Dexter

Uma questão de heranças ..

6 publicações neste tópico

Olá boa tarde. Espero não incomodar.

Caso me possam ajudar na minha questão, agradeço imenso.

A situação é a seguinte:

À cerca de 4 anos faleceu o meu avô + a minha avó, como o meu pai já não é vivo, fui eu quem tive de tratar das questões da herança.

Ao todo são 8 irmãos + eu, que represento o meu pai. A questão é a seguinte: 3 filhos deviam dinheiro ao meu avô, e assinaram um documento a comprovar isso mesmo, mas já passaram alguns anos e eles não pagam, aliás, está-se prestes a vender um bem herdado, e mesmo assim eles não querem descontar a dívida, aliás dizem, que só assinam a venda, se receberem sem descontar. Resumindo, têm a faca e o queijo na mão. Será que há alguma forma de dar a volta a isto ? já agora, não haverá forma de começar a adicionar juros à divida ?

Obrigado desde já

cumprimentos

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

vocês são 9 pessoas : quando forem fazer a escritura de venda desse imóvel herdado quem irá ?  Vão os 9 ?  Ou vão apenas o(s) procuradores ?

Se for um procurador pode dizer-lhes que paga para eles assinarem e depois faz-lhes um manguito e deixa-os pendurados, abatendo à parte deles a respectiva dívida: olho por olho, dente por dente.

O problema é que se houver mais bens eles depois vingam-se...mas na realidade, ao vingarem-se, também são prejudicados o que é uma estupidez. Mas muitas famílias, infelizmente, andam cheias de estupidezes dessas...

Se forem os 9 à escritura é mais complicado: terão que escolher entre nada receber ou receber a sua parte e deixar os outros manterem a dívida. O mais inteligente é receber cada um a sua e manter a dívida, processando-os em seguida.

Juros evidentemente que podem e devem ser calculados, basta fazer as contas, ao juro de lei (não sei exactamente qual é) e aplicar sobre o capital em dívida.

Seja como for se eles têm uma dívida ao falecido legalmente ela terá que ser abatida ao valor que irão receber de herança: caso não mudem de ideias só mesmo colocando um advogado a falar com eles, penso eu, de forma a fazê-los ver as coisas como elas são.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde.

Obrigado pela resposta.

Efectivamente, vão estar presentes todos.

Eu também já tomei uma decisão, também só volto a assinar algo, depois de pagarem o que devem, porque se não for assim, acho que nunca mais pagam.

Já agora, os valores em divida não constam na relação de bens, somente possuo, eu e os restantes herdeiros, um papel assinado pelos herdeiros devedores, onde está declarado que devem determinada importância. A minha questão é, caso me saibam responder, este documento é valido ?

Mais uma vez obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

o meu conselho é de que as decisões que tomes / tomem sejam baseadas na inteligência e no raciocínio e não em emoções:

repara que quando dizes que não assinas enquanto não pagarem o que devem estás a bloquear 9 pessoas e deverias ponderar essa atitude em função da relação deve/haver : se não assinas porque não te pagam 100 mas com isso deixas de receber 1000 talvez essa atitude não seja a mais indicada; mais vale assinar, receber os 1000 e depois tentar por outras vias receber os 100 que te devem.

Portanto tudo depende dos valores em causa, penso eu.

Um papel simples assinado a reconhecer uma dívida é válido, evidentemente, mas se por malfeitoria o devedor resolver dizer que é falsificado, p.ex., isso já seria um problema pois para ser 100% válido deveria ter sido feito com assinatura reconhecida. Pormenores de que não nos lembramos e muito menos em família...

Relativamente à relação de bens é natural que não conste lá a dívida mas apenas os bens: na realidade o falecido avô poderia ter tido esse cuidado, talvez excessivo, de colocar lá a dívida mas é perfeitamente natural que não o tenha feito - aliás as relações de bens costumam ser feitas pelos familiares vivos e não pelos falecidos antes de morrerem, só em casos excepcionais isso acontece (pessoas muito ricas - p.ex. o Champallimaud é natural que tivesse uma relação de bens e um testamento feitos muito antes de falecer, mas pessoas normais não costumam fazer isso, deixam isso para quem cá fica)

Portanto o meu conselho é que mantenhas a calma, a cabeça fria (para poderes raciocinar convenientemente) e que recebas o que tens a receber, assim como os outros, e se os relapsos devedores não quiserem pagar das duas uma: ou os metem na Justiça ( se o valor justificar isso ) , ou a atitude fica com eles, ou lhes dão uma valente coça ( o que não aconselho, mas às vezes resulta..)

Vá, calma e boa sorte !

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Olá bom dia,.

Obrigado pelos conselhos, vou tê-los  em consideração.

Cumprimentos,

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Olá Dexter!

Sou jornalista da SIC, do programa Boa Tarde...

Será que pode dar-me o seu contacto telefónico (p/ boatarde8@sic.pt) para falarmos sobre esta questão que levantou acerca da herança?

Cumprimentos

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead