john.doe

Liquidez em tempo de crise - que fazer?

5 publicações neste tópico

Bom dia a todas e a todos,

Neste momento, fruto de trabalho e poupança, tenho alguma pequena liquidez, tudo colocado num depósito a prazo vulgar num dos nossos maiores bancos; em linguagem vulgar, passei uma série de pequenos investimentos (acções, fundos, etc) a patacos, e tenho tudo pronto a "usar".

A minha maior preocupação, vista a conjuntura actual, NÃO é investir, nem o retorno nesse montante.

Estou convencido que o regresso ao escudo por parte de Portugal é inevitável (seja por abandono do EURO, seja porque o EURO acaba).

Nesse caso, o que desejo é ter alguma garantia de que não vou perder o VALOR do que tenho agora.

Qual é a vossa opinião?

- Será que devo de investir em certificados de ouro, ou mesmo na compra de ouro?

- Seria interessante abrir uma conta num país mais "protegido"? Comprar Francos Suiços?

- Será que deveria investir em imobiliário? Já disponho de habitação própria, mas poderia aluga-la e mudar-me para um apartamento maior, sendo que a aplicação dos meus fundos nesse apartamento novo não iria consumir a totalidade das reservas.

Interessado e agradecido desde já pelas vossas opiniões. Muito obrigado.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não penso que a saida de Portugal do Euro  seja a curto prazo, no entanto em relação á opinião cá vai a minha :

Garantias nas condições actuais são muito complicadas penso que em verdade ninguém as pode dar, para minimizar o "estrago" eu optaria por :

1º - Deposito em moeda estrangeira em que tivesse alguma confiança.

2º -Os activos de refugio estão em máximos históricos, ou seja se estiveres enganado na suspeita do desmoronamento do euro podes perder uma boa parte do que investiste, especialmente numa perspectiva de liquidez.

3º-O imobiliário segue o exemplo inverso, se o euro desmorona o Imobiliário dificilmente será sinónimo de liquidez ou valorização

Numa perspectiva negativista como reproduzes eu diversificaria desta forma :

40% em nota (euros) num cofre ou em outro lado qualquer excepto um banco.

60% em moeda estrangeira (talvez 2 diferentes para diluir riscos)

Mas penso que seria um erro grande esta opção, é cedo para antecipar semelhante cenário e se estiveres errado todas as opções irão provavelmente deteriorar o património que juntaste ao longo do tempo.

PS - esta resposta é vaga mas escrita em cima do joelho, depois respondo com um pouco mais de cabeça que os miúdos tem de ir dormir

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não penso que a saida de Portugal do Euro  seja a curto prazo, no entanto em relação á opinião cá vai a minha :

Garantias nas condições actuais são muito complicadas penso que em verdade ninguém as pode dar, para minimizar o "estrago" eu optaria por :

1º - Deposito em moeda estrangeira em que tivesse alguma confiança.

2º -Os activos de refugio estão em máximos históricos, ou seja se estiveres enganado na suspeita do desmoronamento do euro podes perder uma boa parte do que investiste, especialmente numa perspectiva de liquidez.

3º-O imobiliário segue o exemplo inverso, se o euro desmorona o Imobiliário dificilmente será sinónimo de liquidez ou valorização

Numa perspectiva negativista como reproduzes eu diversificaria desta forma :

40% em nota (euros) num cofre ou em outro lado qualquer excepto um banco.

60% em moeda estrangeira (talvez 2 diferentes para diluir riscos)

Mas penso que seria um erro grande esta opção, é cedo para antecipar semelhante cenário e se estiveres errado todas as opções irão provavelmente deteriorar o património que juntaste ao longo do tempo.

PS - esta resposta é vaga mas escrita em cima do joelho, depois respondo com um pouco mais de cabeça que os miúdos tem de ir dormir

Apreciei a resposta, e mais ainda por ter sido escrita apesar do tempo ocupado!! Muito obrigado.

Se quiser desenvolver mais, estarei atento.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não penso que a saida de Portugal do Euro  seja a curto prazo, no entanto em relação á opinião cá vai a minha :

40% em nota (euros) num cofre ou em outro lado qualquer excepto um banco.

60% em moeda estrangeira (talvez 2 diferentes para diluir riscos)

Boas,

Na minha opinião acho que não devia ter notas, apenas moedas. Isto porque caso o euro caia (coisa que eu duvido) sempre tem o valor da moeda enquanto que nota é papel, não vale nada.

Fiz a pergunta a vários bancos e ninguém sabe o que acontece ao dinheiro que está na conta a ordem. (recordo que no tempo do escudo, quando passou a haver euro, os bancos fizeram a conversão automática).

Cumps

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Na minha opinião acho que não devia ter notas, apenas moedas. Isto porque caso o euro caia (coisa que eu duvido) sempre tem o valor da moeda enquanto que nota é papel, não vale nada.

Nota dá para queimar, em vez de combustível ;D

(Quando foi a hiperinflação na Alemanha, em 23, foi isso mesmo que muita gente fez - queimava dinheiro para se aquecer, porque ele não valia nada mesmo e a lenha era muito cara...)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead