Ana Santos

Para reflectir...

2 publicações neste tópico

Caros,

Um amigo meu enviou-me esta carta para o meu e-mail esta manhã. Não resisti a publicá-la aqui...

Dá mesmo para pensar 3, 4, 5 .... vezes.... >:(

Independentemente se a carta foi ou não dirigida ao banco em questão, esta analogia dá muito que pensar.

"(Esta carta foi direccionada ao banco BES, porém devido à criatividade com que foi redigida, 

deveria ser direccionada a todas as instituições financeiras.) 

Exmos. Senhores Administradores do BES 

Gostaria de saber se os senhores aceitariam pagar uma taxa, uma pequena taxa mensal, pela existência da padaria na esquina da v/. Rua, ou pela existência do posto de gasolina ou da farmácia ou da tabacaria, ou de qualquer outro desses serviços indispensáveis ao nosso dia-a-dia. 

Funcionaria desta forma: todos os senhores e todos os usuários pagariam uma pequena taxa para a manutenção dos serviços (padaria, farmácia, mecânico, tabacaria, frutaria, etc.). Uma taxa que não garantiria nenhum direito extraordinário ao utilizador. Serviria apenas para enriquecer os proprietários sob a alegação de que serviria para manter um serviço de alta qualidade ou para amortizar investimentos. Por qualquer outro produto adquirido (um pão, um remédio, uns litro de combustível, etc.) o usuário pagaria os preços de mercado ou, dependendo do produto, até ligeiramente acima do preço de mercado. 

Que tal? 

Pois, ontem saí do BES com a certeza que os senhores concordariam com tais taxas. Por uma questão de equidade e honestidade. A minha certeza deriva de um raciocínio simples. 

Vamos imaginar a seguinte situação: eu vou à padaria para comprar um pão. O padeiro atende-me muito gentilmente, vende o pão e cobra o serviço de embrulhar ou ensacar o pão, assim como todo e qualquer outro serviço. Além disso impõe-se taxas de. Uma "taxa de acesso ao pão", outra "taxa por guardar pão quente" e ainda uma "taxa de abertura da padaria". Tudo com muita cordialidade e muito profissionalismo, claro. 

Fazendo uma comparação que talvez os padeiros não concordem, foi o que ocorreu comigo no meu Banco. 

Financiei um carro, ou seja, comprei um produto do negócio bancário. Os senhores cobram-me preços de mercado, assim como o padeiro cobra-me o preço de mercado pelo pão. 

Entretanto, de forma diferente do padeiro, os senhores não se satisfazem cobrando-me apenas pelo produto que adquiri. 

Para ter acesso ao produto do v/. negócio, os senhores cobram-me uma "taxa de abertura de crédito"-equivalente àquela hipotética "taxa de acesso ao pão", que os senhores certamente achariam um absurdo e se negariam a pagar 

Não satisfeitos, para ter acesso ao pão, digo, ao financiamento, fui obrigado a abrir uma conta corrente no v/. Banco. Para que isso fosse possível, os senhores cobram-me uma  "taxa de abertura de conta". 

Como só é possível fazer negócios  com os senhores depois de abrir uma conta, essa "taxa de abertura de conta" se assemelharia a uma "taxa de abertura de padaria", pois só é possível fazer negócios com o padeiro, depois de abrir a padaria. 

Antigamente os empréstimos bancários eram popularmente conhecidos como "Papagaios". Para gerir o "papagaio", alguns gerentes sem escrúpulos cobravam "por fora", o que era devido. Fiquei com a impressão que o Banco resolveu antecipar-se aos gerentes sem escrúpulos. Agora, ao contrário de "por fora" temos muitos "por dentro". 

Pedi um extracto da minha conta - um único extracto no mês - os senhores cobram-me uma taxa de 1 EUR. Olhando o extracto, descobri uma outra taxa de 5 EUR "para manutenção da conta" - semelhante àquela "taxa de existência da padaria na esquina da rua". 

A surpresa não acabou. Descobri outra taxa de 25 EUR a cada trimestre - uma taxa para manter um limite especial que não me dá nenhum direito. Se eu utilizar o limite especial vou pagar os juros mais altos do mundo. Semelhante àquela "taxa por guardar o pão quente". 

Mas os senhores são insaciáveis. 

A prestável funcionária que me atendeu, entregou-me um desdobrável onde  sou informado que me cobrarão taxas por todo e qualquer movimento que eu fizer. 

Cordialmente, retribuindo tanta gentileza, gostaria de alertar que os senhores se devem ter esquecido de cobrar o ar que respirei enquanto estive nas instalações de v/. Banco. 

Por favor, esclareçam-me uma dúvida: até agora não sei se comprei um financiamento ou se vendi a alma? 

Depois de eu pagar as taxas correspondentes talvez os senhores me respondam informando, muito cordial e profissionalmente, que um serviço bancário é muito diferente de uma padaria. Que a v/. responsabilidade é muito grande, que existem inúmeras exigências legais, que os riscos do negócio são muito elevados, etc., etc., etc. e que apesar de lamentarem muito e de nada poderem fazer, tudo o que estão a cobrar está devidamente coberto pela lei, regulamentado e autorizado pelo Banco de Portugal. Sei disso, como sei também que existem seguros e garantias legais que protegem o v/. negócio de todo e qualquer risco. Presumo que os riscos de uma padaria, que não conta com o poder de influência dos senhores, talvez sejam muito mais elevados. 

Sei que são legais, mas também sei que são imorais. Por mais que  estejam protegidos pelas leis, tais taxas são uma imoralidade. O cartel algum dia vai acabar e cá estaremos depois para cobrar da mesma forma. 

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Eu passava a fazer pão em casa. Ou, pelo menos, mudava para outra padaria :)

Agora, a sério. A separação de custos não é uma coisa errada. Quer dizer, a maior parte dessas operações tem efectivamente custos:

* há alguém que analisa a nossa situação de crédito quando fazemos o pedido - comissão de dossier

* alguém processa a abertura de uma nova conta (tipicamente ao balcão). É preciso pagar o salário a esse alguém porque não obter o dinheiro desse salário a partir da cobrança de comissões de cada vez que alguém precisa dessa pessoa?

* O envio de um extracto mensal tem custos - há a impressão, envelopagem, envio de correspondência... não conheço nenhum banco que cobre pelos extractos online ou enviados por email - o computador faz isso automaticamente. Mas muitos cobram pelo envio do mesmo documento em papel porque sai efectivamente mais caro ao banco.

* as transferências bancárias têm custos para os bancos. É certo que há bancos que as dão de graça, mas depois têm que ir retirar esse dinheiro a outro lado (aumentando as taxas do crédito, diminuindo os juros dos depósitos ou cobrando despesas de manutenção de conta, por exemplo)

* etc, etc, etc

Portanto, não me repugna nada pagar por todos estes serviços - desde que depois, esses custos sejam compensados por preços mais competitivos nos outros serviços que o banco presta.

Infelizmente, da última vez que olhei para o preçário do BES, não me pareceu ser o caso. Não só os depósitos a prazo deles não são nada de especial, as taxas cobradas nos empréstimos também não e muito menos o aconselhamento financeiro é barato ou mesmo gratuito como já se vê por aí em vários bancos. E com tanta taxa brutal e absurda em cima...

É quase caso para dizer: se ganhaste a lotaria ou tens pai rico, podes ir para o BES :D

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor