Fóruns

  1. Finanças

    1. Créditos

      Créditos habitação, automóvel, pessoal, ao consumo e afins

      13.269
      publicações
    2. 12.379
      publicações
    3. Seguros

      Seguros de saúde, automóvel, vida, multi-riscos, acidentes pessoais e todos os outros

      1.136
      publicações
    4. 726
      publicações
    5. 4.124
      publicações
    6. 24.526
      publicações
    7. 28.891
      publicações
  2. Fiscalidade e Trabalho

    1. Impostos

      IRS, Segurança social, IMT, IMI e simuladores fiscais

      26.922
      publicações
    2. Segurança Social

      Subsídios, pensões, abonos e outras contribuições de carácter social

      565
      publicações
    3. 1.060
      publicações
    4. Trabalho por conta própria

      Trabalhadores independentes, ENIs e micro e pequenas empresas

      683
      publicações
    5. 2.018
      publicações
  3. Geral

    1. Apresentações

      Quem és, de onde vens e para onde vais?

      687
      publicações
    2. Diversos

      Para falar de tudo o resto

      10.585
      publicações
  4. Fórum

    1. Regras

      Regras do fórum

      2
      publicações
  • Estatísticas de Utilizadores

    22.849
    Total de Utilizadores
    217
    Mais Online
    Leoj
    Utilizador Mais Recente
    Leoj
    Registado
  • Estatísticas do Fórum

    13.530
    Total de Tópicos
    131.101
    Total de Publicações
  • Tópicos em Destaque

  • Tópicos Recentes

  • Publicações

    • maj.lraep
      em portugal não, mas a DEGIRO creio que não cobra nada. é holandesa mas permite abertura de conta por portugueses.
    • Ra
      Minha opinião: 1. Neste caso, o problema seria a prova. Misturando-se o dinheiro (próprio com o do casal) numa conta solidária, a prova ao fim de uns anos de casamento pode ficar dificultada por não se saber se o dinheiro herdado não estava já gasto pelo próprio herdeiro. Conseguindo provar que o dinheiro ainda existe ou que foi investido num determinado bem, os 50000 são dele. 2. Neste ponto, a casa será sempre do filho, no entanto as benfeitorias (obras que valorizam) feitas durante o casamento serão dos dois. Numa partilha o proprietário (herdeiro) teria de ressarcir a ex-mulher pelo valor de metade das obras. 3. Aqui, parece-me que não se pode confundir a propriedade do bem com a utilização desse bem. O bem é dele, a utilização foi dos dois. Ela apenas contribuiu com as despesas normais para que pudesse também usufruir do bem.   Na minha opinião sim, é dele.
    • Visitante jdram
      Podemos levantar o $$ todo da conta? Existe algum banco onde não se pague a guarda dos títulos cá em Pt para onde poderiamos transferir as ações?  Como se poderia fazer uma doação ou encontrar alguém que as aceite? Ou como poderíamos encontrar alguém que as compre fora da bolsa?
    • Cardoso24
      O maior problema é as pessoas meterem-se em algo que DESCONHECEM totalmente. A juntar ao facto de pagar a custódia pela guarda de títulos, não pode usar as menos-valias em IRS porque não houve venda... A única solução é encontrar alguém que as compre fora de bolsa ou fazer uma doação. As regras não são imorais porque sempre foi assim. Você devia ter pensado nas coisas, antes delas terem acontecido.
    • Visitante Maria,Maria
      Boa tarde, Então a interpretação que faço do artº 1722, é que o " bem oferecido" , à semelhança do que tiver na data do casamento, é seu...ou seja neste caso a carrinha é do meu filho, não entrando nas partilhas.Correto? Obrigada     
  • Utilizadores Populares

    1. 1
      Ra
      Ra
      5
    2. 2
      PedroPinto
      PedroPinto
      1
    3. 3
      JRJordao
      JRJordao
      1
    4. 4
      ruicarlov
      ruicarlov
      1
    5. 5
      Patanisca
      Patanisca
      1