protasio

emprestimos e obrigações

6 publicações neste tópico

Boas,

gostaria de expor a seguinte cenário:

tenho 25k€ na CGD aplicados,

tenho possibilidade de empréstimo desse mesmo valor com garantia do deposito à taxa de 5%

utilizo esse valor para comprar obrigações da própria CGD (gostaria de analisar especificamente este situação, mas poderia ser qualquer outra instituição ou mesmo um estado soberano) no mercado secundário com yield de 10% durante X tempo

Em teoria o meu risco será o de perder indiretamente a cobertura do FGE.

O lucro seria de 5% - comissões.

Estou a pensar corretamente?

no caso especifico de pedir dinheiro à CGD para financiar a CGD é legal?

Eu li por aí que houve aquela barraca com o BES, mas neste caso não é um alavancamento directo pelo banco, visto que eu só tenho o lucro pk já estou a comprar as obrigações com desconto, nem as obrigações são perpetuas, seriam das normais com pagamento de juro fixo, e pagamaneto de valor nominal no momento de vencimento.

Mas parecendo-me um negócio com boas possibilidades de sucesso gostaria de ouvir alguns comentários ou situações semelhantes.

Obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Qual a taxa a que tem os 25k aplicados?

Se tivesse hipótese, o melhor seria tirar os 25k de onde estão e utilizá-los directamente para comprar obrigações no mercado secundário.

Atenção que uma yield de 10% assume que os juros dos cupões são reinvestidos à mesma taxa. Quanto maior o prazo, maior a diferença entre a YTM bruta e o rendimento anual que efectivamente obtém. Não esquecer também a questão das mais-valias na maturidade, que em princípio terão de ser declaradas no IRS e pagar imposto sobre elas. Este último dado não está contemplado nem sequer na YTM líquida.

Logo o lucro do "negócio" tal como pensa é menor do que julga.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Mais as comissões sobre constituição, cupões e reembolso...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

De uma forma simplificada temos qualquer coisa como isto:

1º caso - tem-se a taxa da aplicação onde estão os 25k, que vamos dizer x%, mais o rendimento bruto das obrigações da caixa 10%, menos as comissões, impostos sobre mais-valias, etc, que vamos considerar y. Temos depois o empréstimo, que dá 5% negativos de rentabilidade.

2º caso - tem-se apenas as obrigações e as comissões, sem os rendimentos do actual produto, mas também sem o empréstimo.

Comparando a rentabilidade nestes dois casos numa equação temos que para o 1º caso ser mais vantajoso que o 2º.

   x + 10 - y - 5 > 10 - y

Resolvendo isto temos:

   x > 5 %

Chegamos a uma conclusão lógica, onde só é um bom negócio quando a aplicação actual estiver a render acima da taxa do empréstimo. De notar que a rentabilidade das obrigações e as comissões não interessam para o caso, nem que as primeiras fossem 40% O único factor que vai pesar mais a favor da 1ª opção é mesmo a taxa do produto que já tem.

Se for um produto sem possibilidade de mobilização, aí é outra história.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Ok bastante esclarecido relativamente ao juro.

Mas no caso de empréstimo para aplicar em obrigações sobre o próprio banco não haveria qualquer problema?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não posso dar certezas mas penso que não.

Estou convencido que mais pessoas já pediram empréstimos para investir em vários produtos.

Ser da CGD ou não deverá ser indiferente, sobretudo se for comprar ao mercado secundário noutro banco.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead