Actividade últimas semanas

A apresentar todo o conteúdo publicado nos últimos 15 dias.

This stream auto-updates   

  1. Última Hora
  2. Desde já peço desculpa ao @Jpnop por utilizar o tópico dele . No caso de um fundo que tenha sofrido fusão ( um fundo absorvido por outro ) tenho que declarar alguma coisa? No ano 2016 tive 2 situações dessas....
  3. Hoje
  4. Sem dúvida muito interessante.
  5. Da minha experiência, as diferenças reais entre a maioria dos fornecedores andam na ordem dos 0,50€ a 1,50€ por mês. Se ainda não o fizeste, vê o que dão para o teu caso os simuladores da ERSE e da DECO.
  6. Boa tarde, Tive uma empregada doméstica, diariamente, a tomar conta do meu pai, doente de Parkinson. O horário era das 10 às 17 e 3 noites por semana. Entretanto, a sra. disse que já não aguentava fazer as noites e este mês já só fez o horário antigo. Por evolução da doença, foi necessário recorrer a uma empresa especializada de apoio interno e permanente. No contrato que assinámos há dois anos, a cessação do mesmo seria comunicada com um mês de antecedência e só dei 15 dias ... Pensei que o que teria de pagar agora seria o subs férias, as férias não gozadas e o subs. Natal. A senhora reclama 1 mês por cada ano de trabalho! Agradeço a vossa ajuda. cumprimentos
  7. Mas estou a falhar em alguma coisa?? O que pretendes mesmo? o que é isso de cálculos das mais valias? falas nas declarações emitidas pelo banco?
  8. Assumi (talvez erradamente) que a questão do Roger se referia à habitação própria permanente, não a um arrendamento.
  9. IMI

    O meu marido é cabeça de casal, há um imóvel que ainda consta nas partilhas, os herdeiros terão de pagar o IMI, ou caso não paguem terá de ser ele obrigatoriamente? Obrigada Ana
  10. Na TWINO não há nada com garantia de buyback para investir, é normal? Aliás não encontro sequer nada para investimento que não esteja delayed nos pagamentos. É só ratings C
  11. Ou seja o NAV varia consoante o valor das acções das empresas que possui + a compra de acções por acumulação de dividendos do fundo + oferta/procura num dado momento por esse ETF. Ou seja é possível - sobretudo em movimento bruscos de mercado - um investidor pagar pelo ETF abaixo do NAV do ETF. Este é o meu entendimento claro..
  12. Pagas os 30 cêntimos por estares na modalidade "fim do mês". Já te tinha avisado sobre isso, a 30 de Janeiro
  13. Boa noite, Cenário : 1) Filho que tem a 31 de Dezembro de 2016, 25 anos 2) Tem um ato isolado emitido e estágio com redimento no mês de dezembro Está nas condições de dependente do agregado familiar para o ano de 2016. Dúvida: Se for mais vantajoso para ambas as partes (Agregado familiar e ele próprio) é possível não o incluir como depedente e ele próprio entregar o IRS sózinho? (Nota: não sei se tem vantagens, porque ainda não simulei) obrigado
  14. Ontem
  15. Boa noite, Durante o ano de 2016 comprei um apartamento (escritura a 2/10/2016) e vendi o antigo (escritura feita a 28/11/2016). Hoje recebi em casa um valor de IMI para pagar relativo aos 2 imóveis. Sei que o novo proprietário do meu antigo imóvel pediu isenção de IMI. Tenho que pagar os dois? Não seria suposto pagar apenas do novo apartamento? Desde já agradecido, JM
  16. Lamentável sim, é o facto da Exma. Sra. Vanocas pensar que um fórum serve só para proveito próprio, que é o que você faz neste fórum sistematicamente. Pode, no entanto, se quiser procurar no fórum o número de vezes que ajudei/ajudo. Não vou é ajudar uma pessoa que "anda" neste fórum há mais de 4 anos, não sabe onde colocar as suas dúvidas, e que não faz minimamente o trabalho de casa. Ainda se lembra de ter feito também "off-topic" no tópico "Fundos de Investimento" com uma questão totalmente fora de contexto e que mostrou que só se preocupa consigo?. "Ainda fico aguardar que um dia "se designe, ajudar de forma útil" duvidas/questões de membros, pois até ao momento nunca o fez com a minha pessoa." - Só tenho "pena" que a sua memória seja curta.mas também não vou procurar nos meus mais de 2000 comentários com "138" pontos positivos (que significam que ajudei alguém numa determinada questão-/dúvida, lhe ajudem a perceber a barbaridade que aqui escreveu), ainda bem que há quem pense de forma diferente. Arrufos criou você ao responder-me dessa forma, despropositada e com pouca humildade porque simplesmente não lhe respondi, nem disse o que queria ler. PS- Já respondi a vários utilizadores em "off-topic" não faço é questão de ajudar aqueles que, pelos vistos, não merecem, não me enganei.
  17. Boa tarde, Gostaria de perceber se com um contrato de exclusividade a decorrer à cerca de 1 mês e meio poderei cessar o mesmo? Após o mesmo ter terminado poderei fazer a promoção a nível particular? Obrigada
  18. caderna predial urbana
    M.

    Necessito de um esclarecimento - Alteração Titular Caderneta Predial Urbana- Estou a comprar um apartamento que necessita alteracao do Titular na Caderneta Predial Urbana. O Titular ja se encontra correto na certidao Permanente. Quanto tempo e' necessario para que a Caderneta predial ser corrigida pelo vendedor? Tenho um emprestimo no Banco a espera desta Caderneta para poder prosseguir com a avaliacao do Imovel. E um CPCV a 60 dias com termino a 5 de Maio... Agradeco desde ja qualquer informacao ;-)
  19. Obrigado a ambos... Sim, eu também já li bastante sobre estes Certificados mas sinceramente ainda não tenho uma opinião formalizada. Penso que o ponto negativo seja a não possibilidade de resgate, porém a ideia passa por não resgatar (embora ninguém saiba das necessidades de amanhã).
  20. Bom dia, As rendas pagas por os sujeitos passivos podem ser repartidas ao meio em caso de entrega de Irs separado? Sei que nos juros dos empréstimos a habitação própria permanente se pode fazer. Obrigado
  21. O banco CTT também parece-me uma boa solução.
  22. Última semana
  23. Se há uma cláusula que diz que o empréstimo se destina a um determinado fim e esse fim foi alterado, em teoria houve uma quebra do contrato, sim. A partir do momento em que uma das partes quebra o contrato, a outra pode denunciá-lo ou exigir alterações. No entanto, a lei impõe que se a mudança de casa de dever ao facto de algum dos membros do agregado familiar ter ficado desempregado ou de ter mudado de emprego para uma localidade a mais de 50km de distância, o banco não pode mexer no spread. A mesma coisa caso se trate de uma situação provocada por um divórcio desde que quem fica com a casa não fique com uma taxa de esforço superior a 55% (ou 60% caso haja 2 ou mais dependentes). http://clientebancario.bportugal.pt/pt-PT/Credito/CreditoaHabitacao/Perguntasfrequentes/Paginas/Perguntasfrequentes.aspx (questões 18 e 19)
  24. O facto de não ter assinado um contrato de trabalho não quer dizer que a relação de trabalho não exista. Contacte a entidade patronal no sentido de ser accionado o seguro contra acidentes de trabalho, uma vez que se tratou de um acidente na deslocação entre o emprego e a sua residência. Aproveite para informar das despesas que já teve e que suportou do seu bolso, para saber que procedimentos deve adoptar para ser reembolsado das mesmas. Se houver resistência denuncie o caso à Autoridade para as Condições do Trabalho.
  25. partilhas

    Indo por partes: A herança será constituída pelos bens próprios do seu pai (os que já eram dele antes do casamento) e por metade dos bens comuns (sendo que a outra metade continua a ser propriedade da sua viúva). Há 3 herdeiros (os dois filhos e a viúva) que, a menos de algum testamento a dispor em contrário, dividirão entre si os bens da herança. Cada um tem direito a um quinhão do mesmo valor, mas não têm que dividir necessariamente todos os bens entre os três (por exemplo, um pode ficar com o dinheiro das contas bancárias e os outros com as casas e terrenos - o que interessa é que cada um fique com com o mesmo valor (havendo um herdeiro que fique com um quinhão maior terá de dar tornas aos outros, tipicamente em dinheiro). Podem assim, por exemplo, dividir entre os filhos os bens que eram próprios e deixar para a viúva uma quota parte maior nos bens comuns. Mas ela também pode ficar com alguns dos bens que eram só do vosso pai - apenas se toma em conta que parte dos bens entra para a herança, mas depois é a herança que é dividida - a proveniência dos bens já não é tão importante nas partilhas (embora se possam orientar por ela). Relativamente às rendas, enquanto as partilhas não forem feitas, é da responsabilidade do cabeça de casal administrar esses montantes (que não tem necessariamente de ser a viúva - é apenas uma expressão que se usa para se referir ao administrador da herança). O cabeça de casal deve prestar contas anualmente aos demais herdeiros, discriminando os rendimentos e os custos de administração da herança (por exemplo, o IMI dos imóveis que tem de ser pago é também da responsabilidade do cabeça de casal). Eventualmente pode pedir / distribuir dinheiros pelos restantes herdeiros. Quando as partilhas forem feitas, esse saldo é adicionado (ou subtraído) à herança antes de serem feitas as contas sobre quanto vai caber a cada herdeiro (na prática, é equivalente a dizer que as rendas e os encargos são distribuídos por todos na proporção do seu quinhão hereditário). Quanto à casa de morada de família, ela tem direito a ser encabeçada no direito de propriedade da mesma e no usufruto do recheio, na altura em que forem feitas as partilhas. Mesmo que fiquem com uma parte da casa, nada vos impede de a deixarem continuar a morar lá. Apenas a nota de que se registarem a passagem do usufruto da casa para ela, será dela a responsabilidade de pagar o IMI, enquanto essa situação se mantiver. Relativamente à possibilidade de os bens dela passarem para o resto da família é uma possibilidade real pois serão eles os seus herdeiros legais. A menos que ela deixe testamento em contrário (e se não é casada, não tem descedentes nem ascedentes, é livre de deixar a totalidade da herança a quem ela quiser). Sugiro ainda a leitura do Livro das Sucessões do Código Civil (a partir do artigo 2024º) que poderá ajudar a responder a outras dúvidas ou a chamar a atenção para algumas questões que ainda não ponderaram...
  26. Podem ainda optar por cada um ficar com metade de cada uma das casas. Ou o que ficar com a casa menos valiosa ficar ainda com cerca de 1/3 da outra para acertar as contas... Nestes casos, como cada um fica com o mesmo património, não há tornas a pagar ao outro... Em qualquer caso terão que ter sempre 0,8% do valor das casas (cerca de 372€ cada um) para pagar o imposto de selo, uma vez que se trata de bens imóveis.
  27. Tanto quanto sei a isenção é atribuída automaticamente. Se tiver direito, ser-lhe-à atribuída.
  1. Carregar mais actividade