FIADORA

FIADOR - DIREITOS

46 publicações neste tópico

Meu marido foi fiador de um colega de trabalho na compra de um carro no ano de 99, ao que parece o tal "colega" deixou de pagar a dívida em 2003. Na sexta-feira meu marido foi surpreendido com a notificação da justiça para retirar 1/3 do ordenado até perfazer 4 mil euros....

O que podemos fazer com este colega? Conseguimos contactá-lo e diz ele que a dívida está paga, mas não acredito que se trate de um erro... podemos contratar um advogado e penhorar os bens dele? ele e a esposa estão desempregados a um ano...há alguma coisa de evitar que seja o meu marido a suportar esta dívida?....

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Aconselhar-te com um advogado será o mais aconselhável. Se esse senhor tiver bens, serão primeiro esses que se poderão propor á penhora, caso contrário existe aí um verdadeiro problema para vocês.

Boa sorte, vai dando noticias.

Sempreempé

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Muito obrigada. Amanhã mesmo iremos levantar os documentos e entregar para um advogado. Só mais uma questão, neste caso específico, existe um tempo limite para o fiador ser responsável pela pessoa? Se está dívida é de 1999, será que prescreveu?

Obrigada pela ajuda mais uma vez.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não essa divida não prescreveu.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

ok, obrigada, vamos lá ver amanhã o que o advogado pode fazer por nós. O jeito é tentar ir nos bens da pessoa. Vou dando notícias.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O fiador pode invocar o benefício da excussão. Basicamente quer dizer que se lhe tentarem penhorar alguma coisa pode propor em substituição um bem do devedor para a penhora; só quando o devedor não tiver mais bens é que o fiador não tem outro remédio senão pagar...

Mesmo que tenha renunciado ao benefício da excussão, o fiador tem sempre o direito de retoma sobre o devedor. Ou seja, tudo o que é pago pelo fiador pode ele depois exigir ao devedor... Não se deve é esquecer que o fiador deve avisar o devedor sempre que cumpra alguma obrigação por ele.

De qualquer forma se o devedor já pagou a dívida não tem mais do que apresentar a documentação que o comprova...

Podes ler tudo o que diz a legislação sobre Fianças, no Código Civil, a partir do Artigo 627º

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Obrigada pela dica e de facto tenho passado os dias a estudar o código cívil.

Hoje, estivemos com a advogada e ela percebeu que a empresa está a cobrar o valor da totalidade. O carrro custou 8 mil euros, o comprador pagou 6 mil euros até 2009, entretanto, empresa está a cobrar a dívida de 7 mil euros  + 4 mil euros pelas custas do processo.

Ainda esta semana vamos procurar a empresa e colocar tudo em pratos limpos, se o fiador tiver que pagar, que pague pela dívida restante, mas não tentem jogar o "barro a parede" para ver se consegue ganhar a dobrar em cima das pessoas.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Hoje, estivemos com a advogada e ela percebeu que a empresa está a cobrar o valor da totalidade. O carrro custou 8 mil euros, o comprador pagou 6 mil euros até 2009, entretanto, empresa está a cobrar a dívida de 7 mil euros  + 4 mil euros pelas custas do processo.

A diferença será dos juros? Não sei qual era a taxa de juro mas, por exemplo, 10% em 10 anos dão quase para duplicar o valor da dívida, sobretudo se ela não for sendo paga a tempo e horas...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Existem doi tipo de juros neste caso:

1) Juros de 4% ano sobre o valor devedor.

2) As custas do processo de execução são de 5%, 10% ou 20% nunca poderá ser cobrado um valor superior a esta percentagem. (amanhã adiciono o artigo).

No nosso caso, a advogada detectou que a pessoa que tratou da carta de execução aproveitou o processo de outra pessoa, apenas substituindo o nome do fiador e os dados da empresa. Podem acreditar, erro grave e a advogada pode iniciar a oposição do processo inicialmente por esta falha.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

EM 2004 FUI FIADOR DUM COLEGA NA COMPRA DE UM CARRO.ATUALMENTE O BANCO LIGOU-ME A INFORMAR  QUE ESSISTE UMA DIVIDA QUE NAO ESTA A SER PAGA.A MINHA DUVIDA E PODEREI COMO FIADOR PAGAR A DIVIDA E PEDIR A APREENÇAO DO CARRO,E COMO O FAZER.EU NAO TENHO BENS PESSOAIS E ESTOU DESEMPREGADO MAS QUERO LIMPAR O MEU NOME

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O meu sobrinho alugou um andar e fui fiadora dele com o meu marido ele deixou de pagar a renda ficando a dever quatro meses o meu marido foi informado na empresa que lhe iam retirar um terço do salário durante quatro anos ele ganha 500 euros eu estou desempregada tenho dois filhos menores inclusive um com 2 anos pago prestação da casa 260 euros o que poderei fazer para que nao me retirem o dinheiro que faz falta para dar de comer aos meus filhos  o que o meu marido ganha e tao pouco ja perciso de ajuda de terceiros para nos alimentar o que devo fazer ou me dirigir  agradeço resposta obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

@ Rosa Tomás

Uma vez assumida a obrigação de fiadora, ficará responsável nos exactos termos em que se obrigou.

Portanto, uma vez que o devedor principal, neste caso o seu sobrinho, entrou em incumprimento,

será a pessoa responsável pelo pagamento da dívida.

No entanto, tipicamente, depois da penhora não pode resultar um rendimento líquido inferior ao salário mínimo nacional (485€).

De qualquer forma, sendo possível deverá consultar um advogado para melhores esclarecimentos.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa noite, gostaria de esclarecer uma duvida. Comprei um carro a 05 meses e meu tio foi meu fiador. As prestações estão todas em dias, meu tio pode pegar o carro sendo fiador. Ele tem posse sobre ele neste caso? Ou em quais condições ele poderá pegar o carro de mim. Desde ja agradeço!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde. Qual é a legislação que define diferenças entre avalista e fiador? Li que o avalista, ao ter que pagar uma livrança, face ao incumprimento de quem avalizou, não tem que pagar juros. É verdade? Também li que o avalista será responsável pela dívida nas mesmas condições que o devedor. Isso implica que o avalista seja informado de que existe incumprimento antes de instaurarem um processo?

Eu fui avalista dum contrato de locação de uma pessoa. A dada altura recebi uma citação que me dava um prazo de 20 dias para resolver a situação. A questão é que eu nem sabia que a situação estava em incumprimento. Não devia ter sido informada? Podia ter tentado assumir o pagamento das prestações ou tentar renegociar...

Entretanto o meu vencimento foi penhoradado e o banco apenas aceita um acordo com a suspensão do processo, o que significa que vou ficar quase o resto da vida em situação irregular, perante o Banco de Portugal.

Por favor, ajudem-me a perceber estas questões. Andei a pesquisar legislação, mas é tudo muito vago...

Obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A diferença é simples:

Embora ambos (avalista e fiador) sejam responsáveis pelo pagamento da dívida no caso do devedor deixar de pagar as prestações, no caso do avalista é imediato, enquanto que no caso do fiador só poderão lançar mão dele após terem tentado de todas as formas obter o pagamento do devedor.

De qualquer das formas, os bancos ressalvam sempre a situação, obrigando o fiador, contratualmente, a renunciar ao benefício da excussão prévia, significando isto que podem logo tentar obter a cobrança junto do fiador, sem terem esgotado as hipóteses de cobrança junto do devedor.

Agora acho que essas situações devem ser logo tratadas com um advogado, antes das penhoras estarem activas, porque depois é mais difícil. Relembro que há mínimos que eles têm de respeitar.

Está aqui um bom simulador, para ver se estão a respeitar os mínimos: http://www.solicitador.org/DJL/Formularios/CalculodePenhoraDeSalarios.html

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

bom dia

fui fiadora dos pais em 2007 numa casa para alugar mas no ano 2012 o meu pai ficou desempregado e deixou de pagar a renda a minha é doméstica... na altura eu nao tinha filhos e estava numa casa alugada com o meu companheiro  mas neste momento eu e o meu companheiro estamos numa casa comprada ( estamos a  pagar ao banco )desde 2008. gostaria de saber o que pode acontecer neste momento pois o meu filho é menor e e o mei companheiro nao sabe que s fiadora e de bens so tenho a casa que esta no nome dos dois ... e tenho trabalho  mas nao sei por quanto tempo !

obrigada

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

se foste fiadora do teu pai e ele deixou de pagar renda o senhorio pode vir sobre ti e exigir-te a renda

se não pagares pode penhorar-te vencimento ou contas bancárias, evidentemente,

na minha opinião deverias fazer duas coisas :

1- informar o teu companheiro da situação

2 - pagar as rendas em divida, se puderes

3 - libertar-te da situação de fiadora : se o teu pai não pode pagar renda e tu não tens meios de lha pagar então o teu pai, infelizmente, terá que entregar a casa ao senhorio ou negociar com ele um periodo de carência até ter novamente emprego, não vejo outra solução - a outra solução seria tu pagares, como fiadora, se pudesses mas como não podes...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

É legal um fiador nunca ter sido contatado durante anos e receber a carta do tribunal e penhora de bens quase 10 anos depois?

Se uma pessoa deixa de pagar a prestação de um carro, existe alguma lei que diga que a entidade credora tem de contatar o fiador?  É que se o fiador não é informado de nada como é que pode resolver antes que o processo vá para tribunal?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

É legal um fiador nunca ter sido contatado durante anos e receber a carta do tribunal e penhora de bens quase 10 anos depois?

Se uma pessoa deixa de pagar a prestação de um carro, existe alguma lei que diga que a entidade credora tem de contatar o fiador?  É que se o fiador não é informado de nada como é que pode resolver antes que o processo vá para tribunal?

Se percebi, creio que está a colocar o problema ao contrário...

Contacte o Gabinete de Apoio ao Sobreendividamento da Deco. Contactos: http://www.consumidor.pt/ms/1/pagina.aspx?js=0&codigoms=5008&codigono=0003AAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Também pode dar uma vista de olhos no seguinte link: http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=775&tabela=leis

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A questão aqui é que o fiador nunca foi informado da falta de pagamento, até vir a carta do tribunal com a penhora de bens! Ou seja, se o fiador tivesse sido contatado antes tinha pago, antes de chegar aos últimos recursos de tribunais e etc. A minha dúvida é, o fiador não tem o direito de saber?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A questão aqui é que o fiador nunca foi informado da falta de pagamento, até vir a carta do tribunal com a penhora de bens! Ou seja, se o fiador tivesse sido contatado antes tinha pago, antes de chegar aos últimos recursos de tribunais e etc. A minha dúvida é, o fiador não tem o direito de saber?

Deixei-lhe contactos úteis para poder obter resposta à sua dúvida. Se acha que não servem, contrate um advogado e averigue se há possibilidade de interpor acção porque o fiador nunca foi informado da falta de pagamento do bem em causa.

De acordo com dados do Banco de Portugal, existem 1,4 milhões de fiadores em Portugal. No entanto, muitos desconhecem quais são na realidade os seus direitos e as suas obrigações. Por exemplo, muitos desconhecem que não podem simplesmente desistir de serem fiadores e que ficarão vinculados aquela dívida até que ela seja saldada. “Um fiador não pode desistir de o ser. Poderá, no entanto, haver uma renegociação das garantias dadas.

Respondendo diretamente à sua questão, os direitos são praticamente nulos, enquanto que a lista de deveres e obrigações é bastante extensa. O seu único direito é o de – caso venha a ser chamado para pagar a dívida do devedor – poder exigir esse dinheiro de volta ao devedor”. No entanto, em termos práticos, este direito vale de pouco ao fiador, uma vez que como o devedor não tem forma de pagar as suas próprias dívidas é natural que também não tenha meios para pagar ao fiador.

Chegou a pedir o benefício de excussão prévia? Pelo teor dos seus posts deduzo que não...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Já fomos à Deco e dizem que neste ponto já não podem fazer nada.

Só tivemos conhecimento da situação com a carta do solicitador e com os bens em execução. Queremos saber se devemos recorrer pois entre 2004 e a data hoje nunca nos disseram nada. Se na altura tivessem avisado tinhamos pago...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

...e obrigada pela sua ajuda!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Já fomos à Deco e dizem que neste ponto já não podem fazer nada.

Só tivemos conhecimento da situação com a carta do solicitador e com os bens em execução. Queremos saber se devemos recorrer pois entre 2004 e a data hoje nunca nos disseram nada. Se na altura tivessem avisado tinhamos pago...

Se tivesse pedido o benefício de excussão prévia em caso de incumprimento por parte do devedor, poderia exigir à entidade credora que executasse primeiro os bens do devedor e só depois é que o fiador seria chamado a pagar a dívida.

Já contactou o devedor? Ou partiu para parte incerta?

Entretanto, pode indagar junto da entidade credora se enviou algum aviso ao fiador para que este pagasse as mensalidades em falta antes de avançar para tribunal. Caso o tenha feito solicite cópia desse comprovativo. Pode dar-se o caso de "algures" ter ido parar a outra residência... Um bom advogado pode dar a volta ao problema que apresenta.

Conselhos para o futuro:

Pedir sempre o benefício de excussão prévia e verificar se a pessoa tem garantias reais que sejam suficientes para saldar o pagamento da dívida.

O credor deve primeiro ir às garantias reais do devedor antes de poder chamar o fiador a responder pela dívida.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

costumo dizer que o único direito de um fiador é o de decidir de não ser fiador.

mesmo entre pais e filhos podem surgir problemas sendo os outros filhos prejudicados pelo incumprimento de um irmão

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead