Pedro André

Obrigações convertidas em acções

12 publicações neste tópico

Viva,

Hoje fiquei a saber que quem tem obrigações de empresas, pode de um momento para o outro ser confrontado  com a passagem  destas para acções e que com esta mudança perder dinheiro. Acho que aconteceu isso com acções dos Bes! Alguém sabe mais deste assunto?

Cumprimentos

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Se a minha memória não me falha, o que aconteceu com o BES foi relativamente às obrigações perpétuas.

O BES exerceu o direito de não pagar juros (devido às condições particulares desta emissão) e deu a opção de os clientes ficarem com o dinheiro lá (sem receber nada), transformar em acções ou 80% acções, 20% novas obrigações.

http://www.forumfinancas.com/index.php?topic=3674.36

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Se a minha memória não me falha, o que aconteceu com o BES foi relativamente às obrigações perpétuas.

O BES exerceu o direito de não pagar juros (devido às condições particulares desta emissão) e deu a opção de os clientes ficarem com o dinheiro lá (sem receber nada), transformar em acções ou 80% acções, 20% novas obrigações.

http://www.forumfinancas.com/index.php?topic=3674.36

Boas...

A parte mais "engraçada" é que toda a gente do BES disse que não iam pagar juros (de 8%)... e para trocar por acções... mas de facto... estão a pagar!!!!!

Não foram lá muito correctos...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Penso que as condições dos títulos têm que permitir tal conversão.

Em inglês é habitual essas obrigações incluirem no nome a palavra "Convertible". Quem costuma consultar sites como o https://www.boerse-stuttgart.de/en já os deve ter visto.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não duvido que diga isso nas condições.

A questão que se pôs é que ou nem os próprios gestores estavam muito dentro do assunto, ou tentavam passar gato por lebre.

Os mais incautos (e que confiavam nos gestores) ficaram mal.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Neste mundo dos investimentos, aos mais incautos só esperam desilusões.

No caso particular das obrigações perpétuas do BES, não li as condições todas (após as primeiras páginas já tinha percebido que não eram para mim), mas pelo menos a clara possibilidade do não pagamento dos juros, sem que para tal fosse necessário o BES falir, estava bem patente na publicidade.

Pessoalmente, penso que investindo em obrigações de países se corre menos risco destas "coboiadas", bem como de falência. Ao longo do último ano têm surgido boas oportunidades além das OTs de Portugal, como Irlanda, Chipre ... e Grécia claro.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Tenho um destes cenários que gostava de confirmar, talvez alguém com experiência na matéria me possa ajudar.

A ArcelotMittal, a maior transformadora de ferro do mundo, tem umas obrigações XS0420253212 com a seguinte informação na Borse Stuttgart (tradução Google)

Direito de conversão: para uma peça você ganha 1 ação. Valor nominal para a peça: 20,25 €

Portanto por cada obrigação adquirida obtem-se uma acção em vez do valor nomical da obrigação, certo? E o que significa o "valor nominal para a peça"?

Depois na página da empresa vejo informação do género

2nd Quarter 2012

Announcement Date: 14 May

Ex-Dividend: 23 May

Record Date: 25 May

Payment Date: 14 June

FX Exchange Date: 22 May: 1.2768

(gross dividend per share in Euros: 0.14685200)

Isto significa que em 14 de Junho pagaram um dividendo de 0.14685200€ por cada acção? Este valor é sujeiro (em Portugal) à taxa de retenção habitual de 25%, mais custos do banco semelhantes aos dos pagamentos de cupão das obrigações?

Agradeço desde já a quem me poder ajudar.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Neste mundo dos investimentos, aos mais incautos só esperam desilusões.

No caso particular das obrigações perpétuas do BES, não li as condições todas (após as primeiras páginas já tinha percebido que não eram para mim), mas pelo menos a clara possibilidade do não pagamento dos juros, sem que para tal fosse necessário o BES falir, estava bem patente na publicidade.

Pessoalmente, penso que investindo em obrigações de países se corre menos risco destas "coboiadas", bem como de falência. Ao longo do último ano têm surgido boas oportunidades além das OTs de Portugal, como Irlanda, Chipre ... e Grécia claro.

Pois, nem de propósito, tirando quem decidiu desgraçadamente investir na Grécia (que estava, por ex, disponível no BIG) e a coisa não correu bem, agora a esperança de reaver todo o dinheiro só daqui por 20 anos...é quase uma poupança para a reforma!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Pois, nem de propósito, tirando quem decidiu desgraçadamente investir na Grécia (que estava, por ex, disponível no BIG) e a coisa não correu bem, agora a esperança de reaver todo o dinheiro só daqui por 20 anos...é quase uma poupança para a reforma!

Eu investi na Grécia, mas a 30 anos e preço de compra 12,75%. Daqui a uns 6 anos terei recebido em juros o montante que investi, depois é lucro. Mesmo que no fim não me dessem os 100%... aliás mesmo que não me dessem nada, só os juros anuais durante tanto tempo teriam valido a pena. Vamos ver...

O Chipre também me parece interessante. Neste momento está caro, 90% as que terminam em 2013, mas ainda há menos de um mes comprei a 80%. Tem tido grandes altos e baixos no último ano: https://www.boerse-stuttgart.de/rd/de/lookup?param=/charts/medium1_chart.chart&symbol=ZYPB.STU&hist=12

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Pois a mim no BiG desaconselharam-me fortemente a Grécia há quase 1 ano atrás.

E há algum banco que comercialize essas do Chipre?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Pois a mim no BiG desaconselharam-me fortemente a Grécia há quase 1 ano atrás.

Nessa altura os preços andavam na ordem dos 50% a 60%, se bem me lembro. Comprando agora a menos de 15%, sinceramente não vejo grande risco. O montante real que investi é pequeno, por isso a "tragédia" nunca seria grande. Se por outro lado pagarem os juros todos os anos e no fim devolverem o montante nominal, vai ser provavelmente o melhor investimente que algum vez farei. De um extremo ao outro, há espaço para diversos cenários (pagarem só os juros anuais, pagarem 50% de tudo, etc) que continuam a ser bons negócios.

E há algum banco que comercialize essas do Chipre?

Em tenho comprado no Best, pois não tenho tido grande experiência com os preços de compra propostos pelo BiG (sinceramente, acho que eles lhe aplicam uma margem). Nenhum deles tem estas obrigações na lista online, mas desde que indiques o ISIN, eles localizam e tentam-nas comprar. Não há razão para ficarmos limitados às "sugestões". Podes ver o que há em https://www.boerse-stuttgart.de/en/marketandprices/bonds/bonds.html .

Já agora, outras que ando a seguir

XS0234082872: Província de Buenos Aires 2035, preço por volta dos 30%

USP17625AD98: Venezuela 2031, preço acima dos 90%, mas cupão anual 11,95%

As obrigações da Argentina parecem ainda melhores, mas já indiquei 3 ISINs ao Best e aparentemente não têm liquidez ou seja, não se andam a transacionar.

No prática, tenho andado a constituir uma seleção de obrigações à minha medida, sem perder uma margem para o banco como quando se subscreve um fundo.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead