Leaderboard

  1. Pedro Pais

    Pedro Pais

    Administrador


    • Pontos

      38

    • Contagem de conteúdo

      2.092


  2. D@vid

    D@vid

    Utilizador


    • Pontos

      30

    • Contagem de conteúdo

      7.777


  3. Patanisca

    Patanisca

    Utilizador


    • Pontos

      17

    • Contagem de conteúdo

      529


  4. Virtua

    Virtua

    Utilizador


    • Pontos

      10

    • Contagem de conteúdo

      22



Conteúdo Popular

A apresentar conteúdo com maior reputação desde 30-04-2017 em todas as áreas

  1. 5 points
    Como os fundos de investimento não são instrumentos de trading, a muita, pouca, ou falta de volatilidade pouco interessa, se eu tenho um fundo de risco 1, haja muita ou pouca volatilidade sei que o meu capital no máximo desvaloriza -0,5% ou valoriza praticamente na mesma proporção, se tenho um fundo risco 4 sei que o meu capital não deverá desvalorizar mais do que -10% e poderá subir nas mesmas proporções, se aplico 10.000€ neste fundo, o máximo de uma perda será na ordem dos 1.000€, isso vai me afectar? muito? pouco? nada? Quem tem de se preocupar com os mercados são os gestores dos fundos, eles é que têm que fazer as escolhas acertadas para que um fundo risco 4 não caia mais que 10%, para isso têm os mandatos de investimento, todos podem colocar tudo em liquidez se for necessário, a nós, basta-nos escolher os fundos, sentarmos no sofá e ver o capital crescer, é apenas isto, acho que há um stress demasiado nos fundos, eu vejo pessoas stressadas sem saberem bem quando entrar, quando sair, quando cai, quando sobe, isto é o trabalho do gestor e é para isso que lhes "pagamos" a comissão de gestão. Situações ideais para fazer fundos, ou reforçar, é tal coisa que não existe, vamos sempre procurar ( sim vamos mesmo procurar, o ser humano tem uma capacidade enorme de ver coisas onde ela não estão, tipo pareidolia ) qualquer coisa para darmos uma "desculpa" pelo não investimento, e isso deve-se ao facto de psicologicamente não termos um factor nos fundos que temos noutros tipos de aplicação, "CAPITAL GARANTIDO", mas se é para ter capital garantido, então temos de nos sujeitar a taxas ridículas de mercado e a não ganhar dinheiro. Em Outubro fazemos 5 anos de tópico, e vamos chegar á conclusão que quem fez os fundos, ou vários dos fundos, da 1ª página, que admito, até há melhores, ganhou efectivamente dinheiro, tanto em acções como obrigações, a importância da diversificação e ajustarmos o risco ao nosso perfil, é algo de importantíssimo. Se até estes sabem como investir... http://www.jornaldenegocios.pt/trading/detalhe/fundo-da-igreja-de-inglaterra-foi-um-dos-mais-rentaveis-do-mundo
  2. 4 points
    O fundo Pionner foi apenas um exemplo, mas posso dar outro exemplo ( só dou exemplos da 1ª página, não vou buscar outros ), de um fundo de emergentes Asia que é o JPM ASEAN, que aposta na Indonesia, Singapura, Tailândia etc, em 7 anos está com uma rentabilidade de 95%, mais de 13,5%/ano portanto, não estamos a falar em nenhum fundo EUA, estamos a falar num fundo com uma volatilidade de 13% a 3 anos, risco 6 ( portanto fundo com variações de 25% ) acham mesmo que para este fundo o melhor seria ter uma estratégia de market timming? consegue-ria-se melhor do que 13% ao ano em 7 anos a tentar "adivinhar" quando acabavam os dips ou os tops? Nelson Mandela disse uma vez: "Tudo é considerado impossível até acontecer", eu não direi nunca que seja impossível, óbvio que é possível, mas digamos, ou é uma grande dose de sorte... Este tipo de discussão, o pessoal que me desculpe, se há quem chame arrogantes a uns, ou velhos outros , é discussão que irá permanecer sempre, não é só nós que somos meros mortais e que tentamos ganhar alguma coisa com o pouco que temos, é mesmo a nível de grandes investidores, eles próprios cada um tem a sua opinião, portanto não se sintam "ofendidos" quando eu ou alguém diz que para nós o ideal é sentar no sofá, espero que esta minha expressão seja entendida como ela deve de ser, uma expressão de exagero, aprendemos com os erros, já alguém em tempos também dizia: " só quem não experimentou o erro, nunca experimentou nada novo", e como já fui sangue na guelra, e andava todas a noites a ver o mercado, e a ler noticias, e a ver se adivinhava como se ia comportar o mercado, acabei por experimentar o erro da pior forma, talvez tenha tido azar, inexperiência, numa altura em que não havia blogs sobre estas temáticas, decidi enveredar por outro tipo de abordagem nos fundos, estava a tentar fazer nos fundos o que talvez devesse fazer nas acções, mas porque hei-de eu estar a fazer isso se estou a "pagar" uma comissão ao gestor de fundo para fazer isso por mim? em boa hora tive esse pensamento, estou mais tranquilo, ainda levei uma bela dose de água fria em cima ( ano de 2008 que muitos aqui nem sonham o que foi ), mas percebi que, um 2008 acontece de décadas em décadas, que no futuro já estaríamos melhor preparados para quedas deste tipo, a não ser que fossem novamente grandes falências de bancos, e mantenho essa opinião. Não quero mudar mentalidades, quero aprender mas também deixar claro o que fui como investidor e o que sou, a 1ª página com alguns fundos não foi inocente, e Outubro será uma data marcante do tópico, faz 5 anos, para mim o horizonte chave, e vamos ver quanto se ganhou, ou se ganharia, em 5 anos com estes fundos, numa perspectiva claro de buy and hold, nunca saberemos se poderíamos ganhar mais em fazer market timming, mas se querem saber, nem me interessa .
  3. 4 points
    Estou quase certo que me daria muito que pensar. Há 6/7 anos mudei para a opinião que tenho. Estou certo que poderei mudar de volta para a opinião original, com que vivi tanto tempo como esta. Concordo plenamente. E se eu fosse perito de alguma coisa não duvido que continuasse com a mesma opinião. Já me apercebi que estou excessivamente agressivo. Infelizmente dou-me bastante mal com stress (com que vivo actualmente na minha vida). Quem me conhece sabe que não é por mal que às vezes saio assim agressivo e a internet ainda piora, pois ainda é mais complicado perceber as intenções de outrem devido a ser só escrito. Peço desculpa se acharam que faltei ao respeito a alguém. Por favor continuem como se nada se tivesse passado. Mas com a vossa permissão gostaria de um dia mais tarde (2 a 3 meses, e quando a minha vida tiver normal) voltar a este tema, mas desta vez sem animosidades. Acho que se alguém tem capacidade de prever recuperações e ganhar $ devíamos explorar isso. Terei todo o gosto em seguir várias carteiras que farei em excel/R (ou que for) e se de facto ao longo dos anos alguém provar por a+b que tem vindo a conseguir ter bom timing aproveitarmos todos as "dicas" dessa pessoa. Já sabem que sou da opinião que ng vai conseguir, mas não sou dono da verdade e a minha opinião é inconsequente para o facto de alguém conseguir isso ou não. De novo peço desculpa se saí demasiado agressivo. Acho que toda a gente merece respeito, independentemente da idade.
  4. 4 points
    Podes ver no site das finanças e noutros sites os coeficientes, neste artigo do Observador essa questão foi abordada, fala mais em ETFs mas fica um resumo: "Até 2014, a mais-valia fiscal era contabilizada pela diferença entre o preço de venda e o preço de aquisição, abatido do custo da venda, como as comissões de bolsa. A partir de 2015, o preço de aquisição pode ser multiplicado por um fator de correção monetária, o que pode baixar a tributação efetiva dos investimentos. À partida, se o contribuinte não optar pelo englobamento dos rendimentos, é alvo de uma taxa de imposto de 28% sobre as mais-valias dos investimentos. Todavia, graças à correção monetária, a tributação pode ser menor – até muito menor. (Poucas vezes o englobamento vale a pena; seria necessário que a taxa a aplicar a todos os rendimentos fosse mais baixa do que a taxa de tributação efetiva dos investimentos.) Um investidor que tenha gasto 1.000 euros em títulos do iShares Core MSCI World ETF no final de 2009, teria vendido a posição por 2.123 euros no final de 2015, alcançando uma mais-valia de 1.123 euros. No entanto, o valor de aquisição usado no cálculo da tributação seria de 1.080 euros, porque o fator de correção para as aquisições em 2009 é de 1,08. No final, a tributação à taxa de 28% resultaria num imposto de cerca de 290 euros, o que se traduz numa tributação efetiva de 25,8%. Este cálculo assume ainda a declaração de uma comissão de bolsa de cinco euros na compra e na venda, porque, além do custo da venda, a Reforma do IRS também veio permitir o abatimento do custo da compra. Porque é importante investir para o longo prazo? Porque o fator de correção monetária só é aplicável quando a compra foi efetuada há mais de 24 meses. Além disso, quanto mais longa a duração da aplicação, maior é o fator e, logo, menor a tributação. (Pode haver exceções, como em 2009, quando a inflação nacional foi negativa: o fator de correção de 2009 é superior ao de 2008.) O Ministério da Finanças publica anualmente os fatores de correção monetária a aplicar nas alienações nesse ano. Em novembro de 2015, a última vez que o fez, o fator para aquisições em 2011 era de 1,03, por exemplo, mas, para compras realizadas em 1987, era de 3,07. O impacto do fator de correção monetária pode ser drástico. No limite, a taxa de tributação efetiva é nula. Um investimento de mil euros no índice MSCI World a meio do ano 2000 teria gerado um ganho efetivo de 387 euros no final de 2015 (assumindo uma comissão anual de gestão de 0,20% e comissões de bolsa de cinco euros na compra e na venda). Todavia, o preço de aquisição ajustado pela fator de correção monetária (1,38) é superior ao preço de venda, por isso o fisco não tributaria esta operação. A taxa de tributação efetiva seria de zero". http://observador.pt/especiais/corte-nas-calorias-engorde-as-poupancas-no-longo-prazo-com-custos-baixos/
  5. 3 points
    E agora para uma perspectiva "totalmente diferente": http://monevator.com/coping-with-the-guilt-of-losing-money/ Agora olhem para a data desse artigo. Bom fim-de-semana and keep saving and investing!
  6. 3 points
  7. 3 points
    Erro de principiante. Entrar num mercado super volátil (ver histórico) após um rally de 3 meses que subiu cerca de 18%. Mas a malta não pensa? Acham que se subiu 18% em 3 meses, vai continuar a subir mais 18% nos próximos 3 meses? Ou não irá antes corrigir para tomada de mais-valias, daqueles que corretamente, compraram ANTES da subida desses 18%? Mas cada um é que sabe de si. Eu quando vejo um comboio a passar a alta velocidade, não salto para cima dele em andamento. Já o fiz no passado e caí com estrondo. Entretanto já aprendi que só convém saltar para comboios que estejam a abrandar ou que esteja parados idealmente, para depois quando ele começar a andar, eu já esteja lá sentado, confortavelmente.
  8. 2 points
    Só para baralhar um pouco mais esta conversa... Na minha ignorancia, eu uso ambas as estratégias (buy&hold e buy the dip) e passo a explicar: tento fazer reforços periodicamente (por vezes de 2 em 2 meses e noutras vezes de ano a ano); se observo um dip e não tenho capital para investir, uso uma parte do fundo de reserva (10% a 25%) para reforçar; depois tenho uma de duas situações: ou consigo repor num curto prazo o fundo de reserva ou vendo quando subir. Por enquanto, ainda não tive que vender para repor o fundo de reserva. Acredito que não há apenas uma estratégia certa mas sim uma estratégia certa para cada tipo de situação. Seja qual for a estratégia, desejo a todos que os lucros aumentem.
  9. 2 points
    Mas nem vou entrar nesses pormenores, falei de uma forma genérica e para tentar compreender porque se anda neste stress constante de entrar, sair, e ai ai está tudo a cair não vou fazer fundos, e ai ai está tudo a subir não vou fazer fundos porque está tudo nos "máximos", e ai ai isto está calmo de mais, vejam lá que até o VIX mal se mexe este ano é porque vem aí coisa... De forma genérica cada fundo tem o seu mandato de gestão e classe de risco, é para o risco que eu sempre olho, mais do que a rentabilidade, e é preciso se compreender que estamos a nos substituir ao gestor do fundo, andamos a tentar adivinhar o mercado. Como disse a trás, temos de fazer o nosso trabalho que é escolher os fundos dentro da nossa perspectivade de risco e tempo de investimento, zonas geográficas, a diversificação, etc, o resto é deixar andar, a não ser que não estejamos convictos que este ou aquele fundo seja um bom fundo ou fundos que sejam alvo de fusão ou liquidação, mas isso já temos de estar atentos, eu passo dias sem ver o que se passa no mercado, se não entro aqui e vejo os comentários nem sei se as bolsas subiram ou desceram!!
  10. 2 points
    Pois mas fé é no dia 13 em Fátima. Por cá a gente deve reger-se por números e factos. O facto é que agora paga 28% de IRS. E facto é que ninguém sabe se daqui a 20 anos vai pagar 28%, ou 35%, ou até 15%. Factos.
  11. 2 points
    São mas só se quiser, os fundos portugueses não têm essa obrigação. Se forem Fundos Mobiliários quadro 10 Código G30 ou G31, se forem fundos Imobiliários Quadro 10 Código G30 ou Quadro 11B Código G41.
  12. 2 points
    Sim, são no anexo G. Ser no quadro 10 ou 11 depende da data de aquisição deles, como indicado no modelo.
  13. 2 points
    Ainda não entendi..."investem" 25€ para ganhar 2,5€ brutos? qual o interesse mesmo? ou se investe como deve de ser ou então para andrar a investir 25€ mais vale estar sossegado 😂
  14. 2 points
    Então vai aproveitando as quedas que nós vamos aproveitando as subidas 😂
  15. 2 points
    Se há tanta certeza em quedas tens de apostar também em ETFs que ganhem com as quedas dos mercados...
  16. 2 points
    Sem querer parecer muito rude na minha intervenção, mas esta tem o seu quê de disciplinadora. Porque pede ao D@vid para lhe explicar a queda de um fundo que o caro antoniobento subscreveu, sem ninguém o obrigar? Será que quando o fez não tratou de se informar do que estava a comprar? Caso o tenha feito, antes de perguntar ao D@vid, porque não enriqueceu a sua cultura financeira sobre os activos em que investe indiretamente? Afinal de contas é o seu dinheiro. Se o tivesse feito saberia que das empresas que compõem esse fundo, mais de 50% estão nos EUA e saberia que na semana que passou, houve apresentação de resultados das empresas (Impacto #1). Mas mais importante ainda, e aqui está a chave para a queda que penso que fale (da semana passada), é que o fundo negoceia acções americanas em USD mas tem as UPs em EUR (Impacto #2) e como sabe, ou deveria saber, o resultado das eleições francesas em que ganhou o Macron, fez com que o EUR apreciasse significativamente face ao dólar, fazendo com que pelo menos só pela desvalorização do USD face ao EUR (-2% em cerca de uma semana), pelo menos metade da carteira desse fundo levou taulada, ou seja, só pelo câmbio, ele perdeu -1%. Agora se os resultados dessas empresas que compõem o fundo tiverem sido positivos (e foram, praticamente todos bateram estimativas), o ganho dessas acções dessas empresas acabou por atenuar essa perda de -1%, para uns simpáticos -0,58%, pelo que diz a morningstar. Recomendo que, caso não conheça a ferramenta, faça um X-ray aos seus fundos e à sua carteira no geral, ao menos para perceber onde é que está a residir o seu dinheirinho, para assim conseguir saber o que causou o quê nos seus activos: Instant X-Ray morningstar Não me leve a mal, mas não seja mais um "lesado do BES", se é que percebe a analogia. Se não perceber, diga, que eu explico.
  17. 2 points
    Se estiveram sujeitos a retenção à taxa liberatória, como é normal, só precisa de declarar se desejar englobar
  18. 2 points
    10 COISAS PARA RECORDAR EMPERÍODOS DE VOLATILIDADE: A volatilidade é uma parte normaldo investimento de longo prazo Os investidores de longo prazosão geralmente recompensadospor assumirem o risco de ações As correções do mercado podemcriar oportunidades atrativas Evite terminar e começarinvestimentos Os benefícios do investimentoregular acumulam-se A diversificação de investimentosajuda a tornar os retornos maisregulares Um enfoque no rendimentoaumenta os retornos totais O investimento em títulos dequalidade gera retornos no longoprazo Não se deixe influenciar pelosentiment geral O investimento ativo pode seruma estratégia muito bemsucedida Fidelity
  19. 2 points
    Tendo em conta essa localização, sendo um T4 e o proprietário "marreco" de saber que terá sempre uma taxa de ocupação superior a 80% ad eternum por essa ordem de valores mensais ( 1000 - 1200€ ), das duas uma: Ou ele está desesperado por dinheiro ( não me parece tendo em conta esse cenário que disse em cima ) ou então nunca venderá esse imóvel por menos de 250 000 - 300 000€ Um T4 desse género com áreas porreiras, tendo em conta a antiguidade do prédio, o IMI deverá rondar os 300 - 400€ / ano e o condomínio entre 20€ - 45€ / mês Se comprasses o imóvel por 200 000€, terias ainda que pagar o IMT que rondará os 6 000€ Por 200 000€, com 1000€ limpos / mês ( ~1500€ com recibos ), 300€ de IMI / ano e 25€ / mês de condomínio o teu ROI líquido rondaria os 5% ... neste cenário demorarias cerca de 19 anos só para amortizar o investimento ... só após esses 19 anos é que seria lucro propriamente dito sem teres trabalho / empate capital .. Se eventualmente adquirisses por 200 000€ o imóvel, presumo que seria com recurso ao crédito bancário. Tendo em conta as taxas de crédito para aquisição de 2ª habitação, esse ROI líquido em vez de 5% seria esmagado para uns 3% ... e o tempo de amortização talvez para uns 25 - 28 anos ..... visto que tens 29 anos de idade, significaria que essa casa só estaria amortizada quando tivesses 54 - 57 anos de idade .. e isto partindo da premissa que os pressupostos que coloquei em cima seriam cumpridos ( taxa ocupação de >80% durante esses 25 - 28 anos, valor de rendas etc ) 200 000€ para aquisição acho que era um cenário muito muito favorável ... duvido sinceramente .. apontava mais para os 300 000 - 350 000€ porque o proprietário se não andar a dormir, sabe que isso tem potencial para continuar a pingar durante muitos e muitos anos ..
  20. 1 point
    Esta mais que estudado que no LP a % de investidores que batem o mercado de forma consistente e tao pequena que uma pessoa acreditar que faz parte dessa elite e enganar-se a si proprio em 99% dos casos.
  21. 1 point
    Vá, não vamos aumentar as animosidades. Estou a preparar umas coisas que deverá dar para seguir as carteiras. É assim que as pessoas aprendem, independentemente de quem. Só com números e provas. Neste momento pode ser uma pessoa ou outra, no futuro serão outras. Se tivermos uma base de dados com as "apostas" ou "dicas" vamos criando algo que fica para a posterioridade. Um possível jogo de "bater o índice", por exemplo. O objectivo será educar e tentar moldar mentes vindouras, com base no que pessoas do "presente" acham, sentem e conseguirão ou não fazer. E quem sabe não teremos até entre nós alguém que aos longo dos anos mostre ao menos alguma capacidade de comprar no dips. @Cardoso24, quanto mais estudo mais aprendo que mais vale questionarmos o pensamento vigente, só assim é que se evolui. Muitas vezes até se fazem coisas aparentemente estúpidas mas... já saí várias vezes surpreendido na vida quando tinha a certeza que tinha a razão até ... me aperceber que estava errado. Acho que um jogo deste tipo acabará eventualmente por dar um local para as pessoas mostrarem o passivo vs activo, em vez de andarmos aqui a discutir o sexo dos anjos, e não convencer ng de nada. Com palavras não se vai lá. Alguém terá razão. Eu tenho a minha opinião mas não é necessariamente a verdade. P.S. Da minha parte eu também entrarei, porque a sensação que conseguimos fazer bons trades tb vive em mim. Como disse, vivi 7 anos com essa opinião e às vezes o bichinho ainda lá está
  22. 1 point
    Louvo a tua postura e compreendo que escrever atrás de um ecrã nos potencia as energias negativas com que andamos a viver no dia-a-dia. Acho que todos já passámos por isso. A questão é que neste fórum e em particular neste tópico, toda gente tem primado pela postura mais pedagógica, no sentido de evitar que pessoas bom baixa literacia financeira cometam erros que lhes podem sair muito caro, por exemplo. Agora no que toca a estratégias daqueles que já sabem uma coisita ou outra, toda gente tem a sua e todas são diferentes. É interessante até, no final de cada ano compararmos o nosso desempenho. Eu costumo dizer que nesta matéria dos fundos não há um "One Size Fits All", porque acima de tudo, não se sabe nada sobre quem está do outro lado, que motivações tem, quanto é que está a investir, quanto é que representa do seu património, etc.
  23. 1 point
    o portfolio que me atraiu mais, faz parte da lista https://portfoliocharts.com/portfolios/ . Provavelmente o autor tem uma visão mais local (US), não sei, estou a especular ) apenas pretendia um portfolio do tipo buy and hold, como foi dito no post anterior.
  24. 1 point
    Patanisca o que dizes são fundos de investimento de acções risco 7 onde não existe limite, abaixo disso tens uma protecção maior, nem faria sentido que assim não fosse, eu não posso ter o mesmo risco de drawdowns num fundo risco 4 em comparação com um fundo risco 7, faz o simples exercício, pega em vários fundos, vê a sua classe de risco e vai ver as quedas máximas que tiveram, faz para o ano de 2008 por exemplo, vais ver que se encontram sempre dentro da sua classe de risco. É óbvio que não é só sentar no sofá, mas olha que não é muito mais que isso, depois de escolheres uma carteira, com a diversificação pretendida, que mais tens a fazer? reforçar e porventura algum resgate se o fundo foi alvo de alguma fusão, ou alteração de gestão, mas mais do que isso é meio caminho andado para perder dinheiro. Não pretendo alterar mentalidades e formas de ver as coisas, eu apenas acho um desperdício de tempo e desgaste mental andarem sempre preocupados com os mercados, esse é o papel do gestor do fundo, se é assim, porque não investir directamente em acções?
  25. 1 point
    @N.Rocha 1) Carteira Golden-Butterfly Acções (40%): Total USA (20%) + Small Cap Value (20%) Obrigações (40%): Long-Term (20%) + Short-Term (20%) Ouro (20%) 2) Carteira N. Rocha Acções (60%): World Value (20%) + EMU Small Cap (20%) + Emerging Markets (20%) Obrigações (30%): Euro Government 7-10y (20%) + Euro High Yield Corporate (10%) Ouro (10%) A minha opinião: As duas carteiras são bastante diferentes, logo o risco calculado pelo Portfolio Charts (medido pelo StdDev - standard deviation) há-de ser diferente. As obrigações High Yield são de alto risco e, por isso, têm maior retorno. Eu prefiro ter obrigações de menos risco, deixando o risco superior para as acções. As obrigações de 7-10 anos são de médio prazo, não são de longo prazo. Para longo prazo, temos de usar 10-15 anos ou 15+ anos. No entanto, nunca é demais avisar que quanto maior for o prazo da obrigação maior é o risco no caso de haver um aumento da taxa de juro. Há alguns ETF da carteira N, Rocha que têm distribuição de dividendos: Vanguard Emerging Markets (A1JX51);Ishares High Yield Coprporate Bonds (A1C3NE); iShares Euro Government Bond 7-10yr (A0LGQA). Como já foi falado aqui, é preferível ter ETF que acumulem os dividendos. Uma sugestão como alternativa (mantendo as percentagens da carteira N. Rocha): Acções (60%) - Total USA (40%): IWDA iShares Core MSCI World UCITS ETF (40%) ISIN IE00B4L5Y983, WKN A0RPWH https://www.justetf.com/de-en/etf-profile.html?isin=IE00B4L5Y983 - Small Cap Value (20%): ZPRS SPDR MSCI World Small Cap UCITS ETF (20%) ISIN IE00BCBJG560, WKN A1W56P https://www.justetf.com/de-en/etf-profile.html?isin=IE00BCBJG560 ou SPDR MSCI Europe Small Cap Value Weighted UCITS ETF (8%) ISIN IE00BSPLC298, WKN A12HU7 https://www.justetf.com/en/etf-profile.html?query=small++cap&groupField=index&from=search&isin=IE00BSPLC298 mais SPDR MSCI USA Small Cap Value Weighted UCITS ETF (12%) ISIN IE00BSPLC413, WKN A12HU5 https://www.justetf.com/en/etf-profile.html?query=small++cap&groupField=index&from=search&isin=IE00BSPLC413 Obrigações (30%) - Long Term (15%) Lyxor EuroMTS 10-15Y Investment Grade (DR) UCITS ETF EUR ISIN FR0010037242, WKN A0DM6N https://www.justetf.com/de-en/etf-profile.html?query=FR0010037242&groupField=index&from=search&isin=FR0010037242 - Short Term (15%) Lyxor EuroMTS 1-3Y Investment Grade (DR) UCITS ETF EUR ISIN FR0010222224, WKN A0HGFC https://www.justetf.com/en/etf-profile.html?query=FR0010222224&groupField=index&from=search&isin=FR0010222224 Ouro (10%) EGLN iShares Physical Gold ETC (10%) ISIN IE00B4ND3602 https://www.justetf.com/en/etf-profile.html?isin=IE00B4ND3602
  26. 1 point
    @D@vid Concordo apenas em parte no que dizes. O que dizes é válido para apenas alguns fundos. Fundos cujas regras permitam a alocação de capital a liquidez é que podem fugir de uma queda acentuada, por exemplo. Mas no caso de fundos de acções, cuja composição da carteira é 100% acções e as suas regras assim o ditam, se houver uma correção, esse fundo comporta-se de forma muito semelhante a acções, logo irá sempre acompanhar o comportamento de um determinado mercado accionista. E se a queda for generalizada, não há muito que o gestor possa fazer. O Fundo tem acções e se todas elas desvalorizarem, não tem por onde escapar. É óbvio que se pode e deve aproveitar momentos de correcção, particularmente em fundos de acções, para aproveitar descidas de preço nas cotações das acções e por consequência na cotação das UP do fundo. Daí se debater neste tópico coisas como timming, análise de mercado e clima económico. Se muita gente tem dinheiro investido em fundos de classes de risco baixas, com mecanismos de defesa contra desvalorização de mercados accionistas ou de obrigações (exemplo de fundos mistos), também há os que procuram a máxima rendibilidade através dos fundos de acções, através da exposição aos mercados accionistas, com tudo o que isso representa. É errado assumir que ao entrar num fundo, independentemente da categoria e do clima dos mercados, entrar e ficar sentado no sofá à espera que valorize sozinho é sempre sinal de obter os melhores resultados. Os fundos têm a sua gestão, mas se fosse mesmo assim com deste a entender (embora saiba que não foi a tua intenção), apenas havia um fundo ou apenas uma categoria de fundos, onde toda gente metia lá o dinheiro e esperava que a melhor casa gestora fizesse o seu trabalho. Mas existem diversas categorias já para que o investidor também possa ter um papel decisor na alocação dos seus activos, seja em diversificação ou em entradas/saídas definidas pelo próprio.
  27. 1 point
    É claramente residente fiscal para o ano inteiro e só deve meter uma declaração de IRS:
  28. 1 point
    Foi essa igreja e umas freiras alemãs para arranjarem um telhado
  29. 1 point
    @MiguLuso eu também gosto dessas empresas, o problema é que encontrá-las com um desconto enorme é complicado (exemplo BBRY que agora está a voltar ao que foi). A NVDA é uma empresa brutal. E ñ está cara! SNAP será um twitter ou um FB?. A minha primeira impressão assim que vi o seu market cap vs lucros foi short, short, short! Ñ vejo valor valor potencial aos valores em que está. No entanto o mercado gosta deste tipo de empresas e é sempre um risco. Eu pessoalmente vejo os curtos sob outra perspectiva. Isto partindo do principio que a empresa é boa e está numa fase diferente (que é o caso dos CTTs com os recursos que tem gasto no banco). Se os curtos estão e reforçam, algum dia vão ter de fechar a posição porque os juros que estão a pagar compensa com uma boa queda (o que se verificou). Depois se vão recomprar então o preço terá de subir e assim irão criar uma nova tendência e atrair a atenção de novos investidores, aumentando ainda mais a força buy. Já para ñ falar que ñ se fecha posicoes curtas num único dia. Os curtos também erram e qnd o fazem sai lhes caro. Na Ren só mesmo dps do AC. Isso relativamente ao BCP é bem verdade e triste, mas o pessoal é da opinião que só se perde dinheiro qnd se vende...Eu falo no BCP não para LP, nem pensar.
  30. 1 point
    Hã? Oi? 2017 está a ser (estranhamente) dos anos mais calmos desde há muito tempo. The Stock Market Is Weirdly Calm. Here’s a Theory of Why.
  31. 1 point
    Na Mintos já tinha lido sobre a Creamfinance e alguns riscos. Sobre essa misturada entre a Mintos e loan originators ainda não. Temos de acompanhar de perto. Felizmente na maioria das plataformas tenho pouco capital investido. Até hoje não notei nenhuma falha na Mintos (nem nos pagamentos, nem nos loan originators).. por isso fico na dúvida. De qualquer maneira tem aqui os links das reports da Mintos de 2016 https://blog.mintos.com/annual-report-2016/ https://www.mintos.com/en/about-us/investor-relations/ Nós portugueses graças ao BES sabemos que isto vale o que vale. Mas sempre dá para ir acompanhando. As contas são auditadas pela Ernst & Young. (de vez em quando também dou uma olhadela a este fórum: http://p2pindependentforum.com/thread/8851/mintos-results-2016 ) ( http://p2pindependentforum.com/thread/6835/warning-invest-mintos-before-reading )
  32. 1 point
    Partilho sim, já o fiz alguns posts atrás, está aqui o link do Dropbox: http://ganha-facil.eu.pn/Raize.html Mas aviso já que é algo muito básico
  33. 1 point
    Kepp calm and carry on
  34. 1 point
    Tenho aqui a literatura indicada para si http://trocospormiudos.blogs.sapo.pt/englobamento-de-rendimentos-de-capitais-3851
  35. 1 point
    AR PPR é um fundo que é meio obscuro para mim, não investiria nele mas tem a melhor performance e isso é inegável. O NB PPR tem uma média de 6,61% ao ano desde que começou em 1991, não posso olhar apenas para uma performance em apenas 1 ano nos fundos, o Leve PPR Duo é um seguro. Tinha um PPR no BPI ( BPI PPR Acções ) na altura em que fiz o CH, mas resgatei tudo. Esbarrei com isto no Best, engraçado... vem mesmo numa altura em que os ataques informáticos estão na ordem do dia:
  36. 1 point
    Obrigado. Eu li o relatório gerado pelo site do banco best, porém no mesmo era imperceptível a diferença entre ambos. Existe algum site onde possa ver o significado das diferentes siglas que aparecem na maioria dos fundos?
  37. 1 point
    Nada como ver os folhetos do produto digo eu.. A classe R tem comissões mais altas que a P. E o H é de Hedged. Logo HR EUR significa que o fundo é Hedged e pertence à classe R, a mais cara para particulares, em Euros.
  38. 1 point
    Boa tarde. Ao necessitar de crédito encontrei no banco de Portugal esta situação. Créd. Conjunto: 1º. mutuário Produto Financeiro: Crédito automóvel. Prazo Original: Mais de 2 até 3. Prazo Residual: Indeterminado. Situação do Crédito: Abatido ao activo. Não aparecem datas sobre esta entrada em meu nome no Banco de Portugal, pelo que dato esta situação entre 2003 e 2005. Durante este tempo todo sempre trabalhei (exceptuando 2 anos) e tive a minha situação regularizada junto a segurança social e finanças, logo se me quisessem procurar não seria difícil. Até hoje passados cerca de 12 anos nunca me foi penhorado nada. O que é estranho porque com dividas costumam vir penhorar o ordenado. Em 2015 abri uma conta ordenado no Santander, e fiquei com um plafon de 800€... Com o nome "sujo" no Banco de Portugal, como me foram dar esse plafon que não é nada mais do que um crédito? Como estava casado na altura a minha esposa ficou de 2º mutuário, há a possibilidade de ter sido regularizada essa divida da parte dela? Se assim fosse, não deveria o meu nome ter ficado limpo? Agradeço qualquer parecer que me possam dar sobre a situação.
  39. 1 point
    Clap, clap, clap. Muito bem.
  40. 1 point
    Admira-me a vossa surpresa. Tinha-vos em investidores mais atentos/experientes. Então vamos analisar. "buy de rumur sell the fact". 1ª volta, antes do resultado, tudo tremido até aparecerem as primeiras sondagens, efectiva-se a vitória do Macron com uma 2ª volta, onde as sondagens davam 60% vs 40%. O efeito medo de Frexit dissipou-se nos resultados da 1ª volta, tiveram o CAC e os restantes periféricos a bombar, EUR a valorizar à grande, porque a incerteza ficou praticamente desfeita aí. Esta 2ª volta o resultado era mais do que esperado, com as sondagens a darem tanta diferença entre os candidatos. Então é claro, como sabem o Macron vai ter de formar governo em Junho nas legislativas e não vai ser nada fácil. O Trump tá a passar o que está e são só duas facções, agora imaginem um liberal e sem partido a tentar formar Governo, onde irá ter de fazer alianças à direita e à esquerda. Daí se estar a vender os ganhos feitos entre a 1ª volta e a 2ª, porque as casas de investimento sabem bem que virão agora a longo prazo mais tempos de incerteza: As atenções voltam-se para a França mas também para o resto da Europa e para um BCE que ainda está a segurar a garrafa de soro à União. Eu se fosse trader já tinha vendido tudo o que tinha comprado antes da 1ª volta, esta manhã. Reparem que as valorizações foram fundadas em euforia e não em factos. Vide efeito eleição Trump. Promessas e esperança fazem os traders ganhar dinheiro, fundamentais e factos fazem os investidores ganhar dinheiro.
  41. 1 point
  42. 1 point
    1 - Paga IRC sobre o lucro tributável, eventualmente acrescido de tributações autónomas (que fazem parte do IRC) 2 - Em princípio não, porque existem vários mecanismos de isenção de IRC sobre dividendos recebidos de participadas. Mas têm algum pormenores a que é preciso atender. 3 - Nem sei o que lhe diga...
  43. 1 point
    O que posso dizer em relação à doação é que quando a sua mãe falecer, o valor que recebe agora com a casa entra depois para as contas das partilhas. Se o valor monetário da parte da casa que recebe agora for superior à sua quota parte das partilhas, então tem de pagar tornas à sua irmã.
  44. 1 point
    Artigo muito bom e completo a explicar os vários rácios dos fundos: http://pt.fundspeople.com/news/guia-para-interpretar-corretamente-os-ratios-da-ficha-de-um-fundo
  45. 1 point
    Acho que é melhor pedir a um contabilista que o ajude, pois julgo que não estará bem a compreender o seu preenchimento.
  46. 1 point
    Chegou a vender tudo ou ainda ficou com algumas dessas acções?
  47. 1 point
    Se estiver a falar de um particular vender acções/quotas que detém de uma determinada empresa, a mais-valia obtida está sujeita a uma taxa especial de 28%, sem prejuízo do seu englobamento. Se as acções/quotas forem de uma PME, a mais-valia pode ser só considerada por metade.
  48. 1 point
    A liquidação é uma espécie de venda forçada, visto assim de forma muito liberal. A mais ou menos valia será apurada entre o valor da aquisição e os valores recebidos aquando da liquidação.
  49. 1 point
    Também não sei o que lhe diga.
  50. 1 point
    Alguém tem novidades sobre a DeGiro? Que tal têm corrido as experiências?