CFinanceiro

Afinal a crise é fácil de resolver...

5 publicações neste tópico

Investigadores descobrem semelhanças entre a crise actual e uma bolha de crédito na Idade Média

05.01.2009 - Diário Económico

Paralisação dos mercados de crédito, subida das taxas interbancárias, falta de liquidez e falências de instituições financeiras.

São títulos que têm inundado as páginas dos jornais nos últimos meses. Mas recuando até à época medieval constata-se que a crise financeira ou a criatividade contabilísitca não são uma novidade dos tempos modernos.

De acordo com um estudo de investigadores da Universidade de Reading, em Inglaterra, o sistema financeiro já se encontrava em estado bastante avançado no século XIII. Eram cobradas taxas de juro ajustadas ao grau de risco e à duração dos empréstimos e definidos colaterais sobre os créditos concedidos. Os financiadores eram sobretudo mercadores italianos, como os Ricciardi de Lucca, ou burgueses flamengos que criaram entre eles algo semelhante ao sistema interbancário actual. A sofisticação financeira incluía até contratos de futuros sobre lã, por exemplo, que poderiam servir de colateral a empréstimos concedidos.

O rei de Inglaterra Eduardo I, retratado no filme "Braveheart", foi o primeiro soberano inglês a criar uma relação financeira sistemática com mercadores, nomeadamente com os italianos Ricciardi. Esta família financiava o trono em moldes que os autores consideram similar a "uma conta corrente moderna que incorpora mecanismos de dívida", o que permitia ao monarca financiar os exércitos e a construção de castelos. Os Ricciardi obtiam crédito junto de outros mercadores europeus, criando um sistema semelhante ao mercado interbancário.

No entanto, havia limitações. Cobrar juros por um empréstimo era proibido na época, sendo classificado pela Igreja como usura. Este entrave obrigava as partes envolvidas na concessão de crédito a fazer "contabilidade criativa" para ocultar que estavam a transgredir as regras religiosas.

A crise de 1294

Os Ricciardi começaram a financiar Eduardo I durante a década de 80 do século XIII, altura que os autores do estudo classificaram como sendo de acesso a dinheiro fácil e barato. Mas a bolha de crédito acabaria por rebentar. Em 1294 o Papa, um dos maiores 'players' financeiros do mundo medieval, exigiu o retorno do valor dos empréstimos concedidos. Ao mesmo tempo rebentou uma guerra entre a França e a Inglaterra, com a Coroa gaulesa a aumentar de forma significativa os impostos aos mercadores. Estes factores criaram perturbações nos mercados de crédito, tornando o dinheiro mais caro e escasso. Para os investigadores, citados pela BBC, a situação "tem semelhanças notáveis com as dificuldades actuais, com a principal causa a ser a falta de liquidez no mercado monetário".

Assim, quando Eduardo I contava com a continuação do financiamento dos Ricciardi, a família italiana, que estava fortemente alavancada, não conseguiu dar resposta. Como medida de retaliação, o soberano inglês confiscou as propriedades dos Ricciardi em Inglaterra, precipitando a falência dos seus habituais financiadores. A medida de Eduardo I saiu-lhe cara. O monarca teve de procurar créditos de curto prazo, com juros elevadíssimos, junto de outros mercadores. Chegou a ter de pagar uma taxa anualizada de 150%.

Questionados pela BBC sobre como Eduardo I teria lidado com a crise financeira actual, os autores do estudo sugeriram que, provavelmente, teria colocado os gestores dos bancos em prisão domiciliária, sem julgamento, até o governo conseguir recuperar o máximo possível dos seus activos.  ;)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Investigadores descobrem semelhanças entre a crise actual e uma bolha de crédito na Idade Média

05.01.2009 - Diário Económico

.....

No entanto, havia limitações. Cobrar juros por um empréstimo era proibido na época, sendo classificado pela Igreja como usura. Este entrave obrigava as partes envolvidas na concessão de crédito a fazer "contabilidade criativa" para ocultar que estavam a transgredir as regras religiosas.

.....

Questionados pela BBC sobre como Eduardo I teria lidado com a crise financeira actual, os autores do estudo sugeriram que, provavelmente, teria colocado os gestores dos bancos em prisão domiciliária, sem julgamento, até o governo conseguir recuperar o máximo possível dos seus activos. 

Artigo muito interessante! E concordo plenamente com a proibição de cobrar juros - é mesmo usura  :D e com a última parte ( se não estivessemos num Estado de Direito). A democracia às vezes pode complicar :o :o

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Ah, eu não concordo nada com essa proibição! Então agora ando a "emprestar" dinheiro ao banco para eles não me pagarem nada? Era o que faltava.  ;)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Artigo muito interessante! E concordo plenamente com a proibição de cobrar juros - é mesmo usura  :D e com a última parte ( se não estivessemos num Estado de Direito). A democracia às vezes pode complicar :o :o

Ah, eu não concordo nada com essa proibição! Então agora ando a "emprestar" dinheiro ao banco para eles não me pagarem nada? Era o que faltava.  ;)

Nico, era a brincar  :D :D

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Sim, eu sei  ;)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor