bairro

A minha História...

10 publicações neste tópico

Boa tarde,

Aqui fica a minha história que ainda decorre...

Tudo começou com a minha intenção de comprar uma moradia (à 1 ano atrás), em conjunto com a minha namorada.

Vamos casar em 2010 e a intenção era avançar com calma e ir mobilando etc...

Bem resumindo o negócio correu muito mal...mesmo mal!! tipo pesadelo...(que continua)

Mas vou tentar dar uma ideia.

A moradia em questão faz parte de um grupo de 4 moradias as quais 2 estão já habitadas, digo já que são moradias fora do normal a nível de qualidade e bom gosto para o que tenho visto aqui na minha zona. Assim decidimos arriscar e optamos por "comprar" a ultima das 4, a que estava mais inacabada para podermos fazê-la ao nosso gosto e durante 2 meses assim foi...

1º erro - Avancei com uma entrada (estupidamente grande) 60mil€.

2º erro - Deixei o registo provisório expirar.

3º erro - Não salvaguardei por completo o contrato compra e venda (pois o construtor em questão, até a altura nunca tinha falhado nem deixado de cumprir com a palavra)

4º erro - Deixei o processo arrastar-se, na esperança que ele (construtor) conseguisse resolver as questões monetárias em que se deparou.

Ponto da situação:

A esta data a casa falta unicamente por o chão (interior), acabamentos da cozinha, finalização de luzes, e finalização de casas de banho...tudo o resto está feito.

Mas agora o grave problema, eu tentei por todos os meios convencer o construtor a deixar-me assumir a hipoteca do banco (e assim ficar logo com a casa em meu nome) mas ele nunca quis (e ai agiu de má fé), no final eu próprio iria acabar a casa.

Como era de prever com o arrastar do tempo os credores do construtor entraram com penhoras, que neste momento estão a afectar a minha casa e apesar de eu agora já ter um acordo com o banco detentor da hipoteca o banco simplesmente não vai libertar a hipoteca para meu nome com penhoras sobre o imóvel.

Assim estou completamente, literalmente entalado. E fiquei sem 60mil €...

Soluções:

1-Tribunal (muito dispendioso e sem garantias de retorno, sem falar no tempo de espera )

2-Dar porrada no construtor (óptima ideia mas assim ira deparar-me provavelmente com o 1º ponto)

3- Aguardar mais ( >:( ainda mais!!! )

Sinceramente este ano que passou (tudo começou em Fevereiro de 2008), ganhei cabelos brancos e vi a minha vida a andar para trás, e agora vou começar a minha vida a dois de joelhos em vez de em pé.

Já falei com Advogados, Solicitadores, consultores...todos apontam os erros mas soluções reais não as tem.

Neste momento o construtor diz que se encontra na fazer de negociação com os credores para tentar levantar essas penhoras e assim resolver a minha questão (isto é o que ele diz...), a empresa encontra-se também em reestruturação e até hoje ainda não foi dada como insolvente pelo que ao acontecer é o final da minha dor de cabeça mas ao mesmo tempo a minha sentença final de que nunca vou recuperar os 60mil€ .

Ps: Eu sei que isto tudo se deve em parte a mim, e assumo toda a responsabilidade mas às vezes ficamos tão ingénuos que não pensamos nas coisas e não nos salvaguardamos. E sim dei 60mil€, porque simplesmente podia. Sei que muitos não o podem fazer e por isso mesmo nunca dão grandes entradas, eu dei porque podia e porque nunca tinha feito um negócio desta dimensão e claro foi tudo feito sem aconselhamento.

Ps2: se este post está no sitio errado, peço ao Admin que o desloque para o sitio correcto.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Eventualmente o que vou dizer é um disparate completo mas se o construtor abrir falência, tu não és um credor de 120.000€ (sinal devolvido em dobro por o negócio não ter andado para a frente) que concorre pelo direito ao dinheiro juntamente com os demais credores dele? E, dado que essa casa ainda é dele, provavelmente será leiloada para pagar a dívida e nessa altura podes comprá-la, quem sabe até mais barata (claro que isto implica esperar mais :-/)

Já que te tens aconselhado com especialistas, não há nada que devas fazer (ou tenhas já feito) para assegurar que não perdes os 60.000€ por completo? Além disso, certamente que a opção tribunal não chega a 60.000€, se for a única hipótese de não perder esse dinheiro todo, não achas que vale a pena?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boas...

Neste momento para além de existir a hipoteca do imóvel no banco no valor de 148mil€ existe mais 4 penhoras que afectam o imóvel.

Ao avançar para o tribunal (com uma penhora ) eu ficaria em 6 lugar.

Mas o que o advogado me disse foi que caso a empresa entra-se em insolvência todas as penhoras e afins que afectassem a empresa (pois poderão existir mais que eu não saiba, eu tenho acesso ao registo predial do imóvel ) iriam para "o mesmo saco" e ai eu certamente teria ainda menos hipóteses de receber o quer que seja.

Para além disso o advogado disse que não me garantia o quer que fosse, e que para avançar seria +- 3500€ !!

Existe ainda hipótese de negociar directamente com o credores e assumir parte das dividas para que me libertem o imóvel...mas os valores são demasiado altos para que seja comportável.

1º credor  +-70mil

2º credor  +-78mil

3º credor +- 6mil

4º credor +- 48mil

Ora mesmo assumindo alguma parte de todas estas dividas e ainda teria de assumir a hipoteca do banco no valor de 148mil e ainda tinha de acabar a casa!! mais valia comprar uma nova e esquecer os 60mil

Eu neste momento digo às pessoas em tom de brincadeira que estampei um BMW sem seguro!! e cada vez menos acredito que alguma vez esta situação se resolva a meu favor.

Tanto que neste momento ando a ver apartamentos (odeio apartamentos) com um valor baixo...para que pelo menos qnd me casar tenha para onde ir morar.

Não desejo a ninguém esta situação, nem aos meus inimigos (caso os tenha).

E decidi colocar aqui esta minha história para que outras pessoas que como eu vivem na ignorância de que o azar é só com os outros, possam aprender algo.

Não dêem entradas, e principalmente desconfiem de tudo e todos (é o meu lema)!

Ps: De referir que a empresa em questão tem uma história de construção de 20 anos e que até 2008 nunca tinha tido qualquer problema e todas as pessoas que fizeram negócios com eles só tem bem a dizer!! Mas foi uma espécie de Madoff era um esquema de pirâmide onde um dinheiro tapava o outro até que chego o ano de 2008!! (todos sabemos o que aconteceu em 2008)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Bem depois de ler todo este drama, resta-me apenas desejar-lhe a melhor das sortes para que a situação se inverta ainda!...

Hoje em dia, todos os construtores ou empresários ligados à construção civil são as pessoas mais prestáveis que se possam imaginar, até receber o dinheiro.

Quando recebem a atitude muda.

Creio que não vou dizer nada de novo, mas quando entregou os 60 mil euros não ficou estipulado no contrato de promessa de compra e venda, as importâncias a pagar bem como datas de entrega até à conclusão da obra?

Quando os construtores deixam passar os prazos há sempre certos credores que começam a exigir os pagamentos dos adiantamentos em materiais para a obra...

Bem, espero que consiga resolver a sua situação sem necessidade de recorrer a tribunais e que consiga reaver pelo menos a importância que entregou!

Cumps

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Mais uma vez eu posso estar a dizer um grande disparate, mas se tu avançares com uma penhora, não ficas em igualdade de circunstâncias com os outros credores? Por exemplo, se as dívidas fossem apenas essas mais os teus 60.000€, e os bens do construtor vendidos por 100.000€ ainda te cabiam mais de 14.000€ a ti, acho eu.

Claro que, como te disse o advogado, ele pode ter outros credores mas também terá outros bens, com certeza... E, acho que depois de ter perdido 60.000€ ainda era capaz de perder mais 4000€ só para ter a esperança de reaver algum do dinheiro, pelo menos... porque muito pior não ficaria.

Mas claro, a decisão final é tua e esse 3.500€ darão jeito na compra do apartamento...

Qualquer que seja o desfecho, boa sorte...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não esquecer que o bem em questão está hipotecado ao banco por 148mil€ (como poderão estar outros todos)

Ora se as penhoras forem para a frente o que me disseram é que é por ordem de chegada excepção do caso do estado.

Assim seria qualquer coisa como, bem é vendido em leilão : 148mil€ será logo para o banco porque é detentor de uma garantia palpável (hipoteca)

Logo a seguir vem os credores que tem facturas e bens transaccionados com a empresa que servem de prova de garantia.

No fim de isto tudo vinha eu!! que tenho um contrato de compra e venda que segundo o advogado nestes casos vale sempre menos que o resto.

Visto que o advogado não me dá garantias (já fui a dois) de que eu consiga ir para a frente com a penhora e tenha direito ao quer que seja pelo

menos por agora decidi não avançar pois o pouco dinheiro que me resta quero utiliza-lo em coisa que me dêem frutos (nem que seja 2 capangas :)), não esquecer que o prazo normal de uma decisão destas é cerca de 2 a 3 anos.

Por fim ainda me resta uma hipótese remota que é accionar o seguro da imobiliária (decisão da seguradora nunca é rápida também).

Mesmo o advogado da imobiliária não quer avançar para penhoras.

Tenho ainda uma ultima hipótese de agir contra o construtor pessoa, alegando burla ou coisa parecida pois ele fez um negócio sabendo que não conseguia cumprir com o mesmo para além de ter agido de má fé e ocultar os factos da empresa. (penso que esta ainda seja a melhor opção visto que o construtor tem muitos bens, como é óbvio)

De qualquer maneira obrigado, e como tinha dito anteriormente eu quis por aqui a minha situação para que outros possam aprender algo com ela.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde,

ocorreu-me a seguinte hipotese. O construtor ou a imobiliária não têm um seguro referente aos imóveis que estão a construir/vender?

Creio que seria mais simples e barato, dirigir-se à DECO e pedir-lhes ajuda no sentido de saber se pode receber o seu sinal de volta, accionando o seguro que em princípio é obrigatório quando estamos perante empresas conceituadas como me pareceu ser o caso.

Os juristas da DECO ajudam-no a fazer o pedido, invocando e descriminando os artigos necessários e sempre fica muito mais barato que os 3500€ que lhe pedem sem garantias nenhumas...

Por exemplo, uma imobiliária tem de estar registada em sede própria. Para que esta possa funcionar legalmente tem de possuir um seguro que cubra eventuais danos de quebras de contrato de promessa de compra e venda.

Se alguêm estiver por dentro do funcionamento das imobiliárias poderá esclarecer melhor, mas esta informação foi-me dita em conversa sobre imobiliárias!...

Eu próprio ando a tentar perceber até que ponto posso fazer um bom negócio se contratar uma imobiliária... http://www.pedropais.com/forum/index.php/topic,1706.msg16493.html#msg16493

Não custa experimentar mais esta hipotese!

Boa sorte!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Eu fiz o negócio através de uma imobiliária, mas os contratos foram sempre feitos entre mim e o construtor/empresa.

Já falei com o Sr. da Imobiliária e ele está disposto a accionar o seguro da imobiliária, alias tem sido um dos únicos que tem ajuda mais nesta questão toda e fez questão que eu consulta-se com o advogado da imobiliária.

Neste momento existe 2 consultores que estão a tentar recuperar a empresa e que entraram em contacto comigo para que eu aguarda-se mais um pouco pois eles andam a tentar desbloquear a situação, pelo que parece andam a tratar de consolidações de créditos e planos de pagamentos para com os credores.

Por isso neste momento ando a aguardar...(sem poder fazer muito mais) por possíveis desenvolvimentos. Mas como disse entretanto já ando a tratar de uma possível comprar de um apartamento.

O sr. que fundou a empresa de construção e é dono dela + filhos, é um senhor já de 70 anos ao não tenho nada tenho a atribuir culpas do estado a que empresa chegou pois foram os filhos que deram cabo dela.

Já falei com o sr. e ele disse "nunca deixei ninguém ficar mal, e estou disposto a fazer maus negócios para que se possa resolver a sua questão", são palavras bonitas de se ouvir mas daí aos actos vai muito...

Entretanto tenho de ir averiguar essa possibilidade de existir seguro por parte da construtora ao que duvido que ainda exista pois ao entrar em apuros deverá ter cessado também esses pagamentos.

A DECO é um problema em si mesmo, pois só prestam auxilio a associados, pois já tentei um contacto prévio com eles e disseram que só aconselham associados...e ainda me tentaram vender uma assinatura da sua revista.  :-\

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Eu fiz o negócio através de uma imobiliária, mas os contratos foram sempre feitos entre mim e o construtor/empresa.

Entretanto tenho de ir averiguar essa possibilidade de existir seguro por parte da construtora ao que duvido que ainda exista pois ao entrar em apuros deverá ter cessado também esses pagamentos.

A DECO é um problema em si mesmo, pois só prestam auxilio a associados, pois já tentei um contacto prévio com eles e disseram que só aconselham associados...e ainda me tentaram vender uma assinatura da sua revista.  :-\

Bem sei que a DECO não resolve todos os problemas e até há pessoas que não têm a DECO em boa conta.

Pela parte que me toca, não tenho reclamações a fazer. Sempre foram prestáveis e esclareceram-me as dúvidas que apresentei.

Em relação a si, gostaria de lhe perguntar o seguinte. Entre pagar 3500€ a um advogado que lhe diz de antemão que não garante resultados positivos para o seu lado e pagar 3,49€ por mês e ter o aconselhamento gratuito de juristas da ordem dos advogados, qual é que prefere?

Também não posso garantir que estes lhe resolvam o problema, mas ao tornar-se associado da DECO tem as duas primeiras mensalidades gratuitas, recebe brindes e caso queira desistir passados os dois meses, basta um telefonema ou uma carta registada, pois não há obrigatoriedade de se tornar sócio por um determinado período de tempo como nos serviços da NET ou nos TELEFONES, só para citar dois exemplos.

Tomei a liberdade de ler alguns tópicos relacionados com o IMI e verifiquei que o "bairro" em Julho de 2008 ia escriturar uma casa por 289 mil euros. Estamos ainda a falar da mesma casa?

Cumps

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Irei tentar então na DECO.

Tentar expor a minha situação e verificar o que dizem...

É a mesma casa...  :(

Em julho do ano passado tudo corria ainda bem, muita gente a trabalhar lá e a avançar a bom ritmo, entretanto entrou as Férias e o construtor parou por completo...e até hoje pouco avançou.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead