Pesquisar na Comunidade

A apresentar resultados para as etiquetas 'irs'.



Mais opções de pesquisa

  • Procurar por Etiquetas

    Escrever etiquetas separadas por vírgulas, que representam o tema específico do tópico. Exemplos: "irs", "acções", "descontos", "férias".
  • Procurar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Finanças
    • Créditos
    • Bancos
    • Seguros
    • Imóveis
    • Incumprimento e Penhoras
    • Poupar dinheiro
    • Investimentos
  • Fiscalidade e Trabalho
    • Impostos
    • Segurança Social
    • Direitos do trabalhador
    • Trabalho por conta própria
    • Heranças
  • Geral
    • Apresentações
    • Diversos
  • Fórum
    • Regras

348 resultados encontrados

  1. Bom dia, Alguém me pode ajudar sobre esta dúvida sobre mais-valias, IRS, preenchimento do anexo G, valor da aquisição? 1. Meu pai faleceu em 2005 e deixou de herança uma moradia avaliada na data da herança em 10.000€ 2. Os seus herdeiros são 3, 3. Em 2015 foi construído uma fração autónoma sobre a moradia existente e pedido a certificação para propriedade horizontal com duas frações, 4. Em 2015 a fração A foi avaliada pelas finanças em 30.000€ e a fração B em 36.000€, onde passou a haver um novo artigo para cada uma das frações… 5. Em 2016 houve uma partilha da fração B, em que eu adquiri 1/3 de cada um dos outro herdeiros, ficando como proprietário da fração B, ficando a fração A em nome da herança… Como preencher o anexo G do IRS por parte da minha mãe, (a data e o valor da aquisição), se à data da herança, a fração B não existia? Minha mãe deve considerar a data e o valor da aquisição o valor da primeira avaliação das finanças à fração B, neste caso seria 1/3 dos 36.0000€ que é 12.000€?
  2. Boa noite, Como é que no e-factura se consegue ver quais as facturas que estão classificadas dentro ou fora da actividade profissional aberta nas Finanças? Obrigada
  3. Boa tarde, tenho uma dúvida sobre como preencher o IRS. Sou separada tenho 1 dependente menor,que durante a semana vive comigo e ao fim de semana com o pai que não paga qualquer pensão de alimentos! A minha dúvida e se o pai tem direito a deduzir despesas do filho no IRS dele. Obrigado
  4. Bom DIa, Durante o ano de 2016 estive sem emprego, iniciando uma nova actividade - trabalho dependente por conta de outrem, desde 30 de Setembro. Tendo já recebido o salário do mês de Outubro, pergunto: tendo em conta de que recebo 700 euros de salario base (e nada mais), e na totalidade do ano de 2016, os meus rendimentos serão de 2100 euros brutos, (700x3 meses - Outubro, Novembro e Dezembro), a retenção na fonte pela empresa é devolvido? (rendimento anual abaixo 7000 euros) Qual a contribuição das deduções provisórias referido no e-factura na minha situação, tendo em conta de que já atingi o limite de "despesas gerais e familiares", e tenho algumas despesas de saúde. Se puderem dar um contributo, agradecia. Joao
  5. Boa tarde, Trabalho a recibos verdes para uma empresa nos EUA, e recebo os valores da prestação do serviço por transferência bancária. Recentemente foi preciso adquirir um computador com características específicas para desempenhar parte do trabalho. Computador esse que caso não fosse pela empresa eu nunca compraria. Para evitar enviar o computador dos Estados Unidos, e evitar também todos os problemas alfandegários que isso iria acarretar, decidimos que seria eu a comprá-lo cá, e a empresa transferia depois o valor para a minha conta. A questão é, tenho que declarar o valor que vou receber da empresa, como se fosse prestação de serviços? Não é muito justo pagar impostos sobre esse valor para mim, nem tão pouco pela empresa que me paga.
  6. Boa tarde, Neste momento detenho uma quota de uma Sociedade por Quotas mas não sendo um dos gerentes, qual é a melhor forma de eu receber o valor das prestações de serviço efetuadas? Faz sentido passar um recibo verde à minha própria empresa? Tenho também algumas dúvidas se quando começar a pagar a Segurança Social (sou trabalhador independente e estou isento até Setembro de 2017) este sistema continua ainda a ser vantajoso para mim. Muito Obrigado.
  7. Bom dia, Sou trabalhador dependente e, no ano passado, passei um ato isolado (cerca de 850eur). Ao nível do IRS de 2017, como devo proceder ? Podem dar me umas luzes ou remeter me para o tópico indicado pf Cumprimentos
  8. Bom dia a todos, Gostava que me ajudassem, por favor. Tenho um emprego por conta de outrem e tenho a possibilidade de trabalhar em regime de avença mensal para outra empresa. Tenho a possibilidade de o fazer com contrato de trabalho com a segunda empresa ou como prestador de serviços. O valor é baixo (250€). As minhas questões são: - O rendimento é sempre englobado, mesmo no caso de um dos rendimentos ser do tipo B? - Se for prestação de serviços, o rendimento considerado para IRS é 75% do total da avença? - Por experiência própria, alguém sabe dizer qual das opções é mais compensatória? Desde já obrigado.
  9. Olá a todos, sou um leitor assíduo do forum e chegou a altura de partilhar a minha experiência e pedir os vossos conselhos. No início do ano adquiri um imóvel que o recuperei e vendi recentemente, para tornar mais "leve" a carga fiscal da mais valia fiz a alteração da minha morada fiscal (permanente) para esse imóvel e alterei para habitação secudária aquele em que atualmente habito. Isto foi aquilo que muita gente (eu inclusivé) chama de xico-espertice e foi um conselho que na altura não me pareceu demasiado grave fazer. Era uma situação que poderia ser perfeitamente normal e que me permitia poupar algum em impostos de uma forma, praticamente, legal. Para isto funcionar tenho agora que adquirir outro imóvel (também para habitação própria permanente) e aplicar as mais valias deste negócio, o meu problema é o próximo. Já tenho um imóvel em vista e foi igualmente uma boa oportunidade que julgo conseguir rentabilizar bastante bem depois de recuperado, mas se vender novamente para o próximo ano já desconfio que as finanças achem estranho estar todos os anos e mudar de morada fiscal e de habitação própria permanente. Por isso peço os vossos conselhos, devo assumir a totalidade dos impostos e deixar de alterar morada fiscal ou haverá outra forma de conseguir reduzir a carga fiscal (abrir uma empresa por exemplo?). Tenho lido alguns posts aqui que as despesas fixas de uma empresa são significativas e que só justifica quando atingimos valores relativamente elevados de rendimento. Eu no meu caso quanto muito terei um negócio de compra-venda por ano por isso não me parece suficiente para constituir empresa. Obrigado a todos pelas dicas e votos de um excelente 2017.
  10. Boa tarde, Agradeço se me conseguirem esclarecer duas dúvidas que tenho em relação à regularização do modelo que devo usar como alguém que presta serviços online: Ainda que o estabelecimento seja um espaço virtual e o serviço prestado uma aula virtual eu calculo que deva pagar o IVA sobre as transacções feitas em Portugal e União Europeia, correto? Devo incluir assim o iva de 23% se o serviço/venda for adquirido por alguém em Portugal e devo inserir no preço os diferentes IVAs se o serviço for realizado nos outros países, ou cobro o IVA a 23% a todas as pessoas? Em relação a países como o Brasil e Chile, devo cobrar IVA a clientes desses países ou há alguma isenção uma vez que estão fora da UE? Em relação ao inicio de atividade podem me dizer se há diferença entre empresário em nome individual ou empresa em nome individual? Quando passo fatura uso o meu nome ou posso usar o nome da minha empresa? Muito obrigado
  11. Viva, sou Trabalhador Independente (Cat.B). Este ano, agora em Dezembro, vou ultrapassar os 10.000€ de rendimentos (acabarei o ano nos 11.000€). Segundo o CIRS, terei de passar a fazer Retenção na Fonte (25%?). 1: é obrigatório fazer Retenção na Fonte? 2. se encerrar atividade a 31 de dezembro e a reabrir a 20 de Janeiro, afirmando na Declaração de Reinicio de Atividade que a previsão é de 8.000€ de Rendimentos, continuo a ter obrigação de fazer Retenção na Fonte? Obrigado
  12. Olá boa tarde É o meu primeiro post e precisava muito de uma ajuda se possível. Vivo com a minha companheira á quase 5 anos, e desde Julho numa nova habitação comprada no nome dela (credito bancário) e é a morada fiscal dela. Eu tenho também uma outra habitação com credito bancário, que é a minha morada fiscal. Agora nasceu o nosso herdeiro e ficou com a morada da mãe. O problema é que para requerer abono (que ela teria direito pois o vencimento é baixo) seria necessário entregar na SS comprovativo de pensão de alimentos e qual a guarda da criança ou composição do agregado familiar pela junta. Parece-me que na nossa situação não haverá volta a dar a isto correcto? Se eu estiver incluido no agregado não há direito a abono devido ao meu vencimento. Só que assim acho que também não o posso incluir no meu IRS pois ele não tem a minha morada fiscal, e no da mãe é indiferente pois ela com o seu baixo vencimento não desconta IRS. Qual será a melhor maneira de resolver isto de forma a poder beneficiar de alguma coisa em termos de impostos, pois as despesas estão cá? Alterar a morada fiscal do meu filho para a minha apesar de nenhum de nós viver nessa morada? A mãe não terá nenhum problema com esta alteração? Será que existe mais alguma possibilidade? Muito obrigado pela atenção
  13. Tenho um artigo usado à venda e surgiu um interessado que quer comprá-lo em nome da empresa e que portanto precisa de uma fatura. Sugeriu que eu passe um ato isolado e que cobre o IVA. Fui ao site das finanças e ao passar um ato isolado posso escolher a opção "Transmissão de bens", como é uma venda penso ser esta a opção certa. Tenho que cobrar 23% de IVA, certo? A minha maior dúvida tem a ver com o IRS. Já vi que o valor deste ato isolado não me vai fazer subir de escalão, no entanto vou ter que pagar mais IRS por causa disto? A taxa aplicável ao meu escalão é de 28.50%, vou ter que pagar este valor sobre o que receber? Não estou muito por dentro do assunto.
  14. eucaliptos

    Boa tarde, A minha mãe vendeu eucaliptos e foi ás finanças entregar o correspondente imposto ( não sei se pagou iva se irs). Tendo em conta que preenche o anexo f de rendimentos prediais, onde é que deverá declarar este valor que pagou nas finanças na declaração de irs? Agradeço desde já
  15. Boa tarde, O crédito Bancário amortizado na venda de habitação secundária é amortizado no cálculo da mais valia? No caso, adquiri um imóvel há 15 anos que terá uma mais valia de 80.000€, tenho em curso crédito para habitação secundária de 30.000€. Este crédito entra nas contas do cálculo da mais valia? Obrigado
  16. Olá a todos! Um empresário em nome individual no regime normal de IVA, no e-fatura, terá todas as faturas como consumidor em situação "pendente". Após classificar as faturas de saúde e outras de âmbito claramente particular, como despesas efetuadas fora do âmbito da atividade, já atingiu os 250,00€ de dedução nas despesas gerais e familiares. Isto para efeitos de IRS. A minha pergunta: Existe obrigatoriedad e de classificar as outras despesas, aquelas que são afetas à atividade, como dentro do âmbito da atividade, ou podem ficar pendentes na mesma? Isto para efeitos de IVA. Desde já agradeço a vossa atenção Aanna
  17. Boa tarde a todos. Em 2004 comprei uma casa em mau estado de conservação. Comprei por 100 mil, valor para exemplo, paguei IMT e demais impostos sobre esse valor e esperei pela licença camarária para obras de remodelação. Estas obras acabaram em 2006 e foi quando mudei para a dita casa. Entretanto gastei mais 80 mil euros nessa remodelação, no entanto o valor da compra foram os tais cem mil de 2004. Agora em 2016 vendi a casa por 200 mil€ e vou ter de declarar no IRS de 2016. Já me informei e as melhorias dos últimos 5 anos abatem para efeito de mais valias. Mas estes foram feitos há dez anos. No entanto a casa quando a comprei estava sem possibilidade de ser habitada, com buracos no chão, paredes com buracos, telhado que deixava entrar água, etc. As obras que fiz não mudaram a área ou numero de pisos ou divisões, só arranjaram o estragado. Assim hoje o preço de venda foi muito superior ao da compra e as mais valias na pratica quase não existem, se eu tivesse mantido a casa como estava nunca a venderia por mais do que a comprei. A ajuda que peço é a seguinte, como posso declarar no IRS para ser considerado o montante gasto em obras inicialmente, que aumentou o valor da casa, mas que não foi feito nos últimos cinco anos? Pode adicionar-se ao valor da venda o custo das obras de remodelação ? É que eu tive esses custos da compra e das obras, não considero justo pagar mais valias que não tive por um pormenor da lei que só considera benfeitorias dos últimos cinco anos. Agradeço desde já a ajuda Rui
  18. Caros, Sou casado, vivo na Alemanha e tenho rendimentos de rendas em Portugal. Eu e a minha esposa temos de apresentar declaração separadas por sermos residentes no estrangeiro, não sei bem porquê mas não nos deixa optar por tributação conjunta. Assim sendo como declaramos as rendas usufruídas em Portugal? Supondo que são rendas no valor de 2000 euros declaramos 1000 euros cada um e 50% na quota parte no anexo F quadro 4?
  19. Bom dia, Apesar das dificuldades, consegui juntar um mealheirosinho que decidi abater na minha prestação da casa. Tenho spread a 0.3 e neste momento tenho apenas 14mil e poucos euros em dívida. Equivale a uma prestação mensal de 103€ A minha pergunta prende-se com o meu IRS ao final do ano. Vale a pena saldar toda a divida ou nem por isso? Mantenho-me com a minha mensalidade de 103€? Obrigado
  20. Boa tarde, Pretendo abrir atividade por forma a regularizar um pequeno negócio familiar de importação e venda de dispositivos de iluminação. Sendo que o volume de vendas não ultrapassa os 10000€, quais as taxas a que estou sujeito? uma vez que a actividade se prende com comércio, que valor entra para tributação? as taxas alfandegárias para empresas é igual á aplicada a particulares? há forma de a deduzir? Obrigado desde já roberto
  21. Muito boa tarde, Estou a pensar em vender a minha casa e deparei-me com esta questão das mais valias a pagar às Finanças, e que me traz algumas dúvidas. O meu caso é o seguinte: - Comprei casa em 1995 por 120000 eur com empréstimo bancário. - Em 2005 mudei de banco e transferi o meu empréstimo à habitação para esse banco. Nessa altura do empréstimo estava já só a dever 66000 eur. - Pedi uma extensão do empréstimo (Super Crédito Total) de 45000 e outro (Multifunções isolado) de 17000 eur. Fiquei a pagar 66000+45000+17000=128000 eur. Ou seja, além dos 120000 do empréstimo inicial juntou-se 62000 eur (45000+17000), resultando num empréstimo total de 182000 eur. - Quero vender a casa por 143000 eur. (Estou a dever ao banco neste momento 101000 eur) - O valor patrimonial da casa é de 74000 eur. A minha dúvida é se estas duas parcelas adicionais (45000+17000) vão contar para fazer o cálculo da mais valia, resultando num valor de 120000+45000+17000=182000 como sendo o valor de aquisição da casa, ou se o valor para o cálculo são só os 120000 eur iniciais. Num dos casos (120000) haveria uma mais valia, no outro (182000) uma menos valia. Agradecia muito saber se possível, se teria que pagar mais valia na venda da casa (quanto estimado se possível) ou que me indicassem onde posso saber esta informação. Muito obrigada AS
  22. Boa Noite, gostaria de ter o vosso apoio e opinião para o que a seguir exponho. O meu pai e a minha mãe compraram uma casa em 2005 (unico bem) escriturada por 80.000€. O meu pai faleceu em 2006. Em Outubro de 2014 o meu unico irmão de 55 anos faleceu (deixou Mulher e 2x filhos vivos maiores de idade). A minha mãe (ainda viva) viveu na casa até Junho de 2016 onde sempre pagou todas as despesas inerentes á mesma (IRS, IMI, Seguro, etc). Em Julho de 2016 por motivo de doença decidiu e foi para um lar. A casa onde vivia vai ser agora vendida este mês pelo mesmo valor que foi escriturada (80.000€) e gostaria de saber o seguinte, 1) qual é a percentagem das partilhas a aplicar á "herança" entre os herdeiros, 2) se existe lugar a pagamento de mais valias ao fisco, 3) e de como se procede relativamente á declaração da herança no IRS, 4) e se existe lugar a pagamento de outros impostos relativos á herança. São muitas as perguntas mas acredito que aqui encontrarei as respostas. Muito Obrigado pela ajuda.
  23. Bom dia, gostaria de saber se é possível considerar um ascendente (pai), no preenchimento da declaração do IRS, quando este mantém a sua morada fiscal, embora o seu dia a dia e as despesas de acompanhamento sejam passadas na morada fiscal da filha. Grata pela atenção dispensada
  24. Boa noite, explico a minha situação. Encontro-me, por favor, na casa de um familiar que possui mais quartos alugados por pessoas que usam a morada como morada fiscal. Eu tenho uma proposta de contrato e a minha morada fiscal ainda é a dos meus pais (a 200 km de Lisboa). A minha questão, é a seguinte: Usando a morada actualmente, não vou ser considerada agregado dos restantes inquilinos? Devo permanecer com a morada dos meus pais? O que implica? Obrigada
  25. Bom dia, Gostaria de pedir a ajuda dos participantes para o seguinte cenário. Agregado familiar de 2 + 1 (casal + dependente) ambos a residir nos Açores desde 2009. 2017 Membro 1 - actividade nos Açores como trabalhador independente e residência permanente nos Açores Membro 2 - actividade como trabalhador dependente no continente c/ residência 3 dias por semana (2ª a 4ª) no continente e o restante tempo nos Açores Para a declaração do irs de 2017, o agregado pode considerar-se residente nos Açores? Cpmts, Fernando Lopes