adec

E se o euro deixar de existir?

53 publicações neste tópico

Boa tarde, o que acontecerá aos depositos se o euro deixar de existir?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

São convertidos numa qualquer moeda que o substitua... ainda há coisa de uma década houve uma série de moedas que deixaram de existir para dar lugar ao Euro e não veio mal nenhum aos depósitos daí...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Se o euro acabasse isso significava que já não havia União Monetária, e digam olá ao escudo, ao marco, etc..

Os depósitos de cá iriam para escudos, na Alemanha para marcos, e por aí fora. Se os países continuarem a integrar o Exchange Rate Mechanism, ERM, e houver alguma regulação cambial os problemas poderão ser minimizados. O problema é se ocorrerem grandes desvalorizações de moedas.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Nem é bom pensar nisso....... :'(

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Mas a duvida que fica é se ao reverter a moeda de euro para escudo o cambio seria o da data de reconversão ou estaria já afectado pela desvalorização real (cerca de 35 a 40%, de menor valor)?

Ou seja como se diz em Portugal se o euro desaparecer, a desvalorização para a reentrada na antiga moeda será a caminho de 50% =e passará então a valer:

1 euro=» 100.242 escudos

e não os equivalentes  e antigos =» 200.482 escudos. Quem me poderá esclarecer sobre esta questão? obrigado.

Se tal for assim as nossas poupanças passarão a valer metade do seu valor actual, certo?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não acho que seja assim.

Pelo contrário, parece que no momento da entrada do escudo este até estaria mais valorizado. A impressão de moeda que se fizesse a partir daí é que provocaria a desvalorização.

http://www.dinheirovivo.pt/Economia/Artigo/CIECO024431.html

http://caldeiraodebolsa.jornaldenegocios.pt/viewtopic.php?t=76605&start=475

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

(NOTA: O que se segue é pura especulação)

Partindo do princípio que efetivamente o euro deixava de existir e cada país voltava a ter uma moeda própria, para quê voltar a ter taxas de conversão maradas?

O que acho que ia acontecer numa primeira fase é que NovoEscudo, NovoFranco, NovoMarco, iam passar a valer todos 1€ (É uma moeda nova sem qualquer relação com o Escudo antigo, porquê usar a mesma cotação; querem mesmo voltar a passar pela dupla afixação de preços?)

Assim que as moedas ficassem independentes umas da outras (parto do princípio que deixariam o ERM), o seu câmbio iria voltar a flutuar em função das políticas económicas seguidas por cada país e também do interesse dos investidores em cada uma das moedas.

As moedas mais "fracas", iriam perder valor relativamente às mais fortes. Mas 1 NovoEscudo continuaria a valer 1 NovoEscudo... deixava era de continuar a valer 1 NovoMarco para passar a valer 0,8 NovosMarcos, por exemplo - mas isto só com o tempo, não no instante da conversão incial... (julgo que ainda levaria um certo tempo até algum país atingir uma desvalorização de 50%, mesmo a Grécia...).

Da mesma forma, a inflação chegaria em força - se a moeda se desvaloriza, pelo menos os produtos importados vão subindo de preço numa proporção parecida. Nesse sentido é que se diz que o dinheiro perderia valor. Mas quem tinha 1000€ e passasse a ter 1000NovosEscudos continuaria a ter 1000NovosEscudos ao fim de uns tempos...

Mas, mais uma vez, acho que isto são apenas exercícios de retórica - não acredito que o Euro deixe de existir em breve :)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Na minha opinião o valor em si da nova moeda não interessa muito.  

O que acho mais normal (se o pior cenário acontecer) era ser criada uma nova moeda com uma taxa de cambio.

O valor em euros de um café ou de 1 litro de leite tem de ser igual (ou quase) à nova moeda segundo essa taxa de cambio.

O pior será a desvalorização que nos tempos seguintes essa moeda possa sofrer.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Tendo em conta o clima que se vive na zona euro, estou a pensar em abrir um conta em moeda estrangeira.

Neste momento tenho 2 hipóteses:

1) Abrir uma conta em Coroa Norueguesa ou Coroa Suécia na Caixa Geral de Depósitos.

2) Contactar o Banco do Brasil (sucursal em Portugal) para abrir uma conta em Real.

Destas 3 moedas é aquela que eventualmente resistirá melhor a uma implosão do euro?

Alguém está a ponderar ou já abriu contas noutras moedas? Que moedas escolheram?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

http://inflaccionista.blogspot.com/2008/10/porqu-comprar-ouro-ou-prata.html

Uma solução para não se perder o valor do dinheiro...

Que acham?

E é possivel trocar em qualquer altura moeda por ouro e ficar á guarda do mesmo titular no banco?

Há bancos em Portugal a fazerem este tipo de operação ou este tipo de operação terá de ser feito no mercado livre que hoje vemos nas ditas lojas de compra e vende?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não me parece que iremos sair do Euro. Além disso, iria implicar enormes custos voltar a reintroduzir o Escudo ou outra moeda nova. Num Estado que está falido, como o Português iria ser muito grave. O pior de tudo é que o Escudo iria desvalorizar muito, e como importamos quase tudo, ia ser uma grande chatice.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Penso que é preferível existirem planos de contingência preparados e estruturados que não são usados devido à melhoria da situação europeia, do que a implosão do euro apanhar-nos desprevenidos e sem nenhum plano pensado.

Nas catástrofes naturais quando os socorristas e os cidadãos sabem o que fazer salvam-se vida. Sendo o fim do euro uma catástrofe económica, a preparação dos governantes, dos empresários e dos cidadãos para este cenário salvaria muitas empresas e, por consequência, muitos empregos.

Por exemplo, Lvsitano, falaste e bem na importação de produtos.

Será que nós temos stock de sementes para em caso de necessidade (fim do euro) podermos semear os terrenos que temos abandonados, aumentando assim a produção e reduzindo a importação?

Eu com as minhas palavras não pretendo criar um estado de alarmismo ou de medo. Pretendo sim, demonstrar aquilo que penso e que vai de acordo ao ditado: "Um homem prevenido vale por dois".

Uma nota final: eu também acredito que a implosão é pouco provável!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A propósito do (eventual) fim do euro, há quem opte por transferir capital para outras divisas, como temos lido neste fórum. Não vos parece que mesmo isso não é grande segurança, se existir algum efeito cascata? I.e., se o euro tomba e desaparece, espera-se, porventura, que as outras divisas não tremam? Não poderá a queda do euro dar tais sinais à economia que pura e simplesmente deixe de existir uma divisa "segura"? (se é que a há)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O que me parece é que nesta altura do campeonato ninguem sabe claramente como as coisas se poderão vir a passar. Para o comum dos cidadão/depositantes acho isso perfeitamente normal. O que não acho normal é que outras pessoas responsaveis e profissionais nestas materias (governantes, economistas, entrevistados e entrevistadores, gestores de carteiras, amigos e inimigos) só emitem opinião depois das coisas acontecerem (e muitas vezes com má visão do acontecido)  e nunca mas nunca fazem cenarios do que possa vir a acontecer. Compreende-se pois não seria politicamente correcto.

Eu, já fiz cenarios de tudo até poder eclodir uma guerra a nivel mundial.

Aí não vale a pena sequer vir ao forum....

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

E se o Euro acabar?

Quais as consequências para quem tem;

Depósitos a prazo,

Certificados do Tesouro

Empréstimos Bancários (Crédito Habitação, Crédito ao Consumo)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Ponha tudo em libras porque essa moeda vai ser a que se vai safar no meio de tudo isto.

Não sei se devemos ou não brincar com estas coisas pois estes são assuntos de grande importancia para se poder brincar. E eu em cima estava a brincar

De qualquer das formas, o euro vai continuar , não se sabendo se com um campeonato de 1ª e 2ª (  neste último, no qual vamos estar incluidos e com consequencias para já desconhecidas) e por isso penso que a curto prazo as nossas poupanças não correrão perigo, em termos de continuidade de moeda. Teremos de estar com atenção à evolução dos mercados, já a seguir á cimeira (já se estão outra vez a prespectivar cenarios pessimistas)  e ao que vai acontecer em Italia no inicio do ano e às posições de BCE e CE a atacar este grande problema. Porque se a "coisa" não correr bem vem o contafgio de seguida a Espanha, França e até Alemanha. Nesse caso adeus euro, mas vamos lá adivinhar como, porque pode faltar menos tempo do que julgavamos há muitos poucos meses.

No entanto em qualquer momento e por uma razão de segurança acho que se poderá sempre (em antecipação ao cenario mais negro, claro) fazer deposito em moeda estrangeira e de preferencia em banco estrangeiro a actuar por cá.

Gostava de ver aqui retrtadas as posições de outros forenses. Obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

No entanto em qualquer momento e por uma razão de segurança acho que se poderá sempre (em antecipação ao cenario mais negro, claro) fazer deposito em moeda estrangeira e de preferencia em banco estrangeiro a actuar por cá.

Cheguei a ler sobre isso e a ponderar fazê-lo, no entanto, do que entendi de tudo quanto li, mesmo isso poderia não ser o ideal caso a pessoa queira fazê-lo dentro da legalidade, porque fica sujeito a declaração. Além da tributação, existiria ainda (li quem falasse disso mas eu não sei avaliar se é inteiramente possível/expectável) a possibilidade de um qualquer governo aplicar um imposto adicional sobre esses capitais no estrangeiro.

Uma outra coisa, neste cenário de tumulto económico, é pensar o que fazer com as poupanças face às dívidas que se tenha. Fruto de muito tino, eu e a minha Maria temos em poupança um valor ligeiramente superior à dívida que temos junto do banco. É sabido que com os juros ainda comportáveis, é mais interessante usar o capital para investir do que para amortizar dívidas, mas, ainda assim, num cenário catastrofista como por vezes leio, de forte redução do valor da poupança, ou de congelamento, etc, não pensando em amortizar 100%, vou pensando se não será seguro fazer uma amortização muito significativa da dívida junto do banco, deixando-a apenas com valor residual, porque sendo certo que ficaria com muito menos liquidez, também ficaria quase sem dívida, e teria a garantia, pelo menos, de que a liquidez que tinha tido sido efectivamente utilizada e não perdida.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boas tardes,

Eu estou a pensar em investir em obrigações, mas agora com o assunto de acabar o euro a ser falado, lembrei-me se uma boa solução para me defender disso não seria a compra de obrigações emitidas noutra moeda, por exemplo em USD.

O que vos parece esta opção? E onde poderemos comprar isso? No BIG são todas emitidas em EUR, enquanto que no BEST existe a possibilidade de outras moedas, no entanto as existentes em USD têm um mínimo de 100 mil de investimento...

Cumps,

Sérgio

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Cheguei a ler sobre isso e a ponderar fazê-lo, no entanto, do que entendi de tudo quanto li, mesmo isso poderia não ser o ideal caso a pessoa queira fazê-lo dentro da legalidade, porque fica sujeito a declaração. Além da tributação, existiria ainda (li quem falasse disso mas eu não sei avaliar se é inteiramente possível/expectável) a possibilidade de um qualquer governo aplicar um imposto adicional sobre esses capitais no estrangeiro.

Uma outra coisa, neste cenário de tumulto económico, é pensar o que fazer com as poupanças face às dívidas que se tenha. Fruto de muito tino, eu e a minha Maria temos em poupança um valor ligeiramente superior à dívida que temos junto do banco. É sabido que com os juros ainda comportáveis, é mais interessante usar o capital para investir do que para amortizar dívidas, mas, ainda assim, num cenário catastrofista como por vezes leio, de forte redução do valor da poupança, ou de congelamento, etc, não pensando em amortizar 100%, vou pensando se não será seguro fazer uma amortização muito significativa da dívida junto do banco, deixando-a apenas com valor residual, porque sendo certo que ficaria com muito menos liquidez, também ficaria quase sem dívida, e teria a garantia, pelo menos, de que a liquidez que tinha tido sido efectivamente utilizada e não perdida.

Alto lá, que não estamos a falar de capital no estrangeiro. Estamos a falar de bancos que actuam cá, ou seja, sucursais.

O que o ftsousa sugeriu foi abri contas em bancos como o Barclays, PrivatBank ou DB e abrir lá contas em moeda estrangeira, tipo USD ou GBP. Esses não são considerados capitais fora do país, mas sendo sucursais de bancos estrangeiros podem resistir a medidas mais penalizadoras por parte do estado (congelamentos, conversões forçadas, etc.)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O euro fica ganhem juizo...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Parece-me que há aqui uma confusão: o Barclays e o DB não aceitam (salvo erro) depositos em moeda estrangeira, , só em Euro, a vantagem é que se os bancos entrarem em "crise", esses não dependem do nosso fundo de garantia

abraço

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Tenho conta no Barclays e como tal contactei-os acerca da possibilidade de abrir conta em libras e de facto, como seria de esperar sendo um banco inglês, permite essa possibilidade. As contas em libras e em dólares americanos permitem realizar investimentos em depósitos a prazo.

No Barclays pode-se igualmente abrir conta em outras moedas, mas aí já não permite realizar depósitos a prazo.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Tenho conta no Barclays e como tal contactei-os acerca da possibilidade de abrir conta em libras e de facto, como seria de esperar sendo um banco inglês, permite essa possibilidade. As contas em libras e em dólares americanos permitem realizar investimentos em depósitos a prazo.

No Barclays pode-se igualmente abrir conta em outras moedas, mas aí já não permite realizar depósitos a prazo.

E a rentablidade é a mesma ou há diferença?

Se for a mesma, é mesmo só por uma questão de salvaguarda de garantia de depósito a prazo?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor