Visitante AMF

irs IRS para desempregados/reformados


8 publicações neste tópico

Tenho grande dúvida: estou desempregado a receber subsídio de desemprego (será de longa duração devido a idade) e minha mulher recebe uma pensão minima (+/-450/mes) por invalidez permanente. Temos muitas despesas de saúde entre outras. Qual o tratamento do IRS nesta situação, e quais eventuais benefícios fiscais possíveis para incentivar facturas com nº de contribuinte entre outros benefícios considerando que o subsídio de desemprego não é considerado para efeitos de IRS, e a pensão é tão pequena que também podia ser excluida de declaração. Obg.

 

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Com esses valores desconfio que não houve retenções na fonte para efeitos de pensões, certo? Nesse caso não há como ir buscar dinheiro, porque não foi pago dinheiro nenhum.
A questão é que essas despesas entram todas como deduções à coleta, ou seja, ao imposto a pagar. Se não há rendimentos que dêem origem a imposto a pagar não há onde deduzir essas despesas. Logo o imposto apurado final é zero. Se não foram pagando dinheiro nenhum adiantado por conta de imposto e não há imposto a pagar, também não há nada a devolver...

Mas se tiverem um depósitos a prazo ou uns certificados de aforro, por exemplo, que vos tenham pago juros e sobre os quais vos foi retido imposto na fonte, podem recuperar esse dinheiro de volta - nesse caso devem preencher o anexo E com esses rendimentos, indicando também quanto foi retido na fonte e que optam pelo englobamento desses rendimentos e, à partida, o fisco devolverá todo esse dinheiro que foi retido. Provavelmente não será muito, mas parece-me o melhor que conseguem...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Obrigado. Nesta situação no próximo ano não deverá haver necessidade de declaração, presumo. Do outro lado, espero dentro de 2 anos estar à receber uma pensão de reforma, em que altura deverão deduzir IRS e poderei então deduzir despesas médicas etc.

 

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Bom dia. No seguimento  do acima e para esclarecer s.f.f. Valerá a pena pedir facturas com nº contribuinte no sentido de receber qualquer coisinha de volta? Para além das aplicações que renderam juros e para o qual foi retido imposto, aplica-se o mesmo raciocinio para ações ou outros investimentos que terão proveitos na venda dos mesmos, ou seja, havendo proveitos sobre o qual teria que pagar imposto mas nada foi retido na fonte (fundos e semelhantes em países europeus ou outros fora do contexto europeu)?

Obrigado

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
há 7 horas, Anthony Frankel disse:

Valerá a pena pedir facturas com nº contribuinte no sentido de receber qualquer coisinha de volta? Para além das aplicações que renderam juros e para o qual foi retido imposto, aplica-se o mesmo raciocinio para ações ou outros investimentos que terão proveitos na venda dos mesmos, ou seja, havendo proveitos sobre o qual teria que pagar imposto mas nada foi retido na fonte (fundos e semelhantes em países europeus ou outros fora do contexto europeu)?

Sim. O mais provável é que, no que diz respeito às despesas familiares, o limite de dedução seja atingido com as faturas da luz, gás, água, etc... essas até já saem com o número de contribuinte.

Mas depois, há outras deduções possíveis - educação, saúde, IVA pao em restaurantes, cabeleireiros, mecânicos (e, a partir deste ano, em veterinários). Pedir sempre aí a fatura com número de contribuinte dá direito a mais umas deduções.

E, para além das deduções no IRS, a cada fatura sempre aumentam as hipóteses de ganhares uns certificados de aforro no sorteio que o fisco faz todas as semanas...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Bom dia e muito obrigado. As suas publicações são óptimas e dão um grande apoio aos menos informados (grande maioria, presumo). O Fórum parece-me também uma excelente ferramenta.

Retomando a questão: Ou seja, os IVAs das facturas serão sempre deduções e nunca reembolsos se no casal um recebe subsídio de desemprego e o outro pensão das mais mínimas possíveis - ou seja, não vale a pena pedir facturas nesses casos dado não haver incentivos para o fazer.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde,

Fico com duvidas relativamente aos reformados,nomeadamente nas despesas familiares. Pois a simulação do irs dos meus sogros nao revelou quaisquer resultados das despesas familiares, tendo atingindo o maximo de 750 €. A simulação deu um retorno de 26€...entao e os prometidos 250€? Acho que estamos a ser enganados pelo fisco!!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
há 14 horas, Visitante Anthony Frankel disse:

Retomando a questão: Ou seja, os IVAs das facturas serão sempre deduções e nunca reembolsos se no casal um recebe subsídio de desemprego e o outro pensão das mais mínimas possíveis - ou seja, não vale a pena pedir facturas nesses casos dado não haver incentivos para o fazer.

Acho que apresentei pelo menos um na resposta anterior, não me vou repetir. Mas sim, se não há grandes rendimentos, não vai haver onde deduzir essas faturas.

há 7 horas, tc disse:

Fico com duvidas relativamente aos reformados,nomeadamente nas despesas familiares. Pois a simulação do irs dos meus sogros nao revelou quaisquer resultados das despesas familiares, tendo atingindo o maximo de 750 €. A simulação deu um retorno de 26€...entao e os prometidos 250€? Acho que estamos a ser enganados pelo fisco!!

Como já expliquei antes: os tais "prometidos" 250€ são deduções à coleta, ou seja ao imposto a pagar. Se não há qualquer imposto a pagar, não há onde deduzir esses 250€. Por outro lado, o fisco não pode devolver mais do que aquilo que o contribuinte foi pagando adiantado de imposto (retenção na fonte). Ou seja, se a coleta for de 0€ (sem imposto apurado) e tiver sido feita retenção na fonte de 26€, nunca o fisco poderá devolver mais do que os 26€...

Outra hipótese, por exemplo, é a de ter sido apurada uma coleta de 300€; se o contribuinte tiver essa dedução à coleta de 250€ (coleta líquida de 50€, portanto) e feito retenções na fonte no valor de 76€, quer dizer que o fisco teria de devolver os 26€ pagos a mais... Neste exemplo até está a dar os tais 250€, embora o reembolso seja bem mais curto...

Sinceramente acho que quem tem andado a enganar é alguma comunicação social que, na tentativa de evitar usar termos "complicados", acaba por dizer, às vezes, que o fisco vai devolver aquele dinheiro ou que os reembolsos vão ser maiores naqueles montantes. Esquecem-se que há muita gente que não vai aproveitar essas deduções porque simplesmente não tem rendimentos que lhes permitam deduzir seja o que for. Mas isso já não é de agora - por exemplo, sempre houve reformados com pensões de miséria, que andam a colecionar faturas de saúde porque acham que isso lhes vai permitir evitar pagar IRS quando, na verdade, é o facto de terem poucos rendimentos e não de terem muitas despesas de saúde, que faz com que não paguem imposto nenhum...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead