m.elis

Marcas Brancas

16 publicações neste tópico

Li na revista Visão desta semana que os suícos , britânicos e alemães lideram a tabela de consumo de marcas brancas, na Europa.

Nós, portugueses, estamos um bocadinho mais abaixo na tabela. Os espanhóis e franceses também aderem mais que nós às marcas brancas, muitas vezes mais baratas.

Será uma questão cultural ou a crise financeira internacional ainda não se fez sentir tanto por cá?

Também vi uma estatística qualquer, não sei precisar onde, que concluía que os portugueses gastavam o subsídio de natal em prendas  ???. Os outros países inquiridos não o podíam fazer, também porque nem em todos os países têm o 13º mês e porque, responderam, têm que poupar

A questão é a mesma, será uma questão cultural ou ainda não temos plena consciência de que é preciso poupar?

Opinem, por favoor,

m.elis

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A questão é a mesma, será uma questão cultural ou ainda não temos plena consciência de que é preciso poupar?

Seja como for, as marcas brancas estão a dar passos bem largos no nosso país. Cada vez mais, há supermercados que têm as prateleiras forradas com produtos a sua marca. E cada vez mais vejo, nas filas para a caixa, carrinhos cheios com este tipo de produtos. Não se passa é do 8 para o 80 de um dia para o outro... por acaso gostava de ver a evolução da escolha deste tipo de produtos nos últimos anos. Há quanto tempo estão as marcas brancas disponíveis nas prateleiras dos supermercados dos países referidos e há quanto tempo começaram cá?  Ainda há algum tempo (talvez já uns 2 anos) li um artigo onde se dizia que Portugal tinha sido dos países onde o consumo de medicamentos genéricos mais tinha crescido - estávamos atrás de muitos outros, mas em crescimento íamos à frente. Claro que subir do "quase nada" para "alguma coisa", proporcionalmente é um salto muito maior do que subir do "muito" para o "muito mais um bocadinho". Mas não deixam de ser passos na direcção certa.

Outro pormenor - porque é que nestes estudos raramente aparecemos comparados com a Grécia ou Itália que são muito mais próximos de nós, culturalmente falando, do que o Reino Unido ou a Alemanha? Já dava para desfazer melhor essa dúvida... Espero que seja para tentar espicaçar e não simplesmente para tentar humilhar...

De qualquer forma, concordo quando se diz que ainda há algum caminho a percorrer nesta área.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Por acaso neste estudo até nos compararam com a Itália e o consumo de marcas brancas dos italianos é menor que a nossa.eu é que me esqueci. :)

Também tenho a percepção, quando olho para os carrinhos nos supermecadose e por eu mesma cada vez mais comprar essas marcas, que há adesão, mas não dá para ter uma visão global do crescimento.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Sou grande adepto das marcas brancas, como faço quase sempre as compras no Modelo/Continente, rentabilizo ao máximo os produtos da marca é e do Continente, que para mim, tem regra geral uma qualidade muito aceitável/igual aos produtos de marca.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

De há uns tempos a esta parte, cada vez mais é necessário fazer uma ginastica financeira afim de podermos ter um nivel de vida normal, muitas vezes passa de prescindirmos de certas marcas em função de outras mais acessiveis.

Como consumidor vejo cada vez mais a necessidade de recorrer a marcas mais baratas continente,pingo doce .

É a vida..... :-\

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Há cerca de um ano, dei-me ao trabalho de elaborar uma listagem dos produtos (marca branca), que é possível comprar no Pingo Doce! Só para terem uma ideia, propositadamente nessa semana, em casa, dicidimos comprar tudo o que precisávamos (só produtos de marca), para depois comparar; na semana seguinte, comprámos só marcas brancas (quase tudo)! A diferença foi de cerca de 25 Euros, numa factura de 125 Euros!

Só faço um reparo às marcas brancas - certos produtos não têm a qualidade dos outros (casos de produtos de higiene doméstica, por exemplo). De resto, sou um adepto da marca branca.

Quando a m.elis suscita a questão de ser ou não uma questão cultural, eu penso que sim! Já vivi alguns anos em Inglaterra (Londres) e para além das pessoas não irem a certos espaços (Marks & Spencer, por exemplo), indo como é evidente aos mais baratos (Morrisons), reparava por esse altura que optavam muito pela marca branca! Pelo que me foi dado conhecer, os britânicos estão-se "nas tintas", para a marca, se em alternativa têm o produto de marca branca mais barato! É decididamente uma questão de ordem cultural!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Basta olhar para o que trazem vestido quando vêm a Portugal no Verão, quase nunca vejo roupa de marca  :P

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Basta olhar para o que trazem vestido quando vêm a Portugal no Verão, quase nunca vejo roupa de marca  :P

Se tu fores passar férias à República Dominicana, por exemplo, levas roupa de marca? ;)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A questão hoje é... quem é que vai passar férias à República Dominicana?

De qualquer forma, é uma verdade que o "portuga" gosta de impressionar!... Na falta de melhor argumento... pela roupa!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Como diz o Gaelic o portuga gosta de impressionar e nem sempre pelas melhores razões.

Já agora, será bom lembrar que há turistas ingleses que vestem muito bem, apesar do conceito ser relativo. É só espreitar pelos hóteis de luxo, a que nós não chegamos (pelo menos eu). Preferem andar de chinelos e viajar, por exemplo. Já agora, os chinelos estão na moda. Este ano o jet set fartou-se de andar de havaianas ;)

Defendo que o hábito não faz o monge!

Não tinha a noção exacta das diferenças de preço entre as marcas brancas e as outras. É realmente uma pipa de massa ao fim do ano!!!! Os produtos de limpeza compro no Lidl. Sem serem de grande qualidade, cumprem a sua obrigação ;D

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A questão hoje é... quem é que vai passar férias à República Dominicana?

De qualquer forma, é uma verdade que o "portuga" gosta de impressionar!... Na falta de melhor argumento... pela roupa!

É curioso que na semana passada passou uma reportagem no telejornal a referir que para o período de férias que se aproxima, as viagens para Cuba, Rep. Dominicana e alguns destinos do México estavam esgotadas desde Outubro :o

É caso para dizer que a crise quando aparece não é para todos...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Quantos irão com o cartão de crédito?!...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boas pessoal, eu sou de Coimbra e tb sou adepto de tudo o que de económico aqui foi dito;), em coimbra existe uma espécie de outlet da Dancake (produtos que nao estao em conformidade com os padroes estéticos da marca - eu nao noto diferença - mas que são perfeitamente consumiveis como diz a rotulagem) e constato que fabricam para marcas brancas como por exemplo produtos "Dia" que salvo erro é minipreço e o preço é bem mais barato...encho umas sacadas de tostas tartes, bolachas, pipocas e muitas outras coisas e pago 8 - 10 euros (mas mesmo muita coisa:)...só pa terem uma noção existem umas tostas de marca Dancake à venda no continente por 1,20 euros e que ali custam 0,60 centimos....à que ser esperto..e no casso de aniversários é óptimo...ele vendem sacadas de croissants por 1,5 euros...PORREIRO PÁ

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

fica junto ao retail park de coimbra em eiras...aquilo é um anexo suponho eu eu da fabrica...deve ter uns 16 m2...se passares por eiras/santa apolonia pergunta que devem saber responder...juro que vale a pena...pacotes de bolachas dakelas com recheio a 0,40 centimos...tem uns pacotinhos de pipocas (akelas tipicas caramelizadas) que custam 0,19 centimos e cá fora é quase o dobro penso eu...OBRIGADOS SOU EU

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Definimos um cabaz com 28 produtos básicos e outro com 38, fomos a um hipermercado e comparamos. Pode gastar menos 40 por cento

Um estudo da Deco confirmou a qualidade dos produtos de marca própria, a confiança dos consumidores já foi conquistada e as empresas de distribuição apostaram fortemente na criação de novas referências durante o ano de 2008. E em 2009, por causa da crise, a tendência é para continuar. A Agência Financeira foi para um hipermercado de referência em Portugal e comparou preços de produtos básicos. Resultado: a opção pelas marcas próprias representa uma poupança superior a 40 por cento.

Num cabaz com produtos de limpeza, higiene pessoal, lacticínios, bolachas e cereais, enlatados, farináceos, bebidas e outros (azeite, óleo e sal), num total de 28 produtos básicos, a diferença que se obtém da comparação entre a marca própria e a marca de referência ou líder de mercado é substancial: 32,95€. Clique aqui para ver o gráfico.

Alargando esta lista de compras, através da inclusão de três referências de legumes congelados, cinco referências de comida congelada (carne, peixe, e pizza), mais lenços de papel e umas bolachas de chocolate, a diferença de preços é ainda mais evidente. Se no primeiro caso pouparia 40,38 por cento ao optar pelas marcas próprias, no segundo gastaria menos 41,7 por cento (48,84€). Clique aqui para para ver o gráfico com 38 produtos.

As diferenças mais flagrantes verificam-se em alguns produtos de limpeza e higiene pessoal, mas também nos cereais e no sal.

Fazer da crise uma oportunidade

Em 2008, segundo a TNS Worldpanel, os artigos das marcas próprias representaram 32 por cento das vendas totais e venderam mais 21 por cento do que em 2007. Só a Sonae Distribuição (Modelo e Continente) lançou, em 2008, mais de mil novas referências de marca própria e o volume de vendas destas marcas subiu dois por cento.

Preços baixos e marcas próprias de qualidade

À Agência Financeira, José António Rousseau, director-geral da Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição, confirma esta preferência pelas marcas próprias: «Os consumidores reconhecem que se trata de uma proposta de valor equilibrada e interessante em termos de qualidade e preço».

in agência financeira

http://multimedia.iol.pt/backoffice/oratvi/multimedia/doc/id/13123741//9

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead