elbmurcs

PPR

7 publicações neste tópico

Boas.

Necessito de aconselhamento sobre PPR's. Primeiro que tudo, compensará para pessoas com 55 e 58 anos? Como não há reforma ainda prevista, a ideia é levantar o dinheiro dentro de 5 anos.

Devido à idade das pessoas, tem de que ser com capital garantido, e no caso da opcção mensal, em que se possa interromper o plano quando não for conveniente. Na caixa apresentaram um que permitia isso, da fidelidade, 4,25% + participação de lucros anuais. 100€ mês para obter o máximo de benefício fiscal, que acham?

Não existem empresas como a Decisões & Soluções que fazem prospecção de mercado, à procura da melhor opcção, como no caso dos créditos?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não conheço os detalhes desse produto em particular, vou fazer considerações obre PPRs em geral:

Este tipo de produtos normalmente tem comissões de subscrição. Uma comissão de 1% que seja significa que por cada 100€ que se entrega, só 99€ são aplicados no produto. Assumindo a tal taxa de 4,25%, isso significa que o que se ganha de "juros" aofim de um ano corresponde a 99*0,0425=3,2€. Ou seja, uma rendibilidade efectiva de 3,2%. Cobvém informar-se sobre a existência ou não de uma comissão e do seu valor.

Muitas vezes essas taxas "garantidas" só o são durante um certo tempo, sendo a taxa recalculada ao fim desse período. Ou seja, poderiam ser 4,5% garantidos este ano, e no início do próximo decidirem que seriam apenas 3% garantidos, por exemplo... convém prestar atenção a esse pormenor, em alguns casos.

O fundo garante uma taxa de 4,25% + participação de lucros. Qual tem sido a evolução do produto subjacente ao PPR ao qual se referem esses lucros? Nos últimos tempos tem sido francamente positivo ou anda perto de 0% (ou mesmo negativo)?

A principal vantagem dos PPRs são os benefícios fiscais. Os valores aplicados na subscrição ou reforço de Planos-Poupança Reforma são dedutíveis à colecta do IRS, em 20% do valor investido na subscrição ou em entregas adicionais nestes planos, no máximo de 300 EUR por sujeito passivo com idade superior a 50 anos. Ou seja, os dois juntos podem deduzir à colecta até 600€ desde que invistam pelo menos 3000€ no PPR durante o ano (o que dá 250€ e não 100€!) A 100€ por mês, a dedução à colecta será de 240€.

Vamos a contas:

Partindo do princípio que a rendibilidade do PPR, já descontada das eventuais comissões e acrescentada dos tais lucros, é de 4,25% ao ano, temos que ao fim de 5 anos, após um investimento de 6000€, o PPR terá o valor de 6672,05€ (não me peçam fórmulas, fiz isto no Excel). Se optar pela entrega total, são retidos 8% do rendimento na fonte para IRS; se optar pela variante de renda mensal são considerados rendimentos da categoria H (e, eventualmente, cobrado IRS a uma taxa superior). Assumindo os 8% por uma entrega total, chegamos ao valor de 672,05€ * 92% = 618,29€; Ou seja, 6618,29€ líquidos.

Se a isto somarmos os 1200€ de benefícios fiscais (5*240), quer dizer que esses 100€ por mês, ao fim de 5 anos se transformam em 7618,29€.

Em termos de comparação, 6000€ investidos hoje num depósito a prazo a 4% líquidos (que é mais ou menos o que se encontra de melhor hoje),  transformar-se-iam em cerca de 7300€.

Ou seja, parece-me haver à partida vantagens em optar pelo PPR neste caso. Para prazos maiores, no entanto, as contas poderiam ser bem diferentes...

Claro que, mesmo assim, esta comparação não é justa - para começar para obter estes 7300€ a prazo implicava ter 6000€ para investir hoje; com o PPR só investe 100€ por mês, muito mais fácil de conseguir. Para além disso, não considerei uma eventual capitalização do retorno em benefícios fiscais, pondo-os a render juros (que também, diga-se, pode não ser possível, se mesmo assim ainda tiver que pagar IRS). Ou seja, o PPR parece ainda melhor ;)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Muito obrigado pelo esclarecimento, melhor do que em qualquer banco que já visitei!  ;)

Mas pedro, no caso de ter algum capital para aplicar a longo prazo, em vez de aplicar tudo num um depósito, talvez seja melhor aplicar parte dele no ppr em vez de começar do zero e depois continuar com as entregas mensais.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Muito obrigado pelo esclarecimento, melhor do que em qualquer banco que já visitei!  ;)

Obrigado. Mas como em qualquer outro caso, convém sempre confirmar os esclarecimentos junto do banco. Não só me posso ter enganado nas contas, como às vezes faltarem alguns dados...

Mas pedro, no caso de ter algum capital para aplicar a longo prazo, em vez de aplicar tudo num um depósito, talvez seja melhor aplicar parte dele no ppr em vez de começar do zero e depois continuar com as entregas mensais.

Como o Pedro parece que não está por cá responde eu na mesma:

Continuando a supor os tais 4,25% de rendibilidade, só compensa aplicar o tal capital extra no PPR até ao limite máximo do benefício fiscal. A partir daí compensa mais aplicá-lo num depósito a prazo com uma taxa superior que já se vão encontrando por aí.

Se a sua aposta for de que a tal componente de lucros faça subir substancialmente o valor da rendibilidade do PPR, ultrapassando a generalidade dos depósitos a prazo, então naturalmente ele fica melhor investido no PPR.

Já agora, convém confirmar se esses 4,25% são garantidos para todo o tempo de vida do produto ou só para este ano. Parece-me uma taxa um bocado alta para ser uma garantia vitalícia...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Começo a ver que os PPR são produtos muito manhosos, em que os bancos escodem muito o jogo. E que assim que acabe o benefício fiscal deixam de compensar.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Começo a ver que os PPR são produtos muito manhosos, em que os bancos escodem muito o jogo. E que assim que acabe o benefício fiscal deixam de compensar.

Não se trata de esconder o jogo.Trata-se de chamar a atenção para detalhes que as pessoas muitas vezes descuidam. E, em abono da verdade, se no banco fizessem uma análise profunda dos produtos, a maior parte das pessoas simplesmente desligava a meio... o que não quer dizer que não a devam fazer se o cliente pedir.

No caso dos PPR, realmente, a maior vantagem é mesmo o benefício fiscal. Quando eles foram suspensos há uns anos atrás, a subscrição diminuiu bastante...

Pessoalmente, até acho este tipo de produto mais simples do que muitos "produtos estruturados" que os bancos apresentam hoje em dia. E, às vezes, até os depósitos a prazo podem ser bem complexos de analisar... Vejam-se estes casos, por exemplo: http://www.pedropais.com/forum/index.php?topic=174.msg1275#msg1275

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor