Ir para o conteúdo
CARLOSVAZ

Requerer Subsidio de Desemprego após suspensão do mesmo

Recommended Posts

CARLOSVAZ    1
CARLOSVAZ

Bom dia,

Disseram-me que uma pessoa que suspenda o subsidio de desemprego por ter conseguido novo trabalho, que ao fim de três anos, caso tenha trabalhado esse tempo sem interrupções,no mesmo local, tem direito a receber o dinheiro referente ao tempo em falta.

Gostava de saber se é assim e  qual o impresso a preencher.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
master-chief    50
master-chief

Já ouvi algo assim, agora impressos a preencher nao sei...sao muitos modelos

estive a ler outra vez a tua questao...

mas se a pessoa trabalhou durante 3 anos, caso termine o contrato é obvio que vais ter direito ao subsidio de desemprego, e penso que bastará preencher o modelo normal de pedido de subsidio. Que eu perceba, eles têm os registos dos descontos todos lá... essa pessoa terá direito a X meses de acordo com os descontos, depois se nao encontrar trabalho, e acabar o 1º subsidio, poderá requerer o subsidio social de desemprego

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante CARLOS VAZ   
Visitante CARLOS VAZ

Desde já fico grato pela informação.

Em relação ao subsidio de desemprego eu sei que pode requerer, mas a minha duvida, baseada em informações que me deram, é se após suspender o subsidio de desemprego, pode requerer os subsidios que a seg, social deixou de pagar por ter começado a trabalhar.

Parece que existe uma lei que permite esta situação como forma de icentivar as pessoas a aceitar trabalhar por vencimento abaixo daquele que é pago pela seg social, mas não consegui saber qual.!

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
master-chief    50
master-chief

"Prazo para suspender o pagamento das prestações do subsídio de desemprego:

    • Os beneficiários dispõem de cinco dias úteis para comunicar à Segurança Social que suspendem o subsídio de desemprego.

  • "
    "Suspensão O pagamento do subsídio é suspenso se:Estiver a receber subsídio por risco clínico durante a gravidez, subsídio por interrupção da gravidez, subsídio parental (parental inicial, parental inicial exclusivo do pai, parental inicial exclusivo da mãe, parental inicial atribuído a um progenitor em caso de impossibilidade do outro)  e subsídio por adoção

  • Exercer actividade profissional por conta de outrem ou por conta própria, por período consecutivo inferior a 3 anos
  • Frequentar curso de formação profissional com compensação remuneratória (pelo qual seja pago). Se o valor que estava a ser pago pela frequência do curso for inferior ao subsídio que  estava a receber, continua a receber o subsídio, sendo descontado o valor da compensação (a suspensão só abrange o valor da compensação)

  • Sair do território nacional, exceto durante o período anual de dispensa de cumprimento de deveres e nas situações de deslocação para tratamento médico, desde que esta necessidade seja atestada, devendo comunicar a ausência ao centro de emprego
  • Sair do território nacional em missão de voluntariado devidamente comprovada, durante o período de duração da missão, até ao máximo de 5 anos

  • Sair do território nacional na qualidade de bolseiro ao abrigo de programa comunitário ou promovido por outra instituição internacional, ou como bolseiro de investigação, durante o período de concessão da bolsa, até ao máximo de 5 anos
  • For detido em estabelecimento prisional ou forem aplicadas outras medidas de coação privativas da liberdade.

  • É ainda suspenso se:
    O último empregador declarar à segurança social que pagou férias não gozadas na vigência do contrato de trabalho, ficando o subsídio suspenso pelo número de dias de férias pagas e não gozadas.
    Reinício do pagamento do subsídio de desemprego Para reiniciar o pagamento do subsídio suspenso por ter estado:A receber subsídio por risco clínico durante a gravidez, subsídio por interrupção da gravidez, subsídio parental ou subsídio por adoção, deve comunicar o início e o fim destas prestações ao centro de emprego

  • A trabalhar por conta de outrem, deve apresentar no centro de emprego a declaração do empregador comprovativa da situação de desemprego involuntário
  • A trabalhar por conta própria, deve apresentar no Centro de Emprego prova da cessação da atividade independente

  • A trabalhar no estrangeiro, deve apresentar na Segurança Social os documentos indicados de acordo com o país de trabalho:União Europeia, Islândia, Noruega, Listenstaina ou SuiçaDeclaração de inscrição no centro de emprego
  • Documento portátil U1

  • Fora da União EuropeiaProva de ter estado a trabalhar, autenticada pelo consulado do país onde trabalhou.

"

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Carolino   
Visitante Carolino

Muito boa tarde ,

Venho solicitar a vossa ajuda por favor,vivíamos no Porto santo.nos transferimos para o continente,chegando cá no continente transferimos de imediato a nossa morada,sendo assim fomos informados no órgão "Notário"  onde efectuamos a auteracao de morada que de imediato a segurança social,finanças e utente,,,então ficamos descansados quanto a isso,por estarmos em território nacional e desde ja a segurança social ciente da nossa alteração de morada,,,quando foi agora no mês de Dezembro  minha esposa recebe uma notificação a dizer que tinha o subsídio de desemprego suspenso,,,nos caiu o mundo a cabeça,,,,ficamos sem saber o que fazer,,somos só nos os dois e mais nossa filha de 15 meses...alguém pode nos ajudar e nos informar o que devemos fazer por favor,já fomos a segurança social informamos o ocorrido pediram que minha esposa fizesse uma carta em punho e enviasse ao diretor da segurança social...isto já foi feito e até agora não liberaram,,,é que não temos outras rendas vivemos por enquanto do subsídio,,,podem nos ajudar,alguém sabe nos explicar como devemos proceder.

Desde já muito obrigado.

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
pauloaguia    638
pauloaguia

Venho solicitar a vossa ajuda por favor,vivíamos no Porto santo.nos transferimos para o continente,chegando cá no continente transferimos de imediato a nossa morada,sendo assim fomos informados no órgão "Notário"  onde efectuamos a auteracao de morada que de imediato a segurança social,finanças e utente,,,então ficamos descansados quanto a isso,por estarmos em território nacional e desde ja a segurança social ciente da nossa alteração de morada,,,quando foi agora no mês de Dezembro  minha esposa recebe uma notificação a dizer que tinha o subsídio de desemprego suspenso,,,nos caiu o mundo a cabeça,,,,ficamos sem saber o que fazer,,somos só nos os dois e mais nossa filha de 15 meses...alguém pode nos ajudar e nos informar o que devemos fazer por favor,já fomos a segurança social informamos o ocorrido pediram que minha esposa fizesse uma carta em punho e enviasse ao diretor da segurança social...isto já foi feito e até agora não liberaram,,,é que não temos outras rendas vivemos por enquanto do subsídio,,,podem nos ajudar,alguém sabe nos explicar como devemos proceder.

Qual foi o motivo para a suspensão do subsídio?

Inscreveram-se no centro de emprego da nova área de residência?

A informação referente às condições para acesso ao subsídio de desemprego encontra-se no site da SS: http://www4.seg-social.pt/subsidio-de-desemprego

Pode ser que ajude  perceber o que devem fazer.

De qualquer forma, se já foram à SS, provavelmente já estão bem encaminhados...

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Visitante Joao Guerra (visitante)   
Visitante Joao Guerra (visitante)

Boas

A minha companheira estava desempregada, arranjou emprego, suspendeu o subsidio, ao fim de 30 dias foi despedida por inadaptação ao posto de trabalho, agora a segurança social indeferiu a atribuição do respectivo subsidio evocando o artigo 376 do codigo de trabalho (a entidade ter avisado com antecedencia minima e justificar o porque da inadaptação), ela não tem qualquer documento da entidade patronal a avisar, assinou um documento em que abdica da impugnação, o que pode fazer para reverter a situação? 

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoticons maximum are allowed.

×   Foi criada uma pré-visualização automática a partir da ligação que colocou.   Mostrar apenas como ligação

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
FinancasPessoais.pt

Subscreva a newsletter e tenha acesso a todas as novidades do grupo de sites FinancasPessoais.pt e a conteúdos exclusivos.

Os sites FinancasPessoais.pt respeitam a sua privacidade e vontade:

Não mostrar mais esta caixa