RaquelSantos

Crédito habitação - valor residual

12 publicações neste tópico

Boa tarde,

comprei casa há cerca de um ano, agora após o divórcio e eu ter assumido a dívida da casa, estou a pensar na hipótese do valor residual.

Já fiz varias simulações e verifiquei que o crédito fica bem mais caro, a minha questão é, e se forem feitas amortizações ao longo do prazo do crédito, sobre o valor residual? Consigo reduzir significativamente os juros?

A taxa por cada amortização sobre o valor residual também é 0,5%? Posso amortizar o valor até 100% do valor residual ao longo do prazo do crédito?

Ou será melhor opção fazer uma carência de 5 anos? Pelo que li a carência só teria interesse se no final dos 5 anos, fizesse uma amortização significativamente, o que poderá não ser possível, uma vez que 5 anos passam rapidamente...

Agradeço desde já se alguém puder ajudar.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Olá Raquel,

A minha dúvida prende-se mais com o facto de poderes ou não amortizar no valor residual, já falaste com o banco para ver se isso é possível ?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Ainda não, o responsável por este processo tem estado doente.

Também não sei se é possível amortizar no valor residual, aliás as dúvidas são muitas.

Se puderem ajudar, agradeço.

Cumprimentos

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O meu CH também tem (tinha) valor residual: 10% do valor do empréstimo a ser liquidado até ao final dos 30 anos; assim que comecei a amortizar este foi diminuindo e hoje já está "despachado" (felizmente)........

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Obrigada, uma dúvida já está esclarecida!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O meu CH também tem (tinha) valor residual: 10% do valor do empréstimo a ser liquidado até ao final dos 30 anos; assim que comecei a amortizar este foi diminuindo e hoje já está "despachado" (felizmente)........

Mas é algo que aconteceu naturalmente quando fazias amortizaçãoes ou tinhas que fazer um pedido para que tal acontecesse?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Quando fiz a 1ª amortização fui ao Banco entregar a carta em mão e eles disseram-me que automaticamente iria incidir sobre o valor residual; as seguintes, por via das dúvidas, eu referia sempre nas cartas que era para abater no valor residual, não fosse o diabo tecê-las...

Já agora, só mais uma nota: às amortizações sobre o valor residual não foi cobrado nunca a taxa de 0,5%

... não sei se todos os bancos funcionam da mesma forma.....

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Quando fiz a 1ª amortização fui ao Banco entregar a carta em mão e eles disseram-me que automaticamente iria incidir sobre o valor residual; as seguintes, por via das dúvidas, eu referia sempre nas cartas que era para abater no valor residual, não fosse o diabo tecê-las...

Já agora, só mais uma nota: às amortizações sobre o valor residual não foi cobrado nunca a taxa de 0,5%

... não sei se todos os bancos funcionam da mesma forma.....

Muito obrigada! Mas não cobravam nenhuma taxa sobre as amortizações?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Desde que fosse sobre o valor residual, não.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O cobrarem comissões ou não pode depender daquilo que têm escriturado.

Por exemplo, eu na minha escritura tenho um ponto em que diz que apenas pagarei comissões (3%) em amortizações superiores a 50% do capital em dívida.

Entretanto com as novas Leis, foi fixada a taxa máxima de 0.5% de comissões nos créditos à habitação, pelo que o meu banco não me pode cobrar os 3% que estão na escritura, no entanto, terá de cumprir a parte em que diz que não me cobra comissões em amortizações inferiores a 50% do capital em dívida.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Relativamente `a opçao entre periodo de carencia ou capital residual, elas tem um ponto em comum - estas a adiar a amortizaçao do capital em divida.

Ou seja, se deves mais, durante mais tempo, obviamente os juros calculados sobre esse montante vao ser maiores.

No caso do periodo de carencia, esse adiamento so dura algum tempo, depois o emprestimo volta a ser pago como normalmente - durante o periodo de carencia nao ha qualquer amortizaçao, pelo que os juros se mantem sempre no mesmo valor durante esse tempo. No caso do capital residual, tens sempre um valor em divida bastante superior ao caso normal, mas (vai diminuindo ligeiramente, mesmo nos primeiros tempos).

Parece-me que talvez estejas a tentar ultrapassar uma situaçao temporaria. Neste caso, talvez fosse preferivel optar pelo periodo de carencia pois a prestaçao sera mais baixa (so´ juros). Quando essa situaçao for ultrapassada, desactivas o periodo de carencia e voltas a pagamentos mais normais (com componente de amortizaçao) em que o capital em divida desça mais depressa que na opçao com capital residual. Mesmo neste cenario, nada te impede de fazer amortizaçoes extraordinarias, no futuro, quando tiveres essa hipotese.

Agora, se essa situaçao temporaria durar muito tempo (e 5 anos E´ muito tempo), entao estares 5 anos sem amortizar um centimo ao emprestimo, realmente nao compensa mesmo nada pois estaras a dever exactamente o mesmo nessa altura (e teras andado a pagar juros durante esse tempo todo para "nada").

P.S: Algum banco admite periodo de carencia por 5 anos?!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Relativamente `a opçao entre periodo de carencia ou capital residual, elas tem um ponto em comum - estas a adiar a amortizaçao do capital em divida.

Ou seja, se deves mais, durante mais tempo, obviamente os juros calculados sobre esse montante vao ser maiores.

No caso do periodo de carencia, esse adiamento so dura algum tempo, depois o emprestimo volta a ser pago como normalmente - durante o periodo de carencia nao ha qualquer amortizaçao, pelo que os juros se mantem sempre no mesmo valor durante esse tempo. No caso do capital residual, tens sempre um valor em divida bastante superior ao caso normal, mas (vai diminuindo ligeiramente, mesmo nos primeiros tempos).

Parece-me que talvez estejas a tentar ultrapassar uma situaçao temporaria. Neste caso, talvez fosse preferivel optar pelo periodo de carencia pois a prestaçao sera mais baixa (so´ juros). Quando essa situaçao for ultrapassada, desactivas o periodo de carencia e voltas a pagamentos mais normais (com componente de amortizaçao) em que o capital em divida desça mais depressa que na opçao com capital residual. Mesmo neste cenario, nada te impede de fazer amortizaçoes extraordinarias, no futuro, quando tiveres essa hipotese.

Agora, se essa situaçao temporaria durar muito tempo (e 5 anos E´ muito tempo), entao estares 5 anos sem amortizar um centimo ao emprestimo, realmente nao compensa mesmo nada pois estaras a dever exactamente o mesmo nessa altura (e teras andado a pagar juros durante esse tempo todo para "nada").

P.S: Algum banco admite periodo de carencia por 5 anos?!

Actualmente não sei, mas qd fiz o meu empréstimo na CGD o meu período de carência foi de 9 anos (o máximo eram 10).

Felizmente 2 anos depois consegui acabar com o período de carência e o próximo passo será reduzir o prazo do empréstimo.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor