Será, que à luz do que se passa com o estado português, poderei renegociar o meu crédito?

Obrigado,

Carlos

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Corrigiam-me se estiver errado:

Investimento inicial em acções = 500 EUR

Após 13 anos = 12 000 EUR

(já esteve a 15 000 EUR)

Como fazer para ter um resultado certo ao final de cada mês, em detrimento destas variações de 3 000 EUR?

Opção 1: Obrigações a render 5% ao ano, para assim e através dos 12 000 EUR obter 50 EUR/ano durante os próximos 5 anos.

Opção 2: SWAP Agreement (Acordo SWAP)

12 000 EUR

Como não sabemos como as acções estarão daqui a 5 anos, pode a carteira valer 10 000 EUR ou 25 000 EUR. SWAP: Não mexes nas acções durante 5 anos, e eu no fim do prazo dou-te 3 000 EUR (ou seja no fim irás obter 15 000 (12 000 + 3 000)).

Em troca tu dás-me o valor final da carteira, independentemente do valor da mesma:

a)      Se o valor da carteira estiver nos 25 000 EUR: Eu (SWAP) dou-te 3 000 EUR. E tu dás-me 13 000 EUR (25 000 – 12 000). Ou seja no final, a SWAP fica com 10 000 EUR.

B)      Se o valor da carteira estiver nos 10 000 EUR: Eu (SWAP) dou-te os 3 000  EUR. E mais os 2 000 EUR para voltar a colocar a carteira nos 12 000 EUR iniciais. (No total dou-te 5 000 EUR). Ou seja no final, a SWAP fica sem 5 000 EUR.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

primeiro as swap não são um crédito a taxa fixa, segundo não são ilegais e terceiro pode tentar renegociar o seu crédito mas não há nada que obrigue o banco a mudar o seu crédito pessoal de taxa fixa para taxa variável.

resumidamente o que é um swap.

vamos supor que temos uma empresa na europa que compra aos estados unidos e vende aos europeus. Como compra em dolares e vende em euros se o euro se valorizar face ao dolar vai ganhar dinheiro, mas de desvalorizar vai perder dinheiro.

do outro lado do atlântico existe uma empresa que compra à europa e vende aos estados unidos, que será igualmente afectada positivamente ou negativamente com a valorização dolar/euro.

as duas empresas podem fazer um contrato de swap, se o euro se valorizar face ao dolar a empresa europeia dá parte do seu lucro à empresa americana, de o euro se desvalorizar face ao dolar a empresa americana dá parte do seu lucro à empresa europeia. ficando assim a duas empresas mais protegidas face às desvalorizações das moedas. os contratos não se aplicam apenas às moedas, podem-se aplicar a outros produtos, petroleo, ouro, etc.

o que aconteceu com os swap das empresas publicas em portugal é que parece que os contratos eram mais negativos do que positivos para as empresas

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Deixo aqui um exemplo simples de um swap de taxa de juro: Uma empresa tem um crédito a taxa variável. Por questões de gestão de tesouraria (prefere ter os fluxos de caixa 100% conhecidos) ou porque não quer incorrer em risco de taxa de juro (não quer correr o risco da euribor subir). À luz disto decide fazer um swap em que recebe a Euribor (a mesma que paga no Crédito) e paga Taxa fixa (que é o que pretendia). Este tipo de swap de taxa de juro (é um swap pq troca taxa fixa por taxa variável) não é, na minha opinião, nada "tóxico" e faz todo o sentido na perspectiva das empresas que queiram atingir os objetivos mencionados acima (fixação de taxa). Quando se faz um swap deste tipo sabe-se uma coisa com certeza (sabe-se que fluxos de caixa é que se vai ter uma vez que sinteticamente se conseguiu um crédito a taxa fixa); aquilo que só se sabe à posteriori é os resultados do swap - isto é, se se ganhou ou perdeu com o swap (se teria sido melhor não ter feito o swap) e isso depende do facto das euribors terem subido ou descido desde o momento da contratação do swap. O que se passa para a generalidade dos swaps é que estão com resultados bastante negativos porque desde que foram negociados as euribors desceram substancialmente e como tal "teria sido preferível não ter contratado os swaps". Mas isto é algo que não se sabe à priori e por si só não deveria ser suficiente para dizer que a decisão de ter feito o swap foi uma má decisão: um swap deste tipo "entregou o que prometeu" e que foi fluxos fixos e conhecidos. Outra coisa diferente, são os swaps "tóxicos" que muitas dessas empresas fecharam (indexados a commodities, a câmbios, ...) que nada têm a ver com cobertura de riscos e que merecem toda a critica.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead