nwbdan

Estratégias investimento para prazos reduzidos

12 publicações neste tópico

Boa tarde.

Venho mais uma vez pedir a vossa ajuda.

Depois de ter iniciado a minha carteira de investimento em ETFs para a reforma (http://www.forumfinancas.com/index.php?topic=11759.0) gostaria de investir agora para o curto-médio prazo.

Basicamente tenho vários objectivos financeiros a 2 e 5-6 anos, para os quais poupo mensalmente, mas queria obter destes o máximo rendimento (quem não quer?) até à data em que irei precisar do dinheiro.

Estava a apontar para os fundos de investimento (mutual funds) até porque terei provavelmente alguma tendência para fazer resgates/reforços e queria obter o dinheiro já com os impostos pagos e evitar as chatices anuais com declarações de IRS, etc etc. Tenho conta no BEST, portanto a escolha é grande.

Acrescento também que todos os anos invisto em CTPMs (dada a impossibilidade de resgate por 1 ano).

Os DPs estão como já sabemos...

Assim,

1) Aconselham efectivamente os fundos de investimento? Se não, que outros veículos de investimento?

2) Creio que o mais indicado seriam fundos mistos ou de obrigações (alto rendimento? gov? mundiais?) - concordam?

3) Se optar por fundos de investimento que distribuam dividendos, os dividendos já vêm liquidos de impostos ou vou ter de paga-los/declara-los como nos ETFs?

Já estou a rever as sugestoes do tópico dos fundos, mas apreciaria desde já a vossa opinião.

Muito agradecido,

nwbdan

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde, que rentabilidade espera tirar com esses investimentos??

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

@tractatus: A melhor possível. Trata-se de dinheiro que poupo mensalmente com vista a certos objectivos específicos de curto-médio prazo, pelo que é dinheiro que me recuso a gastar noutro lado. Assim a ideia de custo-oportunidade esbate-se um pouco e eu procuro simplesmente obter rentabilidades superiores às dos DP que neste momento são irrisórias. Tudo o que fosse superior à inflação média dos últimos anos (ex desde 2000) já seria bom.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Não creio que os fundos sejam mais aconselhados para curto e médio-prazo do que ETFs. Afinal, ambos são fundos, embora uns sejam cotados em bolsa e outros não.

A meu ver, a pergunta mais correta seria fundos de quê ou ETFs de quê. Fundos accionistas serão sempre indicados para prazos mais longos, enquanto fundos de obrigações poderão servir para prazos mais curtos (menos volatilidade). Mas o rendimento nunca é conhecido à partida.

Depois temos os CTPM, alguns seguros de capitalização, Credit-linked notes, obrigações, que são produtos com rentabilidade conhecida, com um certo risco por trás consoante o tipo de aplicação. Mas até mesmo nos DP se consegue 2%, o que é superior à inflação atual.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Objectivo de Investimento/Aforro:

Capital garantido

Taxa fixa garantida

Liquidez total e imediata​

- Se é este o objectivo de investimento, as melhores aplicações são os Depósitos a Prazo, capital garantido até 100.000€ pelo Fundo de Garantia de Depósitos, geralmente com taxa fixa garantida, e liquidez total e imediata, embora com perda dos juros, no entanto no mercado actual e com euribors negativas, temos taxas que vão dos 0% a um máximo diria de 2,00%  Capital garantido

Taxa fixa garantida

Liquidez mais restrita

​- Aqui provavelmente a melhor aplicação são os Seguros de Capitalização, capital garantido ( não existe FGD mas as seguradoras têm um fundo próprio ), taxas fixas garantidas para o período, no entanto para não ter penalizações o investimento tem de durar no mínimo 1 ano ( há outros com mínimos superiores ), direi que temos taxas que variam entre os 0,50% e talvez os 2,00%.  A partir daqui, o investidor/aforrador, para ter acesso a um retorno superior ao acima descrito, terá de assumir mais riscos, e muito basicamente divido os riscos em 2, Risco de Mercado, e Risco de Crédito da Entidade.

Risco de Mercado ( Variação na cotação ):

Nesta oferta inclui-se os Fundos de Investimento, Serviços Gestão de Carteiras e também as Obrigações, ( não falo em Acções porque aqui já estaríamos a falar em trading especulativo ).

  Risco de Crédito:

O risco de crédito de uma entidade ( banco, empresa, estado ), comporta muito resumidamente ao risco de falência da mesma.

Inclui-se as Obrigações, Produtos Estruturados, até mesmo Certificados de Aforro, que não passam de dívida pública.

  Posto isto, basicamente o investidor/aforrador, terá de investir em consciência e com objectivo definido, se quer taxa, capital garantido e liquidez total terá de se sujeitar a taxas baixas, se quer um maior retorno terá de "arriscar" um pouco mais e procurar as aplicações que melhor lhe convêm numa perspectiva de rácio Risco/Retorno lhe seja interessante não colocando o seu capital demasiadamente em risco.

Concordam com esta minha visão?  ;)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

@tractatus: A melhor possível.

O melhor possível anda frequentemente de braço dado com o pior possivel. Como as taxas de juro andam, o melhor possivel para muito bom investidor que por aí anda é não perder dinheiro.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde,

Eu continuo a dizer que as pessoas devem informar-se bem e pedir claramente por escrito que o capital esta garantido sem qualquer reserva de que tipo for...como já afirmei são muito poucas as aplicações financeiras com total capital garantido sem reservas...

A ideia que tenho para apresentar é, se vamos correr risco de perder, sem saber nada de ante mão e só damos conta quando a bolha estoura, para ganhar uns míseros 3 a 4% ao ano liquido se der... porque não abrir uma conta num broker e seguir a seguinte estratégia...

Ex:

capital - 10.000

Risco - 1% do Capital por aplicação

Aplicações - 3 (diversos instrumentos financeiros)

Profit a 1 Ano - media de 5 a 6% por aplicação

Feitas as contas controla-se muito de perto as aplicações, em caso de perda a perda são 3% e em caso de ganho são 15% a 18% num ano...e o capital esta sempre disponível para qualquer eventualidade que possa surgir...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

David,

Não fui eu que solicitei a ajuda mas a sua explicação foi tão simples e concisa que tive de lhe dar um agradecimento para aumentar a sua popularidade!!! ;)

Muito bom!!!  8)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

David,

Não fui eu que solicitei a ajuda mas a sua explicação foi tão simples e concisa que tive de lhe dar um agradecimento para aumentar a sua popularidade!!! ;)

Muito bom!!!  8)

Ahaha, obrigado.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Antes de mais, muito obrigado a todos pelo contributo, especialmente, e como sempre, ao ruicarlov e ao d@vid; são opiniões que tenho vindo a aprender a respeitar cada vez mais lendo este fórum.

Peço também desculpa por não poder responder tão frequentemente quanto quereria, mas o trabalho e outros compromissos não o têm permitido.

Convém também explicar que apesar de poder não o parecer, visto que estou a fazer as coisas de modo mais ou menos "fraccionado", a minha pergunta inicial integra-se num plano financeiro completo que estou lentamente a criar no início da vida laboral.

Assim, tenho fundos de emergência que me permitiriam estar todo um ano sem trabalho e ainda assim fazer face as minhas despesas - este, obviamente, nunca sairá dos Depósitos a Prazo, porque o que prezo é "Capital garantido Taxa fixa garantida Liquidez total e imediata​" - em especial a garantia de capitais e a liquidez imediata - nunca se sabe...

Tenho uma carteira para a reforma, criada aqui com a vossa ajuda, que para já inclui uma divisão 60/40 em ETFs de índice de acções globais e obrigações globais. Risco? Sim, mas com o meu horizonte temporal parece-me pessoalmente aceitável.

Gostava agora de criar uma carteira de fundos de investimento porque os valores a investir e a necessidade de reforçar/retirar dinheiro com frequência, precludem - a meu ver - os ETFs; mesmo com as taxas praticadas na DeGiro.

Sim, o risco é maior que os DPs, e uma perda total destes capitais pode ocorrer, mas seria compensada (ainda que com muito suor) porque tenho reservas suficientes e circunstancias para isso. Adicionalmente, como estou em início de vida agora, creio que 1) tenho maior necessidade de criar capital 2) posso gerir mais risco.

Novamente, sou jovem, relativamente inexperiente e todos os dias aprendo algo novo neste e noutros fóruns, pelo que estou aberto a críticas construtivas - e até as agradeço em nome dos meus pés-de-meia! Vantagens, desvantagens, outros veículos de investimento, etc etc, não tenho pressa e tenho vontade em aprender.

Mas também tenho objectivos bem definidos.

Assim, aqui vos deixo mais este repto, ainda que possa vir atrasado...

Obrigado a todos novamente,

nwbdan

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

@tractatus podes dar um exemplo mais concreto?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Boa tarde...

Em primeiro gostava de lembrar que os bancos negoceiam Ações, ETFs, etc... através de intermediários financeiros, como corretoras, brokers, etc... intermediários esses que podem fazer parte do grupo empresarial do banco ou não... e as cotações que praticam ao dia nunca são, as que estão a ser praticadas no momento, existe sempre uma margem de segurança para o banco, logo aqui começamos com desvantagem...outra coisa é as taxas e comissões, se um banco utiliza um terceiro para negociar, nós vamos pagar o dobro de despesas, talvez menos +-... podemos então adquirir por ex: Moeda, Petróleo, ETFs de todo o mundo, ações, etc... da mesma forma como se fossemos a um banco...se aprendermos a fazer analise gráfica, podemos tentar prever determinado movimento de um ativo, seja para cima ou para baixo, e negociar nesse sentido, caso que nos bancos só podemos negociar para cima (valorização), esta é uma grande vantagem...um dos alertas que faço em relação aos ETFs é que vejam como eles são compostos de verdade, pois alguns parecem ser fiáveis mas na verdade não o são...

Exemplo de uma negociação com 3 ativos:

Capital 10.000,00

Risco por ativo 1% 100,00

Apos analise gráfica achamos que o ativo A vai cair 10 pontos em 1 ano podemos comprar uma venda (queda) com um STOPLOSS de 1 pontos para um profit de 9 a 10 pontos... se perdemos... perdemos 1% do nosso capital mas se ganharmos ganhamos 9 a 10%...se repetirmos isto por mais 2 ativos...mesmo que estejamos errados em um ou ate em dois temos um lucro acima do que atualmente oferecem no mercado...

Outra vantagem e podermos acompanhar tudo isto on-line e em tempo real, e não sermos apanhados desprevenidos com uma eventual insolvência do banco...

Espero que tenha respondido a questão...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead