Miguel Reis

Banco não cobra juros em emprestimos

14 publicações neste tópico

Uma reportagem sobre um Banco Cooperativo que não cobra juros nos empréstimos! Gravada na Suécia e na Alemanha em Agosto de 2007.

Na Suécia existe uma cooperativa com 36 500 membros com um crescimento associativo anual de 5%, onde os seus membros membros emprestam dinheiro uns aos outros sem cobrar quaisquer taxa de juro e que acabou por se tornar num banco, propriedade dos seus associados, um banco que não cobra taxas de juro.

Não se trata de um conto de fadas, esse banco existe, situa-se na Suécia e chama-se JAK Medlemsbank.

Além de ser uma instituição bancária, esta associação é sobretudo um movimento social criado em 1965 e reconhecido oficialmente como banco em 1997. Este sistema financeiro inovador está assim muito próximo da economia real, não necessita de ir buscar dinheiro aos mercados financeiros especulativos, prova que é possível emprestar dinheiro sem juros e que existem soluções para uma sociedade mais justa.

O sistema é relativamente simples, um associado que necessita de um empréstimo, terá, ao mesmo tempo o que o reembolsa mensalmente, de criar uma conta paralela de poupança de igual montante durante o mesmo período do empréstimo. No fim, quando acabar de pagar o empréstimo, poderá levantar a totalidade dessa sua conta paralela de poupança. Durante esse período, o banco vai utilizar essa conta poupança para financiar outros associados. No final o empréstimo não terá sido sujeito a qualquer taxa de juros.

Um exemplo prático:

Um dos sócios, com um depósito nulo no banco, necessita de 14 000 euros para um período de 11 anos. Vai ter de pagar:

15 euros por mês de despesas de funcionamento

106 euro por mês de reembolso do empréstimo

106 euros por mês numa conta poupança obrigatória

No total deverá pagar por mês 15 + 106 + 106 = 227 euros por mês

Ao fim de 11 anos, o empréstimo estará pago e simultâneamente, a sua conta poupança terá 14 000 euros, que poderá levantar ou deixar para a eventualidade de ter de vir a pedir outro empréstimo e nesse caso terá que criar uma conta poupança obrigatória de um montante inferior.

Numa economia como a nossa, baseada nas taxas de juros, o dinheiro é transferido dos mais pobres para os mais ricos, até se concentrar nas mãos de uma minoria. Actualmente a massa total do dinheiro que circula no mundo, é constituída, quase exclusivamente, pelo dinheiro proveniente das dividas e das suas taxas de juros. Este dinheiro especulativo não assenta em qualquer valor real, isto é em bens e serviços.

É o crescimento exponencial dessa massa monetária especulativa que irá acabar por atingir um ponte de rotura e provocará o desmoronamento da economia mundial tal como a conhecemos actualmente.

Esta iniciativa bancária prova que é possível construir uma economia sustentável e mais equitativa.

Link: http://www.youtube.com/watch?v=7d5yA4oWncQ

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Neste momento assiste-se ao desnorte com os mesmos de sempre a pagar o que não criaram!...

O modo de funcionamento desse banco seria uma boa solução, mas implica "mexer" com hábitos instalados!...

Reparo que o banco tem algum lucro, pois os 15 euros de despesas de funcionamento servem para pagar salários e outras despesas inerentes a uma casa aberta!...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

pois isso é bom para quem não tem dinheiro. Mas quem tem dinheiro quer juros porque haveria de depositar o dinheiro nesse banco? Ou seja onde o banco vai buscar o dinheiro para emprestar? Se o  banco não paga Juros?

Melhor posso pedir dinheiro emprestado, ao banco para investir, enquanto coloco o meu dinheiro noutro banco a ganhar juros?  

Isso é uma grande Utupia....

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

pois isso é bom para quem não tem dinheiro.

Mas quem tem dinheiro quer juros porque haveria de depositar o dinheiro nesse banco? Ou seja onde o banco vai buscar o dinheiro para emprestar? Se o  banco não paga Juros?

Melhor posso pedir dinheiro emprestado, ao banco para investir, enquanto coloco o meu dinheiro noutro banco a ganhar juros?   

Isso é uma grande Utupia....

Não é, não senhor. Lá, na Suécia, existe e é praticado pela comunidade. Ver o video que foi recomendado: http://www.youtube.com/watch?v=7d5yA4oWncQ

É preciso ter outra "abertura" para compreender a ausência de juros!!!

A sociedade em que nos inserimos é que está à beira do colapso graças aos "juros". Do socialismo passamos para o capitalismo desenfreado. Entretanto, já vamos para o "lixo"!...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Os juros associados à ganância vão acabar com a sociedade e valores tal como os conhecemos......infelizmente :'(

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Os juros associados à ganância vão acabar com a sociedade e valores tal como os conhecemos......infelizmente :'(

O juro não foi inventado ontem.

O pagamento de juros em empréstimos existe pelo menos, desde a Roma Antiga (que eu conheça) e não foi por isso que "as sociedades e os valores tal como os conhecemos" acabaram...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boas, acredito que num futuro próximo o sistema finançeiro irá ser mais justo, mas para funcionar bem, tem que haver sempre contrapartidas para quem empresta o dinheiro, ou seja quem empresta tem de ter um incentivo, e quem pede certamente não se importará de pagar um juro justo, e mais, aqueles que cumprissem as suas obrigações veriam num empréstimo postrior os juros baixarem ainda mais, mas pagar juros isso terá de continuar, embora de forma mais justa, ou seja de forma a quem pede possa pagar e tenha vontade de o fazer.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boas, acredito que num futuro próximo o sistema finançeiro irá ser mais justo, mas para funcionar bem, tem que haver sempre contrapartidas para quem empresta o dinheiro, ou seja quem empresta tem de ter um incentivo, e quem pede certamente não se importará de pagar um juro justo, e mais, aqueles que cumprissem as suas obrigações veriam num empréstimo postrior os juros baixarem ainda mais, mas pagar juros isso terá de continuar, embora de forma mais justa, ou seja de forma a quem pede possa pagar e tenha vontade de o fazer.

Algumas reflexões: http://www.forumfinancas.com/index.php?topic=1742.msg32798#msg32798

Entretanto, no recente empréstimo a Portugal que tem gerado todos estes aumentos e diminuições de retribuições, vencimentos e subsídios, 38 mil milhões são só os juros!...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Entretanto, no recente empréstimo a Portugal que tem gerado todos estes aumentos e diminuições de retribuições, vencimentos e subsídios, 38 mil milhões são só os juros!...

Começo a ficar farto de ver esta frase repetida por aí, completamente descontextualizada, como se fosse a origem de todos os nossos problemas atuais... Além disso, é verdade que é muito dinheiro, mas é distribuído por 12 ou 13 anos ou lá quanto é...

E se não tivessemos pedido ajuda à troika e ainda andássemos a pagar as taxas de juro de 7% e mais a 10 anos (que seguramente já seriam bem mais altas por esta altura), quanto é que se pagaria em juros? Tanto ou mais do que se ia pedindo emprestado... facilmente se chegava aos 78 mil milhões de juros...

O nosso problema não são (só) estes 38 mil milhões... são (sobretudo) as outras centenas de milhar de milhão que temos a pagar em juros do resto da dívida que contraímos antes de pedir ajuda...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Começo a ficar farto de ver esta frase repetida por aí, completamente descontextualizada, como se fosse a origem de todos os nossos problemas atuais... Além disso, é verdade que é muito dinheiro, mas é distribuído por 12 ou 13 anos ou lá quanto é...

E se não tivessemos pedido ajuda à troika e ainda andássemos a pagar as taxas de juro de 7% e mais a 10 anos (que seguramente já seriam bem mais altas por esta altura), quanto é que se pagaria em juros? Tanto ou mais do que se ia pedindo emprestado... facilmente se chegava aos 78 mil milhões de juros...

O nosso problema não são (só) estes 38 mil milhões... são (sobretudo) as outras centenas de milhar de milhão que temos a pagar em juros do resto da dívida que contraímos antes de pedir ajuda...

1 contra 4. Afinal quem é que fala mais em juros?

Distribuidos por 12, 13 ou lá quantos anos são... alguma vez nos vamos livrar deles?

Não se pode ficar farto, quando praticamente metade do capital que se pede emprestado... se vai em juros!...

Os juros associados à ganância vão acabar com a sociedade e valores tal como os conhecemos...

Junte-se o "começo a ficar farto"... como se não fosse real que alguêm está a ganhar muito bem, graças aos juros do "empréstimo" dos 78 mil milhões a somar aos juros relativos a 160 (não sei se está acima ou abaixo, mas anda algures neste valor) mil milhões da divida!...

Ora, indo de encontro ao tópico em si, se eliminar-mos os "juros" (aqui sim, é utopia) do sistema (ou da sociedade) será que os adjetivos usados anteriormente ainda fazem sentido?

Meras reflexões!!!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Tens razão, não era o tópico mais apropriado para esta resposta - perdi-me do contexto e realmente o teu ponto de vista não tinha a ver com o que tentei rebater.

Mas, já agora, e analizando bem o exemplo dado no primeiro post, lá porque o banco anuncia que não cobra juros, não quer dizer que na prática o não esteja a fazer. Apenas têm uma forma (fórmula) diferente...

Pelos tais 14.000 de empréstimo, está a pagar por ano 180€ de "despesas de funcionamento". Ao fim dos 11 anos isso corresponde a um custo total de quase 2000€ que não são amortização (tal como acontece com os juros - há um custo a pagar por ter o dinheiro disponível).

Em boa verdade, se isso fosse convertido em taxa de juro corresponderia aproximadamente a uma taxa de cerca de 0,4%, bem mais baixa que as praticadas noutros lados - sobretudo por causa de não se buscar o lucro mas apenas o pagamento das despesas administrativas, suponho...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

... analizando bem o exemplo dado no primeiro post, lá porque o banco anuncia que não cobra juros, não quer dizer que na prática o não esteja a fazer. Apenas têm uma forma (fórmula) diferente...

Pelos tais 14.000 de empréstimo, está a pagar por ano 180€ de "despesas de funcionamento". Ao fim dos 11 anos isso corresponde a um custo total de quase 2000€ que não são amortização (tal como acontece com os juros - há um custo a pagar por ter o dinheiro disponível).

Em boa verdade, se isso fosse convertido em taxa de juro corresponderia aproximadamente a uma taxa de cerca de 0,4%, bem mais baixa que as praticadas noutros lados - sobretudo por causa de não se buscar o lucro mas apenas o pagamento das despesas administrativas, suponho...

O modo de funcionamento desse banco seria uma boa solução, mas implica "mexer" com hábitos instalados!...

Reparo que o banco tem algum lucro, pois os 15 euros de despesas de funcionamento servem para pagar salários e outras despesas inerentes a uma casa aberta!...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Tens razão, não era o tópico mais apropriado para esta resposta - perdi-me do contexto e realmente o teu ponto de vista não tinha a ver com o que tentei rebater.

Mas, já agora, e analizando bem o exemplo dado no primeiro post, lá porque o banco anuncia que não cobra juros, não quer dizer que na prática o não esteja a fazer. Apenas têm uma forma (fórmula) diferente...

Pelos tais 14.000 de empréstimo, está a pagar por ano 180€ de "despesas de funcionamento". Ao fim dos 11 anos isso corresponde a um custo total de quase 2000€ que não são amortização (tal como acontece com os juros - há um custo a pagar por ter o dinheiro disponível).

Em boa verdade, se isso fosse convertido em taxa de juro corresponderia aproximadamente a uma taxa de cerca de 0,4%, bem mais baixa que as praticadas noutros lados - sobretudo por causa de não se buscar o lucro mas apenas o pagamento das despesas administrativas, suponho...

Relembro que a nossa banca para alem dos juros também tem as chamadas comissões de processamento, que considero equiparadas a estas despesas de funcionamento. Logo juro zero mais comissões de processamento era o que se poderia chamar ao funcionamento deste banco. :)
0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

É um sistema interessante, mas não sei se funcionaria em todas as sociedades. Acho que esses povos nórdicos são um caso á parte no que respeita a valores de comunidade. Em países com altas taxas de corrupção como algumas que já ouvimos falar  :D um sistema desses não passa de uma utopia.

Gostava que o mundo caminhasse nesse sentido, mas não sei se a lição que esta crise está a dar será suficiente para mudar os valores enraizados do capitalismo.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead