elbmurcs

Morte do conjuge antes da reforma

4 publicações neste tópico

Olá. Em caso de morte do conjugue em idade activa, o que acontece à reforma? E o que acontece aos anos de descontos que o conjugue que morreu fez durante anos? É que se a pessoa já está reformada, o outro tem direito a metade, mas nestes casos?

Existe a pensão social de viuvez mas essa é so para casos de pessoas com rendimentos abaixo de 30% do rendimento mínimo e/ou que não recebam pensões. Quem trabalhar e o mínimo, não tem direito a nenhuma pensão e tem que se governar.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Acho que a pergunta faria sentido se houvesse uma conta individual para onde cada um desconta. Mas a verdade é que quando descontamos para a SS, descontamos para o bem comum, não apenas para o nosso.

E esse dinheiro não serve apenas para pagar reformas - por exemplo, o sistema público de Saúde é financiado também em boa parte pelos descontos que fazemos para a SS.

Há pessoas que passam a vida metidas em Centros de Saúde e Hospitais públicos e pagam pouco ou nada por esses serviços (com excepção das taxas moderadoras de que, ainda por cima, há dezenas de formas de ficar isento).  Era um bocado foleiro se de repente alguém se virasse para elas e dissesse - "olhe, desculpe, mas não pode fazer este exame... tem de descontar mais 1 ano antes de o Estado lho pagar". Ou um desempregado deixasse de receber o subsídio de desemprego passados 3 ou 4 meses porque só tinha estado a trabalhar 2 anos e os descontos que fez não davam para receber mais.

Da mesma forma, se uma pessoa é saudável, nunca precisou de ir ao médico e, mesmo assim, morre antes de chegar à idade da reforma, ninguém virá ter com a família e dizer: "Olhe, o seu pai descontou durante 30 anos e nunca pediu nada em troca. Fique com tudo". Senão o sistema ia à falência num instante.

Os descontos obrigatórios para a Segurança Social representam dinheiro que entregamos para a sociedade. Para ser usado por quem precisa, independentemente de ter tido a possibilidade de contribuir suficientemente para isso ou não.

Agora, nas situações em que o dinheiro fica associado a uma conta pessoal (como no caso dos recém-criados certificados de reforma) e que o dinheiro seria entregue a uma pessoa, os herdeiros já têm direito a ficar com essa quantia.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Concordo com o que o Paulo disse.

Mas para um conjuge que perde, com a morte do parceiro, além da companhia, a qualidade de vida... não deve ser fácil...

Mas a explicação do Paulo tem toda a lógica.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Afinal parece que exista a pensão de sobrevivência para estes casos.

http://www2.seg-social.pt/left.asp?03.02.03

MONTANTE

Percentagem da pensão do beneficiário ou daquela a que teria direito à data do falecimento:

Cônjuge e ex-cônjuges

- 60%, se for um

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor