1Escudo

Moody's affirms Portugal's Ba3 ratings and negative outlook

2 publicações neste tópico

Moody's affirms Portugal's Ba3 ratings and negative outlook  March 28, 2013 - Cbonds

Moody's Investors Service has today affirmed the Republic of Portugal's Ba3 government bond ratings and negative outlook.

The drivers for maintaining the negative outlook on Portugal's sovereign ratings are:

1.) The euro area's continued vulnerability to shocks emanating from the regional debt crisis, most recently the agreement by the European Union (EU) to the "bail-in" of bank deposits to raise part of the funds needed for Cyprus' financial rescue.

2.) Portugal's very high level of government debt and its continued large deficit.

3.) The country's weak economy, which is likely to undergo a larger-than-expected contraction this year, and the risks this poses to the stabilization of Portugal's debt metrics in 2014-15.

The drivers for affirming Portugal's Ba3 sovereign ratings are:

1.) Portuguese policymakers' significant progress in achieving fiscal consolidation and implementing structural reforms in the context of the economic adjustment programme by the EU and International Monetary Fund (IMF).

2.) Portugal's progress in regaining market access in recent months, a prerequisite for the country to successfully exit the EU/IMF support programme in May 2014 without needing a second bailout.

RATINGS RATIONALE

RATIONALE FOR MAINTAINING PORTUGAL'S NEGATIVE RATING OUTLOOK

The first driver underlying Moody's decision to maintain a negative outlook the Portugal's Ba3 sovereign rating is the country's susceptibility to euro-area-related event risk, mainly because of its very high debt levels and subdued growth prospects. Such risks were most recently evidenced by the EU's unprecedented decision to fund Cyprus' financial rescue by imposing a levy on bank deposits above a certain size. The move has significantly heightened fears surrounding the safety of bank deposits in other European systems. More generally, Moody's believes that Portugal's vulnerability to wider euro area stresses has been reaffirmed by euro area policymakers' handling of the Cyprus crisis, the increased risk tolerance apparent in their actions, and investors' uncertain risk assessment prompted by a more uncompromising and less predictable approach to crisis management.

The second driver underpinning the negative outlook on Portugal's sovereign rating is the country's continued high debt stock, which at an estimated 123% of GDP (end-2012) is currently one of the highest among Moody's rated sovereigns. Although more cuts in the structural fiscal balance are envisaged for 2013-15, the rating agency expects Portugal's general government gross debt-to-GDP ratio to rise further to over 124%. In addition, Portugal is targeting a government deficit level of 5.5% of GDP in 2013. The progressive postponement of the debt peak due to a delay in lowering the deficit to less than 3% of GDP casts some doubt on when the debt will begin to decline and at what pace.

The third driver behind the negative outlook is Moody's expectation of a larger-than-expected contraction in economic growth. The rating agency now projects that Portugal's real GDP will shrink by 2% this year, nearly twice the level Moody's had previously forecast, and that the country will achieve a modest recovery of just 0.5% in 2014. The ongoing recession has been the main reason that revenue shortfalls have persisted and has contributed to the further deterioration in the government's debt metrics. Moreover, the weak asset quality of the Portuguese banking system could be exacerbated by these trends, posing the risk that additional government funding for the system will be required, including the use of remaining bank solvency funds.

RATIONALE FOR AFFIRMING THE Ba3 RATINGS

The primary driver underpinning Moody's decision to affirm Portugal's Ba3 rating is the Portuguese government's comprehensive response to the economy's structural weaknesses, most notably institutional reform in the public sector, the tax system and the labour and product markets, within the context of its EU/IMF economic adjustment programme. The government achieved a substantial cyclically-adjusted fiscal consolidation of more than 4% of GDP in 2011-12, excluding all one-off measures, even though the economy contracted by a cumulative five percentage points relative to its 2010 levels. Nonetheless, the rating agency notes that achieving the programme's goals remains challenging for Portugal given the interplay between public finances and weak macroeconomic conditions.

The second driver informing the rating affirmation is the steady progress that Portugal has made in regaining market access. Since July 2012, the Portuguese government has been issuing debt that will mature beyond the May 2014 expiry of its EU/IMF programme with progressively lower interest rates. This debt issuance implies a recovery of investor confidence, and has allowed the Portuguese government to pre-finance a portion of its gross borrowing needs for 2014. In addition, the EU's extension of Portugal's debt repayment obligations eases the country's refinancing requirements at a time when its economy will be recovering from a three-year-long recession and when European debt markets are likely to still be susceptible to event risk.

WHAT COULD MOVE THE RATING DOWN/UP

Moody's would consider downgrading Portugal's sovereign ratings in the event of a further significant rise in the government's debt ratio as a result of an inability to sustain sufficiently large primary surpluses, which would in turn lead to a second bailout. The rating agency would also view negatively any renewed increase in Portugal's debt costs stemming from a loss of market confidence in the Portuguese economic and fiscal recovery and/or in euro area policymakers' ability to contain the euro area debt crisis.

Conversely, Moody's would consider raising Portugal's rating outlook and eventually upgrading the country's government bond ratings if the government's financial balance, excluding interest payments, were to move into a surplus large enough for the country's debt-to-GDP ratio to stabilise and then begin to decline. Moody's would also view positively the IMF and EU's approval of external monitoring or a precautionary credit line following the expiry of the current economic adjustment programme that would qualify Portugal for the ECB's Outright Monetary Transactions (OMT) scheme.

The principal methodology used in this rating was Sovereign Bond Ratings published in September 2008. Please see the Credit Policy page on www.moodys.com for a copy of this methodology.

REGULATORY DISCLOSURES

For ratings issued on a program, series or category/class of debt, this announcement provides certain regulatory disclosures in relation to each rating of a subsequently issued bond or note of the same series or category/class of debt or pursuant to a program for which the ratings are derived exclusively from existing ratings in accordance with Moody's rating practices. For ratings issued on a support provider, this announcement provides certain regulatory disclosures in relation to the rating action on the support provider and in relation to each particular rating action for securities that derive their credit ratings from the support provider's credit rating. For provisional ratings, this announcement provides certain regulatory disclosures in relation to the provisional rating assigned, and in relation to a definitive rating that may be assigned subsequent to the final issuance of the debt, in each case where the transaction structure and terms have not changed prior to the assignment of the definitive rating in a manner that would have affected the rating. For further information please see the ratings tab on the issuer/entity page for the respective issuer on www.moodys.com.

For any affected securities or rated entities receiving direct credit support from the primary entity(ies) of this rating action, and whose ratings may change as a result of this rating action, the associated regulatory disclosures will be those of the guarantor entity. Exceptions to this approach exist for the following disclosures, if applicable to jurisdiction: Ancillary Services, Disclosure to rated entity, Disclosure from rated entity.

Please see www.moodys.com for any updates on changes to the lead rating analyst and to the Moody's legal entity that has issued the rating.

Please see the ratings tab on the issuer/entity page on www.moodys.com for additional regulatory disclosures for each credit rating.              Поделиться:      Issuer: PortugalOutstanding issues: [table][tr][td]

1 issues

[/td][td]USD[/td][td]

1,181,500,000

[/td][/tr][tr][td]

13 issues

[/td][td]EUR[/td][td]

96,126,900,000

[/td][/tr][/table]Issuer's rating: [table][tr][td]Moody's Investors Service[/td][td]Ba3/Negative[/td][td]LT Int. Scale (foreign curr)[/td][td]

03/28/2013

[/td][/tr][tr][td]Moody's Investors Service[/td][td]Ba3/Negative[/td][td]LT Int. Scale (loc. curr.)[/td][td]

03/28/2013

[/td][/tr][tr][td]Standard & Poor's[/td][td]BB/Stable[/td][td]LT Int. Scale (foreign curr.)[/td][td]

03/07/2013

[/td][/tr][tr][td]Standard & Poor's[/td][td]BB/Stable[/td][td]LT Int. Scale (loc. curr.)[/td][td]

03/06/2013

[/td][/tr][tr][td]Fitch Ratings[/td][td]BB+/Negative[/td][td]LT Int. Scale (foreign curr.)[/td][td]

11/12/2012

[/td][/tr][tr][td]Fitch Ratings[/td][td]BB+/Negative[/td][td]LT Int.l Scale (local curr.)[/td][td]

11/12/2012

[/td][/tr][/table]

Back

Tradução Google

Moody afirma os ratings Ba3 de Portugal e as perspectivas negativas

28 de março de 2013 - Cbonds

Moodys Investors Service afirmou hoje o governo da República da classificação de títulos Ba3 de Portugal e as perspectivas negativas.

Os drivers para a manutenção da visão negativa sobre os ratings soberanos de Portugal são:

1). Contínua vulnerabilidade da zona euro aos choques provenientes da crise da dívida regional, mais recentemente, o acordo da União Europeia (UE) para o "bail-in" dos depósitos bancários para levantar parte dos recursos necessários para o resgate financeiro de Chipre .

2.) Portugal é muito elevado nível da dívida pública e do défice continuado grande.

3.) A economia do país fraco, que é susceptível de sofrer uma contração maior do que a esperada este ano, e os riscos que isso representa para a estabilização dos indicadores de dívida de Portugal em 2014-15.

Os drivers para afirmar ratings soberanos Ba3 de Portugal são:

1). Progressos significativos "políticos portugueses em conseguir a consolidação fiscal e implementar reformas estruturais no contexto do programa de ajustamento económico por parte da UE e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

2.) O progresso de Portugal em recuperar o acesso ao mercado nos últimos meses, um pré-requisito para o país a sair com sucesso do programa de apoio da UE / FMI maio 2014 sem precisar de um segundo resgate.

CLASSIFICAÇÕES FUNDAMENTAÇÃO

FUNDAMENTOS PARA MANTER perspectiva negativa RATING DE PORTUGAL

O primeiro piloto subjacente decisão da Moody manter uma perspectiva negativa do rating soberano Ba3 do Portugal é a susceptibilidade do país ao risco de evento da área relacionada com o euro, principalmente por causa de seus níveis muito elevados de dívida e as perspectivas de crescimento moderadas. Tais riscos foram mais recentemente evidenciado pela decisão sem precedentes da UE ao fundo de resgate financeiro de Chipre pela imposição de uma taxa sobre os depósitos bancários acima de um determinado tamanho. O movimento tem aumentado significativamente os medos que cercam a segurança dos depósitos bancários de outros sistemas europeus. Mais geralmente, Moody acredita que a vulnerabilidade de Portugal para maiores estresses da área do euro tem sido reafirmado por "gestão da crise de Chipre, o aumento da tolerância ao risco aparente em suas ações, e os investidores 'avaliação de risco incerto solicitado por um mais intransigente e menos previsível, os formuladores de políticas na área do euro abordagem de gestão de crises.

O segundo piloto que sustenta a perspectiva negativa sobre o rating soberano de Portugal é o estoque da dívida alta contínua do país, que em cerca de 123% do PIB (final de 2012) é atualmente um dos mais altos entre os soberanos classificados Moody. Apesar de mais cortes no equilíbrio fiscal estrutural estão previstas para 2013-15, a agência de classificação de espera taxa bruta do governo geral de Portugal da dívida em relação ao PIB para subir ainda mais para mais de 124%. Além disso, Portugal tem como alvo um nível défice orçamental de 5,5% do PIB, em 2013. O adiamento progressivo do pico da dívida devido a um atraso na redução do défice para menos de 3% do PIB lança algumas dúvidas sobre quando a dívida começará a diminuir e em que ritmo.

O terceiro motorista por trás da perspectiva negativa é a expectativa de uma contração maior do que o esperado no crescimento econômico Moody. A agência de classificação de projetos agora que o PIB real de Portugal vai encolher até 2% este ano, quase o dobro do nível Moody havia previsto anteriormente, e que o país vai conseguir uma recuperação modesta de apenas 0,5% em 2014. A recessão em curso tem sido o principal motivo que quebras nas receitas têm persistido e tem contribuído para a deterioração nas métricas da dívida do governo. Além disso, a fraca qualidade do sistema bancário Português activo pode ser agravada por essas tendências, o que representa o risco de que o financiamento adicional do governo para o sistema serão necessários, incluindo a utilização de fundos de solvência bancária restantes.

FUNDAMENTOS PARA afirmando a CLASSIFICAÇÕES Ba3

A decisão do principal motorista esteio Moody afirmar rating Ba3 de Portugal é uma resposta global do Governo Português para as fraquezas da economia estruturais, principalmente a reforma institucional do setor público, o sistema fiscal e os mercados de trabalho e do produto, dentro do contexto de sua UE / FMI programa de ajustamento económico. O governo conseguiu um substancial consolidação fiscal ciclicamente ajustado de mais de 4% do PIB em 2011-12, excluindo todas as medidas extraordinárias, mesmo que a economia contraiu um acumulado de cinco pontos percentuais em relação a seus níveis de 2010. No entanto, a agência de classificação de nota que atingir as metas do programa continua sendo um desafio para Portugal, dada a inter-relação entre as finanças públicas e as condições macroeconômicas fracas.

O segundo motorista informando a afirmação classificação é o constante progresso que Portugal tem feito em recuperar o acesso ao mercado. Desde julho de 2012, o Governo Português tem sido a emissão de dívida que vencem maio 2014 além do termo do seu programa da UE / FMI com taxas de juros cada vez mais baixos. Esta emissão de dívida implica uma recuperação da confiança dos investidores, e permitiu que o Governo Português para pré-financiar uma parte das suas necessidades de financiamento brutas para 2014. Além disso, a extensão das obrigações de reembolso da dívida de Portugal da UE facilita necessidades de refinanciamento do país num momento em que a sua economia vai estar se recuperando de um período de três anos de duração recessão e quando os mercados de dívida europeus são susceptíveis de ainda ser suscetíveis ao risco de evento.

O QUE PODERIA MOVER O RATING DOWN / UP

Moody consideraria rebaixar ratings soberanos de Portugal, no caso de um novo aumento significativo do rácio da dívida do governo, como resultado de uma incapacidade de sustentar suficientemente grandes superávits primários, que por sua vez levam a um segundo resgate. A agência de rating também ver de forma negativa qualquer novo aumento dos custos da dívida de Portugal decorrentes de uma perda de confiança do mercado na recuperação Português económica e fiscal e / ou na capacidade dos formuladores de políticas na área do euro para conter a crise da dívida da zona do euro.

Por outro lado, Moody se considerar o aumento perspectiva do rating de Portugal e, eventualmente, a atualização do país governamentais avaliações de títulos se o equilíbrio financeiro do governo, excluindo os pagamentos de juros, foram se mudar para um superávit grande o suficiente para o rácio da dívida em relação ao PIB do país para estabilizar e então começar a declínio. Moody também ver de forma positiva o FMI e aprovação de monitoramento externo ou uma linha de crédito de precaução após o termo do programa de ajustamento económico actual que se possa qualificar Portugal para transações monetárias Vencedor do BCE (OMT) esquema da UE.

A principal metodologia utilizada nesta classificação foi Ratings de títulos soberanos publicados em setembro de 2008. Por favor, veja a página de Política de Crédito no www.moodys.com para obter uma cópia desta metodologia.

INFORMAÇÕES DE REGULAMENTAÇÃO

Para ratings atribuídos a um programa, série ou categoria / classe de dívida, este anúncio fornece divulgações regulatórias determinadas em relação a cada um dos ratings de títulos ou notas emitidas subsequentemente da mesma série ou categoria / classe de dívida ou de um programa para o qual os ratings sejam derivados exclusivamente dos ratings existentes, em conformidade com as práticas de rating da Moody. Para ratings atribuídos a um provedor de suporte, este anúncio fornece certas divulgações regulatórias em relação à ação de rating dos provedor de suporte e referentes a cada ação de rating dos títulos que derivam seus ratings do rating do provedor de suporte. Para ratings provisórios, este anúncio fornece divulgações regulatórias determinadas em relação ao rating provisório atribuído, e em relação ao rating definitivo que pode ser atribuído após a emissão final da dívida, em cada caso em que a estrutura da transação e os termos não mudaram antes da atribuição do rating definitivo de maneira que pudesse ter afetado o rating. Para mais informações, consulte a aba de ratings na página do emissor / entidade para a respectiva emissora em www.moodys.com.

Para quaisquer títulos afetados ou entidades nominais recebem apoio de crédito direto da entidade primária (s) da presente ação de rating, e cujos votos podem mudar como resultado desta ação de rating, as divulgações regulatórias associadas serão aqueles da entidade garante. Existem excepções a esta abordagem para as seguintes divulgações, se for o caso à jurisdição: Serviços Auxiliares, Divulgação de entidade notada, Divulgação da entidade notada.

Por favor, veja www.moodys.com para obter atualizações sobre as mudanças para o analista principal e entidade legal da Moody do que emitiu o rating.

Consulte a aba de ratings na página do emissor / entidade página em www.moodys.com para divulgações regulatórias adicionais para cada classificação de crédito.

Поделиться:

Issuer: Portugal

Questões pendentes:

1 questões USD 1181500000

13 questões de EUR 96.126.900 mil

Avaliação da Emissora:

Investors Service Ba3/Negative LT Int Moody. Scale (curr estrangeiros) 2013/03/28

Investors Service Ba3/Negative LT Int Moody. Scale (loc. curr.) 2013/03/28

A Standard & Poor BB / Estável Int LT. Scale (curr estrangeiro). 03/07/2013

A Standard & Poor BB / Estável Int LT. Scale (loc. curr.) 2013/03/06

Fitch Ratings BB Int + / LT negativo. Scale (curr estrangeiro). 11/12/2012

Fitch Ratings BB + Escala / Negativo LT Int.l (curr local.) 11/12/2012

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boas Tardes

tanta vizita.... e ??

nada de comentarios ? td com medo ? rsss

Cump

1Escudo

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor