CFinanceiro

Saber a nossa capacidade de endividamento antes ou depois de procurar casa?

11 publicações neste tópico

A minha opinião e o que tento passar aos meus clientes é que 1º devem saber quanto se podem endividar para comprar um imóvel. Até porque fica tudo mais fácil, não entramos em aventuras que muitas vezes nos saiam caras no sentido material e no sentido psicológico. Quando se faz o contrário muitas vezes encontramos imóveis que nos fazem "sonhar" e depois acabamos por fazer tudo e mais alguma coisa para conseguir esse imóvel, hipotecando também muitas vezes a nossa vida. Outras vezes "sonhamos" mas não conseguimos e depois ficamos toda a vida a dizer "eu gostava era daquela"  ;)

Decidi abri este tópico porque hoje tive uma situação dessas com uma cliente e gostava de saber a vossa opinião.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Ola...

Na minha opinião devemos saber a nossa capacidade de endividamente antes de comprar casa e contando tambem com os aumentos das taxas...

De que vale termos "a nossa casa de sonho" se depois não desfrutamos da nossa vida, se dp não temos €€ pra sair de casa e podermos fazer as nossas actividades de lazer, como ir ao cinema, ir passar o fim-de-semana fora, ir com os filhos ao Zoo, ao parque de diversões, ir jantar fora de vez enqd, ir as compras sem olhar pro extracto bancario...etc...etc....

Um dia qd formos velhinhos e olharmos para tras vamos ter a certeza que aproveitamos bem a vida, divertimo-nos e tentamos ter uma vida feliz.. em vez de termos "bens materiais" e uma vida infeliz....

Cumprimentos

Bruna

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Qd comecei a procurar casa estabeleci como limite máximo a pagar mensalmente 400 euros a taxa fixa, embora o ideal fosse 350.

Fiz várias simulações para ver qd poderia pedir emprestado para esses valores.

Depois foi só somar o valor dado ao que tinha no pé de meia, fazer uma pequena subtracção a pensar nos IMI, IMTS, electrodomésticos, fundo de maneio.

Obtido o valor final, foi procurar sempre com esse limite e dizer que não a quem queria mostrar casas acima de forma acentuada.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O problema é que hoje em dia, com as crises que se sentem no mercado de trabalho, ninguém pode fazer uma verdadeira avaliação da capacidade de endividamento quando estamos a falar de empréstimos acima dos 20/30/40 anos...

Ninguém sabe o dia de amanhã, quanto mais daqui a 15 anos...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A mim nem me passa pela cabeça andar a sonhar com uma casa que não possa pagar!

Antonio Gedeão dizia que  " o sonho comanda a vida" mas ele de certeza que não se referia ao endividamento  :D

A minha opinião está de acordo com o que tenho manifestado nos vários comentários que tenho deixado neste fórum: é preciso saber que passada se pode dar e a decisão cabe a cada um, a qual tantas vezes é influenciada (mal) por bancos, consultores, imobiliárias, ambições desmedidas....., e tantas vezes tem contribuído para o "enforcamento" das famílias!

A questão não se põe só em relação à compra de casa, põe-se em relação a quase tudo que temos que comprar, embora esta seja A compra. Pelo menos eu faço isso. Gostaria muito de conhecer a Austrália, então vou-me por a pensar nos pormenores da viagem, meu sonho, se sei que não tenho hipóteses de ir? Se isto traz problemas psicológicos o que trará uma vida cheia de ansiedade, privações e tantas vezes de perda de tudo???

Prefiro, para responder à tua questão, 1º saber até onde poso ir (€) e depois fazer uma escolha condizente!

Aliás, também já o referi, se não tivesse comprado casa, não a compraria agora. Optaria pelo arrendamento, até ter uma situação económica confortável e então poderia decidir com menos riscos e o sonho concretizar-se-ia (risonho).

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Concordo com a opinião que tem sido referida - fazer contas primeiro e só procurar casa depois.

O problema é que hoje em dia, com as crises que se sentem no mercado de trabalho, ninguém pode fazer uma verdadeira avaliação da capacidade de endividamento quando estamos a falar de empréstimos acima dos 20/30/40 anos...

Ninguém sabe o dia de amanhã, quanto mais daqui a 15 anos...

Pois, mas a questão é que há muita gente que manifestamente nem no dia de hoje pensa, já nem se fala daqui a 20/30/40 anos. Quem se mete num empréstimo em que metade do vencimento ou mais vai para pagar a casa, deixando pouco ou nada para o resto das despesas, garantidamente nem fez contas para a sua situação hoje, quanto mais para o futuro...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Bom dia!

De facto concordo com tudo o que foi dito! Neste momento encontro-me a comprar casa, sendo que a minha primeira preocupação foi pensar logo a minha capacidade individual de endividamento, independentemente daquilo que o banco nos diz. De facto, penso que os próprios bancos agora alertam muito mais para isso do que anteriormente.

Decidi que, face ao meu ordenado actual, não queria pagar mais do que 500€ pela prestação (incluindo já as despesas dos seguros) sendo que ficaria ainda com uma boa base mensal para as restantes despesas.. até porque agora o meu carro ainda é novo, mas se calhar daqui a uns anos vou precisar trocar, ou comprar um maior e naturalmente que tive isso em conta.

Sei que hoje em dia temos a opção do arrendamento, a questão é que as rendas estão muito elevadas e pelo mesmo valor, tenho uma casa que no futuro será minha.

Sei que não podemos prever o futuro e tudo o que temos hoje, amanhã poderá ser diferente, mas também penso que devemos se cautelosos e não querer já um t3 ou um t4 se ainda estamos em início de vida.. cada passo a seu tempo!

Já agora dos bancos onde fui, na CGD foi onde encontrei uma maior preocupação em perceber a minha taxa de esforço e aconselhar nesse sentido.. pode ter sido coincidência, mas agradou-me!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Bom dia!

De facto concordo com tudo o que foi dito! Neste momento encontro-me a comprar casa, sendo que a minha primeira preocupação foi pensar logo a minha capacidade individual de endividamento, independentemente daquilo que o banco nos diz. De facto, penso que os próprios bancos agora alertam muito mais para isso do que anteriormente.

Decidi que, face ao meu ordenado actual, não queria pagar mais do que 500€ pela prestação (incluindo já as despesas dos seguros) sendo que ficaria ainda com uma boa base mensal para as restantes despesas.. até porque agora o meu carro ainda é novo, mas se calhar daqui a uns anos vou precisar trocar, ou comprar um maior e naturalmente que tive isso em conta.

Sei que hoje em dia temos a opção do arrendamento, a questão é que as rendas estão muito elevadas e pelo mesmo valor, tenho uma casa que no futuro será minha.

Sei que não podemos prever o futuro e tudo o que temos hoje, amanhã poderá ser diferente, mas também penso que devemos se cautelosos e não querer já um t3 ou um t4 se ainda estamos em início de vida.. cada passo a seu tempo!

Já agora dos bancos onde fui, na CGD foi onde encontrei uma maior preocupação em perceber a minha taxa de esforço e aconselhar nesse sentido.. pode ter sido coincidência, mas agradou-me!

Pois eles agora preocupam se com isso mas ñ é por causa do cliente mas sim do seu negocio como é obvio, tirando um ou outro banco eles só olham para o seu umbigo e eu critico-os muitas vezes por isso porque eles podiam fazer as 2 coisas e ganhávamos todos. Eu por exemplo já recusei vários clientes pelo facto de querem "arranjar uns papeis para aumentar o seu rendimento mensal" ou por querem juntar os créditos todos em situações que ñ lhes eram vantajosas pelo facto de terem de pagar grandes penalizações de amortização coisas assim, eu sei que vão a outros lados e lhes fazem isso mas mais cedo ou mais tarde acabam por me voltar a bater á porta, eles ou outras pessoas que eles recomendam porque se calhar depois pensaram ou sentiram na pele que as coisas devia ter sido feitas de outra forma.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

como o meu paizinho dizia não se deve dar paços maiores que o comprimento das nossas pernas, pq podes cair e a queda pode ser maior ou menor consoante o passo que queres dar.

como a maioria das opiniões o melhor mesmo é antes de comprar casa ver a até quanto pode ir o valor da prestação consoante o nosso orçamento.

se no imediato não se puder comprar uma casa a nosso gosto nada como arrendar uma casa e juntar mais algum. e depois de juntar o que se precisa então podemos comprar a casa dos nossos sonhos, mas sempre dentro das nossas possibilidades orçamentais

um abraço a todos

fikem bem

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Pois mas a maioria 1º procura a casa e depois é que vem cá para ver se "conseguem" pagar e depois ainda ficam muito ofendidos quando muitas vezes lhes dizemos que para aquele valor ñ vai dar, ás vezes dá vontade de dizer "somos consultores financeiros se quer milagres tem de ir á igreja mais proxima" >:(

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde!

Não sabia onde colocar a minha questão, por isso, coloco-a aqui, na esperança de obter alguma resposta.

(E de alguma forma penso que o assunto esteja relacionado com o que vem sendo discutido aqui).

Ando à procura de casa neste momento e tenho duas em vista, bastante diferentes, mas ao mesmo preço e não tenho conhecimentos suficientes para "avaliar" qual das compras será a melhor.

1.ª casa: um T3 em cidade em crescimento no litoral alentejano, por 75 mil euros, 2.ª andar em prédio com quase 30 anos. Tem algumas obras de melhoramento, como chão e WC, mas é em prédio aberto. tem 88 m2 de área útil. Está pronta a habitar.

2.ª casa: T2 térrea com 55 m2 de área, em lote de 400 m2. Em arredores de uma cidade a 10 minutos da outra. Construção antiga, sem obras, mas habitável. Também por 75 mil euros.

Percebendo muito pouco de avaliação de imóveis, não sei em qual das situações o banco mais facilmente me emprestará o dinheiro para a compra. Uma vez que me vou endividar (até 35% por cento do meu rendimento mensal, como aconselham os especialistas), gostava de saber em qual das situações o negócio poderá ser mais favorável para o meu lado.

Desde já o meu obrigado a quem me puder ajudar.

Lsobral.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead