Visitante bruno...

despesas do setor saude

8 publicações neste tópico

boa noite

tenho um seguro de saúde no qual envio as minhas faturas de consultas medicas  e o seguro depois rembolsa me cerca de 50% do que eu paguei.

No próximo ano quando meter o irs de 2015 (meto em papel ) no efatura vai aparecer a despesa total dessas consultas, mas eu não paguei essa despesa toda visto que o seguro me reembolsa 50% dessas consultas.

A questão é que valor e que coloco na declaração de irs?

A despesa total que vem no efatura ou so a parte que eu paguei ?

obrigado

cumprimentos

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

O que eu desconfio que vai acontecer é que a seguradora regista uma nota de crédito em teu nome. Essa nota de crédito também vai parar ao eFatura, ou seja, cancela parte das despesas.

De qualquer forma, é esperar para ver...

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Eu estou mais preocupado com a parte que me roubam, ex: despesas de saúde a 23% de iva, ou as despesas de educação que não consigo validar como tal.

Mas até 31 de Dezembro a rapaziada que nos governa vai esclarecer tudo. mesmo que seja tarde!

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Até estou para ver como é que vão fazer para verificar se há ou não receita médica...

Também eu. Ou então entramos numa situação daquelas dos supermercados que também têm serviço de refeições, e o pessoal põe as despesas de supermercado como despesas restauração.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
Também eu. Ou então entramos numa situação daquelas dos supermercados que também têm serviço de refeições, e o pessoal põe as despesas de supermercado como despesas restauração.

É um bocado diferente: na questão dos supermercados, tu podes perfeitamente deitar fora a fatura assim que ela entra no eFatura, registada pelo supermercado; as Finanças, não tendo acesso ao conteúdo da fatura no eFatura (por uma questão de proteção da privacidade do consumidor) não podem dizer se foi uma não uma despesa de restauração e têm de aceitar a classificação que deres porque não podem provar que assim não foi.

Se esta história das despesas de saúde com IVA a 23% e receita médica for para a frente, o contribuinte vai ter que guardar a receita médica. E aí as Finanças já podem, numa inspeção, pedir as receitas. Se estas não existirem e as despesas tiverem sido declaradas como despesas de saúde, as finanças podem aplicar a multa ao contribuinte. Mas para que isso aconteça, é preciso muitas operações de controlo... não acredito.

Eventualmente podiam era vir a fazer como até ao ano passado a quem optasse pelo englobamento - obrigar a enviar as receitas para a repartição de finanças ao submeter a declaração de IRS. Mas também não estou a ver isto a levar a algum lado, o mais provável é que elas fiquem a um canto... (creio, no entanto, que neste caso seria mais complicado pedir para enviar uma cópia da receita - trata-se de informação de saúde, supostamente devia ter um tratamento especial)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

É um bocado diferente: na questão dos supermercados, tu podes perfeitamente deitar fora a fatura assim que ela entra no eFatura, registada pelo supermercado; as Finanças, não tendo acesso ao conteúdo da fatura no eFatura (por uma questão de proteção da privacidade do consumidor) não podem dizer se foi uma não uma despesa de restauração e têm de aceitar a classificação que deres porque não podem provar que assim não foi.

Se esta história das despesas de saúde com IVA a 23% e receita médica for para a frente, o contribuinte vai ter que guardar a receita médica. E aí as Finanças já podem, numa inspeção, pedir as receitas. Se estas não existirem e as despesas tiverem sido declaradas como despesas de saúde, as finanças podem aplicar a multa ao contribuinte. Mas para que isso aconteça, é preciso muitas operações de controlo... não acredito.

Eventualmente podiam era vir a fazer como até ao ano passado a quem optasse pelo englobamento - obrigar a enviar as receitas para a repartição de finanças ao submeter a declaração de IRS. Mas também não estou a ver isto a levar a algum lado, o mais provável é que elas fiquem a um canto... (creio, no entanto, que neste caso seria mais complicado pedir para enviar uma cópia da receita - trata-se de informação de saúde, supostamente devia ter um tratamento especial)

Não é assim tão diferente. Por motivos de privacidade, no efatura não fica o conteúdo das faturas, logo não se sabe quais os medicamentos que se comprou. Logo mesmo que se envie receitas como se comprova que correspondem ao que se comprou?

Tanta complicação, céus....

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead