Pataniska

Emigrante na Suíça desde 2010 - IRS em Portugal

22 publicações neste tópico

Boa noite a todos,

Obrigada aos criadores deste fórum !!

Tentei procurar casos semelhantes ao meu noutros assuntos mas ainda não consegui encontrar uma resposta mesmo concreta pelo que precisava da vossa ajuda;

Em Março 2010 resolvi juntar-me à minha família e vir trabalhar para a Suíça. Tive rendimentos unicamente por conta de outrem em Janeiro, Fevereiro e Março e depois despedi-me. Por burrice minha, perdi a minha senha e não entreguei o IRS desses três meses.. devia ter feito isso em março 2011...

1º Sabem dizer-me que tipo de multa me  espera quando quiser regularizar isto? Já não vou a Portugal hà mais de um ano e não tenho absolutamente nada em Portugal... (tirando uma conta à ordem com uns trocos..)

2º Vieram uns amigos aqui a casa hoje à noite e pregaram-me um susto daqueles pois disseram-me que devia ter declarado às finanças que já não vivia em Portugal e que no caso contrário, devia ter declarado os rendimentos que tenho aqui na Suíça... (aqui na Suiça, os impostos são enormes e directamente descontados do salário todos os meses...) Nunca imaginei que a partir do momento que não tivesse rendimentos em território português tivesse que declarar fosse o que fosse, afinal pago os impostos aqui...

O que precisava de saber é o que devo fazer para ter tudo direitinho... :) quais os problemas que poderei ter?

Obrigada desde já.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A situação não é tão má.

No entanto tenhaem atenção o seguinte:

1º.

Quando passou a trabalhar na Suissa deveria ter alterado a sua residência para esse país e comunicado esse facto á administração fiscal.

2º.

Deveria ter declarado que já não era residente em Portugal e que não mantinha residencia permanente ou "habitação" em condições que ... (artº 16º do cirs).

http://www.igf.min-financas.pt/inflegal/codigos_tratados_pela_IGF/IRS/CIRS_ARTIGO_016.htm

Note que este artigo do CIRS  APENAS se aplica ao direito interno.

Tendo a Suissa uma CDT assinada com Portugal, apenas interessa o previsto nessa convenção!

http://info.portaldasfinancas.gov.pt/NR/rdonlyres/919631BC-42BC-4631-AB64-DAC756823E13/0/suica.pdf

leia com atenção.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Olá.

Estou a trabalhar e a morar na suiça. As finanças em portugal sabem que a minha morada é na suiça. No entanto tenho uma casa arrendada em portugal. Quais são as despesas que eu posso deduzir quando entregar a declaração de rendimentos em Portugal?

Obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Se bem consigo entender, é emigrante na Suíça mas faz o seu IRS em Portugal como NÂO RESIDENTE. É isso?

E mantém uma casa alugada em Portugal, ou seja paga as rendas dessa habitação.

Não entendo  porque razão tem a sua residência fiscal em Portugal.

Tem outros rendimentos em Portugal?

Paga impostos na Suiça e volta a pagá-los cá?

Ou só paga lá?

Ou só paga cá?

Reside cá mais de 183 dias por ano?

Anda a ser duplamente tributado?

Faz a sua declaração de IRS conjuntamente com a sua mulher e preeenche o anexo f?

Francamente não entendo a sua questão!

Se não tem cá rendimentos quer deduzir as suas rendas onde?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Estou a trabalhar e a morar na suiça. As finanças em portugal sabem que a minha morada é na suiça. No entanto tenho uma casa arrendada em portugal. Quais são as despesas que eu posso deduzir quando entregar a declaração de rendimentos em Portugal?

Se a casa é tua e está arrendada a outros (foi o que percebi à primeira mas depois da mensagem do nili fiquei confuso) então podes deduzir às rendas que recebes as despesas com esse arrendamento (IMI, obras que sejam feitas na casa, condomínio). Só serás tributado sobre a diferença, ou seja, sobre o lucro que tens com o arrendamento...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Só alterei a minha morada para a Suiça em Março, tenho de apresentar IRS em Portugal e pagar os respectivos descontos dos meses de Janeiro e Fevereiro ou esses dias incluem-se naqueles que tenho direito a estar cá?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Sou imigrante nos estados unidos da américa,tenho uma casa para arrendar em portugal,além do imposto de selo ao registar o contrato, gostava de saber quanto vou pagar de imposto no fim do ano , uma vez que são os únicos rendimentos que tenho em portugal e arenda vai ser de 200,00€ por mês. Obrigada

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Sou imigrante nos estados unidos da américa,

tenho uma casa para arrendar em portugal,

além do imposto de selo ao registar o contrato, gostava de saber quanto vou pagar de imposto no fim do ano , uma vez que são os únicos rendimentos que tenho em portugal e

a renda vai ser de 200,00€ por mês. Obrigada

Para além do imposto de selo (10% do valor da renda; não o pode declarar no IRS) tem de pagar IMI, seguros, condomínio...

Em relação à sua dúvida relativa a impostos seria necessário mais dados (cidade, valor do imóvel, valor patrimonial, despesas, opta por englobamento ou não, conta ter o imóvel arrendado o ano todo,...?) para lhe responder com um valor exato.

Use um dos simuladores que encontra aqui: http://www.forumfinancas.com/index.php?topic=9548.0

http://www.forumfinancas.com/index.php?topic=9548.msg91494#msg91494

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

No inicio do ano vim para a suica procurar emprego, recebendo o fundo de desemprego de portugal, em maio comecei a trabalhar aqui, acontece que no inicio do ano comprei um apartamento em portugal , como faco em relacao aos impostos?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

No inicio do ano vim para a suica procurar emprego, recebendo o fundo de desemprego de portugal, em maio comecei a trabalhar aqui, acontece que no inicio do ano comprei um apartamento em portugal , como faco em relacao aos impostos?

Em primeiro lugar convém avisar as Finanças que já não és residente e desde quando. Porque essa casa em Portugal dá ideia que sim. Não te esqueças de garantir que ficam com uma morada onde possas receber atempadamente a correspondência (ou alguém da tua confiança o possa fazer) para evitar pagar multas por só ler notificações com meses de atraso.

Tens algum registo da saída de Portugal? É que essa notificação feita só agora pode complicar as coisas com o IRS - se passares mais de metade do ano fora de Portugal és considerado não residente e só és tributado sobre os rendimentos obtidos cá. Mas se for considerado que só saíste de Portugal agora em Julho, serás tributado como residente e aí mesmo os rendimentos obtidos aí na Suíça têm de ser declarados e tributados cá também.

Admitindo que consegues ser considerado não residente, e que os únicos rendimentos que obtiveste cá este ano foram os do subsídio de desemprego (não tributáveis), então não tens rendimentos cá e não terás sequer de entregar a declaração de IRS. Assim de repente, o único imposto que me ocorre que terás de pagar é o IMI, pela casa.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O comprovativo de que sai do pais foi feito na segurança social, para que podesse receber o subsidio de desemprego na suiça ,aqui fui acompanhada por uma conselheira federal que fez as comunicações a portugal ate começar a trabalhar em maio. O meu problema é se depois me pedem para pagar os impostos tambem em portugal, porque isso aconteceu ao meu namorado quando ele veio para a suiça. A minha casa neste momento é habitada pela minha mãe, e é ela quem a paga, apesar do credito e a casa estar em meu nome . Que faço em relação a isso? Vai me trazer problemas?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O comprovativo de que sai do pais foi feito na segurança social, para que podesse receber o subsidio de desemprego na suiça ,aqui fui acompanhada por uma conselheira federal que fez as comunicações a portugal ate começar a trabalhar em maio. O meu problema é se depois me pedem para pagar os impostos tambem em portugal, porque isso aconteceu ao meu namorado quando ele veio para a suiça. A minha casa neste momento é habitada pela minha mãe, e é ela quem a paga, apesar do credito e a casa estar em meu nome . Que faço em relação a isso? Vai me trazer problemas?

Diria que tens bases para provar que estivestes mais de metade do ano fora do país.

Quando chegar a altura da declaração de IRS no próximo ano, metes como não residente e declaras só os rendimentos obtidos cá. Se te pedirem para comprovar a tua situação de não residente podes apresentar os comprovativos da SS.

Quanto à casa, não tens com que te preocupar - deixas é de poder deduzir os juros no IRS porque já não é a tua habitação própria e permanente. Se porventura tinhas isenção de IMI vais perdê-la (aliás, esse facto sim, justifica uma comunicação às Finanças o mais depressa possível). Por via das dúvidas, podes enviar uma mensagem através do e-balcão do Portal das Finanças a perguntar se deves fazer mais alguma coisa, só para confirmar. Não te esqueças de meter os detalhes que meteste agora na segunda mensagem, quanto mais clara a questão, mais adequada será a resposta.

Relativamente ao teu namorado, depende da altura em que ele saiu do país. Se passar mais de metade do ano cá é considerado residente e é tributado também pelos rendimentos obtidos no estrangeiro. Depois pode é apresentar os comprovativos de que já pagou imposto na Suíça e isso abate à tributação.

Mas, como referi, passando mais de metade do ano fora do país só se é tributado pelos rendimentos obtidos cá.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Sou portuguesa  e  vivo no Brasil desde  os 5 anos de idade...  Trabalhei aqui toda a minha vida  e agora estou aposentada. e penso em  morar  em Portugal.... Gostaria de saber se for morar em Portugal eu serei tributada nos proventos que recebo no Brasil, visto que  já pago imposto de renda alto...Agradeço a sua atenção....

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Sou portuguesa  e  vivo no Brasil desde  os 5 anos de idade...  Trabalhei aqui toda a minha vida  e agora estou aposentada. e penso em  morar  em Portugal.... Gostaria de saber se for morar em Portugal eu serei tributada nos proventos que recebo no Brasil, visto que  já pago imposto de renda alto...Agradeço a sua atenção....

Os residentes em Portugal são tributados sobre os rendimentos obtidos cá e sobre os que são obtidos no estrangeiro também. No entanto, o imposto pago no estrangeiro sobre esses rendimentos é tido em conta de forma a minimizar a dupla tributação.

Não é garantido que não vá pagar nada aqui (até porque os impostos em Portugal neste momento também são bastante altos) mas em princípio não vai pagar a dobrar...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa noite a todos,

Obrigada aos criadores deste fórum !!

Tentei procurar casos semelhantes ao meu noutros assuntos mas ainda não consegui encontrar uma resposta mesmo concreta pelo que precisava da vossa ajuda;

Em Março 2010 resolvi juntar-me à minha família e vir trabalhar para a Suíça. Tive rendimentos unicamente por conta de outrem em Janeiro, Fevereiro e Março e depois despedi-me. Por burrice minha, perdi a minha senha e não entreguei o IRS desses três meses.. devia ter feito isso em março 2011...

1º Sabem dizer-me que tipo de multa me  espera quando quiser regularizar isto? Já não vou a Portugal hà mais de um ano e não tenho absolutamente nada em Portugal... (tirando uma conta à ordem com uns trocos..)

2º Vieram uns amigos aqui a casa hoje à noite e pregaram-me um susto daqueles pois disseram-me que devia ter declarado às finanças que já não vivia em Portugal e que no caso contrário, devia ter declarado os rendimentos que tenho aqui na Suíça... (aqui na Suiça, os impostos são enormes e directamente descontados do salário todos os meses...) Nunca imaginei que a partir do momento que não tivesse rendimentos em território português tivesse que declarar fosse o que fosse, afinal pago os impostos aqui...

O que precisava de saber é o que devo fazer para ter tudo direitinho... :) quais os problemas que poderei ter?

Trabalho na Suíça já à muitos anos, mas a minha esposa trabalha em Portugal, possuímos uma habitação própria em Portugal onde reside com um filho menor do casal como terei de apresentar os rendimentos de trabalho de ambos?

Obrigada desde já.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Os residentes em Portugal são tributados sobre os rendimentos obtidos cá e sobre os que são obtidos no estrangeiro também. No entanto, o imposto pago no estrangeiro sobre esses rendimentos é tido em conta de forma a minimizar a dupla tributação.

Não é garantido que não vá pagar nada aqui (até porque os impostos em Portugal neste momento também são bastante altos) mas em princípio não vai pagar a dobrar...

creio q pode registar-se como residente não habitual ?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
creio q pode registar-se como residente não habitual ?

Admitindo que não foi residente em Portugal nos últimos 5 anos, sim, pode. E convém-lhe, é verdade.
0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa Tarde,

Em 2014 trabalhei 3 meses em Portugal e os restantes 8 meses nos Paises Baixos, mas não dei baixa da minha morada fiscal junto das autoridades portuguesas. Todos os descontos (IRS, Seg Social) foram efectuados pela empresa onde estava. Terei de fazer referência a esses valores auferidos mo estrangeiro quando realizar o IRS de 2015 aqui em Portugal?

Obrigada

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde, sera que alguem me pode ajudar ?

Estou em vias de ir trabalhar para a suica. Como tenho familiares na alemanha viverei na alemanha e trabalharei na suica.

Alguem me pode esclarecer que impostos irei pagar ??

Obrigado

Leonor costa

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa noite,

Tenho empresa, casa e contas bancárias em Portugal, faço descontos na segurança social, mas trabalho na Suíça não vivo em Portugal, mas não posso alterar a minha morada fiscal visto ter a empresa em Portugal.em funcionamento. Terei de declarar em Portugal também o que ganho na Suíça? Obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Citação

Artigo 15.º
Âmbito da sujeição

1 - Sendo as pessoas residentes em território português, o IRS incide sobre a totalidade dos seus rendimentos, incluindo os obtidos fora desse território.

2 - Tratando-se de não residentes, o IRS incide unicamente sobre os rendimentos obtidos em território português.

3 - O disposto nos números anteriores aplica-se aos casos de residência parcial previstos nos n.os 3 e 4 do artigo seguinte, relativamente a cada um dos estatutos de residência.

 

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Citação

Artigo 16.º
Residência

1 - São residentes em território português as pessoas que, no ano a que respeitam os rendimentos:

a) Hajam nele permanecido mais de 183 dias, seguidos ou interpolados, em qualquer período de 12 meses com início ou fim no ano em causa;

B) Tendo permanecido por menos tempo, aí disponham, num qualquer dia do período referido na alínea anterior, de habitação em condições que façam supor intenção atual de a manter e ocupar como residência habitual;

c) Em 31 de dezembro, sejam tripulantes de navios ou aeronaves, desde que aqueles estejam ao serviço de entidades com residência, sede ou direção efetiva nesse território;

d) Desempenhem no estrangeiro funções ou comissões de carácter público, ao serviço do Estado Português.

2 - Para efeitos do disposto no número anterior, considera-se como dia de presença em território português qualquer dia, completo ou parcial, que inclua dormida no mesmo.

3 - As pessoas que preencham as condições previstas nas alíneas a) ou B) do n.º 1 tornam-se residentes desde o primeiro dia do período de permanência em território português, salvo quando tenham aí sido residentes em qualquer dia do ano anterior, caso em que se consideram residentes neste território desde o primeiro dia do ano em que se verifique qualquer uma das condições previstas no n.º 1.

4 - A perda da qualidade de residente ocorre a partir do último dia de permanência em território português, salvo nos casos previstos nos n.os 14 e 16.

5 - A residência fiscal é aferida em relação a cada sujeito passivo do agregado.

6 - São ainda havidos como residentes em território português as pessoas de nacionalidade portuguesa que deslocalizem a sua residência fiscal para país, território ou região, sujeito a um regime fiscal claramente mais favorável constante de lista aprovada por portaria do membro do Governo responsável pela área das finanças, no ano em que se verifique aquela mudança e nos quatro anos subsequentes, salvo se o interessado provar que a mudança se deve a razões atendíveis, designadamente exercício naquele território de atividade temporária por conta de entidade patronal domiciliada em território português.

7 - Sem prejuízo do período definido no número anterior, a condição de residente aí prevista subsiste apenas enquanto se mantiver a deslocação da residência fiscal do sujeito passivo para país, território ou região, sujeito a um regime fiscal claramente mais favorável constante de lista aprovada por portaria do membro do Governo responsável pela área das finanças, deixando de se aplicar no ano em que este se torne residente fiscal em país, território ou região distinto daqueles.

8 - Consideram-se residentes não habituais em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes nos termos dos n.os 1 ou 2, não tenham sido residentes em território português em qualquer dos cinco anos anteriores.

9 - O sujeito passivo que seja considerado residente não habitual adquire o direito a ser tributado como tal pelo período de 10 anos consecutivos a partir do ano, inclusive, da sua inscrição como residente em território português.

10 - O sujeito passivo deve solicitar a inscrição como residente não habitual, por via eletrónica, no Portal das Finanças, posteriormente ao ato da inscrição como residente em território português e até 31 de março, inclusive, do ano seguinte àquele em que se torne residente nesse território. (Redação do Decreto-Lei n.º 41/2016, de 1 de agosto) 

11 - O direito a ser tributado como residente não habitual em cada ano do período referido no n.º 9 depende de o sujeito passivo ser considerado residente em território português, em qualquer momento desse ano.

12 - O sujeito passivo que não tenha gozado do direito referido no número anterior em um ou mais anos do período referido no n.º 9 pode retomar o gozo do mesmo em qualquer dos anos remanescentes daquele período, a partir do ano, inclusive, em que volte a ser considerado residente em território português.

13 - Enquadra-se no disposto na alínea d) do n.º 1 o exercício de funções de deputado ao Parlamento Europeu.

14 - Sem prejuízo do disposto no número seguinte, um sujeito passivo considera-se residente em território português durante a totalidade do ano no qual perca a qualidade de residente quando se verifiquem, cumulativamente, as seguintes condições:

a) Permaneça em território português mais de 183 dias, seguidos ou interpolados, nesse ano; e

B) Obtenha, no decorrer desse ano e após o último dia de permanência em território português, quaisquer rendimentos que fossem sujeitos e não isentos de IRS, caso o sujeito passivo mantivesse a sua qualidade de residente em território português.

15 - O disposto no número anterior não é aplicável caso o sujeito passivo demonstre que os rendimentos a que se refere a alínea B) do mesmo número sejam tributados por um imposto sobre o rendimento idêntico ou substancialmente similar ao IRS aplicado devido ao domicílio ou residência:

a) Noutro Estado membro da União Europeia ou do Espaço Económico Europeu, desde que, neste último caso, exista intercâmbio de informações em matéria fiscal e que se preveja a cooperação administrativa no domínio da fiscalidade; ou

B) Noutro Estado, não abrangido na alínea anterior, em que a taxa de tributação aplicável àqueles rendimentos não seja inferior a 60 % daquela que lhes seria aplicável caso o sujeito passivo mantivesse a sua residência em território português.

16 - Um sujeito passivo considera-se, ainda, residente em território português durante a totalidade do ano sempre que volte a adquirir a qualidade de residente durante o ano subsequente àquele em que, nos termos do n.º 4, perdeu aquela mesma qualidade.

 

1

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Foi criada uma pré-visualização automática a partir da ligação que colocou.   Mostrar apenas como ligação

×   Your previous content has been restored.   Clear editor