mfgsantos

Principiante, duvida acerca de Fundos

18 publicações neste tópico

Quando na FIM dum fundo fala em prazo recomendado, isso quer dizer, o tempo minimo até que o fundo comece a dar rentabilidade, ou prazo maximo em que devemos aplicar capital no fundo, ou quer dizer outra coisa?

Obrigado.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Quando na FIM dum fundo fala em prazo recomendado, isso quer dizer, o tempo minimo até que o fundo comece a dar rentabilidade, ou prazo maximo em que devemos aplicar capital no fundo, ou quer dizer outra coisa?

Obrigado.

É mesmo outra coisa :) quer apenas dizer que devido ao risco que o fundo pode ter o prazo recomendado é aquele, para que possa haver uma minimização de riscos, por exemplo, um fundo de acções á partida será um fundo mais arriscado na medida que tem variações maiores e mais bruscas, assim, é um tipo de fundo onde o prazo recomendado é maior, pelo menos acima de 3 anos para que possa diluir eventuais perdas durante esse tempo.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Quando na FIM dum fundo fala em prazo recomendado, isso quer dizer, o tempo minimo até que o fundo comece a dar rentabilidade, ou prazo maximo em que devemos aplicar capital no fundo, ou quer dizer outra coisa?

Obrigado.

Não é FIM. É FIN (Ficha de Informação Normalizada).

Quer dizer outra coisa.

Quer dizer que, face à volatilidade do fundo (as normais subidas e descidas...), o aconselhado é manter lá o dinheiro investido pelo menos x anos (nos fundos de ações costuma ser pelo menos 5 anos).

E é assim porque esse é o período que se prevê que, em princípio, mesmo que haja descidas, o investidor terá recuperado o dinheiro que investiu (é o tempo que se prevê que seja necessário para recuperar de qualquer queda, seja ela qual for).

Dito por outras palavras e com um exemplo: vamos imaginar que o senhor mfgsantos investe 10k no fundo X. O fundo X, no primeiro ano, até pode descer 20% a cotação das unidades de participação e o senhor fica com 8k. Mas presume-se que, num período alargado de 5 anos, em princípio, o fundo irá recuperar da queda sofrida (e se possível até irá subir).

Mas é meramente indicativo (uma previsão...). Até pode subir sempre e nunca cair. Tal como podem passar 10 anos e nunca recuperar das quedas.

Não tem nada a ver com o tempo mínimo até começar a dar rentabilidade nem prazos máximos de investimento. O fundo pode começar a dar rentabilidade (as unidades de participação subirem o valor) no dia seguinte à subscrição, tal como podem descer. E o prazo máximo de investimento não existe (estamos a falar de fundos abertos e não de fundos fechados, entenda-se).

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

É mesmo outra coisa :) quer apenas dizer que devido ao risco que o fundo pode ter o prazo recomendado é aquele, para que possa haver uma minimização de riscos, por exemplo, um fundo de acções á partida será um fundo mais arriscado na medida que tem variações maiores e mais bruscas, assim, é um tipo de fundo onde o prazo recomendado é maior, pelo menos acima de 3 anos para que possa diluir eventuais perdas durante esse tempo.

Desculpa David, por ter respondido, mas depois de ter escrito tanto, não quis deitar a minha resposta para o lixo  ::)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Mais vale duas respostas acertadas que nenhuma  ;D ;D de certeza que o mfgsantos ficou esclarecido :)

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Esclarecido. Obrigado a todos.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

No geral, os fundos têm limite máximo de dinheiro que pode entrar?

Ou seja, imaginando que por coincidência toda a gente em todo o mundo começa a investir o dinheiro que tem em determinado fundo. Chega a uma altura em que esse fundo tem que recusar novos investimentos das pessoas porque atingiu o limite?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

No geral, os fundos têm limite máximo de dinheiro que pode entrar?

Ou seja, imaginando que por coincidência toda a gente em todo o mundo começa a investir o dinheiro que tem em determinado fundo. Chega a uma altura em que esse fundo tem que recusar novos investimentos das pessoas porque atingiu o limite?

Sim pode acontecer, um determinado fundo não aceitar mais subscrições, já aconteceu mas não é recorrente.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Se em determinado fundo muita gente começar a investir lá e entrar mesmo grandes quantidades de dinheiro, isso vai influenciar em alguma coisa a cotação da unidade de participação?

(ou seja, a unidade participação começar a subir ou a descer por causa desse enorme fluxo de dinheiro a entrar)

E pergunto também em relação à situação contrária. Caso os investidores comecem a retirar grandes quantidades de dinheiro de determinado fundo, a cotação das respectivas UP alteram-se subindo ou descendo?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Se em determinado fundo muita gente começar a investir lá e entrar mesmo grandes quantidades de dinheiro, isso vai influenciar em alguma coisa a cotação da unidade de participação?

(ou seja, a unidade participação começar a subir ou a descer por causa desse enorme fluxo de dinheiro a entrar)

E pergunto também em relação à situação contrária. Caso os investidores comecem a retirar grandes quantidades de dinheiro de determinado fundo, a cotação das respectivas UP alteram-se subindo ou descendo?

O que influencia a cotação das UPs são as cotações dos vários ativos que o fundo detém. Quando entra mais dinheiro no fundo, esse é investido para comprar mais participações. Grandes movimentações nesses ativos é que fazem com que as cotações do fundo possam subir e descer. No entanto, como o fundo está diversificado por vários ativos, é muito difícil que tenha um grande peso percentual em todas as participações que tem. Só se fosse mesmo um giga, GIGA fundo e os activos subjacentes tivessem uma capitalização muito reduzida é que se poderia observar tal efeito.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Os gestores dos fundos pegam no dinheiro dos investidores (desse fundo) e vão investir em vários activos que compõem esse fundo.

Situação normal é estar investido nesse fundo um montão de dinheiro de milhares de investidores, estando esse dinheiro distribuido pelos vários activos onde o fundo fez as aplicações.

A minha dúvida é a seguinte, imaginando que uma grande quantidade dos investidores decide resgatar o dinheiro que tem investido nesse fundo.

Pode acontecer não haver liquidez imediata para satisfazer todos os resgates?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Depende muito do tamanho do fundo em relação ao tamanho dos ativos que os constituem, bem como da liquidez destes.

Se o fundo for qualquer coisa como ações do Laos, suponho que possa acontecer. Já com coisas mais líquidas como ações/obrigações de países desenvolvidos parece-me bastante improvável.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Imaginando um fundo que seja constituido, por exemplo, por 100% obrigações ou até pode ter tb acções. Esta parte pouco interessa mas é para introduzir a questão, o que interessa é o seguinte:

Se grande parte dos investidores decidirem resgatar os investimentos que têm nesse fundo, logo o fundo vai ter que vender parte dos activos para ter liquidez e devolver o dinheiro aos investidores.

Se todos os activos que constituem o fundo tiverem nessa altura um preço inferior ao preço de compra, então ao serem vendidos "à pressa" vão resultar em menos valias.

Se resultam em menos valias então essas perdas vão ter que ser reflectidas no valor das UPs e faz com que estas desvalorizem.

É assim que isso funciona?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Se resultam em menos valias então essas perdas vão ter que ser reflectidas no valor das UPs e faz com que estas desvalorizem.

É assim que isso funciona?

O valor das UPs reflecte o valor dos ativos que lhe estão subjacentes. Por exemplo, se um fundo tem 10% do capital investido numa determinada ação que sobe 10% num dia, o fundo vai subir 1% nesse dia (admitindo que nenhum dos outros ativos variou ou que se equilibraram entre si).

O preço das UPs não tem a ver com as compras e vendas.

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A falta de liquidez é um risco subjacente a qualquer tipo de aplicação financeira, se os clientes de um banco qualquer desatarem a levantar dinheiro o banco também não terá liquidez suficiente para pagar, aliás, aqui o problema ainda é muito maior, uma vez que o dinheiro é "virtual", o dinheiro está aplicado, portanto não estará logo disponivel, e quando isso acontece os bancos têm de recorrer ao BCE ( exemplo de dois bancos da Grécia que pediram 10 mil milhões ainda há dias ).

Há um fundo que mais recentemente está a ser alvo de resgates em grande número, chama-se ES Liquidez, chegou a ter 2 mil milhões de activos sob gestão, actualmente tem pouco mais de 200 milhões, no entanto não existe conhecimento que alguém não tenha conseguido resgatar  ;D

post-28-14412396747962_thumb.jpg

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites
O valor das UPs reflecte o valor dos ativos que lhe estão subjacentes. Por exemplo, se um fundo tem 10% do capital investido numa determinada ação que sobe 10% num dia, o fundo vai subir 1% nesse dia (admitindo que nenhum dos outros ativos variou ou que se equilibraram entre si).

O preço das UPs não tem a ver com as compras e vendas.

Então o que fazem aos prejuizos/menos valias?

Incluem no valor negativo que aparece na imagem do David?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

A falta de liquidez é um risco subjacente a qualquer tipo de aplicação financeira, se os clientes de um banco qualquer desatarem a levantar dinheiro o banco também não terá liquidez suficiente para pagar, aliás, aqui o problema ainda é muito maior, uma vez que o dinheiro é "virtual", o dinheiro está aplicado, portanto não estará logo disponivel, e quando isso acontece os bancos têm de recorrer ao BCE ( exemplo de dois bancos da Grécia que pediram 10 mil milhões ainda há dias ).

Há um fundo que mais recentemente está a ser alvo de resgates em grande número, chama-se ES Liquidez, chegou a ter 2 mil milhões de activos sob gestão, actualmente tem pouco mais de 200 milhões, no entanto não existe conhecimento que alguém não tenha conseguido resgatar  ;D

Estive a ver essa imagem que colocaste e surgiram-me algumas dúvidas.

Aparece lá no exemplo que estão emitidas 1.280.000 UPs

Essas unidades emitidas estão sempre todas vendidas (pertencem aos investidores) ou por exemplo podem estar apenas 1.000.000 vendidas e existem 280.000 "em stock" para quem quiser comprar?

Imaginando que estão as 1.280.000 vendidas e agora há procura por mais 1.280.000

O que acontece nesse caso? Ficam a existir 2.560.000 UPs e depois? São vendidas as 1.280.000 UPs novas a 15,4004euros cada (cotação desse dia) e entra para o cofre do fundo 19.712.512euros que o fundo vai utilizar para investir em mais obrigações, acções, etc?

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

PARA MIM essa coisa de tempo médio de espera para que o fundo começe a render não existe, quando entro num fundo é para subir e por isso apanho as tendencias, logo nunca entendi bem essa coisa de ter de esperar 6 meses até que ganhe qq coisa, bem mas como digo no inicio isto é para mim

0

Partilhar esta publicação


Link para a publicação
Partilhar noutros sites

Este conteúdo terá de ser aprovador por um moderador

Visitante
Está a comentar como Visitante. Se já se registou, por favor entre com o seu Nome de Utilizador.
Responder a este tópico

×   Colou conteúdo com formatação.   Remove formatting

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead