JoseOliveira

Criação de loja online

21 publicações neste tópico

Olá,

este é o meu primeiro post e pareceu-me ser o local mais indicado.

gostaria de saber que passos devem ser dados para a criação de uma loja online. Existem algum site onde se possa consultar este tipo de informação de forma a ter tudo legal?

Obrigado,

José Oliveira

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Qual o tipo de negócio?

Pretende vender através de outras lojas ou ter a sua própria loja?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Para vender, por exemplo algumas pinturas minhas ou artigos de artesanato.

Preciso saber o que é preciso para ser legal. Em particular a "relação com as finanças"

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Convém estar colectado para poder passar recibos verdes pelo menos. De resto penso que não precisa de mais nada.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

eu tenho uma, eu faço artesanato e costumo vender em feiras de artesanato por isso colectei-me nas finanças como trabalhador independente e para a loja online não fiz mais nada, o codigo na altura até era bastante abrangente comércio a retalho por outros métodos, já depois de ter aberto a loja houve algumas alterações aos CAEs (códigos das actividades) e penso que um dos novos códigos criados tinha a ver com o comércio online, o melhor talvez seja perguntar nas finanças

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Sim, pode adoptar outro CAE e até no site das finanças poderá alterar quando quiser, isso não é impeditivo de você vender na internet, depois disso tratado é só começar a vender ;)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Olá,

obrigado pelas vossas ajudas canhoto e tempest@de.

Mas com novas informações surgem novas dúvidas :) Podem até ser, também, úteis para futuros utilizadores deste fórum...

- Segurança social penso que não é preciso pagar, pois também trabalho por conta de outrem, não é?

- Que diferença existe entre trabalhador independente e empresário em nome individual? 

- O recibo verde serve como factura? E a cobrança do IVA como é feita?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

- Segurança social penso que não é preciso pagar, pois também trabalho por conta de outrem, não é?

R: Exacto!

- Que diferença existe entre trabalhador independente e empresário em nome individual?

R: Um trabalhador independente passa recibos verdes e pode estar isento de IVA o Empresário terá de ter uma escrita organizada e consequentemente terá de pagar a um contabilista e cobrar IVA.

- O recibo verde serve como factura? E a cobrança do IVA como é feita?

R: Sim, se fôr independente está isento até 10000€ de facturação anual.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

quanto á segurança social eu tive que comprovar que trabalhava por conta de outrem, ou seja tive que ir lá com uma cópia do contrato de trabalho.

Como não sei se estás a contrato ou efectivo chamo a atenção para algo que pode ser util caso estejas a contrato e este termine, a partir do momento em que deixes de descontar para a SS do teu emprego por conta de outrem tens que passar a pagar a contribuição por ser trabalhador independente, se os rendimentos que tens como T. Indep. são poucos podes pedir na SS para pagar uma contribuição menor, passara a ser de 50€, e este pedido é feito no mes de setembro num balcao da seg. social.

A mim já me foi util, porque quando deixei um emprego e antes de começar a trabalhar no outro tive que pagar a contribuição à SS e como tinha feito o pedido só paguei os 50 € em vez dos cento y tal que pagaria se não o tivesse feito.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde, sou educadora de infância dos quadros do ministério da educação e nas horas vagas faço artesanato. Gostaria de saber se sou obrigada a passar recibo e que tipo de recibo,  das vendas (poucas) efetuadas e se tenho de pagar impostos. Importa referir que o meu volume de negócios anual rondará os 1000 euros aproximadamente. Atenciosamente Filomenna Meleiro

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde, sou educadora de infância dos quadros do ministério da educação e nas horas vagas faço artesanato. Gostaria de saber se sou obrigada a passar recibo e que tipo de recibo,  das vendas (poucas) efetuadas e se tenho de pagar impostos. Importa referir que o meu volume de negócios anual rondará os 1000 euros aproximadamente.

Sim, sobretudo se a venda for feita a revendedores (que hoje em dia precisam de justificar todas as compras com a respetiva fatura e que a vão pedir, sem dúvida). No caso de venda a particulares, embora eles provavelmente não se incomodem a pedir fatura, também é obrigatória a emissão da mesma...

Pode abrir atividade e passar faturas-recibo (antigos recibos verdes).

Naturalmente, será tributada pelos rendimentos obtidos com essa atividade. À partida, a taxa será a do escalão de IRS em que se encontra (não confundir com os escalões de retenção na fonte, estou a falar destes: http://www.economias.pt/escaloes-de-irs-2015/ ), calculado a partir do englobamento de todos os rendimentos coletáveis.

Ficando no regime simplificado (aquele que provavelmente faz mais sentido dado esse volume de negócios), vale a pena esclarecer junto do fisco como serão classificados os rendimentos. O artigo 31º do Código de IRS diz que  o rendimento tributável das vendas de mercadorias e produtos corresponde a 15% do volume de negócios mas também diz que se forem atividades constantes da tabela a que se refere o art. 151º (entre as quais se inclui a de artista) o rendimento tributável corresponde a 75% do rendimento da atividade. Vale a pena mandar-lhes uma mensagem a perguntar qual seria o enquadramento para evitar surpresas.

Ficando no regime de contabilidade organizada (em que seria preciso pagar a um contabilista para ser ele a meter as contas), o rendimento tributável será igual ao volume de negócios subtraído do custo das matérias primas. Mas com esse volume de negócios e o custo do contabilista é bem capaz de compensar mais ficar no regime simplificado. Sobretudo se sempre forem consideradas vendas e o rendimento tributável forem os 15% das mesmas...

NOTA: se contactares as Finanças mais vale dizeres que estás a pensar começar a vender artesanato, não se vão lembrar de te cobrar o que não declaraste para trás...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Olá, Boa tarde,

Apanhei este forum numa procura google sobre como iniciar actividade e achei toda a informação bastante pertinente. Como aina ficaram umas dúvidas, gostaria que me esclarecessem.

Pressupostos: Trabalhador por conta doutrém que procura comercializar (online e em lojas físicas) peças personalizadas artesanalmente.

Relativamente ao email do Pauloaguia, fiquei na dúvida:

Ficando no regime simplificado (aquele que provavelmente faz mais sentido dado esse volume de negócios), vale a pena esclarecer junto do fisco como serão classificados os rendimentos. O artigo 31º do Código de IRS diz que  o rendimento tributável das vendas de mercadorias e produtos corresponde a 15% do volume de negócios mas também diz que se forem atividades constantes da tabela a que se refere o art. 151º (entre as quais se inclui a de artista) o rendimento tributável corresponde a 75% do rendimento da atividade. Vale a pena mandar-lhes uma mensagem a perguntar qual seria o enquadramento para evitar surpresas.

Há alguma forma de ter a certeza que o rendimento tributável é de facto 15%?! É que a margem que tenho no negócio nunca será suficiente para considerar um "lucro" ou rendimento tributável de 75%, tipo através do CAE utilizado?

Obrigado desde já.

Abraço

Freddy

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Eu sei que provavelmente isto vai parecer cliché, mas não se esqueça de pedir a quem quer que seja que irá desenvolver o seu site, para implementar segurança qb.

Porque uma reputação demora a fazer-se mas pode perder-se num ápice.

As maiores das sortes para a sua loja. O futuro passará pelo online  :)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Bom dia,

Gostaria de colocar algumas questões, se me puderem ajudar.. óptimo.

Estou desempregada e comecei agora a receber o subsidio de desemprego. Tenho ideias de começar um negócio, mas ainda está em fase embrionária. De qualquer forma e como gostava de ver a aceitação das pessoas aos produtos que pretendo desenvolver estou a criar uma página para venda de produtos online. Não me quero coletar pois perco direito ao subsidio de desemprego, poderei vender online? Como devo proceder?

Obrigada

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Estou desempregada e comecei agora a receber o subsidio de desemprego. Tenho ideias de começar um negócio, mas ainda está em fase embrionária. De qualquer forma e como gostava de ver a aceitação das pessoas aos produtos que pretendo desenvolver estou a criar uma página para venda de produtos online. Não me quero coletar pois perco direito ao subsidio de desemprego, poderei vender online? Como devo proceder?
Como vais passar fatura dos produtos vendidos se não estiveres coletada?

Há a hipótese de pedir o subsídio de desemprego todo de uma vez apresentando no centro de emprego um projeto para avançar com o próprio emprego, que requeira esse dinheiro. Mas se não tens a certeza da viabilidade do negócio é capaz de nem ser possível ir por essa via...

Já agora, o facto de abrires atividade não implica necessariamente que percas todo o subsídio de desemprego: http://www4.seg-social.pt/subsidio-parcial-de-desemprego

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Como vais passar fatura dos produtos vendidos se não estiveres coletada?

Há a hipótese de pedir o subsídio de desemprego todo de uma vez apresentando no centro de emprego um projeto para avançar com o próprio emprego, que requeira esse dinheiro. Mas se não tens a certeza da viabilidade do negócio é capaz de nem ser possível ir por essa via...

Já agora, o facto de abrires atividade não implica necessariamente que percas todo o subsídio de desemprego: http://www4.seg-social.pt/subsidio-parcial-de-desemprego

Peço desculpa pela ignorância, mas não existe nenhum "período experimental"? Isto é suspender por pouco tempo o subsidio e depois voltar a ativa-lo? É que por outro lado o dinheiro que recebo faz-me falta para investir e os projetos em que se recebe o total são muito morosos, pelo que tenho conhecimento...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Existe. O subsídio é suspenso automaticamente se iniciares atividade por conta própria. Fica suspenso até 3 anos - se interromperes a atividade, podes cancelar a suspensão: http://www4.seg-social.pt/subsidio-de-desemprego

Se entretanto não a quiseres suspender, mas estiveres a ter baixos rendimentos, podes tentar ir pela via do tal pedido de subsídio parcial de desemprego...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Informadíssima. Obrigada  :D

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Olá, eu tenho algumas dúvidas e penso que este é o local certo para as colocar.

Eu em Dezembro comecei a comprar artigos de iluminação automóvel através do Ebay, e a revender em Portugal.

Apesar de as vendas até agora não chegarem a 200 euros ( não tenho dedicado muito tempo ao negocio), estava a pensar em dedicar-me ao negocio a 100%, pois acabei os estudos e não tenho emprego.

As dúvidas são:

Não tendo factura da mercadoria, posso vender a mesma de forma legal?

Para ter uma loja virtual, tenho de criar uma empresa?

Qual  carga fiscal a que estou sujeito?

Obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
  • José Oliveira, também me encontro na mesma situação. Aconselho o sistema Wix, onde estou a criar a minha loja online dentro do meu site. Por este sistema tem acesso a: passar facturas; newsletters; introduzir produtos por categoria; estabelecer a % de imposto e o custo do envio por cada produto; SEO; e muitas outras funcionalidades. As suas dúvidas são também as minhas dúvidas. E já agora: nas Finanças cada um tem a sua própria versão da Lei, cada funcionário tem a sua própria opinião - e ela varia ao longo do dia eheheh. Talvez seja melhor consultar um contabilista a sério. Hoje em dia com o site renovado, ir às Finanças é perder o seu tempo e a sua paciência ! Nada de útil sai dali, nem uma versão única dos factos - triste mas real.
0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead